O Analista de Bagé

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Gauchodanc.jpg Mas bah, tchê!

Este artigo buenaço e tri-legal é do mais puro humor gaudério dos pampas, vivente, então veste tua bombacha, recolhe teu pelego no galpão e toma um mate amargo com a gente, macanudo!

Chima.jpg

Biografia[editar]

NovoWikisplode.gif
A nossa sátira autorizada, a Wikipédia, tem um artigo sobre: O Analista de Bagé.
Uma "prenda" que o analista de Bagé encaminhou, informando que não teria condições de atendê-la...

O Analista de Bagé é considerado o maior psicanalista brasileiro, atuante na teoria freudiana ortodoxamente, tanto quanto reclame de xarope, segundo seu relato.


Ao contrário dos demais psicanalistas, que se vestem como almofadinhas, naquele velho estereótipo imitativo do Freud ou do Jacques Lacan, com o usual terninho ou gravata borboleta, ele se veste de bombacha, com suas camisas, calças e botas extra largas, semelhante aos manos, só que seus trajes assemelham-se ao aspecto social.

Nasceu, cresceu e sempre viveu em Bagé, Rio Grande do Sul, adepto das ações tradicionalistas do seu povo, foi responsável pelo desenvolvimento científico da Psicanálise no Brasil, ao apresentar métodos empíricos e replicáveis na concepção científica, comprovando a eficácia dos seus métodos para diversos terapeutas da nova geração. Entre suas técnicas com maior e melhor fundamentação é a "técnica do joelhaço", que consiste em golpear o paciente na área certa, para que uma dor maior resulte em esquecimento de uma dor menor, que este cliente apresentar. Normalmente as partes em que essa técnica se aplica é o testículo e o estômago nos homens, o mesmo não se aplica nas mulheres, em que são destinadas outras técnicas frequêntes no repertório de ações psicanalíticas. Fruto da sua longa história de aprendizado dentro e fora dos galpões. Caso você esteja com algum problema, vá consultar-se com o Analista, que irá te ajudar da forma mais sensata possível, com um choque de realidade e uma bolhadeira na mão pra te fazer parar de frescura, tchê!


Método de Trabalho[editar]

Capitão Nascimento usando das técnicas desenvolvidas pelo analista de Bagé para desenvolver a consciência e responsabilidade social de um jovem carioca; "Seu maconheiro! É você quem financia esta merda. Seu filho da puta!!!"

Sua técnica é internacionalmente famosa, mesmo torcendo para o Grêmio, ao desenvolver diversos recursos que tornam seu tratamento rápido e eficaz, muito contrário do processo analítico tradicional que demanda tempo e dinheiro, muito dinheiro em favor do analista. Seus procedimentos resultam em alta para o cliente com agilidade maior que as demais técnicas psicológicas, como a Comportamental, tendo seus métodos de tortural amplamente difundidos pela polícia na obtenção de confissão por suspeitos de crimes, tendo total aprovação e rendimento pelas autoridades policiais, uma vez que os procedimentos desenvolvidos pelo analista de Bagé resultam em confissão total dos suspeitos sobre seus crimes, mesmo que estes sejam inocentes, desconheçam a vítima e ficassem a milhares de quilômetros de distância do local do crime. Prática comum na polícia de todo o Brasil.

Outra técnica comum do analista de Bagé é oferecer chimarrão aos seus clientes, que nada mais é do que aquela porcaria de água suja fervida com mato, algo como um Matte Leão, só que amargo, que todo gaúcho que se preze gosta de tomar.

Psicanálise & Direitos Humanos[editar]

Além da polícia, suas técnicas também são defendidas pelo falecido deputado, apresentador e radialista, Alborguetti, considerado o maior defensor dos Direitos Humanos, no tratamento de bandidos, marginais e da população carcerária. O analista de Bagé é um dos maiores pensadores universais, atuante com diversas contribuições na Psicanálise, que deixou de ser apenas uma abordagem psicológica desenvolvida por Sigmund Freud e que um passiente apenas consistia em alguém que expunha e tratava seus problemas sociais em um divã. O analista de Bagé tornou a Psicanálise reconhecida mundialmente, tendo suas técnicas desenvolvidas no tratamento e recuperação (ou não) da população carcerária, na solução de conflitos populares contra o governo, onde a rápida a assertiva atuação da tropa de choque atua para apaziguar essa diferença de opiniões, com a solução de probemas de acordo com a decisão do mais forte, típico de uma democracia...

Veja Também[editar]