Oração

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Pain rezando (seria a oração uma pratica pagã?).

Cquote1.png Você quis dizer: Fazer nada Cquote2.png
Google sobre Oração

A oração (diferente desta outra oração), ou ainda prece, é simplesmente o ato de rezar, ou seja, "não fazer nada e arregar pra alguém superior" (o que pode incluir muita chorumela e quase nenhum agradecimento). Podendo ser individual ou grupal, algumas vêm até acompanhadas de musiquinha, numa espécie de serenata.

Por ser algo muito ligado a qualquer religião que seja (ou pelo menos a maior parte delas) e a pragas de família, não é de hoje que a famosa frase "pede as graça muleque safado" continua a ressoar nos ouvidos das pobres criancinhas.

Estudos recentes sobre as orações confirmam que há quase 100% de chance de não acontecer nada depois, apenas perda de tempo. Outros estudiosos estão tendo sucesso em decifrar as causas da surdez infantil.

Tipos de oração[editar]

Consequências óbvias...

Alto-falante[editar]

Pessoas imbecis que praticam esse tipo de oração são classificadas pela potência sonora em decibéis, e podem ser facilmente encontradas bradando a plenos pulmões em plantações de arroz ou milho. Tudo o que dizem pode sempre ser resumido a "PAPAI, EU TÔ AQUI EMBAIXO, E SAI DA FRENTE SATANÁAAAS".

Sussurrante[editar]

Nem tão alto que todos ouçam, nem tão baixo que seja merda nenhuma. Dá até pra ouvir o que a pessoa está dizendo, mas está claro que a mesma não quer publicar nas redes sociais.

Reflexiva[editar]

Nesse tipo de oração, quem ora pode estar de olhos abertos ou não. Caso não esteja, é uma hora perfeita pra surrupiar algum pertence, ou quebrar um ovo na cabeça da vítima. Um exemplo besta desse tipo de oração besta é a meditação.

A oração em crenças populares[editar]

Em relação às diversas crenças, religiões e babaquices existentes, vale reforçar, mais uma vez, que as orações podem ser individuais ou coletivas.

Crentelha / Evangélica[editar]

Aqui, é comum a oração do tipo alto-falante, mas seria muito pouco se fosse só isso, e o fiel orador é encorajado a fazer mais do que se ajoelhar. Como o show nunca pode parar, durante as orações é comum que ocorra desde extorsão e fogos de artifício até mesmo expulsão e possessão demoníaca. Quando a oração é combinada a um estilo musical, tal estilo vira automaticamente uma vertente do gospel. Neste caso, oração sem o termo "gezuis" (ou o sangue do mesmo) não é considerada oração.

Católica Arcaica Romana[editar]

Repetindo sempre as mesmas ladainhas, os fiéis podem, no máximo, se ajoelhar. Quando não, estão apenas treinando para serem figurantes de The Walking Dead, enquanto umas velhinhas vão passando pra recolher as esmolas. Nas igrejas, são comuns as orações sussurrantes, que neste caso podem incluir também pragas (ou uma viagem só de ida ao inferno) ao vizinho gay ou a qualquer um que não faça parte da máfia. E sempre há um momento reservado para as "pás de Cristo".

Islâmica[editar]

Em se tratando de islamismo, pra começar a prece não pode ser em particular (embora muitos ainda prefiram as mesquitas). Quer dizer, onde quer que esteja, o fiel deve estar sóbrio (ou ter algum senso de direção) e se voltar para Meca. Mesmo que o coitado não saiba nada de árabe, as orações principais devem ser feitas nesse idioma, o que certas vezes resulta em uma oração que nem o orador sabe o que é. As orações islâmicas também devem acompanhar a posição do Sol, mas caso não queira atender a tantos requisitos, basta apenas que o orador detone um edifício.

Judaica[editar]

Uma das mais tradicionais. Quando se está numa sinagoga, o judeu pode optar por vários tipos de orações (alguns deles envolvem inclusive o uso de moedas, e a oferta de farinha e sacrifícios). Em particular, a oração judaica pode consistir também em ouvir bastante Black Shabat e em repetir constantes elogios para aquele gracioso ex-general alemão que tinha uma bigodinho quadrado.

Satânica[editar]

Na crença satânica ou satanista, o orador não reza pra ninguém, senão pra si próprio. Ele quer acreditar que o cornão vai ressurgir alguma hora e "pretende estar pronto" (ou ferrar com a vida de alguém), antes que o mesmo venha de madrugada puxar um pezinho. A oração aqui geralmente é regada a velas pretas, pentagramas, sangue de bode (ou outros sacrifícios) e uma pitada de água benta (pra acanalhar o negócio).

Umbandista / Quimbandista / Candomblezista[editar]

Se a pessoa é desse ramo e vai fazer uma oração, provavelmente a fará acompanhada de alguma espécie de oferenda. Recomenda-se a ela que jogue os búzios pra acertar na Mega-Sena não deixe nunca seu orixá irritado, e que envie sempre comes e bebes do bom e do melhor. Caso contrário, a vida dela terminará de forma trágica (igual à de cima). E não é preciso manerar na macumba.

Espiritista[editar]

Pouco se sabe a respeito desse tipo de oração, mas na maioria das vezes é em prol de alguém, e é melhor realizada na presença de uma impressora wireless.

Hinduísta[editar]

Consiste em repetir mantras, ou seja, prolongar uma sílaba por quinhentos anos seguidos... e deve ser dirigida a um entre trocentos milhões de divindades.

Budista[editar]

Assim como a de cima, também consiste em mantras, só que direcionados a um gordinho master.

Ateísta[editar]

Até os ateus rezam, sim. Só não se sabe ao certo se suas preces são para Darwin, Stephen Hawking, outro idiota ou um humorista qualquer.

Agnóstica[editar]

Os agnósticos permanecem em dúvida se a oração é algo válido.

Crença do foda-se[editar]

Na chamada religião do foda-se... bom, já sabe o que tal ramo afirma sobre esse negócio de oração.

Relacionados[editar]


Mirror2.jpg Conheça também a versão oposta de Oração no Mundo do Contra:

Espelhonomdc.jpg