Paraês

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Paraês é o dioma utilizado para se comunicar com o típico caboclo paraense, você vai precisar de uma pequena ajudinha. Afinal, tem 'pérolas' que você só vai ouvir no Pará.

Então, menino, senta e treina um pouco do idioma papa-chibé:

A[editar]

  • ACOCAR: agachar.
  • ADUBAR: colocar muito (como quando se enche o prato de comida).
  • AGORA LASCOU-SE: agora deu merda.
  • APLICA!: expressão usada em resposta a uma história improvável: Tá bom aplica!!!
  • APORRINHAR: aborrecer.
  • APRESENTADO: atrevido.
  • ARDILOSA: ardida. Esta pimenta está muito ardilosa.
  • ARREDAR: afastar-se. Arreda um pouco pra lá!/Não arreda o pé daí.
  • ARREGANHAR: abrir demais. Não te arreganha demais, senão vai aparecer tudo!
  • ARREMEDAR: imitar, muitas vezes avacalhando com a pessoa.
  • ARRIADO: 1. bem abaixado. 2. muito doente.
  • ASSANHADO: diz-se do cabelo desarrumado. Teu cabelo tá todo assanhado.
  • AXIIII CREDO!: expressão de nojo ou desdém quando não se gosta de alguma coisa.
  • AVACALHAR: zoar, sacanear.

B[editar]

  • BAFO DE ONÇA: mau hálito.
  • BAGUDA: diz-se da farinha de mandioca de grãos (bagos) grossos.
  • BAITA: grande. Um baita de um navio.
  • BAIXAR: descer o rio.
  • BAJARA: canoa com motor de popa do tipo rabeta.
  • BARÃO: pessoa rica ou com carrão.
  • BARCO-GAIOLA: embarcação típica dos rios amazônicos.
  • BEM: bastante, muito, suficiente. Lá em casa tem bem laranja.
  • BEM BÃO!: interjeição que indica aprovação: Bom demais!
  • BENJAMIM: extensão de tomada.
  • BOIA: comida, rango.
  • BOCÓ: bobo,abobado. Ele é bocó.
  • BOMBOM: bala.
  • BONEL: boné.
  • BORA LOGO!: depressa!, anda logo!, não demora!
  • BORIMBORA: vamos embora
  • BORÓ: dinheiro trocado ou moedas.
  • BREADO: suado. Égua, eu tô muito breado!
  • BROCA: fome.
  • BUIADO: endinheirado.
  • BUSTELA: meleca, preferencialmente de nariz.

C[editar]

  • CABA: espécie de marimbondo nativo da região.
  • CABOCO: caboclo, matuto; diz-se também do paraense com jeito de índio ou vindo do interior.
  • CABOQUICE: ação ou objeto que seja considerado "brega", breguice. Apesar do nome, a caboquice nem sempre está diretamente relacionada com os cabocos.
  • CAGIBROTA: Pinga, cachaça.
  • CAPAR O GATO: ir embora depressa.
  • CARAPANÃ: pernilongo, mosquito, borrachudo, muriçoca.
  • CANTO: esquina. Te espero lá no canto.
  • CARIBÉ: mingau de farinha fina. Costuma ser consumido quando se está arriado.
  • CATIROBA: garota fácil, que fica com qualquer um.
  • CEMITÉRIO: jogo conhecido como queimada no resto do Brasil.
  • CHARQUE: órgão genital feminino.
  • CHOPE: raspadinha ou sorvete de saco; iguaria conhecida por cariocas como sacolé.
  • CHIBÉ: água com farinha de mandioca.
  • COQUE: croque, golpe na cabeça com os dedos.
  • CUÍRA: gastura, impaciência.
  • CURUBA : ferida coagulada.

D[editar]

  • DAR BUSULETA: dar problema.
  • DAR PREGO: quebrar, enguiçar. Variante: dar no prego.
  • DIACHO: que diabos!
  • DISPRÉ: ruim, vergonhoso, "sem presença". Vem da palavra despreparado.
  • DE ROCHA ou DIRROCHA: É Mesmo, é verdade.

