Patrocínio (Minas Gerais)

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Mazzaropi02.jpg Enxada-2.pngEsti artigu é caipira, sô!!Enxada-1.png

Este tar di artigu pareci caipira, foi escritu purum caipira, ô ele é de fato
CAIPIIIIRRA!!!

Num istraga eli naum, si não nóis crava a inxada pra riba docê!

Cquote1.png Você quis dizer: Patssssino Cquote2.png
Google sobre Patrocínio

Cquote1.png Eu morrrrrr em Patrucino desde quiança, escidade é lindimais Cquote2.png
Patrocinense sobre Patrocínio
Cquote1.png Um recanto feliz, beeeeem distante da povoação Cquote2.png
Cantor Daniel sobre Patrocínio
Cquote1.png Nunca vi igual Cquote2.png
Ray Charles sobre Patrocínio
Cquote1.png Concordo com Ray Charles Cquote2.png
Stevie Wonder sobre Patrocínio
Cquote1.png Cansei de virar as páginas. Está na hora de mudar de livro. Cquote2.png
Caio Fernando de Abreu sobre Patrocinio
Cquote1.png Aquela que vossê (SIC) nunca será! Cquote2.png
Piriguete de Orkut sobre Patrocinio
Cquote1.png Acho que seríamos bem-vindos lá, já que eles seriam bem-vindos para a gente! Cquote2.png
Atletas olímpícos e pilotos sobre Patrocínio
Cquote1.png É Lucas Lucco, hein Cquote2.png
Lucas Lucco sobre Patrocínio

Patrocínio é uma cidade do interiorrrrr de Minas Gerais, localizada entre Uberlândia e Padiminas (do latim: Patos de Minas), que faz com que a cidade seja pólo subindustrial das duas metrópoles que a rodeia. Claro que como toda megalópole de pólo subindustrial, Patrocínio tem um ar pacato de cidadezinha descrita nas nada atuais novelas de época das 6 da Rede Glóbulo de televisão. E isso é sério. Até aquele som com música popular brasileira na praça central - onde encontra-se o núcleo populacional durante o dia e a noite - existe! A população patrocinense é constituída de diversas tribos migrantes de vários lugares do planeta terra mas que acabam por um sonho típico patrocinense: mudar-se para Uberlândia. Cerca de 50% da população consegue esse feitio, o que mostra Patrocínio alcançando níveis exorbitantes de cerca de 82.471 pessoas que ainda moram por lá. Essas, claro, fazem parte dos 50% que não conseguem arrumar alguma forma de melhoria de vida.

Uma cidade ainda nos moldes da república café-com-leite, quase dominada por Barões do Café, Patrocínio também é conhecida por Patsssino, Patrucino, Patrospício, Patroca, Patroça, Terra do Melado Errado, Patcino Moiado, Patropi e mais recentemente Buracocínio (por motivos óbvios).

Tem crateras e casas organizadas no maior estilo militar, indicando apenas uma coisa: que a cidade de Patrocínio é um Patrocínio para o comunismo e totalitarismo no Brasil.

Cquote1.png Ah... Que clichê! Cquote2.png
Habitante da cidade de Patrocínio sobre algo muito comum sobre a sua cidade

A cidade recebeu esse nome escroto justamente para inaugurar essa forma bizarra de patrocinar ideias políticas e outras coisas que preveem a dominação global.

História:[editar]

Vista panorâmica de um Patrocínio.

Em meados do século XVIII, quando o Brasil ainda era habitado apenas por índios, Oscar Niemeyer, José Eustáquio (professor bastante conhecido), os Telettubies e Marisa, professora também bastante conhecida que da metodologia em todos os cursos do Centro Universitário, Patrocínio não passava de um amontoado de terra. Com a vinda da família real para o Brasil, Patrocínio foi escolhida como o abrigo dos escravos advindos do tradicional tráfico negreiro, e para coordená-los vários coronéis também fixaram moradias por ali. Com o passar dos anos, a descoberta de terras extremamente férteis daquele lugar levaram os coronéis a fundar ‘cidades’ nas proximidades para o despacho dos escravos (Guimarania, São João, Coromandel e Serra Negra). Desde então, Patrocínio começou a ser conhecida como ‘a cidade do café’ e habitada por coronéis que tinham dinheiro porém ainda eram meros súditos e pau mandados do rei – daí podemos entender o porque de existir tantas pessoas metidas a besta e a milionárias em Patrocínio.

