Núcleo Histórico de Split com o Palácio de Diocleciano

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Šah mat! Este artigo é croata!

Ele salta de paraquedas, cria um dálmata, usa torpedos e ODEIA sérvios, tanto é que fala o mesmo idioma, mas não usa o alfabeto escroto deles.
Se você vandalizar, o Capitão Croácia vai te pegar!

Sonic3StageSpecial.jpg
Este artigo é um
Patrimônio Mundial da Humanidade.

Pode ser uma ruína, uma cidade
de merda, um matagal abandonado,
mas está protegido!

World Heritage Site logo.png

Leitura recomendada apenas para
pessoas com cultura.

A UNESCO monitora este artigo.


O Núcleo Histórico de Split com o Palácio de Diocleciano é a parte em ruínas antiga da cidade de Split, na Croácia. Portanto, lá os croatas concentram todos os prédios velhos da região e os isolaram da parte evoluída da cidade, para que essas antiguidades não atrapalhem o progresso de Split. A construção menos desconhecida do núcleo histórico é um palácio chamado Diocleciano, que como a grande maioria das outras construções, foi feito durante o período que envolve o Início dos tempos até quando a sua mãe era virgem.

Split e centro histórico[editar]

Uma das construções mais novas no centro de Split.

Split é a cidade mais importante da região da Dalmácia, que teve o nome inspirado no filme dos 101 dálmatas. Essa região é aquele rabinho pontudo que penetra no oeste da Bósnia-Herzegovina e deixa a coitada sem mar, obrigando os bósnios a passar as férias de verão em outro país, e nos Bálcãs isso equivale a invadir o território inimigo e pedir para ser morto.

A economia de Split é baseada em hotéis seguros para os bósnios nas férias de verão. Nas outras épocas do ano ela vende cachorros dálmatas para estúdios de filmes, tendo Hollywood e Nova Nova Nova Nova Iorque como clientes principais. O centro histórico era uma colônia grega ocupada por camelôs que vendiam produtos gregos piratas para as tribos do norte.

Os romanos, que compraram produtos que não funcionaram, ficaram putos e dominaram Split, expulsando os camelôs de lá. O imperador, numa crise de felicidade demasiada, ordenou a construção de um palácio em Split, chamado Diocleciano. Essa foi a maior obra pública feita em Split, e continua a mais importante, mesmo estando em ruínas (algumas áreas dele parecem um depósito de entulho. Na Idade Média, milhares de países tomaram o controle de Split para nada, apenas para se gabarem de ter mais territórios que os outros.

Palácio de Diocleciano[editar]

Só agora a Croácia conseguiu ocupar a cidade, e assim pôde dominar o comércio de dálmatas e controlar o turismo nas praias. O Palácio de Diocleciano foi feito pelo imperador de Roma, na época um império que controlava o Acre, Tailândia e a Caverna do Bin Laden. Ninguém sabe o motivo do imperador construir um palácio, já que naquele tempo a região não iniciara a produção de dálmatas.

A hipótese mais aceita é que ele foi feito para abrigar as primeiras espécies de dálmatas, que eram ameaçadas de morte pelos traficantes de gatinhos, que viam nesses cachorros um rival no controle do mercado. Depois que os dálmatas foram protegidos por lei e o tráfico de gatinhos diminuiu, o palácio ficou sem função, e continua assim até hoje. Agora, como patrimônio mundial, ele ficou mais abandonado.