Natal (Rio Grande do Norte)

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
820px-Alba.jpg Este artigo é queeeente...

Ligue o ar condicionado no máximo!

Clique aqui e veja outros artigos pegando fogo.


Município de Papai Noel
"Cidade do Calor Fodido"
Bandeira de Natal.png
Bandeira
Aniversário 25 de dezembro
Fundação 25 de dezembro de 1599
Gentílico papai-noelense
Lema Jingle Bells
Prefeito(a) Borboletinha
Localização
Localização de Papai Noel
Estado link={{{3}}} Rio Grande do Norte
Mesorregião Bunda do Elefante
Microrregião Microrregião de Midway Mall
Região metropolitana Natal, suas favelas e aquele deserto
Municípios limítrofes Extremoz, Parnamirim, Macaíba, São Gonçalo do Amarante
Distância até a capital 4.000 léguas submarinas quilômetros
Características geográficas
Área 167,264 km²
População 57000 Papais Noéis e 43000 Mamães Noéis hab. 2015
Idioma potiguarês
Densidade hab./km²
Altitude metros
Clima Suficiente para cozinhar um ovo ao ar livre
Fuso horário UTC +1,5
Indicadores
IDH
PIB R$ Tráfico de drogas e lavagem de dinheiro
PIB per capita R$

Cquote1.png Tua mãe é minha boy, seu galado!!! Cquote2.png
Um boy escroto sobre sobre a mãe de um galado natalense
Cquote1.png Tá ligado, boy? As boy de Natal é gata! Cquote2.png
um boy de Parnamirim sobre Natal
Cquote1.png Meu, aqui é quente pra caralho!!! Cquote2.png
Paulista sobre Natal
Cquote1.png Mais que friozão! Cquote2.png
Seridoense sobre Natal
Cquote1.png Bunda, Bunda and fuck fuck! Cquote2.png
Gringo sobre Natal
Cquote1.png O Puteiro matricial do nordeste! Cquote2.png
Resto do Brasil sobre Natal
Cquote1.png ISSO É UMA... VERGONHA! Cquote2.png
Boris Casoy sobre Natal
Cquote1.png Pode vir quente que ela está fervendo... Cquote2.png
Rita Lee sobre Natal
Cquote1.png Sai pra lá véi sem vergonha! Cquote2.png
Seridoense sobre ser confundida com natalense
Cquote1.png No cu da Máfia Cquote2.png
abecedista sobre futebol natalense
Cquote1.png Uh! Tem moral a maior da capital Cquote2.png
Americano sobre citação acima
Cquote1.png Parem com essa merda discussão, a maior torcida do estado é a do Flamengo Cquote2.png
verdade sobre Natal
Cquote1.png Esta noiva do sol é quente! Cquote2.png
Turista sobre seu contato com a cultura local
Cquote1.png Ho Ho Ho! Feliz Natal! Cquote2.png
Papai Noel sobre Natal

Natal, normalmente conhecido como um feriado muito aguardado, é também a maior cidade e capital do Protetorado Comunista Escandinavo do Rio Grande. É mal falada por Mossoró (a Capital do Interior) porque localiza-se exatamente no cu do elefante, mas na verdade Natal é apenas invejada porque está no litoral e consegue atrair gringos de todo o mundo, principalmente devido à enorme quantidade de profissionais do secsu. É conhecida por ser do tamanho de um ovo e não ter porra nenhuma para se fazer, sendo a menor região metropolitana de todas capitais nordestinas.

Limita-se ao Norte, para além do bairro Ilha Fernando do Noronha, com o mar de Pedro Álvares Cabral, irmão de Câmara Cascudo e Zezo. Ao Sul, limita-se com o rio Podrengi. A Oeste com Mossoró, cidade do Ceará de onde são provenientes 85% das putas ruins da cidade (as mais ajeitadinhas, os demais 15%, vem de Recife e do resto do país). A leste limita-se com o quinto dos infernos, responsável por 2% da temperatura da cidade.