Dentre esses coronéis, o que mais se destacou foi o Coronel Honorato Borges, que fez feitos suficientes a cidade a ponto de ganhar uma praça, a primeira da cidade, que tem sua manutenção feita todo ano bissexto e, depois de extinta as famosas ruas de lazer, passou a ser o destino de maloqueiros, meninos que pegam o carro emprestado do pai afim de impressionar pirralhas que usam três sutiãs para ter peitos ‘fartos’ e também daqueles que futuramente engravidarão uma destas meninas de 16 anos. Além disso, o Coronel Honorato Borges foi honrado com uma estátua cor chumbo, que, infelizmente, teve os braços arrancados (provavelmente por um dos maloqueiros anteriormente citados) no dia seguinte de sua inauguração.

Logo após esta grande construção, Patrocínio começou a expandir ao redor desta praça principal. Talvez pelo sucesso da primeira, criou-se mais duas praças apenas quatro quarteirões de distancia da do Coronel. E assim constituiu-se o centro da cidade. Em uma das praças, um poço com lodo e rodeado com algumas pedras, inteligentemente batizado de fonte, foi criado para ser o principal destino turístico daqueles que passavam pela cidade nas suas longas viagens. Na outra, foi construído um coreto para ser o passatempo dos coronéis e suas famílias – e atualmente não serve pra absolutamente nada.

Patrocínio cresceu e com a imigração de diversas pessoas iludidas em ficar ricas de vários lugares do país, a cidade ganhou mais e mais praças com igrejas espalhadas pela cidade – uma das poucas que não tem igreja é considerada o ‘motel’ mais visitado da cidade. Porém, como reflexo do Protestantismo de Martinho Lutero na Europa no século XVI, Patrocínio começou a receber no final do século XIX suas primeiras igrejas protestantes (aqui podemos perceber que não é de hoje que em Patrocínio as coisas chegam somente uns bons anos mais tarde do que em qualquer lugar do mundo e da via láctea). E com suas milhões de ramificações, as igrejas protestantes foram se ajeitando em qualquer cômodo de um bairro qualquer, onde caiba o pastor e mais alguns cinco fiéis (na maioria das vezes a família do pastor). Hoje Patrocínio suporta igrejas como ‘Igreja Pentecotista da graça de Deus’, ‘Igreja Adão é o cara’, ‘Igreja Pimenta do Reino’, ‘Igreja Menino Jesus Luz’, entre outras.

Devido toda essa fé da população patrocinense, um construtor carioca anônimo, em visita a Patrocínio, apresentou aos moradores um projeto de um Cristo Redentor a ser construído no alto da maior montanha da cidade. Foi apresentado como sendo algo original e feito sob medida para Patrocínio e por esta razão alguns otários moradores ainda acham que o Cristo Redentor do Rio de Janeiro é apenas uma cópia em tamanho maior da sua única paisagem para um cartão postal.

A fé foi a única motivadora da cidade, da economia ao entretenimento. Tanto que uma das primeiras escolas de Patrocínio foi de freiras e padres. Para o desgosto destes, porém, hoje as escolas são centros de perdição onde meninas vão com bolas rosas no rosto – na tentativa frustada de passar o tal blush corretamente – lápis preto – na tentativa frustrada de parecer com Avril Lavigne - e com calças coladas para se mostrarem para os garotos – os mesmos que tiram fotos de cueca em frente ao espelho e se dedicam em ter uma vida melhor no meio cibernético do que na vida real. Além disso, as escolas patrocinenses também tem sido o local onde futuros protagonistas de filmes pornôs caseiros se conhecem e também o local onde esses vídeos são mais difundidos - para a desgraça da menina e para a fama do menino-moço-garanhão.

E é aí que Patrocínio começa a surgir: à partir da praça com o nome do cafetão da cidade (o tal do Professor Franklim) as casas são construídas, com mais e mais escravos dos Telletubies vão acumulando. Até finalmente a cidade ter ganhado tamanho suficiente para ser alguma coisa nesse mundo.

A cidade:[editar]

A cidade cresceu o suficiente para ganhar um aeroporto. O aeroporto é o objetivo de todos, pois é a única maneira mais rápida e prática de fugir de lá. O bar da cidade também oferece uma boa saída: quando você bebe um pouco dos runs fabricados na região, começa a se sentir tonto, ate desmaiar. Se você não acordar em 3 meses (na melhor das hipóteses) é porque você está já em outro mundo e provavelmente está morto. Em outras palavras, você está no inferno e saiu de Patrocínio!

