Monster Musume no Iru Nichijou

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Monster Musume no Urina Nissin Mioju
モンスター娘のいる日常
Monster Musume capas.jpg
Capas dos 6 primeiros volumes desse hentai
Gênero hentai com monsters girls
Mangá
Autor Okayado
Divulgação Tokuma Shoten
Onde sai Monthly Comic Ryū
Primeira publicação março de 2012
N° de volumes 12
Anime
Dirigido por Tatsuya Yoshihara
Estúdio Lecche
Onde passa Tokyo XXX
Primeira exibição 7 de julho de 2015
N° de episódios 12
Filmes -
OVAs 5

Monster Musume no Iru Nichijou é só mais um anime cuja única serventia é espalhar pelo mundo uma incômoda sensação de vergonha alheia entre pessoas de mente sã, recomendado para ser assistido sozinho num quarto escuro longe dos olhares dos pais e amigos sob pena de você ser julgado pela sociedade como alguém considerado "sem salvação" ou "pior que um lolzeiro". Tal anime supera todas as bizarrices já imaginadas por japoneses pervertidos presenteando o seu espectador com uma singela historinha de tolerância inter-racial e amor poligâmico entre um humano japonês e uma lâmia, um periquito, uma égua, uma sereia, uma gelatina, uma aranha e uma zumbi sem cabeça, todas harmoniosamente convivendo com todos seus fetiches dos mais leves aos mais pesados.

Inicialmente apenas mais um hentai envolvendo fetiches obscuros para um público doentio, a historinha ganhou uma inesperada repercussão e acabou tornando-se bem famosa. O renomado poeteiro Tatsumi Miojo Noku foi convocado às pressas para criar um anime totalmente excelente dessa historinha bizonha, com a única condição de não exibir órgãos genitais, criando ele assim um ecchi para ser assistido por toda família com a finalidade de passar uma bonita mensagem de tolerância e aceitação das diferenças como uma afronta direta às práticas dos bons costumes e apoio à libertinagem sexual.

Os fetiches apresentados pelo anime incluem zoofilia, bondage, cornidão, lesbianismo, estupro, pedofilia e necrofilia, com cada personagem focando em uma dessas pederastias doentias.

Enredo[editar]

O anime já começa pesado, sobre fetiches envolvendo masturbar cobras.

O anime se passa num Japão fictício no qual o furry e hentai bizarro tornaram-se parte do cotidiano normal das pessoas. Anteriormente existentes apenas no imaginário de fedidos otakus doentes mentalmente, agora, através de algum experimento científico pervertido, as hentai girls da categoria monster girl tornaram-se uma realidade factível e vivem comumente entre os japoneses! Como modo de manter a ordem, evitar estupros em massa e proteger as monsters girls, especialmente em vagões de metrô, o governo japonês estabeleceu uma lei marcial denominada de "Intercâmbio Cultural de Inter-espécies", na qual proíbe expressamente a possibilidade de machucar qualquer hentai girl sob qualquer circunstância, o que inclui proibição total da realização do coito inter-espécies de modo que os seres devem coexistir praticando apenas preliminares, sem penetração carnal e sem ejaculação masculina, assim mantendo-se o mínimo de decência nesse novo mundo.

Kimihito Kurusu é só um garoto normal que não tem pai nem mãe, não estuda e nem trabalha, mas que mesmo assim inexplicavelmente sustenta toda uma bela casa de classe média muito provavelmente através de assistencialismo do governo japonês resultado do denominado bolsa-otaku, no qual jovens japoneses recebem uma mesada governamental por solidariedade por serem otakus derrotados. Kimihito acaba precisando abrigar uma lamia como parte do tal Intercâmbio Cultural de Inter-espécies, uma garota metade cobra metade guria retardada que inicialmente é muito tímida por ser frequentemente confundida com o avião Chapecoense, mas rapidamente fica soltinha e percebe-se que a mulher-cobra é uma pervertida.

