Mulher estadunidense

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
McdonaldsAmerica.jpg United $tate$ of McDonald'$

Este artigo é gringo! Não tente usar armas químicas de destruição em massa ou jogar aviões contra ele, Tio Sam agradece.

A maioria das mulheres estadunidenses não são assim...
...são assim!

Mulher estadunidense, também chamada de norteamericana ou simplesmente americana mesmo, é o exemplar do sexo feminino que se originou nos Estados Unidos da América, o que as caracteriza como as mulheres com o mais alto índice de folhinha verde per capita, além de serem as mais gordas de todo o mundo devido à forte concentração de calorias que ingerem diariamente através de sua nada balanceada dieta composta praticamente à base de McDonald's em todas as refeições, com exceção apenas do café da manhã, em que ingerem ovos fritos com bacon. Em compensação, são também as mulheres com os maiores seios de todo o planeta, ainda que, na maioria das vezes, estes sejam feitos de puro silicone.

Aparência[editar]

Conforme já citado ali no início do artigo na introdução acima, a estadunidense possui um altíssimo nível de gordura corporal espalhada uniformemente por todo o corpo, o que faz delas as maiores portadoras de obesidade dentre todas as demais espécimes femininas espalhadas em torno do globo terrestre. Algumas poucas exceções fogem a esta regra, geralmente adolescentes que são adeptas de anorexia e bulimia, e são estas que geralmente são divulgadas para a mídia internacional através dos filmes produzidos em Hollywood.

Outra característica marcante já citada em sua aparência é o fato de serem extremamente peitudas, o que faz com que muita gente acredite que são mulheres gostosas, mas geralmente os peitos são artificiais, mesmo nas gordas. As magras que são dotadas com peitões tendem a trabalhar no cinema pornográfico, mais cedo ou mais tarde.

Mentalidade[editar]

A versão oriental da mulher estadunidense.

A grande maioria das mulheres estadunidenses tingem o cabelo de loiro, até mesmo aquelas que já são loiras naturais, o que só acaba por comprovar a veracidade daquela história associada à burrice entre quem tem esta tonalidade capilar e também ressalta o quanto são adeptas de recursos artificiais para ficarem mais bonitas, ainda que os mesmos nem sempre funcionem conforme o resultado esperado.

As estadunidenses gostosas são preparadas desde cedo para seguir o estereótipo de puta, treinando na escola sua habilidade de sedução alheia através da ocupação de líder de torcida. E quanto aos estudos? Bem, foda-se essa parte do currículo escolar, nem é tão importante assim.

Vestuário[editar]

Os peitos são fortemente cultuados e sempre ganham destaque nas roupas das estadunidenses, com decotes tão fundos que, às vezes, fica inevitável pagar peitinho de vez em quando. O traje típico na juventude é o uniforme das já mencionadas líderes de torcida, que depois é substituído por biquínis com a parte de cima minúscula e a parte de baixo enorme, pois a bunda avantajada não é lá muito apreciada entre os habitantes da Terra do Tio Sam.

Vida sexual[editar]

São exímias pagadoras de boquete e iniciam bem cedo o treinamento para atingir a perfeição nesta prática. Apesar dos peitos grandes, não são muito adeptas da espanhola, pois como a comissão de frente raramente é natural, existe o alto risco de que o silicone possa explodir caso as tetas sejam friccionadas em demasia. Por conta disso, estadunidenses também raramente usam sutiã.

Norte-americanas em comparação com o restante do mundo[editar]

Estadunidenses famosas por não terem mais de 100kg[editar]