Palácios Imperiais das Dinastias Ming e Qing em Pequim e Shenyang

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Confucio.jpg Pastel de flango, né?

Este altigo foi fablicado na China e pode queblar a qualquer momento. O autor plovavelmente luta Kung Fu e tem uma pastelalia. Não estlague este altigo, pois Jackie Chan está de olho.


Este artigo é um
Patrimônio Mundial da Humanidade.

Pode ser uma ruína, uma cidade
de merda, um matagal abandonado,
mas está protegido!

World Heritage Site logo.png

Leitura recomendada apenas para
pessoas com cultura.

A UNESCO monitora este artigo.


Os Palácios Imperiais das Dinastias Ming e Qing Ping e Pong em Pequim e Shenyang são palácios que funcionaram como casas de campo e boates de swing do imperador durante as épocas da Dinastia Ping e Dinastia Pong localizadas nas caóticas Pequim e Shenyang.

Cidade Proibida em Pequim[editar]

A Cidade Proibida foi a maior boate jamais vista do mundo, conhecida assim porque os camponeses eram proibidos de entrar na festa (porque pobre só se fode, mesmo há 500 anos atrás).

A cidade foi o centro das riquezas do Império Chinês, era alvo constante de bandidos e sofreu com a invasão dos vândalos. Foi um local de grande importante na inspiração dos livros sagrados orientais, tais como o Kama Sutra.

O seu último residente foi Mao Tsé Tung.

Palácio de Mukden em Shenyang[editar]

Uma das criaturas encontradas no Palácio de Mukden.

O Palácio de Mukden foi um plágio da Cidade Proibida, localizado na Manchúria, tinha como objetivo aumentar o ego dos imperadores da Dinastia Pong que foram morar lá na Puta que Pariu Manchúria.

Esse palácio foi alvo de umas mandingas budistas, e por isso é assombrado por fantasmas e espíritos dos antigos reis, que assassinam qualquer coreano, japonês ou capitalista que se aproxime.