A cada novo episódio, Kimihito conhece uma nova espécie de hentai girl que traz consigo uma nova aventura e fetiches sexuais de hentai bizarro cada vez mais novos e gradativamente mais hardcore, passando por pedofilia sobre relação com meninas aparentemente menores de idade como a doce e inocente Papi, zoofilia sobre relação com cavalos, e culminando em necrofilia sobre relação com meninas sem cabeça que foram decapitadas.

Homens-porco fazendo protesto exigindo mais hentais sobre orcs estuprando princesas.

Kimihito é supervisionado por uma irresponsável chamada Ms. Smith, uma mulher folgada que não sabe cozinhar e só sabe filar a boia dos outros, ela coordena o seu próprio grupo de putinhas particulares denominado de MON, um grupo tático formado por uma zumbi, uma grandalhona, uma ciclope e uma menina seminua, grupo este que surgiu um tanto quanto aleatoriamente no anime numa tentativa desesperada de criar-se algo que não fosse um ecchi, mas sim variar para uma espécie de comédia-shounen num dos episódios em que este grupo bizarro de meninas chamado MON impede um atentado terrorista feito por Ganondorf numa banca de revistas. O grande vilão-porco ameaçava matar os punheteiros frequentadores do local caso suas nefastas exigências não fossem atendidas, que seria mais especificamente que toda a pornografia do mundo fosse substituída por histórias acerca de orcs gordalhões molestando e violentando sexualmente lindas princesas que no final se apaixonam pela masculinidade de seus algozes. Obviamente que Ms. Smith não poderia tolerar uma exigência dessas, e como humanos não poderiam machucar os orcs devido à lei, uma sniper ciclope fofinha, uma zumbi tsundere, uma ogre robótica e uma mestre dos disfarces dá conta de toda a confusão. Enquanto isso, o protagonista Kimihito está sendo apresentado aos prazeres do bondage ao conhecer uma aranha sádica viciada em amarrar os outros.

A grande vilã do anime que tem como por objetivo tirar a virgindade de todas residentes da casa, a gelatina Royal Suu, faz mais uma vítima.

O anime toma então outras proporções quando surge um projeto governamental acerca da legalização do casamento inter-racial, uma ideia de Barack Obama, um líder de governo muito pervertido que desejava que qualquer um entrasse no banheiro que bem entender, para espiar o sexo oposto em sua intimidade, e que esses ideais de igualdade deveriam ser expandidos também para a zoofilia, pois contemplar apenas o casamento gay seria muito sectarismo com as outras minorias. Nesse momento Kimihito percebe que está numa casa com umas 10 monster girls todas no absoluto cio, mas enquanto o governo não autorizar a poligamia, ele precisa escolher uma, e a competição sobre quem fica com esse pênis de ouro torna-se cada vez mais acirrada entre as garotas-monstro.

Um intenso combate decisivo no anime.

Em determinado momento, Kimihito começa a receber cartas com ameaças de morte de alguma espécie de psicopata ciumenta, numa tentativa infrutífera do anime tentar diminuir a quantidade de putaria de fetiches bizarros sem sentido e trazer um roteiro com pelo menos alguma história, uma tentativa na qual falharam miseravelmente, porque até a suposta briga de kaijus virou apenas uma chupação de tetas, meninas-pássaro gozando e tentáculos sugando mamilos de garotas-gelatina. No final as cartas de ameaça nada mais são do que uma pegadinha para forçar Kimihito a sair da friendzone e escolher alguém para finalmente transformar o anime em hentai, mas aí os episódios acabam antes que algo possa acontecer, porque se faltou realismo durante o anime inteiro, pelo menos no final um pouco de lógica ao percebemos toda a dificuldade do rapaz em pagar as contas de sustentar 10 garotas monstro que não trabalham, e que embora gostariam de pagar sua estadia com sexo, o seu anfitrião virjão recusa-se a transar com alguma dessas garotas bizarras até o último segundo do último episódio.