História

Forte dos Reis Profanos. Repare a forma de um pentagrama satânico

A história de Natal foi marcada por milhares de conflitos que perduram até o dia de hoje. Registros antigos comprovam que Papai Noel fundou a cidade em 7777 a.C., estabelecendo a primeira capela que hoje é o Forte dos Reis Magos, outrora chamado Forte dos Reis Profanos. Após tornar-se viciado em Coca-Cola, Papai Noel enfraquece seu poder e relevância na região, vira biba, deixa de vestir verde para vestir vermelho e torcer para o América, e assim perde o seu domínio após o primeiro de muitos rebaixamentos de seu time predileto. Em 6666 a.C. a cidade é invadida por Lucífer, que constrói um forte em formato satânico de pentagrama invertido no litoral, o Forte dos Reis Profanos. A cidade é batizada por Halloween. A principal herança desta época que perdura até hoje foi o calor infernal, que torna as formas de vida daqui super-resistentes e anticristãs.

Os vikings, grandes exploradores do mar, fundam uma cidade sobre as ruínas achadas por eles em 37 a.C.. Chamam-na de Azshara Galado, pois suas ruínas lembram a lenda da cidade perdida descrita num grande sucesso da literatura Viking, Warcraft: War of The Ancients of Hi-Brazil. Foi incorporado ao vocabulário natalense a palavra boy, que significa humano em norueguês (em Natal, o feminino de boy é boyzinha ou simplesmente a boy de) e também a palavra galado que significa qualquer coisa.

Em 1345 d.C., o grande império Maia-Alves conquistou Halloween, o último reduto dos fenícios no mundo. Lavoisier Maia, grande patriarca Maia, redescobriu a receita da imortalidade deixada pelos vikings, e experimentou em si próprio e em seu então amigo, Aluízio Alves, no feriado de 6 de Janeiro. Deu certo. A lenda se espalhou. Antes que alguém descobrisse a verdade, esconderam a receita verdadeira, substituindo-na por uma falsa, que causava a morte de quem a bebesse. Algum socialista encontrou a receita e decidiu compartilhá-la com todos os outros cidadãos. Foi o fim da civilização Maia-Alves, só sobrando os dois patriarcas.

Foi em 25 de Dezembro de 1599 que os burros portugueses redescobriram a cidade, dando à ela o nome Natal, que perdura até os dias de hoje. Ou não. Enfim, os portugueses conseguiram com pleno sucesso serem escravizados pelos índios locais, incorporando seus costumes. Os espanhóis ficaram furiosos pelo roubo de escravos feito pelos índios, e juraram V, de Vingança. Ainda em 1599, Câmara Cascudo decretou então uma lei que a partir de então nunca foi descumprida: Todo natalense teria que usar abadá em 360 dias do ano, sob pena severa... Até os dias de hoje a lei é cumprida com rigor.

Em 1633 os holandeses conquistaram a cidade, nomeando-na de Nova Amsterdã. Deixaram em Natal um vasto legado de construção de pontes incompletas e mal-feitas, legado passado de geração em geração até os dias de hoje, também a apreciação de uma planta chamada Cannabis, onde até hoje é degustada por boa parte da população da cidade.

Em 1654 os espanhóis resolvem tomar as terras de seus escravos e colonizá-las eles mesmo. Então, expulsam os holandeses, e, com o pretexto de uma "guerra preventiva para a segurança da democracia", se vingam dos índios locais não apenas em Natal, mas em todo o Rio Grande do Norte. É por isto que não existem mais índios no RN, todos morreram em campos de concentração espanhóis.

Em 1664 os espanhóis devolvem parcialmente o controle da terra aos burros portugueses, montando antes um cartel de casas de shows/boates/drogas/puteiros para manter a segurança local. O nome da cidade volta a ser Natal.

O Brasil declara independência de Portugal em 1822. Mas e daí? O controle de Natal em mãos espanholas até 1930. E somente em 1930 sobe ao poder Getúlio Vargas, que reconquista a cidade de Natal da mão dos espanhóis. Getúlio passa extra-oficialmente o controle de Natal aos emos, através de uma placa em homenagem à Mussolini, namorado de Adolfinho. A cidade não foi ocupada realmente, uma vez que os emos tiveram medo da fonte de raios-ultravioleta da cidade, e foram se esconder na Galeria do Rock. A cidade então ficou sob o controle de um fusca velho deixado por algum alemão enfurecido com o veículo, desde então os natalenses assimilaram o ao seu vocabulário aí utilizando-o no lugar das vírgulas.

