Piscinão de Ramos

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Bandeira rj.jpg Coé, merhmão, eshte arhtchigo eh CARIOCA!

Não vandalize, senão a chapa vai ficarh quentche, cara. Agora deixa eu irh na praia pegarh um bronze nesse sol de 50 graush, comendo unsh bishcoitosh.

Mal dá pra ver o piscinão, mas dá pra ver um monte de formigas... ops, são pessoas...

Cquote1.png Você quis dizer: Pinicão de Ramos Cquote2.png
Google sobre Piscinão de Ramos
Cquote1.png Você só vê cocô flutuando nessa piscina... literalmente! Cquote2.png
Pessoa normal sobre Piscinão de Ramos
Cquote1.png Você não vai encostar no Piscinão de Ramos Xanaína! Cquote2.png
MC Lan sobre Piscinão de Ramos
Cquote1.png Piscinão de Ramos é um lugar onde pessoas do subúrbio fluminense se banham por não terem condições de irem para Búzios ou Parati. Cquote2.png
Christian Pior sobre Piscinão de Ramos
Cquote1.png Piscinão de Ramos é coisa de pobre, você que é pobre e conhece fale mais dele editando essa página, porque eu tenho ALERGIA a pobre! Cquote2.png
Caco Antibes sobre Piscinão de Ramos
Cquote1.png Cada mergulho é um flash! Cquote2.png
Odete sobre Piscinão de Ramos
Cquote1.png Tenho que comprar minha cobertura no Piscinão de Ramos! Cquote2.png
Odete sobre o sonho de levar sua filha Karla a dar um golpe do baú pra morar no piscinão.

Parque Ambiental da Praia de Ramos ou como é chamado por todo e qualquer brasileiro normal, Piscinão de Ramos, é uma poça d'água gigante fedorenta e entupida de gente localizado no bairro de Ramos, no norte de Erre Jota. Foi enchido pela primeira vez com água de todo esgoto da cidade em 16 de dezembro de 2001 pelo governador Toninho Kiddy.

Para fazer a piscina foi usada materiais de um lixão do Rio, juntando a isso a reutilização da água do esgoto de toda a Grande Rio, beneficiando a natureza com a reutilização dessa água tão mal utilizada (afinal estamos na Rio+20 né?) e assim, nesse lugar, é possível levar toda a pirralhada pra descer do morro do Borel e do Complexo do Alemão pra eles fingirem que estão tomando banho na praia, sem se preocupar com os tubarões que comem a galera que tenta surfar na praia que fica a poucos metros do piscinão, além de também não se preocupar com os arrastões, pois num espaço tão curto como o do piscinão torna-se impossível alguém ter essa ideia estúpida, já que seria intransitável passar com uma gangue inteira dentro do penicão.

História[editar]

Amostra grátis do tipo de coisa que você encontra no Piscinão de Ramos.

Foi idealizado pelo governo fluminense em parceria com a Petrobrás, que queria se livrar também das águas cheias de óleo que vez por outra eles deixam no mar após mais uma tentativa mal sucedida de furar o pré-sal. Foi inaugurado em dezembro de 2001 e já ganhou o nome que ficaria pra história, de PENICÃO DE RAMOS (esse nome foi escolhido porque todos que frequentam, fazem suas necessidades fisiológicas alí mesmo, na água ou na terra), mas foi rapidamente mudado pra PISCINÃO DE RAMOS pra não ficar tão claro a bosta que ia ser e também a que ia nadar com a galerê. Em abril de 2002 tentaram dar um nome mais chique e menos pobre pra essa FAVELA AQUÁTICA, chamando-a de PARQUE AMBIENTAL DA PRAIA DE RAMOS, mas aí já era tarde demais: a novela O Clone já tinha popularizado o nome mais ferrado pro lugar, e assim não dava mais pra enganar o tipo de serviço prestado pelo BURACÃO DE RAMOS.

A piscina[editar]

Feita com a combinação básica de mais de oito mil piscinas de mil litros, a estrutura em muito lembra a de um penico, com todo o acolchoamento para a bunda do gigante da história do João do pé de feijão. Apesar disso, não é um banheiro público tal lugar, ainda que inegavelmente uma porrada de gente cague e mije sem dó o lugar. Dizem que no piscinão cabe tanta água que você acha estar no mar, mas só se for aquelas praias de pobre mesmo, daquelas que até dia de segunda-feira (e chovendo pra cacete) estão entupidas de gente desocupada. É um ponto turístico muito importante do Rio, afinal qualquer guia turístico com ao menos um Q.I. de meio ponto irá desviar o caminho pra que nenhum turista gringo descubra a existência de tão tétrico e bizarro lugar. Uma opção para quem não quer se expor ao ridículo indo para o Piscinão é ir para o parque aquático, onde tem menos pobre e favelado sujeira.

Ver também[editar]