Personagens[editar]

Humanos[editar]

Kimihito Kurusu
Kimihito Kurusu. Sim, o desenhista tem extrema preguiça de desenhar olhos.
Ninguém nem sabe que o nome do protagonista é este uma vez que ao longo do anime todo todo mundo chama ele de algum apelido carinhoso. É só um virgem punheteiro que não estuda e nem trabalha que tem uma casa inteira só para si desde que seus desnaturados pais viajaram a trabalho, sendo que na verdade estes pais deveriam é ter vergonha do filho e o abandonaram para nunca mais voltar, afinal eles não fazem nem uma mísera ligação para o filho. Como é típico de um anime de harém, apesar de ser um baita retardado, Kimihito é dotado de uma piroca de ouro que faz todas as fêmeas do anime transbordarem de paixão por ele. O maior motivo de todas Monster girls o amarem tanto é o fato dele ser um pervertido doente que trata todas as meninas monstro como pessoas normais e pasmem sente até atração sexual por ela. Por ser gentil, caridoso, bondoso e prendado, é aquele típico protagonista que busca passar uma mensagem edificante de que transar com uma lamia, chupar os peitos de uma dríade ou constantemente pegar nos seios de uma centauro fêmea não devem ser tabus da sociedade, e que todos desejos sexuais, por mais doentios que sejam, devem ser compreendidos e aceitos.
Ms. Smith
A única mulher de corpo normal da história, que está ali para ser a segurança daqueles que fingem não ter tesão por uma Monster Girl. Mas de normal só o corpo mesmo, porque a cabeça já pirou há muito tempo, afinal ela é uma agente do governo folgada que só sabe reclamar do trabalho, faltar do trabalhar, reclamar do salário baixo e executar um serviço pífio e ignorante porque sabe que jamais será demitida. Ela então tem como função jogar todas as suas responsabilidades nas costas do garoto Kimihito, aparecer para filar seu almoço e vez ou outra protagonizar alguma cena mais sensual, mas que não tem muito destaque, pois já se sabe que o público-alvo desse ecchi são os pervertidos mais doentes possíveis, e uma mulher 2D normal não os satisfazem mais.

Monster girls[editar]