Os americanos, aliados de Satã, retomam (???) Natal em 1942, nomeando-a de Christmas, pois tudo em inglês fica mais bonito. Deixaram o legado de se vestir sempre como a elite americana, como se estivessem permanentemente em uma festa de casamento em temperaturas abaixo de 10ºC. Afinal, não importa se sua família está em um prejuízo de 300 mil reais, o que importa é comprar uma Hilux para o filho de 15 anos disputar alcoolizado um racha pelas ruas de Ponta Negra no meio da madrugada. Natal foi um dos poucos lugares do mundo que lamentou o fim da segunda guerra mundial (os estadunidenses estavam pagando bem às putas).

Após os norte-americanos devolverem Natal para o Natal em 1950, a cidade ficou num vácuo de poder, e a União Soviética assumiu o poder da cidade ao construírem uma aliança com os Alves e os Maia, famílias influentes ainda hoje em Natal. Aluízio Alves, o imortal, morreu misteriosamente, todavia. Tal fato abalou seriamente a aliança, que pode ser rompida à qualquer momento. O governo brasileiro pagava royalties para que os EUA deixem que Natal fosse considerada brasileira, desde que colocassem seu fantoche, Carlos Eduardo Alves, o boneco de Olinda, na prefeitura. O governo brasileiro trabalha para retomar Natal efetivamente, através do grande herói Miguel Mossoró. Além disso, os vikings do black metal (não confundir com tr00) fazem cruzadas periódicas na cidade, sempre nos verões, quando não tem nada para se fazer na Escandinávia.

Recentemente, a cidade vem sofrendo também com as SAGAS, eventos de anime, invasões medonhas de otakus do mundo todo, geralmente mais fortes no mês de Outubro, sagrado para eles, trazendo o terror e vergonha alheia para toda a cidade. Também existem espanhóis, que se escondem nas sombras das casas de shows/boates/drogas/puteiros, esperando por uma chance para retomarem o que é seu por direito. E a maconha é legalizada.

Geografia

De acordo com o censo de 2000, Natal possui uma população de aproximadamente 1 bilhão de papáis e mamães noéis. O pib nominal de Natal é de 900 zilhões de dólares e sua economia está basicamente sustentada na putaria e prostituição nos cabarés de Puta Ponta Negra.

Clima

Natal, assim como Mossoró, Porto Velho, Fortaleza, Teresina, é uma das únicas cidades do Brasil que têm as quatros estações bem definidas: Verão, calor, quentura e mormaço. O aquecimento global acontece na cidade desde o Cenozóico.

Nesta cidade só faz frio se for no ar condicionado, a cidade é quente que nem o inferno (talvez seja o próprio inferno), perdendo apenas para Mossoró (cidade conhecida por possuir dois sois e águas que chegam a causar queimaduras de 5º e 6º graus). Todavia, Natal detém o ar mais puro dos esgotos (nesse calor, então), só perdendo para Recife (que é a campeã brasileira de venda de máscaras de gás).

Economia

A base da economia de Natal são seus Cabarés que atraem pessoas de todo o mundo, e não perde para Amsterdã. Os Shoppings turísticos atraem os boys sem dinheiro da cidade, e galados do interior que vão lá comprar coisas.

Os natalenses não sobreviveriam sem um shopping e um supermercado, apesar de não terem dinheiro para comprar nada nestes estabelecimentos. É fato que os natalenses vivem apenas de aparência, afinal de contas, natalense não trabalha, mostra a cidade e faz jovens meninas lindas para atrair gringos. Outra prova de que os natalenses só vivem de "status" é o fato de que a maioria dos frequentadores do Carnatal não têm casa própria, carro ou sequer um mísero plano de saúde, mas arranjam alguma condição de pagar o seu abadá em 48x sem juros pelo financiamento proporcionado pela Caixa Econômica Federal no programa "Eu vou sair de abadá".

Coisas turísticas em geral em Natal são o motor econômico da cidade, e são só cabarés mesmo, ninguém produz nada, então precisam inventar coisas turísticas pra atrair otários gente do mundo todo para deixar lá alguma esmola.

