Ministério da Educação

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Cquote1.png Você quis dizer: Méqui? Cquote2.png
Google sobre Ministério da Educação
Cquote1.png Experimente também: Mc Donalds Cquote2.png
Sugestão do Google para Ministério da Educação
Cquote1.png Experimente também: Ibmec Cquote2.png
Sugestão do Google para Ministério da Educação

Brasão do Brasil.png
Ministério da falta de Educação
Esplanada dos Ministérios, Bloco L – Brasília
Sempre fora do ar, mas tenta a sorte aí
Criado em 14 de novembro de 1930
Anterior Ministério da Educação e Cultura
Orçamento AbaixouR$ 0 Reais
Ministro Alexandre Frota, com assessoria de Mendonça Filho
Subordinados FNDE
INEP
CAPES
Conselho Nacional de Educação
® Desciclopédia

O Ministério da Educação e Cultura, ou simplesmente MEC é a razão pela qual o nosso país — se for um português que estiver lendo, estou falando do Brasil, não do buraco na Europa onde você mora — é tão incompetente em tudo que faz. O MEC foi reconhecido em abril de 2011 como sendo o maior parceiro do Mc Donalds no Brasil[carece de fontes], considerado como a maior parceria público privada (PPP) do mundo, perdendo apenas para a China[1]. A parceria inclui o fornecimento de mão de obra e a redução das alíquotas de impostos de por parte do órgão brasileiro e em contrapartida a multinacional americana oferece café da manhã e algumas matérias como o tempo da carne na chapa, bons modos e como tratar bem um cliente importante.

Dizem que a boa educação é essencial para que um país funcione direito, e como o objetivo do governo e da televisão brasileira é emburrecer cada vez mais a população, a prioridade de se melhorar a educação é mínima. Por isso, o MEC é o órgão mais preguiçoso e subornado do país, só serve de enfeite.

História[editar]

Estagiários do MAC trabalhando: Todos já passaram pelo Mc

O MEC começou em 1937 se chamando de Ministério da Educação e Saúde (ou seja, seria "MES", adiciona mais um "S" que vira mess, uma bagunça, o que define bem o país), ou seja, enfiaram dois assuntos muito sérios em um único órgão. Já eram preguiçosos desde aquele tempo, mas como os planos malignos do governo de roubar cada vez mais dinheiro da população ainda não estavam em vigor, o órgão provavelmente não servia só de enfeie - isto é, só para dizer que tem.

Em 1953, foi criado o Ministério da Saúde, para tratar dos assuntos de saúde pública — que até hoje é deplorável, estou escrevendo isso enquanto estou na fila do SUS, espero que chegue minha vez antes que eu morra ou que eu, pelo menos, possa salvar esse artigo antes de ir pro inferno - assim finalmente tirando do mesmo órgão da educação a responsabilidade da saúde. Se hoje em dia, o MEC ainda fosse responsabilizado pela saúde pública, a situação estaria tão ruim que estaríamos contratando médicos argentinos em vez de cubanos. O MEC passou então a se chamar Ministério da Educação e Cultura, sendo que "Cultura" só colocaram para poderem chamar de MEC.

Mesmo a palavra "Cultura" do MEC sendo inútil, decidiram também separá-la do ministério da educação, criando o ministério da cultura, responsável pela cultura do nosso povo... Eu nem preciso me esforçar para fazer piadas aqui, nosso país já fala por si só. Já que a cultura já não faz mais parte do MEC, e ele se chama somente "ministério da educação", esse "C" no final da sigla é completamente inútil. O pior, a pronúncia da sigla é ridícula, "méc", parece que tá falando de comida, como o Big Mac.

Competências do MEC[editar]

Um professor de humanas (não precisa saber se de história ou geografia) aplicando sua aula conforme as novas determinações do MEC.

Educação em geral, compreendendo ensino fundamental, ensino médio, ensino superior, ensino de jovens e adultos, educação profissional, educação especial, educação a distância, educação de cachorros, educação de traficantes, educação de terroristas, educação de gays, lésbicas, bissexuais, travestis, transexuais, pansexuais, cissexuais, blablassexuais, educação de fetos abortados, educação de mafagafos, educação de zumbis, educação de cadáveres e o mais importante, o MEC ensina a copiar artigos da Wikipédia e os tratá-los como verdade absoluta, exceto a parte sobre a Guerra do Paraguai, que o MEC doutrina segundo as ideias revisionistas que nenhum historiador sério defende.

Referências

  1. Mas também né... mais de um bilhão competindo com pouco mais de 200 milhões não tem nem como comparar.