Monólogo

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Um bom lugar para eu conversar comigo

Cquote1.png ZZZZzzzzZZZZzzz... Cquote2.png
Alguém numa peça de monólogo

Cquote1.png Estou só! Vou aproveitar para fazer um monólogo de minha autoria... Cquote2.png
Caco Antibes sobre estar só no palco

Definição[editar]

Monólogo, que é a mesma coisa que falar sozinho, é quando uma pessoa conversa com ela mesmo, ou seja, não precisa de ninguém mais para ter uma boa conversa. Significa que a pessoa que for adepta do monólogo sempre terá com quem conversar e não morrerá solitária, assim como eu acho que acontecerá comigo. Na verdade ela poderá morrer solitária sim, mas sentirá que não está sozinha. Conseqüentemente e mentalmente, ela não estará sozinha, então, morrerá feliz, a não ser que, ao invés de conversa, seja uma discussão. Um monólogo de discussão deixaria a pessoa estressada. Mas pode ser que o monólogo seja uma paquera. É dificil de acontecer, mas quando acontece, dificilmente eu me livraria desse grude que gamou em mim, e se eu conseguisse me livrar, eu poderia morrer, pois o grude que está grudado em mim é eu mesmo. Mas é possível eu paquerar eu mesmo numa boa. Eu mesmo costumo fazer isso, e é muito divertido, eu deveria fazer mais vezes. Para falar a verdade, eu acho o monólogo uma arte.

Praticante do monólogo

[editar]

Dizem que monólogo deixa a pessoa doida. Eu acho um absurdo alguém dizer isso. Eu converso comigo e nunca fiquei doido, muito pelo contrário, eu até gosto de conversar comigo e me sinto muito bem. De vez em quando até discuto um pouco, mas nada que um beijo em mim mesmo não resolva. É muito viciante monologar. Antes eu não gostava, mas quando me olhei no espelho e me vi, puxei uma conversa comigo e acabei me achando simpático. No começo foi estranho, porque eu era muito tímido, e eu era muito assanhado e extrovertido, mas aos poucos fui ficando mais solto e acabei me apaixonando por mim, e mim, acabou se apaixonando por eu. Hoje eu namoro comigo e estou muito bem junto comigo.

Um ótimo lugar para monologar

[editar]

  • Namorada ou esposa querendo discutir a relação
  • Pai e mãe chatos
  • Cheiramento de gatinhos
  • Esperar no vaso enquanto faz um nº2
  • Quando algo dá merda e você está sozinho
  • Ficar preso numa ilha com uma bola por anos
  • Professor tentando explicar eletromagnetismo
  • Einstein tentando chegar à equação da luz
  • Você visitando um falecido querido no cemitério
  • Crente pregando em praça pública
  • Outros

[editar]

Existem vários tipos de monólogo, desde os chatos até os imbecis. Exemplos de monólogo chatos são aqueles proferidos por políticos ou atores em suas respectivas profissões. A única diferença entre esses e os feitos por esposas, namoradas, pais e mães insatisfeitos é que você não é obrigado a estar presente. Um outro tipo de mónologo ocorre quando você faz alguma merda (no sentido literal ou não) e sente-se impelido a realizar exclamações do sorte de "Caralho, que merda, cara!" ou, numa versão mais light, "Putz, que cagada!", seguidas de outras sentenças ou não. Por fim, uma outra espécie interessante de monólogo é o famoso e altamente difundido "cantoria no chuveiro" e que, se ouvido por outras pessoas, pode arrancar desde risadas até gritos furiosos de indignação pela música de má qualidade.

Pessoas que já monologaram[editar]

Ver também[editar]