Pita

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
PortugalDJoãoscary.jpg Manuel, vê-me dois cäcətinhos, o pá!

Æstə ärtigo é purtugäish, gajo. Élə comə cacətinho cum bəcalhau, tuma um ishtränho vinho, adora cumpetir cum a Ishpänha e tem um bigodão.

Cuidado: Ä qualquêr mumento, Napolião podə quirer-tə invədir

Loituma.gif

Este artigo é sobre algo ou alguém muito irritante e que enche o saco, deixando qualquer um com vontade se se matar. Se você vandalizar este artigo, ele será seu tormento pro resto da vida!

Cquote1.png Você quis dizer: Puta Cquote2.png
Google sobre Pita

Cquote1.png Já comi! Cquote2.png
Alexandre Frota sobre Pita
Cquote1.png Drogar é cool mas o papá não deixa! Cquote2.png
Tubérculo Wannabe sobre Pita


Como fomos largados num belo mundo e que belo país este que nos calhou: metade das raparigas deste Portugal (sem me querer meter a falar das do restante mundo) pertence a uma subespécie feminina: a "Pita" (ou pItAh para que elas percebam).

A palavra "pita" vem de "pito", no sentido de "estar com o pito aos saltos", sendo isto o responsável pelo seu comportamento histérico, irracional e escroto. No Brasil, a palavra "pita" foi transformada para "puta". O equivalente masculino da "Pita" é o Puto.

O que é essa porra?[editar]

Pita sem maquiagem.

O conceito de pita é hoje tão vasto, tão amplo (em contraposição com a mente da própria) que nos chega a ser difícil obtê-lo. Porém, através de uma generalização, uma pita pode ser definida como:

Cquote1.png Adolescente com a mania de que já é uma mulher com muitos problemas quer de foro pessoal, quer de foro social, com uma personalidade não-própria que lhe foi embutida no seu inapto cérebro por elaboradas manobras de marketing e pela manipulação exercida pela sociedade que a rodeia. Cquote2.png
Doutor Roberto

O despertar da Pita dá-se durante a Pré-Adolescência: nasce-lhes o primeiro pintelho ou ocorre qualquer outro fenómeno que lhes possa sugerir que estão um pouco mais próximas da maturidade e viram aquilo a que se chama "Pita Temporal". Até aqui, tudo bem: é uma fase normal que será ultrapassada por todas as raparigas detentoras de uma independência mental, ou seja, a capacidade de pensar por si próprias.

Porém, em muitos casos, a independência mental ou nunca teve o seu lugar no seu cérebro ou foi-lhe retirada (talvez devido à educação que teve) e isso não acontece: a pita pré-adolescente entra na adolescência arrastando consigo uma mentalidade que já deveria fazer parte do passado. Surge então o dilema: a pita desejará chamar a atenção, é essa a sua necessidade básica. Gente normal precisa de coisas como comer, beber e dormir, mas para as pitas tudo se centra em si próprias e no que os outros possam pensar dela. Para chamar a atenção, deverá então “evoluir” (se é que lhe podemos chamar de evolução) para uma subespécie de pita com características mais vincadas. Também é possível encontrar pitas na idade adulta, que é ainda mais ridículo do que soa.

Há certos factos comuns que unem os vários tipos de pita: uma esmagadora maioria é fã da novela Morangos com Açúcar, daquelas típicas revistas sopeiras para pita e, consequentemente, dos One Direction, e teima em escrever com toda uma série de caracteres inúteis e adereços carnavalescos só porque “fIka wInduh e f0fInhuH” (tradução de Miguxês para Português: “fica lindo e fofinho”). Outras coisas que todas as Pitas têm em comum incluem:

