Murphydinâmica Quântica

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Martelo regua.jpg
Bj.jpg

Este artigo é relacionado à física.

Não estranhe se ler que sua mãe pesa 3000 N.

Não olhe diretamente para o laser com o olho que lhe resta.



Mecânica Quântica
{\Delta x}\, {\Delta p} \ge \frac{\hbar}{2}\,
Princípio da Incerteza
Murphydinâmica Quântica

Formulação matemática

Cquote1.png Teoria brilhante! Cquote2.png
Stephen Hawking sobre Murphydinâmica Quântica
Cquote1.png A teoria que faltava para a unificação da Física! Cquote2.png
Erwin Schrödinger sobre Murphydinâmica Quântica
Cquote1.png Totalmente excelente! Cquote2.png
Paulo Bonfá sobre Murphydinâmica Quântica
Cquote1.png Não entendi nada! Cquote2.png
Carla Perez sobre Murphydinâmica Quântica

A Murphydinâmica Quântica, conhecida também por QMD (sigla de seu nome em inglês, Quantum Murphydynamics) é a aplicação da Lei de Murphy na teoria da Mecânica Quântica. Embora seja parecida com a Eletrodinâmica Quântica (QED) e com a Cromodinâmica Quântica (QCD), seu poder é muito maior. A facilidade da QMD provém da única e simples frase:

As funções de onda da mecânica quântica sempre colapsam no ponto (do espaço-tempo) mais inconveniente possível.

Ou, na forma como foi explicada por seu criador, Eddie Murphy:

Cquote1.png Nunca fique imediatamente abaixo de uma função de onda, ou ela irá colapsar na sua cabeça. Cquote2.png


Cquote1.png A Lei de Murphy é invariante na mudança do referencial S para o S'! Cquote2.png

Cquote1.png Não adianta fugir a função de onda vai te pegar! Cquote2.png
Tradutor Google sobre Princípio acima

Cquote1.png A Lei de Murphy é invariante por rotação! Cquote2.png Está ai a origem da expressão: Cquote1.png Cagou rodando! Cquote2.png ou Cquote1.png Jogou merda no ventilador! Cquote2.png


Tabela de conteúdo

[editar] Bases da Mecânica Quântica

as particulas fazendo fuck fuck.

De acordo com a Mecânica Quântica, para um ser ignorante tudo existe em uma nuvem de várias coisas, até que alguém que acha que tem cérebro, também conhecido como físico experimental, resolva tentar enxergar o que deseja (veja Princípio da Incerteza de Heisenberg) com qualquer parafernalha maluca que ele tente construir para tal fim e a nuvenzinha deixa de ser nuvenzinha e passa a ser aquilo que o mané está "enxergando". De fato, ninguém pode entender o que acontece. Tudo o que pode acontecer, quando se analisa um sistema quântico, está guardado dentro de funções de onda. Isto significa que as partículas elementares estão de sacanagem com a nossa cara, brincando de forma aleatória e em todos os lugares ao mesmo tempo enquanto não estamos vendo-as e, em seguida, quando vamos olhá-las, elas se assustam e se se transformam num pontinho ridículo.

Durante anos, físicos malucos tentaram entender o que acontece quando vemos um sistema quântico, mas todos falharam miseravelmente e inventaram uma historiazinha ridícula para boi dormir, um caô do cacete, de que existem perguntas "irrespondíveis" na natureza. Por outro lado, segue-se que o chamado colapso da função de onda (quando as partículas elementares se assustam e tomam um lugar específico) é uma consequência inevitável! E quem manda a função colapsar? A Murphydinâmica Quântica responde esta questão, propondo que, ela colapsará para o pior estado possível.

Exemplo: Mulheres! Está mais do que provado, comprovado, e recomprovado de que as mulheres são quânticas! Ninguém é capaz de saber exatamente o que elas querem! Nem elas mesmas! Tem um experimento simples que qualquer um pode reproduzir em seu cotidiano para validar a lei de Murphy quântica! Tem aquela gata que você está de olho e "parece" que ela está a fim de você, ou não (vou chamá-la de "gata de Murphy" parodiando o famoso experimento do nosso amigo Schroendinger)! Você então, pode modelá-la como um sistema de dois níveis, algo mais ou menos assim:

|gata de Murphy> = a|tá a fim de você> + b|tá cagando para você>

Aí você realiza a medida, ou seja, você chega na gata! Pode ter certeza, meu amigo! A função de onda vai colapsar para o estado |tá cagando para você>, finalizando o seu experimento e validando a Murphydinâmica quântica! (isso também é válido se você realizar a observação com o musculosinho burro da facú que repetiu física I 4 vezes, ao invés de você, só que dessa vez, como prediz a murphydinâmica quântica, o estado colapsará para |tá a fim do troglodita acéfalo!>) .

