Pais do Chico Bento

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Carroca1.jpg Enxada-1.png Esti artigu é caipira, sô!! Enxada-2.png

Este tar di artigu pareci caipira, foi escritu purum caipira, ô ele é de fato
CAIPIIIIRRA!!!

Num istraga eli naum, si não nóis crava a inxada pra riba docê!


250px-Wario WWare.gif Este artigo é sobre um personagem secundário!

Quase ninguém sabe da existência deste zé ruela que só serve pra encher linguiça na trama e provavelmente está morto. Se bobear, nem no Google tá!

Clique aqui para ver gente que só fãs alienados conhecem.

Só um filho? Planejamento familiar com casais pobres é raro.

Cquote1.png Você quis dizer: Seu Tonico e Dona Cotinha? Cquote2.png
Google sobre Pais do Chico Bento
Cquote1.png Experimente também: Pais caipiras Cquote2.png
Sugestão do Google para Pais do Chico Bento
Cquote1.png Pai, quando crescer quero ser ingual o sinhô! Cquote2.png
Chcico Bento sobre Seu Tunico
Cquote1.png Vai estudar, Chico, pra ôce virá dotor! Cquote2.png
Pais do Chico Bento sobre o Chico

Apresentação[editar]

Participantes do núcleo pobre interiorano e caipira da Turma do Chico Bento (que também faz parte da Turma da Mônica, apesar de ter o seu grupinho particular), Seu Tunico (ou Tonico, tanto faz) e Dona Cotinha são os pais do caipira mais preguiçoso das bandas da Vila Abobrinha (um projeto de acentamento fail, criado por Maurício de Souza no interior fictício do estado de São Paulo), chamado Francisco Bento (ou mais vulgarmente conhecido pela alcunha de Chico Bento, o que dá na mesma merda no fim das contas). Diferentemente dos pais dos outros membros da turminha que vive no Bairro do Limoeiro, Tunico e Cotinha aparecem bem mais do que adultos deveriam aparecer nos gibis em que crianças são protagonistas, deve-se isso ao fato de que não exitem muitos personagens na Vila, sendo que os criadores dos quadrinhos tem que acabar apelando para tais personagens não muito engraçados, mas contanto que a revistinha acabe sendo vendida no final, eles pouco se importam com esses detalhes.

Seu Tonico, Tunico, ou tanto faz[editar]

Cquote1.png Chico, eu vô ti insiná a tocá a fazenda i tudo mais, mas ainda queru que ocê vire gay dotor! Cquote2.png
Seu Tunico sobre Chico Bento

Caipira desde que se lembra, Seu Tunico Bento sempre foi um homem do campo, sem instrução, sem educação, sem dinheiro e sem muitas coisas básicas para a vida (principalmente comida), mesmo assim, lutou muito junto do MST para conseguir o lote de terras que tem hoje e montar a sua pequena e humilde fazenda (bem diferente dos sem-terras que pegam um lote de terra dado e revendem para algum fazendeiro de volta, voltando a ficar sem-terra para conseguir mais e assim formar uma bola de neve). Crescendo com as dificuldades do campo, ficou feliz quando chegou na Vila Abobrinha, que era o local onde recebeu o seu pedaço de chão. Sua primeira tarefa doi logo a de arranjar algumas sementes para fazer alguma plantação de maconha feijão, arroz, "mio" e tudo mais que desse para a sua subsistência. Mesmo com tudo dando bem no começo, o trabalho ainda era muito para um único homem, sendo assim ele foi em busca de outro homem (ui!) para tocar a fazenda consigo. Não conseguindo ninguém com tal o gosto peculiar, resolveu ir atrás de um rabo de saia mesmo.

Foi então que nessas andanças da vida, Seu Tunico conheceu a Cotinha, uma linda garota tão caipira quanto ele e que topou passar um tempo ao seu lado, só para ver se eles se aguentavam pelo menos mais do que um mês. E não é que eles conseguiram se suportar mesmo! Enquanto Tonico tocava no roçado, Cotinha cuidava de lhe levar a marmita diária, estava tudo as mil maravilhas. Porém, em um sexo casual e sem camisinha, Cotinha acabou engravidando do primogênito do casal, a quem deram o nome de Francisco Bento, em homenagem a São Francisco de Assis, ou alguém do tipo santidade. Para a sorte de Bento, o primogênito nasceu homem (pelo menos biologicamente falando), o que lhe seria muito útil no roçado e coisas do tipo, a ponto de transformá-lo em um verdadeiro peão. Mas com o passar do tempo, Tunico percebeu que seria muito melhor para ele que seu filho se tornasse um "dotor", pois traria dinheiro para a casa e poderia finalmente (além de deixar de ser pobre de vez) transformar aquela plantação de chuchu em um grande latifúndio. Infelizmente seu sonho está longe de se concluir, haja visto que Chico não passa de um burro e NUNCA poderá passar em medicina.

Dona Cotinha[editar]

Chico querendo acalmar a sua mãe, antes de dizer que engravidou Rosinha, sem querer.

Morena, cabelos lisos e pretos, Cotinha também vivia no projeto de assentamento da Vila Abobrinha, morando com os pais e, como a maioria daquelas pessoas dalí, sem nenhum estudo. Vivendo de um modo patriarcal, Cotinha vivia sonhando no dia em que seria salva pelo seu princípe encantado, que a tiraria daquela vida de lavar, passar e cozinhar, a transformando em uma moça rica, bonita e com uma chapinha permanente no cabelo. Mas o tempo passava e a jovem moça só conhecia um peão mais pobre do que o outro, o que a deixava desperançosa de que se existiria tal homem que faria isso. Foi então que, em uma das quermesses da Igreja, Cotinha acabou conhecendo Tunico Bento, um galante fazendeiro dono de um sítio, que tocava tudo sozinho e que procurava desesperadamente uma moça para se casar. Achando que finalmente tinha encontrado o homem que lhe daria tudo na vida, a moça logo se ofereceu toda pra ele, sendo recebida de braços (e outras coisa mais) abertos. Não demorou muito para a jovem se entregar para ele e ser convidada para dividir o mesmo teto que o rapaz, coisa que ela aceitou imediatamente.

Para o azar da pobre moça, a única coisa que mudou de sua rotina diárioa foi a casa em que ela fazia as suas tarefas (agora, muito mais pobre e com muito menos comida do que a dos seus pais). Sua função não tinha mudado quase nada de sua casa paterna para o aconchego matrimonial, ao contrário, as tarefas tinham até aumentado, sem falar que ainda acabou ficando grávida e, como não tinham televisão, ainda corria o risco de ter mais uns dez pirralhos por aí. Temerosa por isso, mas informada sobre métodos contraceptivos, buscou logo fazer uma laqueadura, antes que começasse a cuspir crianças por aí quem nem uma coelha desenfreada. Seu primeiro e único filho, Chico, é um poço de problemas, vive roubando goiabas do Nhô Lau, fugindo das aulas da Dona Marocas, ou dormindo na Igreja, sendo que ela é a única que põe moral naquele lugar, sendo mais corajosa até mesmo do que o próprio Tonico. Atualmente também sonha com o futuro brilhante do seu filho, esperando mesmo que ele vire um "dotor" e tire eles daquela lama eterna, ou que pelo menos o primo de Tonico da cidade, o ajude quando precisar (pelo menos isso).

Ver também[editar]