Perolândia

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Perolândia é uma dessas cidadezinhas do sul de Goiás com nome extremamente escroto que ninguém conhece, mas que de acordo com o IBGE existe!

História[editar]

O centro de Perolândia e o intenso movimento de 1 carro no horário do rush de meio-dia.

Inicialmente reconhecida apenas como uma fazenda chamada Jamica, nome tosco que vem das iniciais das toscas cidades de Jataí, Mineiros e Caiapônia. Sepre foi uma pequena fazenda produtora de óleo de peroba.

Em 1971 torna-se um distrito de Jataí, e graças à crescente demanda de óleo de peroba para a recém-construída Brasília, tanto para sua alvenarias como para as caras-de-pau dos políticos de todo Brasil que ali aportaram, a antiga Jamica passa a ser chamada de Perolândia em homenagem a esse produto.

Só em 1991 Perolândia passa a ser considerada um município, época em que Jataí decidiu cortar gastos, e se livrou desse distrito inútil onde 90% da população vive de cesta do governo.

Atualmente é mais uma cidadezinha esquecida do Brasil.

Economia[editar]

Como o nome da cidade sugere, o principal produto produzido em Perolândia é o óleo de peroba, do qual Perolândia detêm o monopólio no estado.

Na falta de alguma coisa melhor, a cidade também destaca-se no mercado de brita, calcário e pedras, porque isso se encontra em qualquer lugar do mundo, basta marretar o chão. Na agropecuária é aquela mesma coisa de sempre de qualquer cidade goiana: soja, arroz, milho e leite.

Há ainda uma grande demanda de fodas por parte de necessitados caminheiros, o que estabeleceu um grande monopólio de puteiros e cabarés.

População[editar]

Cidade de menos de 3000 habitantes, lembra aquela vila do Chico Bento, já deu para ver que é dessas que todo mundo se conhece e não tem porra nenhuma de bom pra fazer.

Composta principalmente por indigentes advindos de várias regiões da merda desse mundo, baianos (inúteis que vivem de cesta do governo) que vieram atrás de petróleo e acabaram encontrando água e se estabeleceram neste local, gaúchos (perdidos vindos de Pelotas) e se acham grandes coisas, mineiros, paulistas etc... e ainda nordestinos que vieram trabalhar na porra da usina de álcool gerando instabilidade populacional e ainda alguns árabes que estabeleceram um monopólio de venda de seus filhos e eletrodomésticos.