Típica "pita temporal" se achando.
  • Ver filmes do género High School Musical e séries tipo Morangos com Açúcar, que funcionam como Bíblias;
  • Ouvir "música" do género Tokio Hotel, One Direction, Justin Bieber e afiliados;
  • Todas, ou a grande maioria, escrevem em Miguxês;
  • Todas, excluíndo as pitas-intelectuais, perdem a virgindade antes dos 15 anos;
  • Todas, incluindo as pitas-intelectuais, são burras;
  • Todas adoram o número 69, por expressar rebeldia e liberdade sexual, mas quando se fala sobre sexo com elas, recebe-se respostas do tipo "QUE NOJO!!!";
  • Todas utilizam a expressão LOL e em vez de se rirem dizem "LOOOOL", contudo estudos científicos da Universidade de Fazer Pesquisas comprovem que 99% das Pitas não sabe o seu verdadeiro significado;
  • Todas entopem a cara com maquilhagem para disfarçar a enorme quantidade de borbulhas e pontos negros que têm;
  • A cor favorita de todas é o rosa (apesar de muitas dizerem que é o preto para mostrarem a sua rebeldia);
  • Todas querem ser "populares" e "conhecidas" e para se defenderem usam expressões como "cala-te, quase ninguém te conhece!";
  • Todas se podem caracterizam como "Pita SMS", ou seja, absolutamente viciadas no telemóvel;
  • A sua maturidade está abaixo do zero, mas ficam-se achando mais maturas do que os demais;
  • Combinar um dia em que vão todas vestidas de igual;
  • Tudo o que sabem sobre "rapazes" e "técnicas de engate" foram aprendidas nas revistas sopeiras para pitas que lêem;
  • Todas são Attwhores e futuras Basic Bitches ou Brazes;
  • No meio de uma conversa, fazem birra, amuam e não conseguem usar argumentos válidos;
  • Todas morrem de inveja das gostosas que são cobiçadas pelos rapazes (como modo de retaliação gostam de iniciar um caudal de mentiras e fofocas sobre as outras raparigas por simples inveja).

Subespécies da Pita[editar]

Típica foto de uma Pita nas redes sociais.

Agora que já vimos o que todas as Pitas têm em comum, vamos ver os subespécies da Pita:

Pita Temporal[editar]

Esta subespécie é pita somente porque atingiu a idade da pitalhice, ou seja, está entre os 10 e os 13 anos. A maioria das suas amigas também são pitas, e têm os gostos característicos, a imbecilidade e os risinhos das crianças dessa idade.

Pita Disney[editar]

Esta é um subgénero da "Pita temporal": papa tudo o que passa no Disney Channel, adora os Jonas Brothers e a Hannah Montana, mesmo que já tenha 15 anos. Não sabe quanto é 2+2, mas sabe qual é a marca das cuecas do Joe Jonas e onde foi a última queca da Miley Cyrus.

Pitó-Beta-Pullover[editar]

Essa subespécie desloca-se pelas Escolas Básicas desse Portugal com uma postura de mulherzinha em ponto pequeno, tentanto fazer os outros acreditar que é bem educada e absolutamente séria (apesar de, na maioria das vezes, nem 15 anos tem). São as clássicas "betinhas pullover": adoram romances de má qualidade (do género Nicholas Sparks e Margarida Rebelo Pinto) e tem a mania do rosa. Muitas vezes tenta fazer-se de ingénua e de burra de propósito (só porque nas betinhas fica bem ser-se "loira burra"). Veste-se com roupa de marca cara, como Sacoor e Lacoste, e tem fortes probabilidades de pertencer a Cascais ou a qualquer outro sítio em que, se explodisse uma bomba, só se veriam telemóveis de última geração, sapatos de vela e pullovers Lacoste a saltar. Esta subespécie gosta de se fazer acompanhar pela sua própria, adoram frequentar centros comerciais e entram em choque cada vez que ouvem um palavrão ou a palavra "sexo". Chamam "tia" a todas as mulheres que as rodeiam: às tias, às tias das amigas, às mães das amigas, ás próprias mães...

"Pita Popstar" a chegar na escola.