Natal investe cada vez mais nos trabalhadores do campo, e é por isso que eles passam fome durante 4 anos (até a próxima eleição, quando recebem as esmolas dos candidatos da vez).

Abrindo áreas para quem quer ser um novo comerciante, a prefeitura de Natal disponibiliza barracas de papelão, assim os ambulantes podem livremente berrar nas ruas do Alecrim aonde qualquer um pode vender qualquer artigo de macumba sem nenhuma autorização governamental.

O PIB de Natal é de 0,50R$ por ano. Alguns suspeitam de planos socialistas, e outros dizem que o lixão é uma nova forma de vida.

Política

A política de Natal é altamente comandada pela burguesia luso-espanhola-estadunidense-azeri que forma uma grande corrente comunista sobre a grande massa de proletariados desinteressados sobre o meio que os cerca. Natal vive no que chamamos de uma "democracia-ditatorial", ou seja, os cargos mudam, mas os políticos sempre são os mesmos, desde o regime militar. Quando não são os mesmos políticos são seus filhos, netos, bisnetos, tataranetos, tetranetos, pentanetos, laranjas, jornalistas, professores de aulões, além de canais de televisão, jornais, e outros meios de comunicação que funcionam como verdadeiros partidos politicos ...

As eleições em Natal consistem em 2 meses da mais pura diversão nos quais todos discutem filosoficamente sobre grandes figuras políticas como Miguel Mossoró, Super Moura, Zé Do Bode... e até prostitutas que se candidatam a deputada e vereadora. Enfim, um verdadeiro carnaval fora de época!

Ultimamente vem-se observando um grande crescimento de líderes populistas de extrema esquerda, pseudo-juventude comunista de estudantes da UFRN, liderados diretamente por Hugo Chavez, ex-agentes da antiga KGB e polícia secreta búlgara em respostas aos nazi-fascistas que sempre comandaram a cidade.

No fundo é tudo mentira, Natal é dominada por Papai Noel, que tem uma linha de gnomos deformados, digo, duendes escravos na sua produção que é carregada por um monte de viadinhos, ou melhor, renas.

Dentre projetos políticos relevantes ressalta-se a Ponte Natal-Fernando de Noronha é um ambicioso projeto arquitetônico, idealizada e executada pelo semideus da política Miguel Mossoró. Se a Ponte Forte-Redinha conseguiu ficar pronta, é bem provável que essa saia dos planos.

População

Muito embora a Zona mais populosa de Natal seja a Zona Leste, ninguém sabe onde ela fica, então o IBGE sempre teve dificuldades em estimar a população total do município.

Seus habitantes, formados 80% por funcionários públicos, nos meses de dezembro e janeiro migram em revoada para suas casas de praia, onde ficam o dia todo deitados na rede, comendo caranguejo no côco, competição de quem tem o som de carro mais alto entre os vizinhos, e tomando cerveja. É a época do "veraneio". Nos dois meses seguinte ao "veraneio", quando se encontram sempre se perguntam: "onde passou o veraneio?".

Em Natal há uma grande concentração de carros 4x4 luxuosos. Dizem que é porque os natalenses machos têm órgãos sexuais pequenos e utilizam o estratagema do carro para compensar aquilo que a natureza esqueceu de colocar. Também acreditam os habitantes da província de Natal, assim como o filósofo Borat, que tais veículos são dotados de "pussy magnet".

Educação

As universidades de Natal atraem, do mundo todo, pessoas que querem aprender tudo sobre Turismo, Prostituição e Cafetinagem. As principais universidades da cidades são:

  • UFRN (Universidade Federal do Rio Grande do Norte) - Também conhecida como a Woodstock em Natal - Sexo, drogas e muita vagabundagem. Conhecida pelo seu estado de deterioração avançado: paredes infiltradas, furadas, tetos semi-curvos e salas de aula sem portas. É o local de despejo de felinos da cidade; todos que queiram se livrar de algo, especialmente algum animal de estimação, jogam nesta universidade, inclusive criancinhas, cachorros, cobras e orangotangos.
  • UERN (Universidade Estadual do Rio Grande do Norte) - Onde as putas têm capacitação profissional.
  • UnP (Universidade Potiguar) - Mais conhecida como Universi-pague-passe, com um sistema de avaliação muito rígido e inovador conhecido como Papai-Pagou-Passou. O alunos dessa universidade "internacional", são em sua maioria playboys e patricinhas, além das famigeradas prostitutas de luxo da cidade.
  • CEFET-RN - Tem um vestibular mais difícil que o da UFRN, porém, seus cursos são mais fáceis de se formar. O problema é ter que conviver com os nerds jogadores de RPG, fãs de anime e lésbicas que infernizam qualquer capacidade de boa convivência nesta universidade.

