Pilares de Lena

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Este artigo é um
Patrimônio Mundial da Humanidade.

Pode ser uma ruína, uma cidade
de merda, um matagal abandonado,
mas está protegido!

World Heritage Site logo.png

Leitura recomendada apenas para
pessoas com cultura.

A UNESCO monitora este artigo.


Os Pilares de Lena é uma reserva natural com um rio e várias rochas em formato de pica em sua margem. Foi um antigo gulag soviético que hoje virou um ponto turístico roots por ter sido uma zona habitada por mamutes há milhares de anos atrás que foram extintos ao tentarem voar assim que pularam do precipício dos pilares.

Geologia[editar]

Lena animada em seu pilar.

É só pedra e água gelada, não tem muito o que dizer, tanto faz a pedra que seja.

A geologia dos Pilares de Lena é onde se concentra 70% da produção russa de gás natural, petróleo, carvão, níquel, cobre, ouro, cobalto, polônio, madeira, gelo, mamutes congelados e vodka com gelo. Ma tirando isso, é um ambiente de riqueza natural pobre e insignificante.

Navegação[editar]

Os Pilares de Lena são um ponto turístico, acredite ou não. Para chegar lá, primeiro pegue a ferrovia transiberiana (que tem estação em qualquer cidade do mundo) e salte em Vladivostok, depois pegue um avião para Yakutsk (não confunda aqui, não é para beber Yakult), e depois alugue um trenó puxado por cães e eles te levaram aos pilares, então você pode ver aquele monte de pedra de 200 metros de altura e depois vir embora de volta.

Lá habitam apenas alguns homens bêbados com a barba por fazer vestidos com agasalhos de pele de ursos e uma shotgun nas mãos.

Ecossistema[editar]

A fauna local é formada por 30.000.000 pessoas, das quais 29.998.972 são musgos, líquens e renas.

A flora nos pilares de Lena é muito escassa, normalmente é muito difícil encontrar entre aquela enorme quantidade de musgos e gramíneas alguma planta de mais destaque, além de alguns pinheiros ou baobás. Às vezes, porém, é possível se avistar algumas bétulas, mas é uma raridade extrema. A maioria das bétulas são cortadas da raiz por camponeses samurais japoneses, que não gostam de qualquer espécie de flora, exceto o gramado que eles consideram ser Bonsai de capim. Por isso o gramado é a flora mais abundante nesta região.