Miia
Miia, a protagonista e portanto a mais putinha de todas, embora seja virgem.
A principal menina-monstro do anime, é uma doce e alegre lâmia e a primeira companhia de Kimihito que já logo no primeiro episódio começa gozando ao ter a ponta de sua cauda de cobra masturbada pelo seu companheiro humano Kimihito. Ela é metade guria retardada do cérebro pra cima e metade sogra víbora da cintura para baixo, medindo ao todo cerca de 8 metros de comprimento, não possui veneno e tem como armas de ataque os macios peitões que usa para seduzir seu amado Kimihito e seu corpo de cobra constritora, e apesar desse corpo de cobra, ela usa uma calcinha que na verdade pode ser confundida com qualquer bandeirinha de festa junina. Como é um animal de poiquilotermia, ela tem a desculpa perfeita para constantemente precisar estar se roçando nos outros, feito uma verdadeira piranha mesmo, com a justificativa de que necessita regular sua temperatura corporal. A sua personalidade é a de uma guria que já passou da puberdade mas cujo intelecto defasado a faz o que a sociedade considera como "encalhada", ou seja, absolutamente desesperada para perder logo seu cabaço de cobra. Ela aliás foi enviada para o Japão pela mãe, um país famoso por ter todo tipo de pervertido, para tentar encontrar um namorado que aceitasse aquele corpo de cobra, e ao morar com Kimihito que a aceita, a paixão foi instantânea, porém é extremamente ciumenta e desastrada, recebeu um livro de receitas do Joselito, e seguindo as suas instruções, parece que defeca nas refeições que prepara com todo carinho para seu amado Kimihito.
Papi
Papi fazendo a alegria de mais um pedófilo.
Uma harpia loli, mas que como sempre, tem alguma justificativa bem forçada de que na verdade ela é maior de idade por mais que tenha um corpinho de pré-adolescente, mentalidade e atitude inocente de uma criança idiota de 8 anos de idade. Possui patas de galinha e ao invés de dois braços possui duas enormes asas de papa-léguas com as quais consegue ter a habilidade de levitar no ar, desde que não esteja ensopada de água o que faz suas penas ficarem pesadas. Claramente tem problemas psíquicos, o mais evidente um claro transtorno do déficit de atenção com hiperatividade mas também o Mal de Alzheimer, afinal ela tem um cérebro compatível com o de uma galinha em termos de memória. É portanto a predileta daquela classe de otakus pervertidos que deveriam estar na cadeia castrados, aqueles que se amarram em garotinhas de pequeno porte de mentalidade fofa e infantil que são facilmente influenciáveis, manipuláveis e compráveis. Apesar de seus passatempos serem brincar com crianças de rua e jogar Nintendo Wii, Papi é aquela que mais goza durante o anime gerando disparadamente as cenas mais constrangedoras de alguém um dia te flagrar assistindo. Como toda boa galinha, Papi também põe ovos, o que para um anime pervertido desses é um grande evento que foi até filmado por um baixinho pervertido, afinal quem não quer ver a cloaca de uma harpia botando um ovo enquanto uma garotinha que aparenta ser menor de idade geme como se estivesse transando? Como não tinha dono, acabou sendo adotada pelo tarado Kimihito.
Centorea
Centorea e seu amor por cenouras.
A milf desse harém bizarro, é uma mulher centauro que possui uma metade égua da cintura para baixo e uma metade loira peitudona da cintura para cima, sendo um verdadeiro deleite para os fãs de degradação animal e desrespeito à sua dignidade como Mônica Mattos e outras pessoas que precisam urgentemente consultar um psiquiatra ao realmente acharem uma centaura sexualmente atraente... mas pra quem insiste nesse fetiche, cenas de Kimihito escovando o seu dorso animal não vão faltar. Ela é uma herbívora e portanto ama cenouras sendo capaz de ter até orgasmos ao saborear tais especiarias que para o paladar dos humanos é tão mundana. Embora tenha a primeira vista uma personalidade forte, honrada e guerreira, rapidamente se percebe que ela é na verdade muito similar à Miia e que não passa de uma grande encalhada. Conheceu Kimihito enquanto perseguia um ladrão de motoneta, quando o taradão simplesmente montou no lombo da centaura fazendo-a se apaixonar e passar a frequentar sua casa.
Suu
Uma Slime Girl (mulher feita de gelatina Royal) dotada da incrível capacidade de conseguir fazer qualquer fêmea gozar só com umas esfregadelas. Como não possui cérebro ela não consegue se comunicar ou interagir direito com os demais habitantes da casa, e como não tem coração também não dá para dizer que tem bom coração, mas é bondosa, porém pervertida e bissexual. A sua origem também é incerta, mas acredita-se que essa entidade surgiu no esgoto através do acúmulo do esperma de todos japoneses otakus que arremessaram nos ralos de suas pias e chuveiros todas as suas frustrações sexuais por serem impedidos de transarem com suas monster girls até que este grande acúmulo de fluídos sexuais renegados acabou se misturando à amoeba resultante do lixo radioativo que vazou da Usina Nuclear de Fukushima I, dando assim uma forma e vida àquela lodo espérmico, além é claro de uma personalidade pervertida visando compensar as punhetas desperdiçadas dos otakus. Obviamente, quando a privada da casa de Kimihito entupiu (afinal, imagine o que a Centorea não deve fazer...) e Suu brotou por lá, a simpática slime foi prontamente adotada como parte da família, afinal ela exibiu seus poderes de cobrir as mulheres da casa de amoeba e fazê-las gozar só por isto, detendo o recorde de personagem que mais fez os outros gozar num mesmo ecchi. Por ter sua constituição inteiramente formada por gelatina Royal radioativa Suu precisa constantemente absorver porra, tornando-se perigosíssima quando vai ficando excitada desidratada, atacando qualquer mulher que ver pela frente, fazendo-a gozar quase que instantaneamente.