Mas não pense que isso é tudo! Evidentemente, se você sabe o estado exato em que a função vai colapsar de antemão, isso será inconsistente com o princípio da incerteza do caôzeiro do Heisemberg! Portanto, por algum motivo que você, manezão, desconhece, pode ser muito inconveniente ela "estar a fim de você" e o estado colapsar para essa situação, tal qual prevê a lei de Murphy!

[editar] Os mecanismos elementares da Murphydinâmica Quântica

Albert Einstein, que não gostava de jogar dados com o universo, disse que existem locais oculto-variáveis (mágicos, temporais, coincidências, etc...) que determinam o colapso das funções. A QMD propõe que, na realidade, o azar é o único inconveniente em jogo no universo.

A QMD também fala que cada partícula elementar tem uma Carga de Murphy (Murphy Charge, em inglês), medida pela unidade Murphy (M). Ao contrário da Eletrodinâmica Quântica e da Cromodinâmica Quântica, as taxas na Murphydinâmica Quântica estão sempre desequilibradas. Este desequilíbrio das taxas pode resultar em um forte atrativo, chamado Força Murphy, entre objetos (tais como Ketchup e camisas brancas, que se atraem de tal forma que são capazes de vencer as forças da natureza, como a Gravidade).

Se algumas partículas elementares se unem de forma que a Força Murphy atinja taxas fora do desequilíbrio, elas entram em colapso espaço-temporal e somem, indo para o Acre (exemplo perfeito de espaço Murphyano). Isso também acontece com meias no cabelo, por causa da rápida vibração a que essas partículas são submetidas.

Acredita-se que as partículas que somem acabam por reaparecer no espaço-tempo Murphyano. Seja P(s) a função probabilidade de um espaço amostral s. Se s\subset m, onde m é o espaço murphyano, então P(s)=1,\,\forall s\in m. Veja que o espaço Murphyano é o espaço no qual é válida a lei de Murphy, ou seja, todo o universo.

Verificou-se que o ciclo spin-elétron está diretamente entrosado com a rotação das partículas subatômicas envolvidas. Elas afetam a Força Murphy, e a probabilidade das meias desaparecerem. Por exemplo, meias são mais fáceis de desaparecer no cabelo, mas essa probabilidade de desaparecer aumenta pra caralho na presença de partículas idiotas (partículas com Spin vibrante).

Exemplo de função de onda prestes a colapsar sobre a cabeça de um pizzaiolo (o traço em vermelho corresponde para que lado a massa de pizza foi jogada).

A Força Murphy existente entre dois ou mais corpos pode ser calculada por:

\mathcal{F} = \frac{C_1.C_2.C_3...}{L^2}

Onde:

  • F: é a Força Murphy;
  • C1 e C2 (se tiver mais corpos, basta adicionar C3, C4...): são as Cargas Murphyanas dos corpos envolvidos;
  • L: é o nível de conveniência (do ponto de vista do observador) da força atrativa;

A Murphydinâmica Quântica também fala que certas funções de onda quebram o tempo, o que o que significa que as leis da física não são as mesmas em todos os momentos em sistemas regidos pela QMD. Isto acontece do fato óbvio de que eventos inconvenientes ocorrem sempre com o maior inconveniente de vezes (como, por exemplo, o fato do xerox quebrar apenas quando você está atrasado para uma reunião). Mas, se a QMD quebra a simetria CPT (Carga-Paridade-Tempo), tudo se altera, provando que, de forma global, a QMD é simétrica em sua natureza.