Aliás, entre inferno e Patrocínio, não tem muita diferença mesmo.

Educação:[editar]

Bóias-frias encontrados no centro da cidade

A cidade conta com aquele básico esquema educacional: existem as escolas particulares boas, as ruins, as péssimas, as que os playboys pagam pra passar e as públicas, que são alvos constantes dos mesmo playboys que mesmo pagando pra passar, ainda não conseguem determinado feitio e se encaminham até as escolas públicas por não darem conta dos ensinos particulares. Os mesmos, vocês podem encontrar facilmente dando voltinhas com o carro ou moto do ano finan por volta das 11h30min em frente as escolas – pra ser mais exatos começam pelo Colégio Atenas, passam pela Dom Lustosa, Colégio Beerlar Nossinhora do Patsino e terminam no Colégio Prisma COC- para se exibirem pras moçinhas linda e delicadas e interesseiras que acham super legal.

O ensino superior é bastante concorrido, afinal quem nunca ouviu falar do famoso UNICERP, que conta com um concorridíssimo vestibular contento 10 questões de cada matéria? Resumidamente, no UNICERP é assim: os playboys filhos de fazendeiros prestam agronomia ou agronegócio, os playboys filhos de comerciantes prestam administração, os filhos de advogados prestam direito, os loucos prestam psicologia, os gordos, nutrição e educação física, alguns ainda tentam fisiotreparia fisioterapia, fono, ciências contábeis, design de interiores, enfermagem, e aqueles que só querem um curso superior prestam as licenciaturas: matemática, letras, pedagogia e ciências biológicas . O resto só quer um curso tecnólogo tenta aí IFTM e outras grandes universidades presentes em Patrocínio. O restante da população vive somente do plantio/colheita/exploração/ensacamento/tráfico do café.

População:[editar]

Patrocínio em 1580
Patrocínio em 2012

82.471 pessoas mal-sucedidas, que aumenta excessivamente na época da colheita do café, observado nitidamente pelos bóias-frias facilmente identificados por usarem sempre camisas com escritos do tipo "RACIONAIS MC É NOIS" ou "VIDA LOKA CABULOSA", dois bonés – um pra cada lado, fazendo um chapéu – e um “paninho” dentro do boné tampando a orelha, quase sempre deitados espalhados no centro da cidade, que chegam através de um ônibus sujo de terra.

Os playboys, que além do desfile de carros no fim do período de aula, são reconhecidos também por terem cadeira cativa na enorme boite COLOMBO MUSIC HALL, quase sempre munidos de 250 cortesias femininas e 983 cortesias masculinas, que antes da festas, se reúnem na porta da boite pra mostrarem pra ninguém que tem alguma mísera moral com os donos da casa noturna.

As menininhas lindas e delicadas, popularmente chamadas de pats, são garotas entre 11 e 16 anos, que andam sempre juntas, vestidas coloridamente e com um copo de cerveja. Copo este, que elas ficam até o fim da festa e normalmente saem carregadas em estado de coma alcoólico.

Não podemos esquecer também do manos, que lotam as praças centrais ou da periferia, com um celular na mão que toca funk ou rap, calça tamanho EXXXGGGMPPP, camisola, boné de crochê com aba reta, tênis qix ou outra marca vagabunda, corrente de prata e uma conversa parecida com: “E aê maluco, vamo sentá lá na praça Honorato Borges pra acendê a vela e ficar de olho nas mina que ficam piriguetando por lá de mini saia rodada e blusa rosinha..”

Uma raça crescente são os famosos DJ’s. Esses tocam uma vez ou outra em uma festinha de fim de semana na Colombo e saem contando por aí que tocaram no Triangulo Music. Se você for a uma festa hoje com algum DJ patrocinense, observará que eles tocam as mesmas músicas que tocaram a 12 anos atrás e uma festa “Retrô”, só tocam músicas de 2000 pra frente. Sem contar que eles adesivam seus carros e fazem uma propaganda enorme na festa FULANA DE TAL (normalmente com nomes muito óbvios do tipo: Festa Cada um no seu quadrado, Festa Bolo Doido, festa Tchê tchê rê rê tchê tchê, XXI festival de salgado, XXXVI festival de cachorro-quente, Festival do chinelo, Festival da chuva, Festival do Leite, etc etc etc) que a atração principal é uma duplinha sertaneja mixuruca patrocinense que tocam músicas do nojento sertanejo universitário e o DJ dono do carro que “remixa” músicas já remixadas. (Espertissimo!).

