Mitsubishi Lancer

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Cquote1.png Que diabos aconteceu?! Cquote2.png
Leitor confuso com a mudança de Chrysler para Mitsubishi no título deste artigo.

Mitsubishi Lancer é um conhecido carro usado em rallys desde 1900 e guaraná com rolha e que foi visto pela última vez, em versão esportiva, em 2012, provavelmente achando que o fim do mundo do calendário maia ia rolar.

Características[editar]

Contando com um motor turbinado de 300 jp (jumento power) de fábrica, tanto a versão esportiva, quanto o Lancer 2.0 comum que vem sem turbo. O motor empregado é o MIVEC, Mitsubishi Integrated Variable Electronic Crap, ou Parafernalha Parafernália Eletrônica Integrada Variável da Mitsubishi, no bom português, que manda (mal e porcamente porque o carro é uma desgraça) para as 4 rodas do carro todo o poder de luta torque mequetrefe do veículo, e isso acontece porque assim disse Moisés na arca de Noé.

Profecia[editar]

Mitsubishi Lancer sendo abastecido com xixi.

Em algum ano escalafobético, a vizinha da tua avó teve uma visão de que algum desmiolado com hemorroidas iria fazer um veículo besta para competir num evento chamado Rally dos Sertões e vendê-lo para corredores entusiastas de máquinas agrícolas, como Hélio Castro Neves e Rubens Barrichello, que passariam a perder muitas corridas. Na época da profecia, eram apenas nomes feios aleatórios, mas quando geral se deu conta de que eles seriam pessoas reais, era tarde demais, para o quê, ninguém nunca soube, já que a velha ficou esclerosada, muda e rabugenta, mas deve ter algo a ver com uma maré de azar funhebenta. Pra contornar a má sorte, o Rubens parou de fazer comercial para a Mitsubishi e começou a fazer propagandas dos tênis da Nike. Como não deu certo, ele resolveu voltar a jogar sinuca e tênis de mesa. Quanto ao Hélio, deve ter se escondido em um balão, até ser sugado por alguma youtuber que ficou com a voz fina depois.

Expurgo[editar]

Após a Mitsubishi lançar Lancers nas versões: original, 2.0, esportivo, de luxo, enriquecido com ferro e ácido fólico, Evolution X que nome horroroso e assassino de velhinhas, ela lançou seu último modelo, o Lancer IX, também chamado de 9 por motivos óbvios. Do ano de lançamento até 2006, a Mitsubishi teve boas notícias sobre amendoins e cerveja a recepção do público em relação ao carro. Quando ele deixou de ser produzido, Sílvio Santos tinha parado de fazer o carnê do Bau e investiu pesado nos perfumes da Jequiti, angariando fundos para a compra e o estoque de peças de reposição em todas as concessionárias Mitsubishi no Brasil, o que poderia ser um sinal de ele que estava ficando gagá, no entanto, em 2012, ele percebeu que não era dono da Mitsubishi, então lançou um kamehameha para aniquilar os fundos, mas não mediu a própria força e acabou desintegrando todos os Mitsubishi Lancer feitos até então.

Competidores[editar]

Correção: competidor. O principal rival do Lancer foi o Subaru Impreza WRX STI, numa rivalidade parecida com Ford vs Chevrolet ou Grêmio vs Inter, mas neste caso, são duas rivalidades de Rally. Enquanto o Lancer era o veículo favorito de quem tem pau pequeno e gosta de gastar em coisas supérfluas, o Impreza firmou como o preferido da cena em geral, com isso, o Lancer foi extinto, jurando voltar em forma de um SUV para assombrar a Subaru.