Transportes

Crystal Clear app xmag.pngVer artigo principal: Linhas de ônibus de Natal

Natal quer ser uma capital igual a Recife ou Fortaleza, mesmo sendo quatro ou cinco vezes menor que estas, por isto não deixam moto-táxi rodar ali, alegando que isto é coisa de interior, como Mossoró, Fortaleza, Goiânia, São Paulo etc. Outro fator usado para fazer Natal parecer uma cidade grande é criar vias extremamente estreitas, para garantir que engarrafamentos ocorram de uma forma ou de outra. Além disso, para espichar a cidade, quilômetros de mato são mantidos em meio de quarteirões, isso para a galera poder fumar um beck em contato maior com a natureza (vagabundo precisa ter onde ficar).

Natal é um raro exemplo de cidade onde as avenidas no meio de seu percurso simplesmente mudam de nome, como Hermes da Fonseca que Vira Salgado Filho e vira BR-101, sem contar aquelas que entortam e nem mudam de nome, como a Avenida Capitão Mor que vira Avenida Gouveia. Isso tudo para o povo pensar que a cidade é grande, recheada de muitas "avenidas", como falam os provincianos de Natal. Diga-se ainda da célebre rua que em 5 minutos de táxi muda de nome 4 vezes, sendo esta a razão de ter sido cogitada para entrar no Guiness Book.

Em Natal, as pessoas possuem os carros mais chiques para perambular nessas ruas caóticas, quase todos importados, de primeira linha, mesmo que estes pobres coitados morem em casas com 2 quartos, 1 banheiro quebrado com privada de cordinha e uma pequena sala, pagando atrasado o condomínio, além de figurarem na filinha das buscas e apreensões de veículos. Muitas vezes conseguem pagar apenas 6 prestações do carro, sendo assim obrigado a trocar de carro a cada 6 meses!

Cultura

Os principais aspectos da cultura natalense são os fajutos shows de rock na Ribeira (que ninguém vai com medo de ser assaltado depois do show e tem que pagar táxi pra voltar) e o forró na principal casa de show de Natal, onde se reúnem a negada da Zona Morte.

O grande astro da cultura natalense é o mestre Câmara Cascudo. Como folclorista respeitado, tratava-se de um homem extremamente zeloso com coisas relevantes para o bem da sociedade, tais como: juntar sinônimos de palavrões; desvendar as regras do jogo de pedra, elástico, amarelinha etc; ou pesquisar a história da tendência sexual dos natalenses que atrai gente do mundo todo. O escultor mais famoso é Câmara Cascudo, com suas obras Maria Boa e Lourde Jipão, que atrai gente do mundo todo para apreciar sua beleza. O grande pintor natalense é Câmara Cascudo, autor de quadros reconhecidos que atraem gente do mundo todo, tais como: O cabaré de Maria Boa; Senzala fechada; e As garotas de Ponta Negra.

A música natalense é variada e rica. É formada pelo forró, pelo bregão, Heavy Metal, J-Rock, Rock progressivo, bregão e pelo forró e pelo forró metal. O grande compositor brega é Câmara Cascudo, mas suas músicas ficaram famosas com a interpretação de Câmara Cascudo. Já o forró é muito bem representado por Câmara Cascudo, cantor e compositor famoso na cidade que atrai gente do mundo todo.

A literatura natalense é deveras rica, tanto em prosa quanto em verso. Em prosa a maior obra é de Câmara Cascudo, com o lançamento do livro de contos "Estórias noturnas de Natal e suas meninas". Em verso, Câmara Cascudo domina, especialmente com o clássico "Versos para Maria Boa" e "Como atrair gente do mundo todo".

