Muaná

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Muaná
"MUUUUUUUUU, Ana!"
Bandeira de Muaná.png
Bandeira
Fundação Não disponível
Gentílico muanense
Lema Muanenses, uní-vos!
Localização
Localização de Muaná
Estado link={{{3}}} Pará
Mesorregião Ilha dos Búfalos
Microrregião Piriri
Municípios limítrofes Não disponível
Distância até a capital Não disponível
Características geográficas
Área Não disponível
População Não disponível
Idioma indioês
Clima Não disponível

Cquote1.png Você quis dizer: Semelhante a cobra? Cquote2.png
Google sobre Muaná
Cquote1.png Experimente também: Maná Cquote2.png
Sugestão do Google para Muaná
Cquote1.png Nunca vi! Cquote2.png
Stevie Wonder sobre Muaná
Cquote1.png Eu tenho medo! Cquote2.png
Regina Duarte sobre Muaná
Cquote1.png Parece comigo! Cquote2.png
Cobra sobre Muaná

Muaná é uma cidadezinha mixuruca que está localizada aleatoriamente no vasto Pará, no Norte do Brasil (ou no Sul, caso você esteja vendo o mapa de cabeça para baixo o que eu não duvido), mais precisamente na Ilha do Marajó, mas batendo de encontro com o resto de todo o Pará, estando bem na frente desta, se aproximando mais da capital, Belém, do que muitos outros municípios presentes nessa ilha de Lost considerada a maior em pluviosidade do mundo (o que eu começo a desconfiar, mas como não faço geografia, também pouco me interessa).

Assim como muitos outros municípios perdidos presentes nessa Ilha colossal, Muaná também teve a sua origem do nada, criada somente para fazer volume e encher o saco de deputados, senadores, governadores, prefeitos e toda uma leva de políticos somente para a criação desse lugar que em nada contribui para a economia do Estado. A sua real importância só aparece nas épocas de Eleições, quando os políticos realmente veem alguma importância nesse fim de mundo.

História[editar]

As famosas "Crateras Lunares", grande ponto turístico da cidade de Muaná.

A origem de Muaná é bem interessante se comparada com a de outros municípios da Ilha do Marajó, que geralmente surgiram ou de grandes aldeias indígenas que acabaram evoluindo devido aos índios gananciosos, ou de migração de nordestinos, que sempre vieram povoar não só o Norte como todo o Brasil. A criação do município de Muaná está associada à criação de uma grande fazenda nessa área. Tal fazenda era cheia de escravos trabalhadores braçais que serviam obrigatoriamente à algum fazendeiro (O RLY?).

Com o fim da escravidão ditadura que reinava sobre essa área e devido ao grande número de pessoas que haviam ali (ainda mais sem televisão, aí mesmo que o povo aumentava), foi-se necessário a criação de uma vila no local, que acabou gerando o município que se tem hoje. Além disso, Muaná é o único município que nunca pertenceu a nenhum outro, ficando imune dessas questões litigiosas até hoje, o que fez com que ela fosse ainda mais excluída, já que ninguém (até os tempos atuais) se interessa por aquela porção de terra dentro da Ilha do Marajó.

Geografia[editar]

Templo Românico existente em Muaná e que, devido à Inquisição, virou uma Igreja.

O nome da cidade tem origem, óbvio, indígena e quer dizer "semelhante a cobra", porém, assim como tudo aquilo que os índios denominam, não se sabe qual a finalidade desse nome ou em que a cidade se parece com esse ofídio. Será que porque seus moradores não tem pés nem braços, tornando-se assim uma raça de reptilianos ainda em estudos na Amazônia (nossa, viajei legal nessa), ou será que eles adoram se enroscar em um pau (ui!)?

Atualmente ela conta com cerca de 29.000 habitantes, algo muito pequeno se comparado com qualquer outra cidade que está localizada próxima as redondezas de Belém e que, pelo menos na teoria, deveria se beneficiar com os negócios lucrativos da capital que ainda vamos descobrir quais são, tanto quanto o contingente habitacional. O clima é superúmido, tudo isso por fazer parte da Ilha do Marajó, caso ela fizesse parte da Zona Metropolitana de Belém, seu clima seria do Infernal até o Apocalíptico, mas pelo menos todo mundo é feliz vivendo naquele fim de mundo (pelo menos assim eles falam).