Moadon HaKaduregel Hapoel Be'er Sheva

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Moadon HaKaduregel Hapoel Be'er Sheva
Escudo do Hapoel Be'er Sheva.png
Brasão
Hino '
Nome Oficial Moadon HaKaduregel Hapoel Be'er Sheva
Origem Bandeira de Israel Israel- Bersebá
Apelidos
Torcedores
Torcidas
Fatos Inúteis
Mascote
Torcedor Ilustre
Estádio
Capacidade
Sede
Presidente
Coisas do Time
Treinador
Pior Jogador Nuvola apps core.png
Melhor Jogador Crystal Clear action bookmark.svg.png
Patrocinador
Time
Material Esportivo
Liga Campeonato Israelense
Divisão ליגת העל
Títulos
Ranking Nacional
Uniformes



Moadon HaKaduregel Hapoel Be'er Sheva é só um time de Israel que ninguém conhece de um vilarejo do interior que ficou mais ou menos conhecido nos seus arredores após ter sido campeão israelense de totó em 2016 e ganhar o direito de fazer turismo na Europa. Mas basicamente é um time totalmente nada notório.

História[editar]

Fundação[editar]

O Hapoel Be'er Sheva foi fundado às pressas em 1949 como uma importante engrenagem no grande plano sionista de dominação do Oriente Médio, uma vez que para ser reconhecido pela ONU, o Estado de Israel, criado do nada, precisava ter um campeonato de futebol próprio reconhecido pela FIFA, e como só existia o Maccabi Tel Aviv, times como o Hapoel Be'er Sheva foram criados do nada para que o campeonato fosse estabelecido o mais rápido possível. O time situava-se num vilarejo de 300 famílias que iam todo fim de semana acompanhar o time (e levar suas ovelhas para pastar um pouco naquele gramado verdinho que até hoje é mais útil como pasto de animais do que palco para algum bom futebol que nunca foi visto).

Após o plano de criação de Israel ter sido concluído, por bom senso o time foi encerrado em 1952, afinal a sua cidade localizada no meio do deserto era uma tortura para os adversários terem que viajar para tão longe. Mas em 1955 alguém teve a má ideia de recriar a equipe, alegando que todos poderiam usar ônibus agora, uma vez que os camelos palestinos estavam já em desuso.

Bi-campeonato[editar]

Com a chegada do novo treinador Amatsya Levkovich, o Hapoel Be'er Sheva seria bi-campeão israelense. O novo estilo de jogo seria totalmente inspirado nos alemães nazistas, que jogavam para matar, e assim o time conquistaria o título de 1974–75.

Após o primeiro título, o Hapoel Be'er Sheva jamais mudaria seu estilo de jogo, focado inteiramente em condicionamento físico, correria e quebração de canelas alheias. Estilo que renderia o bi-campeonato de 1975–76, mas depois disso nunca mais ganharia algo.

Graças ap título de 76, o Be'er Sheva foi convidado a ser o primeiro time israelense a disputar um torneio da UEFA, a Copa de Totó Europeia de 1976, torneio o qual equivalia a terceira divisão da Champions League e era tão ruim e chata que não havia mais jogos após a primeira fase. Na primeira fase (e única) ficou atrás do Hertha Berlin e Standard Liège, ficando a frente apenas do desprezível Køge BK de Tuvalu Ulterior.

Como figurante[editar]

A partir da década de 80, e a seguir na década de 80 e nos anos 2000, o Hapoel Be'er Sheva passou a ser um mero figurante no campeonato israelense, servindo basicamente de saco de pancadas dos times realmente tradicionais do país. O sucesso na Copa de Totó Europeia de 1976, todavia, inspirou com que o departamento de futebol do time se dedicasse mais ao totó do que ao futebol de gramado, o que resultado em muitos rebaixamentos no campo, mas muitos títulos de totó, como um tetra-campeonato da Copa Toto.

Campeonato Israelense 2015-16[editar]

Após 40 anos ganhando só uns troféus meia-boca de totó, o Hapoel Be'er Sheva conquistou o seu terceiro título nacional após uma bem sucedida campanha na temporada de 2015-16, título conquistado apenas na última rodada, e algo que só foi possível porque o Beitar Jerusalem foi punido por manifestações nazistas na torcida, senão seria só mais um vice-campeonato.

Torcida[editar]

Sediado em Bersebá, o time do Hapoel Be'er Sheva é o único na pequena cidade rural bíblica onde só tem cedros e ovelhas. As 300 famílias locais estão sempre presentes no estádio, esperando o jogo acabar para pastorear suas ovelhas no gramado verdinho do estádio (para assistir bom futebol é que não é).

Títulos[editar]