O teatro natalense conta com dramaturgos de nível intermunicipal que atrai gente do mundo todo, quebrando barreiras e influenciando cidades como Parnamirim e Macaíba. O grande teatrólogo natalense é Câmara Cascudo. O bom velhinho elabora os textos das peças, dirige e ainda é o ator principal de todas elas.

O cinema natalense é muito vasto, rico e atrai gente do mundo todo. Contando atualmente com zero filmes. Destaques: melhor diretor - Câmara Cascudo; melhor roteirista - Câmara Cascudo; melhor ator - Câmara Cascudo.

A TV natalense é rica e variada pela transmissão do campeonato estadual de futebol e seus três times de futebol, 2 disputam a série B (as vezes C), outro que costuma frequentar a Z e outro que subiu recentemente a terceira divisão; e de programas policiais onde se entrevistam as grandes figuras da cidade. Bem, para variar, o principal apresentador da TV natalense é o mestre Câmara Cascudo, que consegue atrair a audiência do mundo todo.

O traje típico da cidade é obrigatóriamente o abadá-do-bloco-que-saí-no-carnatal-passado. Essa vestimenta é usada na academia, pra ir pro shopping, no centro/alecrim. Demonstrando assim que seu poder aquisitivo invejável.

Natal é também conhecida como a capital do Visual Kei no Brasil, tanto pelas inúmeras bandas de J-rock (especula-se que haja 1 músico de J-rock para cada 100 habitantes!) O visual from UK e Indie também andam tomando conta da "moda" Juvenil natalense (pelo menos eles tentam!). O único interesse da juventude natalense é maquiagem, anime e cortes de cabelo, afinal, todos ali vivem numa cidade completamente maquiada de primeiro mundo, onde aproximadamente 0,0% da população tem alguma noção dos problemas sociais e urbanísticos da cidade, acreditando-se, por exemplo, que não existem favelas em Natal (pergunte a um natalense o nome de UMA favela de Natal, no máximo ele citará uma comunidade, nunca uma favela) e de possuírem estradas da mais excelente qualidade (apenas as que levam os turistas do aeroporto Augusto Severo ao puteiro de Ponta Negra e aos hotéis da Via Costeira).

Culinária

Os pratos natalenses mais típicos são:

  • Cuscuz com ovo;
  • Sanduíches conhecidos como "sebosão" no carrinhos de lanches - como brinde às vezes você ganha uma diarréia;
  • Mulheres de Programa;
  • Dobradinha no Barriga Cheia;
  • Ginga com tapioca;
  • Picolé "Caseiro" de Caicó;
  • Picolé de Sopa;
  • Picado do Bar de Mãe;
  • Dindin
  • Espeto (quando é de gado);
  • Espetinho (quando é de gato!);
  • Itens de supermercado (roubados?);
  • Caldo de cana (está nesta lista mas não é comida, e sim, bebida típica, já que também é bebível);
  • Cigarro de maconha (está nesta lista mas não é, originalmente, comida. Fumável);
  • Loló (está nesta lista mas não é comida. Cheirável) (Qual é o outro nome mesmo? Não responda!! Se bem que você está muito doido para conseguir balbuciar algo... então tá...)

Idioma

O vocabulário natalense é altamente baseado no idioma potiguarês, e extremamente rico em expressões confusas, sendo a palavra mais característica o famigerado "galado", cujo significado linguístas de todo o mundo ainda tentam decifrar.

Cquote1.png Ah, galado... Cquote2.png
natalense sobre políticos ladrões
Cquote1.png Ah, galado... Cquote2.png
natalense sobre políticos legais
Cquote1.png Ah, galado... Cquote2.png
natalense sobre um grande amigo
Cquote1.png Ah,galado... Cquote2.png
natalense sobre o cara que acabou de dormir com a mulher dele
Cquote1.png Ah, galado... Cquote2.png
natalense sobre um praticante de esportes radicais
Cquote1.png Ah, galado... Cquote2.png
natalense sobre um vagabundo
Cquote1.png Ah, galado... Cquote2.png
natalense sobre um pinta da mafia que só usa Smolder

Outra palavra de significado dúbio é Reiousse, termo este que para um natalense é uma interjeição equivalente ao fudeu!! ou então caralho!! para o resto do Brasil. Essa expressão tão típica da capital norte-riograndense tem tantas utilidades como o galado.