Pita "Popstar" (também conhecidas por “Fashion Victim”)[editar]

Esta subespécie é sempre a "fashion" e a "popular", acha-se a rainha da escola: vestem roupa da moda (que para elas significa igual às personagens dos Morangos com Açúcar e de cantoras norte-americanas) e deslocam-se com um ar de superioridade. Têm 12 anos mas já usam saltos altos e maquilhagem. A larga maioria arma-se em ricas, mesmo que viva na Amadora e ande numa escola pública, inventando que o papá tem uma frota de Mercedes em casa e que é chefe de uma empresa de renome. Estas adoram gozar com as outras pitas, especialmente com aquelas que não se vestem como elas ou não fazem intenção de beijar o chão que elas pisam. Possuem sempre "Pitas wannabe's" ou imitadoras como resguardo.

Pita Pseudo-Gótica-Revoltada (que está mais para Emo)[editar]

Esta subespécie é do género "ai que ninguém me compreende!", portanto vou começar-me a vestir completamente de preto, usar caveiras e eyeliner preto até ficar igual a um guaxinim. Diz-se revoltada com o mundo apesar dos pais lhe darem tudo e da escola lhes correr bem. É a típica fã de Twilight e ouve merdas como Tokio Hotel, My Chemical Romance e Avril Lavigne. Afirma convictamente que só as suas amigas a compreendem: adora demonstrar que é incompreendida e portadora de uma vida cheia de problemas e crises existenciais. Observemos o seguinte exemplo: Se a sua mãe lhe diz que deve ir à escola, ela fecha-se no quarto e chora amarrada à almofada só porque a mãe a “pressiona demais nos estudos”. MAS se a mãe não lhe disser nada disso, fecha-se na mesma no quarto e chora por ter uma mãe que não se preocupa com os seus estudos. Rapazes, tenham muito cuidado se namorarem com uma destas! Se lhe derem uma prenda, queixam-se que a mimam demasiado ou que só lhe deram a prenda por terem pena dela e não por amor. Se não lhe derem, dizem que são maus namorados e que não querem saber dela. Em ambos os casos, ela fecha se no quarto a chorar. Enfim, do seu ponto de vista, ninguém as compreende. O ideal mesmo, seria não namorar com nenhuma de este tipo.

Pita TokioHotelada[editar]

Exemplo de "Pitas Pseudo-Góticas-Revoltadas".

Este é um subgénero da "Pita Pseudo-Gótica-Revoltada".

Crystal Clear app xmag.pngVer artigo principal: Pita TokioHotelada

Pita Nerd Pseudo-Intelectual[editar]

Esta subespécie vive para a escola e para tirar um curso que a fará Senhora Doutora como a mamã e o papá. É Antissocial e aceita o tipo de vida deprimente que lhe é imposto pelos pais, não faz outra coisa da vida a não ser estudar. Quando tiver a oportunidade de sair com amigos, vai em coma alcoólico para o hospital porque, no fundo, é uma alucinada daquelas. Se conseguir arranjar Namorado, vai ser uma maluca insaciável.

Pita Feia (mais conhecida como Monstro do Lago Ness)[editar]

Esta é feia que nem um chino, até mete medo, e todos o sabem, é a típica fã de 50 Tons de Cinza. Pode ser gorda, usar aparelho dentário, usar óculos, ser aquilo a que chama mulher-camarão (boa de corpo, mas com uma cara igual à do Mr. Bean) ou simplesmente não cuidar da sua aparência (quando é o caso, quando chega à idade adulta tende a transformar-se numa gostosa daquelas). Muitas vezes, esta subespécie é o "patinho feio" do grupo e é gozada pelas outras pitas, que a chamam de "gorda" e outras coisas. Sempre que algum rapaz fala para uma Pita Feia, há sempre outra Pita que vai meter conversa com ele só para que a "feia" não lhe roube o protagonismo. Tende a idolatrar filmes em que as personagens principais começam por ser feias e depois tornam-se populares. Enfim, a beleza não traz felicidade, mas ajuda.