Povos que foram muito comuns em Patrocínio eram os demogays DEMOLAYS, que andavam sempre vestidos de pinguim e se reuniam em bandos na Praça Santa Luiza e no Boca Gelada, aos sábados a noite. Atualmente é uma raça em extinção, quase nunca mais vista. Se você tem menos de 16 anos e está lendo isso, não saberá do que eu estou falando. Hoje em dia, os Demolays foram substituídos por covers do Justin Bieber que freqüentam o mesmos lugares, usando calça colorida, camisa cavada, boné xadrez e compram algodão doce dos pipoqueiros. Se você tem menos de 16 anos: conhece ou faz parte deste grupo.

O resto: meros cidadãos que merecem certa pena por ainda viverem aqui.

Esporte:[editar]

Patrocínio é uma cidade que incentiva muito o esporte local. Pelos clubes e estádios da cidade vê-se muitos profissionais de fins de semana atuando. Seja no futebol, no voleibol ou na caminhada na avenida do Catiguá.

  • Futebol: Muito futebol, afinal somos brasileiros né?!
  • Voleibol: Já foi bastante respeitado, mas hoje não passa de uma suruba entre técnicos, atletas, bolas, rede, ginásio e relacionados.
  • Handbol: cri cri cri...

E agora o mais importante. O maior evento esportivo de Minas. Os famosos Jogos escolares! Com a intenção de formar grupinhos de pegação interação entre os atletas, é feito uma vez por ano, e dá aos alunos um bom motivo para matar aula durante uma semana (ou duas, quando cada modalidade tem mais de 2 competidores). Depois dos jogos os adolescentes ficam até tarde nos bequinhos perto dos ginásios pegando interagindo com as/os atletas. E não pense que o resultado desses jogos interativos acontecem nas finais. E sim, depois de 9 meses!

Atrativos Turísticos:[editar]

  • Sorveteria Boca Gelada - Uma sorveteria localizada no centro da cidade que recebe todo o tipo de cidadão patrocinense em busca de um motivo pra falar mal da vida dos outros. Cuidado: ir a este local com algum amigo/primo/tio/pai/conhecido quer dizer que casou e está esperando um filho do seu acompanhante!
  • Lanchonete Villenium Millenium - Quase igual ao Boca Gelada, porém freqüentado pela sociedade de baixa renda.
  • Praça Santa Luzia – Ponto de encontro para sentar e continuar falando a vida alheia, que lota nos finais de semana.
  • Praça Honorato Borges – Lugar de maconheiro e de gente que quer se afastar da pequena cabeça e das pessoas de baixa intelectualidade, afim apenas de beber um destilado numa boa, sem ninguém falar de sua vida.
  • Praça Matriz antes das 00h – Local de estacionar seu carro finan, chamar 5 piriguetes, oferecer cerveja e depois da 00h esconder atrás da moita encostar em algum arbusto para um sexo um ato qualquer.
  • Casual Boteco e Restaurante – Buteco casual, normal, freqüentado por pessoas até legais. Só não tem muita credibilidade quando insistem em colocar algum DVD sertanejo.
  • Le Cupim, Bom Folie ou Galatas – Ponto de encontro dos playboys e das pats, cheios de coisas inúteis na cabeça. As vezes ainda é freqüentado por gente normal. Mas normalmente é invadido por gente inútil mesmo.
  • Colombo Music Hall – sempre com atrações fantásticas, a Colombo Music Hall com seu amplo espaço para 50 pessoas, tem atrações como: dupla sertaneja, solo sertanejo, sertanejo em grupo, grupo de sertanejo, DJs que tocam sertanejos, sertanejo, sertanejo, sertanejo. Ainda sobra espaço praqueles dias que tem um show sertanejo.
  • Armazén – Igual o Galatas, porém nunca tem gente normal.
  • Bar do Ti Tóin - Começou bem frequentado por gente descente. Mas como todo lugar no mundo, foi invadido por gays e sapatões.

Atualmente[editar]

A cidade cresceu alguma coisa? Não, e não dará sinais de crescimento. Nem mesmo a população ou a vontade de criar um shopping em Patrocínio aumentou. As pessoas da cidade estão pensando seriamente em parar de assistir telletubies e voltar a explorar a cratera da cidade... Alguns acham que a cratera surgiu após Chuck Norris ter tido sua primeira ereção, isso explicaria o porquê da região de Minas Gerais ser como é.