[editar] Aplicações na Cosmologia Quântica

A QMD está de acordo com o observador e com a mecânica quântica, já que o inconveniente relativo de cada possibilidade depende de quem está observando o sistema. A QMD também diz que o colapso das funções de onda depende do observador através de uma cadeia de interações. Por exemplo, é muito mais fácil que o Ketchup acabe na sua camisa branca se o seu patrão estiver te olhando na festa da empresa. Uma vez que existem também observadores do observador do observador, e assim por diante ad infinitum, a QMD pode ser expandida em uma teoria quântica da cosmologia que junta todo o universo.

A capacidade para entender (ou não) escalas macroscópicas faz com que a QMD explique a infame Segunda Lei da Termodinâmica. Esta lei diz que a Entropia (ou seja, o caos), de um sistema isolado aumenta naturalmente com o tempo. Assim, se você não limpar a sua mesa de trabalho, ela gerará cada vez mais bagunça sozinha. Seria muito mais fácil se o universo agisse de outra forma. Físicos brilhantes (ou não), tais como Stephen Hawking, muitas vezes tentaram entender o motivo pelo qual a entropia sempre tende a aumentar. A QMD comprova que, sempre a pior probabilidade se concretizará e, portanto, o aumento da desordem (entropia) é uma constatação física e empírica da Murphydinâmica Quântica.

[editar] Implicações para a Relatividade

Como a QMD é uma teoria que trabalha com escalas tanto macroscópicas quanto microscópicas, ela deve se entender com a Teoria da Relatividade. Para isso, uma modificação importante deve ser feita na Teoria da Relatividade.

No original da Relatividade Geral, a luz segue "geodésicas", onde uma "geodésica" é definido como o caminho mais curto entre dois pontos no espaço-tempo. Em um espaço-tempo não plano, estas geodésicas aparecem como curvas, em vez de linhas retas. A QMD exige alterações nisso, de modo que o conceito de uma "geodésica" é substituído pelo conceito de um "atalho". Um "atalho" é definido como a mais longa rota entre dois pontos no espaço-tempo (este conceito é óbvio para qualquer pessoa que tenha tentado tomar um atalho e, em seguida, acabou em meados do lugar nenhum). Partículas elementares tentam seguir "atalhos" e, portanto, ter torcido caminhos através do universo. Do mesmo modo, homens que nunca param para perguntar acabam usando a tentativa de seguir "atalhos" e, portanto, ter torcido caminhos através do universo.

[editar] Implicações às partículas físicas

Ao contrário das outras forças da natureza, a Força Murphy é transportada por ázarons. Essas partículas aparecem de desequilíbrios na Força Murphy, portanto, existem em todo o lugar. Um ázaron corresponde a um acaso. Ázarons dificilmente interagem com matéria normal, mas interagem apenas o suficiente para dar às funções quânticas de onda um pequeno empurrão, fazendo com que elas colapsem no mais inconveniente possível. Além disso, os ázarons podem viajar à velocidade da luz entre quem está olhando e o sistema quântico, levando a informação sobre qual resultado seria mais incômodo para quem olha.

Exemplo do que um ázaron faz no cérebro de quem está olhando.

A fórmula matemática de um ázaron é:

\mathcal{A} = \frac {A.d.v}{2PIu} + \frac {g^w + P^u.P^v}{wP^2} + \frac{sin(d.PI).P^2}{i.e^d-2w}

Onde:

  • d: representa o número de partículas;
  • g: é a gravidade do lugar (em m/s²);
  • P: é a probabilidade do ázaron interagir com a matéria normal (cujo valor varia de 99,9 a 100%);
  • u: é a Carga Murphy do observador;
  • v: é a Carga Murphy existente no sistema;
  • w é u multiplicado por v (vai saber o que significa);
  • A: é a derivada da divisão da temperatura (em K) e da pressão (em N/m²) do sistema pelo volume (em m³) ocupado pelo mesmo;

Os ázarons podem decair em outras partículas subatômicas. O mais comum produto de decaimento de um ázaron é a partícula idiota. Há uma enorme quantidade de idiotas flutuando (como em Brasília ou na TV) e que devem vir de algum lugar, mas só a QMD consegue explicar isso. As equações da QMD conduzem à inevitável e bem conhecida leva de idiotas que tendem a aparecer nos mais inconvenientes e possíveis lugares e épocas, provando a existência do chato. Idiotas são um tipo de palhaço, que é uma versão de partícula prevista no Modelo Padrão, o bóson.

