Mulher egípcia

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Mulher egípcia é um tipo peculiar de fêmea muçulmana caracterizada por saber construir pirâmides e se maquiar muito bem. Espécime muito cobiçada durante a história da humanidade, afinal não foram poucas as nações que invadiram o Egito durante os milênios.

Aparência[editar]

Uma egípcia no imaginário popular.

Como toda árabe, a mulher egípcia é nariguda e tem pele bronzeada por passar o dia inteiro tomando um sol do cão, são altas e tem um formato de rosto estranho, seus cabelos são geralmente longos e sempre nos tons de queijo bolorado à caramelado esquecido em fundo de geladeira. O que chamam muito atenção nessas mulheres são os tamanhos exagerados de seus olhos ficando elas com uma estranha afeição de que estão sempre espantadas ou assustadas, olhos os quais elas tentam esconder tamanha aberração com quilos de rímel e sombra para os olhos, fazendo delas especialistas em maquiar contornos de olhos.

Ao contrário da crença comum, as mulheres egípcias não estão todas seminuas cobertas apenas em colares, pulseiras e coroas de ouro enroladas em seda com uma peruca em cabelo chanel de franjinha, talvez nem Cleópatra fosse vista assim e isso não passa de invenção de Hollywood que nunca foi ao Egito, eles foram no máximo pra Tunísia. O verdadeiro traje da típica mulher egípcia são seus tradicionais trapos esfarrapados enrolados por cima de todo corpo, denominados de burcas.

Comportamento[editar]

Engana-se aquele que acreditar que as egípcias são submissas só por viverem num país onde são obrigadas a cobrir 90% do corpo quando saem da rua e podem ser espancadas pelos seus maridos impunemente. Na realidade isso não passa de uma história criada pelas próprias mulheres egípcias para disfarçarem que são elas quem mandam no país, e isso é nítido quando nos protestos da Primavera Árabe só se viu mulheres nas praças de Cairo durante os protestos violentos. Muito as confundiam com homens, mas é que as egípcias não tem tanto seio mesmo, e como estavam mascaradas foram confundidas com rapazes.

Vida sexual[editar]

Diz a lenda que as egípcias são detentoras da vagina mais viciante do mundo e sabem realizar todas posições do Kama Sutra e ainda na modalidade oral, o que faz delas extremo objeto de cobiça lá no Egito ao ponto dos homens terem que criar leis específicas para manter as mulheres por perto, e principalmente com o corpo sempre coberto para evitar a cobiça alheia.

Até 2010 essa qualidade da mulher egípcia era só uma lenda narrada nos Contos Eróticos Perdidos de Cleópatra onde ela descreve com detalhes sórdidos, lidos por Marcelinho, suas peripécias sexuais. Todavia no ano fatídico de 2010 todas mulheres do Egito decidiram iniciar uma greve de sexo, a e o resultado inevitável foi a loucura dos homens que começaram a destruir o país e depor um presidente atrás do outro até o momento atual de caos em que o país se encontra.

Estas mulheres possuem um estranho fetiche acerca de furry, bestialismo e zoofilia, práticas cuja religião muçulmana tenta inutilmente abolir acusando a mitologia egípcia de ser apenas uma lenda, mas esse desejo sexual fica apenas reprimido nelas.

Egípcias Famosas[editar]