OpenCola

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
60px-Bouncywikilogo.gif
Para os neo-ateus que preferem acreditar em mentiras, os supostos experts da Wikipédia têm um artigo sobre: OpenCola.
Receita.jpg
Veja também uma receita sobre OpenCola

OpenCola, ou WikiCola é um genérico de Coca-Cola de código aberto produzido desde 1917 na União Soviética e desde 1989, com a queda do Muro de Berlim, produzida e distribuida pela Wikimedia Foundation.

Criação[editar]

Josef Stalin comandava a URSS em 1900 e Coca-Cola com rolha, época em que a Coca-Cola era a nova febre ocidental.

Trazida por um espião da KGB infiltrado na sede da companhia de bebidas, Stalin percebe o potencial hipnótico viciante deste refrigerante ao prová-lo. O comandate-em-chefe comunista, aliás, percebe isso da forma mais traiçoeira possível: o próprio Joseph Stalin vicia-se em Coca-Cola.

Devido aos embargos econômicos ocidentais e a dificuldade em se obter a bebida por meio de espiões, Stalin designa o químico Sabir Yunusov para quebrar o código da bebida e produzir a StalnCola.

Após anos de trabalho, Sabir Yunusov consegue se aproximar da fórmula secreta. A bebida tinha um gosto horrível, um aspecto repugnante, um cheiro asqueroso e destruia completamente o estomago e os ossos de quem a ingerisse, exatamente como a Coca-Cola, mas ainda não viciava.

Como na União Soviética, a bebida ingere VOCÊ!![1], Yunusov acabou bebido por sua criação e o projeto ficou engavetado.

A produção de vodca mostrou-se mais eficaz e barata.

A visita de Fidel e a Cuba Libre[editar]

Por volta de 1960, Fidel Castro, novo aliado soviético, visita o líder da URSS, Nikita Khrushchov, sucessor de Vladmir Lenin. Durante a conversa, regada a vodca, Fidel e Khrushchov conversam sobre a Revolução Cubana e, paralelamente, sobre a popularização da vodca nas Repúblicas Soviéticas.

Khrushchov falava sobre o projeto anterior, a StalinCola, e trouxe-lhe uma garrafa da bebida, enquanto Castro, mamadaço, subindo na mesa de centro bradava palavras de ordem: "Yo lucho por una Cuba Libre".

Zonzo, Fidel Castro caiu por cima de Nikita Khrushchov, e a vodca do cubano misturou-se à StalinCola do soviético.

Fidel conseguira o que Sabir Yunusov jamais alcançara. Os efeitos da vodca sobre o refrigerante preto não só a tornara viciante, mas também suavizava o gosto, cheiro e efeitos nocivos (ou não).

Da União Soviética, a bebida veio para a ilha centro-americana, e dali pra o mundo.

Chegando ao ocidente capitalista, os efeitos de dependência da Coca-Cola passaram a corroborar com os efeitos da vodca (ou pinga, no Brasil). Atualmente a bebida também é conhecida como tubão.

A abertura soviética do final da década de 80 e o surgimento das GeneriColas[editar]

Com a perestroika e em especial com a queda do Muro de Berlim, em 1989, a StalinCola deixou de ser um segredo de estado soviético e logo sua fórmula passou a ser negociado como brinde junto aos traficantes de armas do Exército Vermelho.

O tão bem guardado segredo da Coca-Cola estava, pelo menos parcialmente, revelado.

Foi exatamente nessa época em que surgiram as mais de 8000 diferentes marcas de "Colas", as GeneriColas. Dentre as quais destacam-se:

Versão moderna: OpenCola[editar]

Analogamente às cópias de músicas em mp3, programas de computador open source e outros bagulhos "socializados" na internet, a fórmula dos refrigerantes de cola acabou caindo na rede. Estava criada a OpenCola.

Dicas e cuidados a serem tomados[editar]

  • Aromatizante
Medida: Use um conta-gotas (pode ser usado um conta-gotas para remédios infantis)
Óleos: Podem causar irritações de pele. Use luvas de látex. Caso haja contato dos óleos com a pele, lave bem com sabão e água. Tente comprar óleos não diluídos (100% puros). Podem ser encontrados em lojas de alimentos naturais e herboristas.
Goma Arábica: É muito importante que seja usado goma arábica comestível. Existe também uma goma arábica que está disponível em lojas de suprimentos para artesãos. Esta goma arábica é tóxica.
  • Xarope de OpenCola
Água: Use água mineral, de preferência.
Ácido Fosfórico a 75%: Devido a sua acidez, este produto é corrosivo para os olhos e a pele. Ao manuseá-lo, utilize luvas de latéx e com extremo cuidado. Caso entre em contato com os olhos ou a pele, imediatamente lave em água corrente por pelo menos 15 minutos e chame por assistência médica. Caso entre em contato com a roupa ou outras superfícies, enxágüe o local completamente. Armazene em um local seguro. Não armazene mais de 50 mL.
Ácido Cítrico: Muito fácil de encontrar. O ácido cítrico foi usado incialmente na fórmula da Coca-Cola mas atualmente utiliza-se o ácido fosfórico.
Açúcar: Açúcar branco de mesa básico encontrado em qualquer lugar.
Cafeína: É melhor não armazenar a cafeína em nenhuma quantidade. A cafeína pode matar relativamente com pequenas doses. A dose letal média para um adulto gira em torno de 10 gramas. Se armazenado, mantenha em um local seguro longe de crianças. É tóxico por inalação e ingestão: se inalado, remova a pessoa a um local com ar fresco; se ingerido, chame um médico. Possívelmente teratogênico e mutagênico. Se o produto entrar em contato com os olhos, imediatamente lave em água corrente. A cafeína é completamente opcional.
Corante de caramelo: Ele somente adiciona cor. Deixa a bebida menos clara do que se costuma ter numa lata ou garrafa. Nenhuma outra diferença em termos de sabor.
  • Cola
Água Gasosa: O que funcionou melhor foi adicionar água gasosa sem sódio (muito importante) em lata ao xarope.

Ver também[editar]

Ligações externas[editar]

Referências

Mirror2.jpg Conheça também a versão oposta de OpenCola no Mundo do Contra:

Espelhonomdc.jpg