Cquote1.png Reiousse!!! Cquote2.png
natalense sobre o atentado ao WTC
Cquote1.png Reiousse!!! Cquote2.png
natalense sobre Brasil ter ganho a copa
Cquote1.png Reiousse!!! Cquote2.png
natalense sobre Brasil ter perdido a copa
Cquote1.png Reiousse!!! Cquote2.png
natalense sobre Brasil ter perdido a copa(de novo...)
Cquote1.png Reiousse!!! Cquote2.png
natalense ao ver um cara caindo de 13 lances de escada
Cquote1.png Reiousse!!! Cquote2.png
natalense sobre o terremoto na china
Cquote1.png Reiousse!!! Cquote2.png
natalense ao ganhar na megasena

Esportes

Natal tem muitos times, todos são extremamente derrotados, e quando vencem algo isso só foi possível porque venceram um ao outro no parco campeonato estadual potiguar.

  • América - Time de segunda divisão (que as vezes está na terceira) mais conhecido como Amerda ou Time de Paquitas. Lançou a campanha no Brasileirão de 2006 "Venha a Natal e ganhe 3 pontos" visando trazer mais turistas do que essa cidade já recebe. Pena que essa campanha só durou um ano. Uma vergonha para o futebol brasileiro, passou o ano todo no rebaixamento da série A, ganhou apenas 4 jogos. Seus torcedores teimam em dizer que o time é de Natal, mas Japecanga City é sua sede e seu maior rival é o Potiguar de Parnamirim. O time é formado por cobradores de ônibus, ex-taxistas, e motoristas pançudos de transporte escolar!
  • Alecrim - Amado, idolatrado e exaltado pelos seus fanáticos 3 torcedores que fazem rifas e bingos, pra manter os gastos do clube. O fundador desse time foi Câmara Cascudo.
  • ABC - Time que representa a mundiça de natal. Time mais fudido da cidade. Mais conhecido como time sopa de letrinhas. Time de 3ª divisão que chegou a jogar em um ano ou outro no Xiqueirão. A torcida geralmente é formada por cambistas, flanelinhas, delinquentes e limpadores de para-brisas nos sinais, vendedores de maconha. Time de destaque no cenário nacional por ser o primeiro a pagar o salário dos jogadores com confeitos e pirulitos. Comete-se sempre o erro de chamar os Abcistas de ABCDistas, o que é errado, pois o nome do time não é ABCD. Mas não podemos mudar isso, a torcida é formada por analfabetos. É o único time do RN que passa 20 anos sem divisão no campeonato brasileiro e, quando consegue, no ano seguinte volta a ficar sem série. Time conhecido como "Fora de Série " ou "Sem Série", suas cores são preto e branco (por isso é mais conhecido como funerária) para economizar na impressão das camisas e cartazes.O seu estádio o XIQUEIRÃO é reconhecido mundialmente como umas da sete porcarias maravilhas do RN! (Curiosamente a eleição das sete porcarias maravilhas do RN foi feito por um jornal NADA tendencioso).
  • Flamengo (RJ) - Apesar de não ser da cidade sua torcida é maior do que as dos times locais, a maioria dos seus torcedores são mistos derivados da Paraíba e afins que vêm a Natal por não ser muito caro a passagem de ônibus. Os torcedores do Flamengo que moram em Natal, são, na sua maioria Potiguariocas.

Lazer

Praia da Redinha no horário mais tranquilo

A principal fonte de lazer de um natalense é frequentar o Midway Mall, mesmo que seja só para passear e comprar nada. Conhecido como a Caverna do Dragão, porque todos os moradores da cidade nunca conseguem retornar para casa voltando involuntariamente ao local, é o atual principal ponto de encontro de desocupados de todos os cantos da cidade, especialmente Cefetianos matando aula, nerds jogardores de RPG, lesados viciados em Harry Potter e emos. Na hora do almoço sempre é possível encontrar por lá o Mestre dos Magos, o senhor múmia jornalista Agnelo Alves, ex-prefeito de Parnamirim, em frente ao Montana Grill. Ganhou o Prêmio Nobel na categoria de Limpeza na Praça de Alimentação. É conhecido também como a Prefeitura da cidade, por isso estamos realizando uma "vaquinha" para comprar Hidracal para pintar as paredes externas do shopping ou praça do povo. No Midway Mall encontra-se também o Cinemark - Cinema com preços justos e acessíveis a todas as famílias, de quaisquer classes sociais, com uma programação merda excelente, comprando-se o ingresso torna-se sócio da empresa e ganha Papéis na Bolsa de Valores. Pipoca à parte (também em conta)

