Nacional-stalinismo

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Nacional-stalinismo (conhecido também como nazismo de esquerda ou nacional-bolchevismo radical) se refere-se a uma ideologia e doutrina política radicalista radicalista nacionalista de extrema-esquerda teorizada por russos que querem vingança pela Segunda Guerra Mundial, pela guerra de inverno, pela guerra fria e pela queda da URSS e foi amadurecida e concretizada por Brasileiros comunistas e nazbols. O nacional-stalinismo (Nazstalin), diferente do Nacional-bolchevismo, possui presença de políticas supremacistas raciais (finlandeses e anglos saxões são inferiores) e ideológicas (direitistas, sionistas (não confundir com semitas), reacionários, revisionistas, trotskistas, elitistas e liberais são inferiores). Defendendo a eliminação de todos os grupos raciais e ideológicos opositores.

Ideologia[editar]

O nacional-stalinismo defende o culto a personalidade de Joseph Stalin, uma economia nacionalista completamente planificada e a eliminação de finlandeses (devido a guerra de inverno, que humilhou os soviéticos, e por causa de Simo Häyhä, que humilhou o exército vermelho, tanto que os nazstalins consideram Simo como um psicopata, serial killer e estrupador, além de quererem superar o recorde dele de kills), Anglo-saxões (devido a segunda guerra mundial e ao imperialismo britânico-americano), sionistas-elitistas (pois (((eles))) são os responsáveis por todos os males do mundo), revisionistas e trotskistas (por serem pseudo-comunistas), reacionários e liberais (pois reaça e liberal nem é gente). Além de defenderem gulags com câmaras de gás para os opositores, distribuição gratuita de picaretas para picaretar os opositores e os inimigos do estado, como os trotskistas e revisionistas, e punirem toda a família de Mikhail Gorbachev e Boris Yeltsin pelo fim da URSS e do Comunismo. E claro que os nacional-stalinsitas defendem restaurar a URSS e o pacto de Varsóvia.