Perdigão (Minas Gerais)

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Va-a-merda-porra-(Luiz-Carlos-Alborghetti).gif Este artigo pretende ser ofensivo!
Se não se sentiu ofendido, edite-o até se ofender.
E se você se sentiu ofendido, VÁ A MERDA, PORRA!!!
Galinhacaipira.jpg Enxada-2.pngEsti artigu é caipira, sô!!Enxada-1.png

Este tar di artigu pareci caipira, foi escritu purum caipira, ô ele é de fato
CAIPIIIIRRA!!!

Num istraga eli naum, si não nóis crava a inxada pra riba docê!

Wikisplode.gif
A nossa sátira autorizada, a Wikipédia, tem um artigo sobre: Perdigão (Minas Gerais).
DramaticQuestionMark.png
Você sabia que...
  • ...Perdigão é a cidade que mais contribui para o aumento da natalidade no país? A cada 20 meninas, 20 tem 5 filhos antes dos 18 anos de idade.
Típico dia de Carnaval em Perdigão.

Cquote1.png Você quis dizer: Sadia? Cquote2.png
Google sobre Perdigão (Minas Gerais)
Cquote1.png Só o Carnaval de lá que presta. Cquote2.png
Qualquer um sobre Perdigão.
Cquote1.png Não é aquele volante do Inter? Cquote2.png
Alguém sobre Perdigão.
Cquote1.png E morreu... Cquote2.png
Renato Aragão sobre citação acima.

Perdigão (Perdidaum ou Perdigaum) é uma cidade arraial do interior de Minas. Localiza-se entre a favela de Nova Serrana e a tribo "Tupi-Guarani” de Araújos. Perdigão não é cenário de nada, a não ser pelo animado caótico carnaval que promove. Mas que por acontecer uma vez por ano e registrar o maior número de brigas, confusões, mal-entendidos, garrafadas, facadas, tiros, cuspidos, tapas, prisões, furtos e casos de gravidez não faz do local grandes coisas.

Os perdigonenses, perdigueiros ou perdigotos (Os moradores de Perdigão) são em sua maioria imigrantes de cidades do norte como: Malacacheta, Capelinha, Água Boa etc. O objetivo principal deles é trabalhar e trabalhar para poder alugar um barracão e financiar uma moto da ‘’Yamaha‘’ (porque não pede comprovante de renda) e poder sair causando mortes e acidentes na estrada de Araújos.

História

O monge holandês fundador da cidade de Perdigão.

Por volta do ano de 1950 d.C. um padre monge holandês veio à Perdigão (que naquela época não tinha nem nome, somente 2 casas e 3 botecos) para participar do Carnaval. Ele se embebedou e dançou axé nu com travestis durante todos os dias. Na quarta-feira de cinzas ele acordou de ressaca, resfriado e com uma bala alojada na coxa. Uma puta"Simples Camponesa de Nobre Coração” cuidou dele e juntos tiveram 18 filhos e 13 cachorros. Por ser bem recebido o monge resolveu ficar por ali e fundou uma cidade que chamou de Saúde (Sauzenheid em Holandês), porque sempre que espirrava era o que ouvia da "Simples Camponesa de Nobre Coração”. Que idiotice!

O monge então promoveu o desenvolvimento do local baseado em seu país, onde o consumo de drogas é liberado e a economia não é autodependente. Construiu sozinho igrejas, shoppings, playcenters, lanhouses, sexshops e liberou o funcionamento de 34 bares, botequins e botecos. 50 anos depois, o monge, já ancião, foi atropelado por um caminhão de alimentos da Perdigão e teve de voltar a seu país para terminar de morrer se recuperar. Desde então a cidade vem sendo chamada de Perdigão.

Economia

Carreata de fim de tarde em Perdigão. A mais comum atividade social/automobilística/inútil.

A sociedade de Perdigão se divide nas seguintes classes: Antes da era de Prata, no período Pré-Crise nas Infinitas Terras Perdigão baseava sua economia exclusivamente na fabricação, venda e tráfego de artigos fedidos de couro velho, no eterno e mal cheiroso curtume local. Mas hoje o caminho é outro. Perdigão é uma província de Nova Serrana. Ou seja, ela faz com décadas de atraso, o que a outra faz. Portanto hoje sua economia gira em torno da fabricação, comércio, furto e falsificação de calçados. Em alguns anos chegará ao nível de sua sede, com assassinatos por encomenda, roubos em massa e seqüestros relâmpago. Também tem parte na economia, o livre comércio de entorpecentes que gera um alto índice de "Playboyzinhos" maconheiros na cidade, que vivem às custas do pai pagarem o baseado sagrado de todo dia.

