Paulo Baier

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Paulo Baier é o inventor do futebol, da roda e do fogo.

História[editar]

Baier em seu auge.

Nasceu no Período Paleolítico, fruto de um relacionamento relâmpago entre Dercy Gonçalves e Zagallo.

Na infância, período em que já eram gravadas novelas com Antônio Fagundes, ao avistar um coco no chão, Baier resolveu chutá-lo. O coco pegou um efeito e acertou a cabeça de seu melhor amigo, um Tiranossauro Rex. Os outros dinossauros que viram a cena acharam engraçado, e começaram a chutar cocos uns nos outros. Esse foi o primeiro esboço do que seria o futebol.

Na adolescência, por volta de 2.000.000.000 a.C, Baier organizou a primeira partida de futebol oficial. Para a sua equipe, convidou Rogério Ceni, Alex, Danilo, Zé Roberto e Pirlo. O outro time era composto apenas por mamutes. O juiz era um Jainossauro. Baier marcou dois gols nesta partida, decretando a vitória de sua equipe.

Na idade adulta, foi peça-chave de diversos momentos históricos. Finalizou a primeira parte de seu diário, que mais tarde viria a ser conhecido como Velho Testamento. Ajudou a escrever o Necronomicon. Carregou baldes para ajudar a apagar o Grande Incêndio de Roma. Era um dos três Reis Magos que presenciaram o nascimento de Jesus Cristo. Atirou com mosquetes na Guerra de Secessão. Era passageiro VIP do Titanic, e ganhou lugar especial em um dos botes. Chutou bolas nas cabeças dos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial. E por fim, a realização mais importante de sua história, jogou futebol com a camisa do Criciúma Dortmund.

Futebol[editar]

Paulo Baier é um dos maiores ícones do futebol mundial, por ter presenciado o nascimento de todos os clubes futebolísticos que existem.

Tendo passado por cerca de 969 clubes em sua carreira, Baier é considerado uma promessa para o futuro. Uma das melhores possibilidades que a Seleção Brasileira de Futebol tem de ganhar o hexacampeonato.

Atualmente, esta lenda dos gramados está no Juventude. Porque a juventude de Paulo Baier nunca morrerá.