Uma partícula idiota típica.

Ázarons também podem decair em outras partículas subatômicas, dependendo de qual das partículas subatômicas seria mais incômodo para o que olha. Um número grande de ázarons decaem em antipartículas, causando inconvenientes explosões. Estas explosões são muitas vezes (erradamente) atribuídas a outras causas (por exemplo, peidos). Em instalações nucleares, tais como Chernobyl, um número grande de ázarons têm tendência a criar nêutrons rápidos através de um processo inconveniente de decaimento. Estes nêutrons podem colidir com combustível de usinas atômicas e detonar uma gigantesca explosão nuclear.

Ázarons podem criar buracos negros. A tendência de buracos negros que saem da espuma quântica é a melhor explicação para a notável proliferação de burocracias no universo. Além disso, quando um observador está procurando por um objeto (por exemplo, carro-chave, controle remoto, etc.), é comum perceber que o objeto desapareceu. Isso acaba por criar um buraco negro quântico. A probabilidade de um buraco negro aparecer para fora da espuma quântica e engolir um objeto é proporcional ao quão importante é para o observador que o objeto apareça. Ázarons também pode provocar o sumiço de objetos, jogando-os na espuma quântica, neste caso sem o uso de buraco negro, (ver Princípio da Incerteza de Heisenberg) provando que este processo é bastante inconveniente.

Cquote1.png Na União Sovietica, os Azarons continuam a atrapalhar VOCÊ! Cquote2.png
Reversal Russa sobre Ázarons

[editar] Dimensões extras

Um buraco negro, segundo a Murphydinâmica Quântica.

QMD defende a existência de sete dimensões compactadas extras (ou seja, extra dimensões que são enroladas de forma muito compacta, de tal forma que não podemos detectá-las.) A nossa incapacidade de detectar essas dimensões extras é, naturalmente, muito inconveniente. QMD também fala da multi-dimensionalidade. QMD também possui uma grande dimensão extra, o que corresponde ao senso de humor dos defensores da teoria. A grande dimensão extra de QMD é igual à dimensão extra RS, presente nas teorias da física de partículas.

Quando as sete dimensões compactadas mais a dimensão extragrande são juntadas às tradicionais três dimensões espaciais mais tempo, o número total de dimensões chega a 12. Para trazer o número de 13 (um número azarado, e, portanto, muito inconveniente), a QMD também apresenta uma dimensão de tempo extra. Ninguém realmente entende o que esta dimensão extra faz, mas faz os matemáticos ganharem seu salário calculando equações que ninguém entende.

[editar] Propriedades avançadas da Mecânica Quântica

Nos últimos conceitos da mecânica quântica de investigação é o chamado conceito do para trás causalidade. Esta é a ideia que os futuros eventos podem afetar acontecimentos presentes ou passados, através da mecânica quântica. Físicos quânticos obcecados têm gasto muito tempo na produção de experiências como investigar causalidade para trás, mas a resposta reside nas explicações da QMD. O colapso das funções de onda acontece para que, em última instância, acaba por ser mais inconveniente (mesmo que isso não pareça tão inconveniente no momento). Isto requer um mecanismo de modificação dos (futuros) eventos passados, e, portanto, a causalidade da mecânica quântica pode viajar no passado, através da QMD.

Outro tema quente na física quântica moderna é o emaranhamento quântico, que envolve qualquer objeto parecido com uma corda (grandes bolas de fios, colares, etc.) tornar-se espontaneamente emaranhado. Isto é muito inconveniente e é, portanto, naturalmente inserida no quadro da QMD. De acordo com a QMD, qualquer sistema composto de objetos na forma de cordas irão naturalmente se emaranhar. Esse nível mínimo de emaranhamento, que aumenta com a fúria do observador, é referido como emaranhado (ou condensado) de Bose-Einstein. Quanto maior o emaranhamento, maior a entropia do sistema. Muitos físicos quânticos estão pesquisando o emaranhamento quântico para construir em escala comercial teletransporte, computadores quânticos ou desenvolver a criptografia quântica. No entanto tais tentativas não irão vingar, já que o sucesso na construção e desenvolvimento dessas tecnologias seria muito conveniente.

