Ministério da Fazenda

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Ministério da Fazenda faliu!
Graficozero.JPG Nem a Apple quita suas dívidas!

Outros que ficaram no vermelho.


Brasão do Brasil.png
Ministério da Fazenda
Esplanada dos Ministérios, Bloco P - Brasília
portal da fazendahuewhuw...
Criado em 28 de junho de 1808
Extinto em 1 de janeiro de 2019
Sucedido por Ministério da Economia
Orçamento R$ 38,6 bi (2018)
Subordinados CVM
Susep
BACEN
CMB
Serpro
CEF
BB
BASA
BNB
® Desciclopédia
Logo Brasil.png

Ministério da Fazenda (MF) foi um ministério paizão brasileiro, responsável por liberar a grana. No passado, era o Ministério da Fazenda quem definia uma crise econômica e a duração delas, bem todo toda e qualquer medida austera que o governo vier a tomar para proteger os interesses dos mais poderosos (principalmente os interesses dos coleguinhas políticos). Quando o governo precisava de grana, se o ministério achava que dava pra liberar, liberava, caso contrário é porque tava foda.

Quem presidia o ministério normalmente era um pau-mandado qualquer indicado pelo presidente. O cargo, se não o mais importante do país, era um dos mais importantes, sendo mais importante do que aquele cargo que qualquer boneco de posto pode assumir e sair por ai despachando ordem no Palácio do Planalto. E no Brasil, este o cargo que já tem certa relevância ganha uma importância ainda maior, pois aqui quem define o preço das coisas é o Estado e é ai que fodeu.

O ministério era um dos poucos acompanhados pelos brasileiros com mais de 30 anos e que tiveram de fazer poupança pra comprar uma garrafa de Guaraná Taí no fim dos anos 80, tamanha era a inflação inflacionada na época. Estas mesmas pessoas acompanha a secção de indicadores econômicos no Jornal Nacional, porque elas tem receio de que aquele tempo bom e sombrio volte a fazer parte da vida deles.

História[editar]

O ministro mais cagado em toda a história do brasil, incluindo FHC e Manteiga.

O ministério da fazenda surgiu quando o Brasil ainda era uma mera colônia dos portugayses e foi concebido inicialmente para ser um ministério (ou pastoreio) de fazendas. O rei do Brasil e o rei de Portugal ainda tinham uma relação bastante afetuosa, e juntos gostariam de manter seus feudos monárquicos para não poder perder a boquinha ou caso a perdessem, tivessem pelo menos um lugar que pudessem baixar a ordem na base do cassete (não existiam cassetetes na época a não ser os dos portugueses). O primeiro ministro da fazenda daquelas terras ainda fudidas foi um português que provavelmente tinha um nome composto com mais de 300 outros nomes, por isso não convém a nós da Uncyclomedia Foundation citá-lo aqui.

O governo Sarney foi difícil pra economia brasileira...

Depois do anuncio do divórcio entre Brasil e Portugal o ministério em terras do brasil europeu passou a se chamar Ministério das Finanças. O uso do sufixo "fazenda" para os portugueses era demais, considerando o tamanho daquele minúsculo quintal. E nada mais lógico também, já que um lote possui finanças, para áreas maiores que 1 (dois) hectares, o uso de fazenda se torna mais adequado.

O fim[editar]

Com a chegada de Jair Bostonaro ao poder, o Ministério da Fazenda foi desativado e deu lugar ao Ministério da Economia, para que Paulo Guedes tivesse total controle sobre as finanças do país pra privatizar o cu de quem tá lendo.

Ministros[editar]

Oh! Deus, Zélia nãããao!

Na terra da musa sapientum fixa o ministério continuou com o mesmo nome de sempre, mas dessa vez quem começou a tomar conta foram os BR de facto. Um dos primeiros a ocupar tal cargo foi seu novelista preferido, o Ruy Barbosa que na época era um político de boca-de-urna qualquer. Depois daí só os nota 10 em aritmética arcaram com o ministério. Nomes célebres como o Alckmin (não esse que você está pensando, é o megalomaníaco que mandou construir Brasília), Tancredo Neves e Bico doce como ministros do subversivo mor, Delfim (preferido dos milicos, conhecido por nascer com o cu virado pra lua), Dilson Funaro (dono do hue br troll), Maílson de Nóbrega (esse não era nada engraçado), sendo que os dois últimos só não entendiam de economia, mas foram o pau para toda a obra no desgoverno do dono do feudo maranhense.

Manteiga sobre a economia brasileira atual.

Depois dos anos 90 os mais notáveis foram a Zélia "Poupança dos" Mello (a Zélia!), THC (ele mesmo..), Rubens Ricupero (só está aqui pelo nome), o Ciro do angu do Gomes, Antônio Palocci Filho (o Pai da propina), ministro Manteiga e por fim Levy do arrocha (não daquele que você frequenta, ele é de outro tipo de arrocho, o fiscal).

Ver também[editar]