Sociedade

  • Empresários - Donos de fabrica ou qualquer outra empresa que movimentam a cidade. Comumente nem tem a 4ª série. São chatos pra caramba e quando morrem o dia vira feriado. Seus filhos são os Playboys e as Patricinhas, que...
  • Playboys - Filhos dos empresários, andam de Uno, Palio, Gol ou Vectra do papai e se acham. São uns fornicadores e viciados. Vivem de álcool, drogas, festas, drogas, sexo e drogas. Alguns são viados, aí o papai manda pra outra cidade ou país pra não passar vergonha.
  • Patricinhas - Putas Filhas dos empresários e fazendeiros. Aquelas que não vivem de álcool, sexo, drogas, sexo, festas e sexo se tornam tão chatas que acabam namorando um playboyzinho de outra cidade pra não ficarem com fama de encalhadas. Possuem mais inimigos que amigos na cidade e são anoréxicas.
  • Nordestinos - Imigrantes malacachetenses e capelenses que vem para atuar como escravos nas linhas de montagem dos calçados falsificados. São os principais causadores de assassinatos entre famílias, acidentes de transito, brigas em bares e avisos em fabricas.
  • Classe popular - O resto da população que morcega trabalha pra poder encher a cara nos botecos e depois bater o carro ou a moto na estrada de Araújos, ou quem sabe brigar com a tribo de lá por causa das mulheres.

Bairros

Mapa da cidade.

A cidade de Perdigão possui 6 bairros:

  • Papagaio - É um dos bairros mais antigos da cidade e também um dos mais feios. O clima é super-aquecido, nos dois sentidos. É que eles costumam resolver suas diferenças na base da porrada, assim como no Rabeia. Inclusive este bairro ficou no inicio da lista e o Rabeia por último para não ter nenhum conflito, é um artigo de catiguria.
  • Centro - Tudo se encontra no centro, o único banco, o único mercado, a única praça. Por isso a mistura de raças e classes fica nojenta nos finais de semana. Aliás, as pessoas que moram no centro geralmente saem pra pescar nesses dias.
  • Estiva - A Estiva é o brejo da cidade. Clima extremamente frio e tenso. Seus moradores geralmente não saem, porque falsificam Adidas nos fundos, plantam maconha ou dão festinhas particulares.
  • Barrinha - Situada entre o Centro e a Estiva pode ser considerada o eixo das classes. Talvez por ser onde se localiza a DP local e seus vários macacos membros. O local mais seguro de se viver. Ou não.
  • Cemitério - Região situada ao redor do cemitério da cidade. O que torna sombrio, macabro e sinistro o local. Principalmente nas noites de lua cheia. Abriga ao mesmo tempo favelados, traficantes, excomungados, advogados, juízes, milionários, dentre outros serem sem definição.
  • Policlínica - Região de saída da cidade. Se você quiser fugir rapidamente da cidade siga para a Policlínica. As casas ali foram leiloadas por bagatelas no Mercado Livre e como o povo não sabe mexer na Internet acabaram dando pra qualquer um mesmo. É onde moram parte dos imigrantes nordestinos.
  • Rabeia - Parece outra cidade. Aliás semelhança oriunda com a tribo de Araújos. As ruas são de terra e as casas de palha. O povo anda armado de facão e assim como no Papagaio resolvem suas desavenças com violência. O resto dos imigrantes nordestinos se esconde lá. No primeiro rodeio do Rabeia (que aliás foi o ultimo), 150 peões foram baleados, 60 garrotes foram roubados e a Banda Lex Luthor que faria o show fugiu deixando seus dublês para serem mortos na chacina.