[editar] O poder da Murphydinâmica Quântica

Cquote1.png Eu que fiz. Cquote2.png
Eddie Murphy sobre Murphydinâmica Quântica

Acredita-se que o fracasso da teoria física moderna teria a Lei de Murphy como responsável. Isto ocorre porque seria muito conveniente que essas duas teorias se encaixassem. Por isso, de acordo com QMD eles não podem se encaixar. (Algumas pessoas culpam a gravidade para os fracassos anteriores, mas elas estão erradas) A QMD, segundo estudos, possui o potencial de juntar a mecânica quântica e a relatividade geral de forma a deixá-las amiguinhas. No entanto, esta linha de pensamento criaria um paradoxo na própria QMD.

[editar] A grande questão da Murphydinâmica Quântica

Atualmente, grande parte da investigação em curso no domínio da QMD quer atender uma grande questão:

Se QMD realmente fornecer um quadro abrangente de toda a física moderna, isto é muito conveniente. O que, de fato, levaria a QMD a isso?

Esta questão tem o potencial de se transformar em um campo minado pior do que a sua namorada achar uma calcinha que não é dela no seu porta-luvas. Várias respostas têm sido propostas:

1. Um quadro global da física moderna seria muito inconveniente para muitos físicos teóricos, que perderiam os seus empregos;

2. O problema pode ser resolvido por um tipo de renormalização reversa. Ou seja, tentar enfiar a "conveniencia" inconveniente por debaixo do tapete acrescentando infinitos não-renormalizáveis na teoria, transformando-a em algo análogo a uma teoria de gravitação acoplada a um campo de Yang-Mills... ...não custa tentar;

3. O problema pode ser resolvido pela inclusão de uma dimensão extra compactada. Ninguém sabe o que isso pode provocar...;

4. O problema pode ser explorado através da construção de um gigante acelerador de partículas. Por isso desenvolveu-se o projeto do LHC.

5. Existe, de fato, um terrível paradoxo. A existência de um tal paradoxo é muito inconveniente e é perfeitamente coerente com a Murphydinâmica Quântica;

6. A existência de cinco diferentes, propostas concorrentes é muito inconveniente e é perfeitamente coerente com a Murphydinâmica Quântica, provando a sua validade;

7. No entanto, cientifica e epistemologicamente não se pode validar uma teoria científica por meios indutivos (como nos itens 1, 5 e 6). Isto é extremamente inconveniente, o que corrobora mais a teoria murphyana;

8. A inconveniência de ter uma conveniência na Murphydinâmica Quântica se encaixa perfeitamente nela;

[editar] Teorias Divergentes

Existem muitas teorias que concorrem com QMD, entre elas estão:

  • Cromodinâmica Quântica;
  • Eletrodinâmica Quântica;
  • Teoria restrita da relatividade;
  • Lei de Murphy (quando usada de modo divergente à QMD);
  • Modelo Padrão;
  • Física;

Se não houvesse teorias competindo com QMD, seria muito conveniente! Mais uma prova da validade da QMD.

[editar] Ver também

[editar] Ligações externas

v d e h
Forças, leis e outras paradas que regem o Universo
Lado Negro da Força - Força Jedi - KI - Lado afro-descendente da Força - Lado Árabe da Força - Lado Extraterrestre da Força - Lado Iluminado da Força - Lado Rosa da Força - Lado Azul da Força - Lado Roxo da Força - Lado Verde Escuro da Força - Força da Salsicha - Gravidade - Dinheiro - Electricidade - Envergadura moral - Química - Murphydinâmica Quântica - Matemática - Bobo, chato, feio e cara-de-mamão - SPAM - Guerra - Roundhouse Kick - Roundhouse Kick Supremo - Lei Mosaica - Lei do Menor Esforço - Lei da Procrastinação Universal - Mensalão - Lei de Murphy - Lei de Gérson - Lei de Hugo - 42 - Tela Azul da Morte - Tela preta da perdição eterna - Declaração Universal dos Direitos do Homem e do Cidadão - Dividir por zero - Liga das Sombras - Lado da Anti-Força - N.O. - Lado Otaku da Força - Tédio Supremo - Sorte
Ferramentas pessoais
Ver e modificar namespaces

Variantes
Visualizações
Ações
Navegação
Colaboração
Votações
(F)Utilidades
Novidades
Redes sociais
Correlatos
Ferramentas
Outras línguas