Patis

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Gnome-searchtool blue.png Patis é uma pequena cidade desconhecida.
Você pode estar perdendo seu tempo à-toa ao ler sobre essa joça.
Na União Soviética a cidadezinha não conheçe VOCÊ!!!

Sciences de la terre.svg.png
Cquote1.png Você quis dizer: Patins Cquote2.png
Google sobre Patis
Será que todo lago de minas Gerais tem essa cor de bosta?

Patis é uma das cidadelas de Minas Gerais que fica no norte do estado, uma das regiões mais remotas e com mais municípios que não são comprovadamente existentes. Alguns existem apenas no papel, como é o caso de Patis que é um município que só existe para aumentar ainda mais o número de cidades existentes em Minas Gerais (que beira aos 850 municípios).

Patis é conhecida principalmente pela falhas e brechas na segurança que tornam as ruas de Patis mais seguras do que uma expedição para o centro da Terra. As chances da cidade explodir são igualitárias as de o aquecimento global derreter o mundo.

Origem[editar]

Sendo que foi fundada por um grupo de fazendeiros que só ganhavam lucro por causa da escravidão, eles acabariam por perder todos os seus escravos com a lei áurea, tornando suas fazendas irrelevantes para o Brasil e sua economia que era maior do que a de Portugal mas que por meras panelinhas de países ricos, fizeram o Brasil não ser um país rico como eles. Os fazendeiros decidiram que fundar uma cidade medíocre era a melhor coisa a se fazer durante aquela época de crise, e assim, era fundada Patis.

O prefeito seria o fazendeiro mais pobre, mas como eles não conseguiram definir quem era o fazendeiro mais estupriado de toda sua trupe, acabaram por decidir que quem parecesse mai com um prefeito de cidade pequena iria ocupar o cargo. E logo o que se assemelhava a ser mais um mendigo qualquer que virou o primeiro prefeito de Patis. Com o prefeito e a câmara de deputados de Patis formada, a cidade já poderia começar a fazer spam oferecer casas e abrigo na cidadela para ela crescer.

Mas se isso resolveria o problema de mão-de-obra e de propriedade manufaturada de Patis (o que é isso?) todos sabiam que era uma total perda de tempo se importarem com esses problemas toscos. O que eles queriam eram apenas os seus confortáveis cargos da prefeitura. No dia que o prefeito morreu, seu filho, que tinha mais cara de esculachado que seu pai, virou o novo prefeito e assim foi passando de geração em geração, tornando a cidade uma cidade governada por mendigos. Uma monarquia de mendigos, como é chamada até hoje.

O resto da história não é muito interessante: pouca gente gosta de se importar com esses fatos que tornaram a cidade na merda que está hoje. Mas um livro de assinaturas mostra quem já visitou a cidade e o que as pessoas acharam de Patis. A maioria coloca xingamentos, em uma forma de difamação contra os habitantes da cidade que estão pouco se lixando para o que escreveram naquele caderninho tosco, já que 900% da população de Patis não sabe ler.

Cidade[editar]

A cidade de Patis é basicamente um anexo da praça e um campinho de futebol que, nem mesmo os próprios habitantes, sabiam da existência. Depois desse campinho e dessa praça só tem coisas desinteressantes: a prefeitura de Patis, a loja Patins de Patis e uma biblioteca que tem as respostas para a pergunta mais intrigante de Patis:porque raios a cidade recebeu um nome tão escroto quanto?

Mas alguém vai para a biblioteca? Bem, vão para a biblioteca com a mesma frequência com que vão para o cemitério local. Ou seja: nunca. Pois Patis não tem cemitério: as pessoas não se sentem intimidadas enterrando os próprios parentes no quintal.

Ver também[editar]