Eventos mais esperados de Perdigão

Carnaval em Perdigão – Índice de viadagem sobe todos os anos.
Típica perdigueira ao amanhecer depois de mais uma farra.
  • Festa Maína da escola Padre Henrique - Maína porque ocorre em maio. Sempre chama uma bandinha michuruca, que no final fica como carrasco da festa. Não há segurança e quem quiser pular o muro para entrar é mole. O ingresso é uma merreca, o que compensa levando em vista as guloseimas da estação disponiveis lá, porém o ritmo é forró o que deixa a desejar...
  • Festa Junina da escola Pedro Primo - Esta já é junina, porém um cocô de rato perto da outra. Não chama banda nenhuma, e quando chama é Dyan & Dirinho o que queima o filme. As guloseimas são feitas por serviçais bruxas, a bebida alcoólica não é liberada e no final só dá alguma coisa porque os alunos são obrigados a ir por valer 10 pontos em todas as matérias.
  • Reinado - Por volta de agosto, outubro ou novembro, sei lá... acontece a tradicional, inútil, bagunçada e miserável festa de reinado. Que já perdeu há anos seu propósito maçônico religioso. Centenas de barraquinhas de bebidas, comidas podres, tranqueiras e brinquedos com data de validade, se espalham no centro e as pessoas se reúnem para beber, cair, dar vexame, vomitar, beijar na boca, fazer sexo oral, beber, prostar, ser preso e ficar de ressaca. É um bis do carnaval no ano.
  • 7 de setembro - O feriado deste dia (ainda) é comemorado na cidade. E de forma arcaica e totalmente ultrapassada. Desfiles, exposições artísticas, apresentações da gurizada do jardim e outras palhaçadas inúteis. Mas como o povo não perde uma chance de sair e encher a cara. Torna-se mais um bis do carnaval. Só que (felizmente) com duração de algumas horas. É quando o maior número de adolescentes se encontram atrás da Igreja para beijar na boca e passar a mão na bunda, além de outras práticas sexuais não comprovadas.
  • Baile de Formatura - Os infelizes adolescentes da 8ª e do 3º ano, juntam dinheiro o ano inteiro para fazer um "baile” (o único lugar além de Nova Serrana que ainda tem baile). Geralmente as bandas que se apresentam variam entre a baixela do funk carioca e os Lex Gay Luthor de Divinópolis. Nunca dá nada, as patricinhas levam seus namorados play, os play levam suas vadias putas e os imigrantes e mercenários levam suas drogas pra vender. Tudo poderia ser um marco no ano, com a perda da virgindade de milhares de menininhas, mas acaba sendo um passatempo cru. A virgindade espera só até o carnaval.
  • Carnaval - Todo ano a cidade se prepara para sua festa mais importante. 5 dias são reservados para as palhaçadas e vadiagem dos fanfarrões foliões que dizem que o ano só começa depois de carnaval. Acontece o desfile/apresentação/show dos blocos de samba, axé, funk, rock/pop e hardcore local: o Tokaia e o Brutus Arrastão. Visivelmente o bloco Tokaia é a Microsoft dos blocos, monopolisa tudo e todos com sua alegoria de gostosas e tambores ensurdecedores. Já o Arrastão é o América-MG, meia dúzia de pessoas, burras corajosas que decidem bater de frente com a Tokaia e sempre passam vexame. Sempre tem alguém baleado, morto, ou apenas bem espancado. E a maioria das vezes são aqueles caras que se acham engraçados e se vestem de mulher. A graça fica para as lindas muié de Nova Serrana. Para os rapazes não falta diversão com a viadagem local. Para os velhinhos as sacadas dos prédios servem 100%. A policia de todo o estado é mobilizada para tentar evitar mas só consegue se mostrar fraca e debilitada. O hospital local fica todos os dias lotado de pessoas tomando glicose na veia, de meninas estupradas, gays violentados, emos com pulso cortado, entre outros. Centenas de carros, motos, bicicletas, capacetes ASW, carteiras, celulares, calcinhas, camisinhas, tênis, relógios, baseados, pedras de crack e seringas são furtados. Boa parte da população local geralmente não participa. Quem pode vai pra Diamantina, Ouro Preto, Salvador pra depois voltar e ficar contando que fez isso e aquilo e ouvir que aconteceu tudo e mais um pouco, em mais um "espetacular” carnaval de Perdigão.
Alunos de uma escola de Perdigão fazendo atividade extra-curricular.

Escolas

As escolas locais são da pior qualidade. Embora a educação não seja um dos pontos negativos dos moradores, o estabelecimentos de ensino da rede pública são um fracasso. E isso torna-se uma questão a se pensar. Porque as escolas são tão ruins, mas os pessoas são até sabidas espertinhas? Talvez seja porque a maioria se arrisca num curso superior bancado pelos papais empresários, aí fica se achando e no decorrer querendo ou não se aprende algo.

Educação não era um assunto a se tratar neste artigo, mas já que algum filho da puta do inferno espertinho quis vandalizá-lo, falando atrocidades de professores que com certeza fuderam com as notas dele(a) ou então porque ele é covarde o bastante pra se esconder na internet, eu resolvi editar o "meu artigo" da maneira correta.