Ninja do Funk

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Gordoninja.jpg Este artigo é sobre um ninja!

Se você vandalizar, ele e os outros ninjas
do dojô irão matá-lo!

Ninja do Fuck Funk
Ninja do funk.jpg
Classificação científica
Reino: Ninja
Classe: Puta
Ordem: Oferecer a bunda
Família: Funkeiros
Gênero: Feminino
Espécie: Atriz pornô
Nomenclatura Binominal
Ninjutsu Funkunis

Ninja do Funk é uma criatura lendária que faz parte do folclore brasileiro. Já teve várias encarnações, portanto sua atual identidade e paradeiro é um mistério. O mais provável é que, na verdade, esteja ameaçada de extinção, ou até mesmo já tenha sido extinta, graças à rápida propagação das mulheres comidas, embora estas também estejam com a moral em baixa ultimamente devido à recente campanha de cultivo e preservação das clássicas popozudas.

Lenda[editar]

A ninja mais gostosa e bonita até agora, admitam.

Este ser misterioso tem origens incertas, mas sabe-se no entanto que o mito foi propagado e ganhou força mesmo no Rio de Janeiro, mais ou menos na metade dos anos 2000, junto com a explosão catastrófica meteórica do funk carioca. Apesar da música ser horrível, aqueles eram tempos felizes, pois surgiu uma verdadeira epidemia de mulher gostosa rebolando até o chão e mostrando quase o útero em roupas justas e curtas, algo que não era visto desde quando a Carla Perez deixou o É o Tchan e desfalcou as bandas de axé. Então, para contornar as letras bagaceiras e as melodias desafinadas do funk, os MCs passaram a contratar essas gostosas para dançarem obscenamente em suas apresentações.

Atraída por aquele novo universo de putaria, uma jovem sentiu-se extremamente tentada a sucumbir ao lado funkeiro da força, mas por ser uma moça com fama de ser muito santa e não querer estragar essa reputação, amarrou um pedaço de pano na cara, deixando só os olhos visíveis, e passou a ir desse jeito curtir os bailes funk da vida, onde tornou-se conhecida pelo apelido Ninja do Funk.

Enquanto todo mundo quer ficar pelado e mostrar tudo no meio dessa perversão toda, uma mulher tentando esconder uma parte do corpo chamou atenção, e logo vários cafetões surgiram para fazer propostas indecentes e endinheiradas para que ela mostrasse o rosto e muito mais em revistas e até mesmo filmes religiosos de culto ao onanismo. Sendo religiosa como sempre foi, a beldade não foi capaz de recusar.

Após ser capa da Revista Sexy, tanto a face quanto o nome da Ninja foram revelados, o que tirou grande parte do tesão que os punheteiros tinham por ela. Agora que todos conheciam Tatiane Biscesto, ela não conseguia mais arranjar trabalho no Brasil, e parecia condenada a virar uma puta pobre. Mas eis que a sorte lhe deu um sorriso e colocou um jogador de futebol podre de rico em seu caminho, com quem se casou e foi morar fora do país.

O tempo passou e logo ninguém mais lembrava da Ninja. Paralelamente a isso, foram surgindo novas e inexperientes vagabundas em busca de uma fonte de renda fácil e/ou alguma maneira de virar subcelebridade. Em meio a essas cocotas, estava Amanda Mendes, que de costas lembrava muito a antiga Ninja, mas de frente acabava revelando ser uma baita raimunda. Tomando conhecimento disso, a Brasileirinhas nem pensou duas vezes e contratou-a para fazer parte do seu inumerável elenco e virar a nova Ninja do Funk, já que sua feiura não era nada que uma máscara não fosse capaz de disfarçar e a ex-Ninja Tatiane jamais chegou a ingressar no cinema pornográfico.

Ver também[editar]