Bares de calçada é uma modalidade de bar criada em Natal que também traz lazer ao povo, onde toda calçada ou canteiro vira um bar (é só colocar mesa e um som tocando forró), a cada 50 metros pode se encontrar um desses bares. Lá as pessoas se reúnem pra beber e ver os carros passarem. Um hábito comum é reunir-se nos finais de tarde e começo da noite em suas calçadas para falar de tudo que é tipo de coisa.

Carro encostado no Barzinho ou no posto é outra forma de diversão local. É moda em Natal ter um carro com algumas toneladas de equipamentos de som, que é definido pela seguinte equação: quanto mais alto o som, pior o gosto musical e menor a inteligência do dono do carro.

E para aqueles que querem só relaxar, a cidade conta com as famosas praias que juntas são circuito Miami Beach - Artistas - Meio - Forte, conhecidas pelo excesso de embarcações denominadas toletes, que o deixa bem parecido com o visual de Mônaco. Além do circuito, pode-se ainda mencionar a Praia de Puta Ponta Negra, cujo banho é deliciosamente regado por dejetos deixados pelos gringos nos esgotos dos hotéis que lá desaguam, além de possuir uma prostituta a cada milímetro quadrado.

Turismo

O maior cajueiro do mundo!
  • Forte dos Reis Magos - O principal cartão-postal da cidade, um forte desenhado em forma de pentagrama invertido satânico. Quem tentar entrar lá após as 18h é sumariamente executado por disparos de uma fragata da Marinha de Guerra do Brasil.
  • Puteiros (cabarés) - O maior puteiro da cidade, estabeleceu seu poder depois de ter derrotado a Ilha da Fantasia, pois esta utilizava inocentes crianças para trabalharem como putas pagas e foi fechada. Lá as noites são quentes. As raparigas não são gostosas... É a mulésta. Só elite.
  • Praia de puta Ponta Negra - Amado principalmente pelos gringos que adoram as prostitutas de lá. Recanto dos metaleiros, grunges, posers e metidos a rockeiros em geral que usam a parte menos comercial da praia para embebedar-se, comer as moças de graça e sem pagar motel.
  • A ponte do Suicídio: Em menos de 24h de inaugurada a ponte já registrou seu primeiro suicídio. Novo point para o pessoal que quer sair dessa para melhor cansados da vida de corno que a cidade oferece. Também conhecida com Ponte Isaac Newton Navarros, Ponte do Polvo ou Ponte da ginga com tapioca.
  • Centro de Turismo (alguns turistas mal-informados acabam parando naquela porcaria por causa do imponente nome em inglês "Tourism Center")
  • Maior cajueiro do mundo, ou Cajueiro de Pirangi, está localizado em Parnamirim, mas como ninguém sabe onde danado fica Pirangi ou Parnamirim, então faz de conta que esteja localizado em Natal. Estima-se que tenha 1170 anos, com 350.800 m² e foi plantado por Câmara Cascudo, e apesar de não dar caju (é, eu também não sei porquê) e atrapalhar o trânsito provocando vários capotamentos, batidas e um engarrafamento infernal dos infernos. Dentro do cajueiro existem vários parques temáticos, um pedalinho, 7 cinemas, 3 shopping centers, 2 pistas de boliche e um kartódromo. Está em construção em fase de acabamento 3 campos de golf e 2 quadras de tênis.
  • Durante a primeira semana do mês de Dezembro é realizado o Carnatal, uma festa compulsória onde acontecem as maiores putarias ao ar livre da cidade, quando o potiguar comemora a alegria de ser baiano.

Veja Também

v d e h
RIO GRANDE DO NORTE
Bandeira do Rio Grande do Norte.png