Periquito (Minas Gerais)

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Nota: Se você estiver procurando por Piriquito um pássaro verde da família dos Caralhinhus Verdius Gritandus veio ao lugar errado, agora se estiver procurando o outro piriquito, clique aqui.
Carroca1.jpg Enxada-1.png Esti artigu é caipira, sô!! Enxada-2.png

Este tar di artigu pareci caipira, foi escritu purum caipira, ô ele é de fato
CAIPIIIIRRA!!!

Num istraga eli naum, si não nóis crava a inxada pra riba docê!


Cquote1.png Você quis dizer: Piriquito? Cquote2.png
Google sobre Periquito (Minas Gerais)

Cquote1.png Experimente também: Vagina Cquote2.png
Sugestão do Google para Periquito (Minas Gerais)

Periquito é uma cidadezinha beeeeem pequenininha do interior do interior de Minas Gerais, com população aproximada de 32 cavalos, 17 cabeças de gado, 13 galinhas, 89 cachorros, 156 curumins e alguns idosos, a cidade caminha de forma tranquila, calma e sem nenhum contratempo. Do jeito que está, bem que poderia ser uma cidade da Bahia.

História[editar]

Momento da chegada dos imigrantes a Periquito.

Fundada pelo então famoso fazendeiro Waldemiro Barrado, que ao tocar seu gado por um pasto até então desconhecido por ele, diz ter tido uma visão, e nesta visão aparecia São Sebastião da Mancha Verde dizendo-lhe que era para ele parar de andar de um lado para o outro procurando terras para seu gado e fixar residência naquele local. Mas para que isso fosse possível, Waldemiro teria que matar 13 cabeças de gado e oferecer ao padre da cidade mais próxima, na intenção de garatir sua lugarzinho no céu.

Após fazer de acordo com o que o Santo da visão o ordenara, Waldemiro pegou sua mulher, filhos e empregados e tratou de construir sua casa neste local. Após mudar-se com toda a sua cambada para lá, Waldemiro percebeu que só ele naquela região, não conseguiria nada demais. Então, este elaborou uma estratégia de marketing para atrair imigrantes nordestino para lá, oferecendo-lhes emprego e um lote de terra para construírem suas casas.

E assim foi crescendo o vilarejo, que mais tarde tornou-se vila, depois província até que se formou uma cidadezinha, e não conseguiu superar esta fase até os dias atuais.

Economia, se existir isso lá[editar]

O maior e melhor hipermercado de Periquito.

Historica e necessariamente, a economia da cidade baseia-se na matança de gado para tráfico de suas partes e na exploração de madeira ilegalmente.

Alguns jovens da cidade também vão até aos grandes centros comerciais na capital para vender sêmem e doar sangue, garantindo assim a sobrevivência da sua família.

Os idosos tratam de tentar sobreviver da agricultura, e por possuírem mais experiência que todos os outros habitantes da cidade, instauraram a agricultura de subsistência como principal fonte de conseguir alimentos na cidade, tornando-se assim os donos da área.

População[editar]

Um fazendeiro de Periquito com seus 2 empregados.

A população em geral é acomodada e satisfeita com a vida que levam. Todos acordam às 5 da matina e vão para a missa. Após a missa, os que possuem uma condição financeira mais confortável, como os idosos aposentados e os políticos da cidade vão para suas casas comer frango assado ou se reúnem no Bosque Clube para Ricos e Famosos da cidade, enquanto os mais necessitados vão procurar o Prato Cidadão de 1 Real para garantir sua refeição diária.

Os jovens vivem em paz e harmonia com a natureza, não bebem, não fumam e nem fodem e praticam esportes. Até os 18 anos todos estudam na única escola da cidade, e após esse período ou se tornam fazendeiro, ou agricultor, ou vão para a capital tentar a vida como engraxates.

Os adultos que restam são fazendeiros, agricultores, professores, políticos, padres, pastores, ou qualquer ou ocupam qualquer outra profissão típica de cidades pequenas.

Ver Também[editar]