Meroune Lorelei
Uma sereia que gosta de se vestir em estilo Gótico Lolita sempre se apresentando em roupas impecáveis que facilmente se escorregam e ela fica gratuitamente nua o tempo inteiro. Por não possuir pernas, mas sim uma cauda de lambari, ela precisa de uma cadeira de rodas para se locomover no seco, o que nos remete a mais perversões pesadas e fetiches horrendos envolvendo gente inutilizada e indefesa. Embora Mero transmita toda uma aura de mulher gentil, educada e de alta classe sempre encantando todos ao seu redor quando começa a discursar, ela na verdade não passa de apenas mais uma grande pervertida nesse anime doentio, ela especificamente que tem um estranho fetiche em ser corna e outras coisas trágicas.
Rachnera
Claro que tem bondage também, especialidade de Rachnera.
Espécie de algum chefão renegado de algum jogo e que acabou caindo nesse anime, inicialmente como uma ameaçadora vilã, ela é uma entidade metade mulher dominatrix da cintura pra cima e metade aranha da cintura para baixo. É a mais ardilosa habitante da casa, afinal é praticante assídua de BDSM e veterana nessa arte, tendo uma particular preferência pelo bondage. Inicialmente uma vilã, ela é complexada com o fato dos humanos não aceitarem o seu enorme e medonho corpo aracnídeo, mas então ela acaba se encontrando com Kimihito num galpão abandonado, garotinho juvenil de pele sedosa que foi mais uma vítima perfeita para as sessões aleatórias de bondage, quando surpreendeu-se com o fato dele estar com uma ereção, assim ela alrgou a vida de vilã e passou a morar com Kimihito, e nas horas vagas amarrar as outras mulheres da casa em posições constrangedoras. Perde apenas para Suu, em quantidade de vezes que já fez as outras meninas do anime gozarem.
Lala
Uma cavaleira sem cabeça de pele azul que é o estereótipo daquela menina que se acha tenebrosa dark das trevas gótica from the darkness, mas que na verdade é só mais uma garota meiga querendo encontrar um amor para a sua vida. É a vilã final dona do fetiche mais pesado dentre todas as monster girls, a necrofilia, e portanto deseja matar Kimihito para realizar seu fetiche bizarro. No final das contas todo mundo descobre que ela não passa de uma poser fã da Ravena e que apenas tenta imitar sua depressão, mas que na verdade é tão guria retardada quanto todas as outras meninas monstro da casa.
Zombina
Lala, alimentando-se da sopa de amoeba que Miia insiste em preparar para o jantar.
Já não bastasse toda a bizarrice a que o anime obriga seus espectadores doentes se deleitarem com opções de fetiches irreais, uma das integrantes do esquadrão MON é Zombina (que nome criativo), uma zumbi tsundere! Secundária, aparece para salvar uma banca de revistas d eum ataque de orcs pervertidos, sendo metralhada, mas sem morrer, porque já está morta. Também tem seu encontro com Kimihito, o grande pervertido do anime, momento em que percebe-se que ele não possui qualquer nojo por pedaços de cadáveres, costurando a teta de Zombina quando ela precisou.
Manako
Uma ciclope sniper de elite que é moe, uma garotinha fofa e tímida que só quer ser aceita num mundo que não a discrimine por ter apenas um único olho que ocupa a sua cara inteira. Como o caso de todas as outras, só Kimihito é um pervertido o bastante para não se importar com esse detalhe, deixando Manako molhada de prazer com sua aceitação.
Tionishia
Uma ogre, figura de 3 metros de altura e bombada, esta sofre preconceito por ser marombada e por ter um chifre na testa, mas Kimihito está ali para aceitá-la do jeito bizarro que for e inclusive compartilhar um provador de loja de roupa com ela, afinal ele precisa apresentá-la aos costumes do Japão e este é um dos fetiches mais óbvios entre os japoneses.
Doppel
Uma pequena africana que está constantemente nua, talvez a única mulher sensata de todo o anime que em momento nenhum desenvolveu qualquer atração sexual pelo protagonista, embora ela tenha sido a autora da carta de ameaça, mas só para ver o circo pegando fogo mesmo.
Kii
Uma dríade da floresta que odeia os humanos por motivos bem óbvios, afinal humanos são malvados, que bebeu Água da Jamaica e ficou gigantesca.
Draco
Uma vilã menor que é yuri e seme e que portanto sonha com o dia que possa conquistar a escamosa Miia para si formando um perfeito casal de entidades de sangue frio. Apesar de sua banca de ser uma dragão poderosa, nas poucas vezes que aparece é estuprada, primeiro por Suu, depois por Rachnera.
v d e h
Este artigo fala sobre um anime.