E[editar]

  • ÉGUA: interjeição de uso universal, considerada a vírgula paraense.
  • EMBRULHAR: colocar cobertor sobre si mesmo ou outrem.
  • EMPERIQUITADO: muito arrumado no vestir, às vezes até de modo exagerado. A madame desceu a escada toda emperiquitada para sair.
  • ENCARNADO: avermelhado, rubro. Termo muito utilizado pelos idosos.
  • ENTRAR ÁGUA: dar errado.
  • ERAS: forma suavizada de égua.
  • ERAS DE TI!: mas você, hein!
  • ESBANDALHAR: quebrar (um brinquedo, um aparelho, um osso).
  • ESCANGALHEI COM A MINA: fez barba, cabelo e bigode com a gata.
  • ESCULHAMBAR ou ESCROTEAR: dar uma bronca.
  • ESMIGALHAR: amassar, desmanchar.
  • ESPOCAR: estourar, explodir.
  • ESPOCA FORA!: cai fora.
  • EU CHORO!: não estou nem aí. Costuma ser dito com ênfase na segunda sílaba: Eu choooooro!!!

F[editar]

  • FACADA: preço alto. Comprei aquele sapato lindo, mas foi uma facada.
  • FICAR DE MUTUCA: ficar na espreita.
  • FILHO DUMA ÉGUA: filho da mãe.
  • FRESCAR: fazer graça.

G[editar]

  • GITA ou GITITA: o mesmo que pequenina.
  • GRAFITE: carga de lapiseira.

I[editar]

  • IGARAPÉ: córrego.
  • ILHARGA: lado, quadris.
  • INHACA: mau cheiro, fedor, cecê.
  • IR LÁ EMBAIXO: ir ao Centro Comercial (usado muito por pessoas mais velhas).
  • ISPIA!: olhe só!

J[editar]

  • JÁ MÉ VÚ: tchau, até mais, vou nessa.
  • JERIMUM: abóbora.

L[editar]

  • LÁ NA CAIXA-PREGO, LÁ ONDE O VENTO FAZ A CURVA ou LÁ ONDE JUDAS PERDEU AS BOTAS: deu pra entender, não é? Bem longe.
  • LESEIRA: Idiotice. Deixa de leseira!
  • LESO: Quem faz leseiras, idiota. Deixa de ser leso!
  • LEVAR O FARELO: 1. quebrar a cara, se dar mal. 2. morrer.

M[editar]

  • MALINAR: maltratar.
  • MAS COMO ENTÃO?: como pode isso?
  • MAS QUANDO!: duvido.
  • MAS QUANDO JÁ!: que nada!
  • ME ERRA (ou me mira mas me erra): pra cima de mim não, nem vem que não tem.
  • MERDA N'ÁGUA: zero à esquerda, aquele que não é porcaria nenhuma ou maria-vai-com-as-outras.
  • MIJADA: bronca.
  • MIXIA: lembranças de algo ou alguém que nunca mais apareceu.
  • MUFINO: triste, abatido.
  • MUITO PALHA: devagar, sem graça.
  • MUQUEAR: esmurrar.
  • MURRINHA: moleza, preguiça.
  • MUTUCA: mosca grande que costuma rondar os igarapés.

N[editar]

  • NA BASE DE: por volta de. Cheguei na base das 10 horas.
  • NA ROÇA: em situação difícil, sem dinheiro. Não vou hoje na festa porque estou na roça.
  • NÃO SER ESSA COCA-COLA TODA: não é lá essas coisas.
  • NEM TE CONTO: Vem cá que quero te contar uma coisa (geralmente é fofoca... rs).
  • NÓ CEGO: pessoa com má conduta.

O[editar]

  • OLHA QUE O PAU TE ACHA!: frase usada para advertir alguém das consequências de se meter em uma situação perigosa.
  • ONDA: confusão. Égua, rolou mó onda perto de casa ontem!
  • OSGA: lagartixa pequena.

