Mozarlândia

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar

Mozarlândia é só mais uma dessas cidades desprezíveis que ninguém conhece e ninguém se importa do interior goiano. Localizado próximo ao inferno, Mozarlândia é a cidade vizinha de Araguapaz (conhecida como "Cavalo Queimado"), considerada a Capital da Carne Bovina de Goiás devido aos altos índices de bois de várias espécies existentes na cidade, seja gado de político que não faz nada por eles, seja corno manso das entediadas esposas infiéis do município.

História[editar]

Localizado no oeste de Goiás, região erma longe da civilização, longe até de Goiânia e Brasília, acredita-se que a cidade foi fundada em 1952. Agora para que fazer isso ninguém sabe, um lugar longe e sem nada. O primeiro nome do vilarejo não poderia ser mais apropriado, se chamava Barreirinho em alusão ao fato de que os nativos jamais viram asfalto na vida, o que resultava e ruas feitas exclusivamente de barro que sujavam as canelas dos habitantes em barro gerando o "barreirinho".

Por alguns anos distrito de Goiás, aproveitou-se da falência da ex-capital goiana para adquirir sua independência em, quando virou município. Desde então em Mozarlândia existe um único modo de se viver, que basicamente é casar-se e viver de amor, do contrário é mudar de cidade.

Geografia[editar]

O pequeno brejo da cidade. Por algum motivo, orgulho do povo local.

Localizada numa região montanhosa, há muitas pedras, mas água só quando chove mesmo, apesar que desde a afundação da cidade, onde foi jogada a Pedra Fundamental na cabeça do Sr. Mozar Andrade Mota, nunca se ouviu falar em chuva. Os moradores locais acreditam que seus bisnetos saberão o que é garoa, tempestade, e chuva de molhar bobo.

Clima[editar]

A cidade de Mozarlândia é uma fazenda quente pra caralho, faz 50°C de dia e 45°C a noite, Mozarlândia tem quatro estações bem definidas que são: verão, calor, quentura e mormaço.

População[editar]

Cidadezinha de 15.000 habitantes, ficando facilmente despercebida, Mozarlândia pode até não ser considerada a capital das mulheres e homens feios, mas há poucas pessoas com estilo por lá. Quando você vê uma garota ou um garoto bonito(a) em Mozarlândia, pode logo saber que ele(a) não é da cidade, ele(a) é certamente alguém de outra cidade e está apenas passando uns dias de castigo ali.

Economia[editar]

Pobreza, violência crescente e déficit de moradia são as características marcantes da economia local. A cidade se acha a Capital da carne de boi, mas nem tem tanta carne assim, embora boi aí sim há vários, mas isso não influencia na economia de lugar nenhum, exceto os bois que ficam comprando tudo o que as esposas mandam.

DJ é a profissão do momento na cidade e está bombando nas paradas musicais com seus hits (plagiados) inéditos, do tipo que até um chimpanzé reumático faria. O filho da puta apenas põe um CD, dá play e fica por ali, profissão moleza ideal para a juventude encostada da cidade. Esses DJs usam os mesmos 3 CDs por ano, embora o povo de Mozarlândia já esteja triste ao souberam que daqui mais ou menos uns 45 anos os CDs serão substituídos por pendrives.

Infraestrutura[editar]

Transportes[editar]

Atualmente, somando com os buracos locais, a cidade vem conquistando um patamar histórico onde nenhuma outra cidade já chegou, com o slogan "buraco é mato" para descrever a situação das principais ruas da cidade. Detalhe importante é que os buracos estão sendo usados como piscinas para população mais pobre (o que seria 90% da população).

Comunicação[editar]

Está cientificamente comprovado que a localidade de Mozarlândia dentro de um buraco longe do alcance de qualquer meio de comunicação previne que qualquer tecnologia do século XXI chegue à cidade, assim como GPS ou qualquer aparelho que esteja conectado a rede mundial de computadores, coisa que provavelmente irão conhecer apenas no ano de 2250 quando a água se tornar ouro e o lago - que um dia foi cheio de vida - secará pois já terão bebido sua água com piranhas, merda e tudo que tiverem direito.

Esqueça quaisquer possibilidades de um 3G não funcionar em Mozarlândia, isso não é possível nem pagando pelo melhor pacote. No máximo o ½G pega na cidade. A única melhor comunicação se baseia na fofoca alheia graças ao bando de fofoqueiras e fofoqueiros de plantão.

Lazer[editar]

A principal área de lazer deixada ao acaso é o Lago da cidade, um lugar formidável para caminhadas, passeio, cooper, trilhas de bike ou motocicleta, mas que na real ninguém dá a mínima.

Outra área de lazer é a praça da cidade que está mais para uma grande frigideira, o doido que quiser fritar ovo sem gastar gás, é só aparecer por lá, pois pode ter certeza que o mesmo sairá cozido assim que atingir a calçada. Uma utilidade também da praça é servir de point noturno para pseudos playbozinhos que não tem o que fazer da vida que ficam a noite inteira com os seus carros de som ligados escutando músicas escrotas e se achando os maiorais.

Mas a modalidade de lazer mais praticada em Mozarlândia é o de engravidar pessoas mesmo sem quaisquer perspectivas ou planejamento de futuro. Menininhas de 14 anos que não tem nada pra fazer de bom (como estudar, tratar com respeito os pais ou tentar ter um futuro onde não seja escravo do capitalismo) ficam com um cara diferente em cada noite e para elas "camisinha" é apenas nome de roupa de anão. Aí quando engravidam e não sabem de quem é o filho e tem que fazer exame de DNA com a cidade inteira, quiçá o estado inteiro, voltam choramingando para serem sustentadas pela aposentadoria dos pais/avós. Pode se contar nos dedos quem não está grávida nesta cidade. Antigamente a falta de televisão era a desculpa para as putarias dos avós dessa geração nefasta que tem 18 filhos cada, hoje em dia em pleno século XXI, onde todos estão aprisionados no mundo da fantasia da internet e fissurados pelo WhatsApp, não se sabe explicar cientificamente o motivo de tanta cachorrada do povo local.