P[editar]

  • PAI D'ÉGUA: excelente, tudo de bom.
  • PÃO CARECA: pão francês, cacetinho, etc.
  • PAPA-CHIBÉ: paraense autêntico.
  • PAPAGAIO: pipa.
  • PAPUDINHO: cachaceiro.
  • PARAGOBALA: Paragominas, cidade no leste do Pará próxima à divisa com o Maranhão. O nome vem dos índices de violência relacionada a armas de fogo, mesmo sendo uma das cidades mais desenvolvidas do Estado.
  • PARRUDO: pessoa de ombros largos, seja por ser gordo, seja por ser forte.
  • PARUBA: paraense.
  • PATETAR: ficar de bobeira, dar mole, dar bandeira.
  • PATETICE: leseira.
  • PAVULAGEM: metidez, frescura.
  • PÉ D'ÁGUA: tempestade, chuva muito forte.
  • PEREBA: sarna.
  • PESCOÇÃO: o mesmo que pescotapa.
  • PIOR: é verdade.
  • PIPIRA: garota de programa. Diz-se também da garota fácil, que dá pra todo mundo.
  • PIRA: 1. Pega-pega. 2. Coceira, sarna.
  • PIRA PAZ, NÃO QUERO MAIS: chega!, parei!
  • PIRACUÍ: farinha de peixe.
  • PIRENTO: alguém acometido de pira (acepção 2), sarnento.
  • PIRRALHO (A): criança insuportável.
  • PISSICA ou PSICA: azar, urucubaca (pode ser usado também pra dizer que vai torcer contra - fazer pissica).
  • PITIÚ ou PIXÉ: cheiro típico de peixe.
  • PLOC: 1. o mesmo que pipira. 2. coisa brega.
  • POMBA-LESA: bocó , pateta, palerma.
  • PÔ-PÔ-PÔ: embarcação típica composta por um a canoa coberta e um motor de popa.
  • PORRUDO: grande, enorme.
  • PUTITANGA: putz!

R[editar]

  • RABIOLA: papagaio (pipa) de cauda comprida.
  • RALADO: difícil, complicado.
  • RALHAR: dar bronca.

S[editar]

  • SACRABALA: bairro da Sacramenta, na periferia de Belém. Também pode ser utilizado para o ônibus da linha 546 (Sacramenta-Nazaré).
  • SAMBUDO: folgado.
  • SAFO: 1. bom em algo. Fulano é safo em matemática.
  • SE PUXAR ir embora.
  • SÓ TE DIGO VAI!: depois não diga que não lhe avisei.
  • SEM TERMO: sem bons modos, ou seja, pessoa sem um bom comportamento.
  • SÓ BAFO: mentiroso.

T[editar]

  • TÁ, CHEIROSO!: conta outra, não vem com essa.
  • TÁ LESO?: deixa de ser doido!
  • TÁ SAFO: OK, beleza.
  • TAÍDO: ardido, apimentado. Essa pimenta é muito taída.
  • TAPIOCA: iguaria paraense também conhecida como beiju.
  • TAPURU: larva de mosca.
  • TEBA: grande. Ela tem uma teba de uma orelha.
  • TOPADA: tropeço, geralmente com o dedão do pé.
  • TORADO: pessoa muito forte.
  • TORÓ: chuva forte.
  • TRAVESSA: tiara, arco de prender o cabelo.
  • TRAVOSO: ruim de bola.
  • TRAPICHE: dique, porto.
  • TUCANDEIRA: 1. espécie de formiga grande 2. calça de pescador, com as bainhas dobradas até as canelas ou os joelhos.
  • TUÍRA: 1. marca branca de arranhão. 2. diz-se do açaí maduro.

U[editar]

  • ÚA MALHADO: expressão de negação. -Olha teu bofe ali. -Úa malhado!
  • ULHA!: interjeição de espanto.

V[editar]

  • VAREJEIRA: mulher safada ou vulgar.
  • VISAGEM: fantasma, assombração. Pronuncia-se visage (como na palavra francesa para "rosto") entre os cabocos.
  • VIXE MARIA!: Virgem Maria!, Minha Nossa Senhora de Nazaré!
  • VUADEIRA: lancha.

X[editar]

  • XIRI: Órgão genital feminino.

Z[editar]

  • ZICA: Problema, erro. Deu zica = deu problema; Nunca vi tanta zica = nunca vi tanto erro.
  • ZIZA: Prega-mestra do ânus.