Nesta subespécie existem dois tipos:

  • As que sabem que são feias, e portanto, não são sociáveis, são deprimidas e fechadas;
  • E as que se julgam tão boas quanto as outras Pitas.

Pitó-Religiosa[editar]

Esta subespécie prolifera, sobretudo, nas aldeias e vilas remotas desse Portugal. Frequentadora assídua da missa, do terço, das procissões e de todos os outros rituais cristãos. Futuramente vai ser catequista, veste-se como uma beata, com saias pelo joelho e casaco de malha, usa um terço ao pescoço e tem uma estátua da Nossa Senhora de Fátima no quarto. Os pais, o padre e a paróquia inteira pensam que ela é um anjo, mas é menos virgem do que a sua mãe: quando está com um gajo, seja ele quem for, faz tudo e mais alguma coisa, pois é uma ninfomaníaca do pior.

Pita pseudo-Guna (também conhecida como "Maninha do Hip-hop")[editar]

Esta subespécie acha que é do guetto, da favela, do bairro: mas tanto pode proliferar nas periferias das grandes cidades como na classe média-alta, vivendo num prédio de luxo, afiliando-se, assim, com a "pita revoltada". Tem a mania que é mazona porque diz muitos palavrões, que dá "xinadas ao people" que a mal-diz, odeia "betos" e acha-se muito rebelde por fumar um cigarro atrás do pavilhão desportivo da sua Escola Básica, enquanto faz tags a graffiti de coraçãozinhos e parte vidros só porque sim. Só se relaciona com os rapazes rebeldes da sua escola e diz que "odeia as outras gajas", no fundo só tem inveja delas. Quer armar-se em "dama do guetto" e só ouve Hip-hop, mesmo que este seja só Boss AC.

Pita Pseudo-Gajo (mais conhecida como "Maria-Rapaz")[editar]

É um subgénero da "Pita Pseudo-Guna" quando levada a um extremo. Esta coça os tomates que não tem, cospe para o chão, pertence ao grupo dos gajos a quem chama de "brothers" (pode usar expressões como "bros before hoes") e é capaz de falar com uma voz mais grave para se parecer ainda mais com um rapaz. Esta odeia tudo quanto é considerado como "coisas de gaja". Grandes probabilidades de ser Lésbica.

Pita pseudo-Puta paga (na verdade, Você não paga o serviço)[editar]

Exemplo de fotos que "pitas pseudo-putas pagas" enviam aos seus "boys".

Esta subespécie troca de "namorado" como quem troca de cuecas (bem, as mais "putinhas" nem de cuecas trocam). São putas que dói, mas às 10 da noite dizem que já têm de estar em casa, senão os papás ralham com ela. É com esta subespécie que a maior parte dos gajos perde a virgindade. Podem ser feias que nem um cavalo, mas namoram com os seus namorados, com os namorados das amigas, da mãe (e com os amantes desta)... Enfim, é sexo fácil. Se for a puta-mor de alguma aldeia ou vila remotas, já rodou por todos os gajos e sempre que chega uma nova rapariga à vila (mesmo que esteja só de passagem), ela assanha-se e tenta proteger o seu território (quer dizer, os gajos). O seu grupo costuma ser composto por pitas da mesma laia, que se juntam para falar mal das outras raparigas (de quem têm inveja) e dos gajos com quem foram para a cama (que é como quem diz, para uma esquina obscura qualquer ou atrás de um caixote do lixo).

Pita Moeda de 2 Cêntimos (ou Duas-Caras)[editar]

Essa subespécie recebe este nome porque tem duas caras e nenhuma das duas tem valor. Normalmente rica, à primeira vista parece ser perfeita: bonita, bem faladora, inteligente, estudiosa e divertida, e não tem atitudes de pita (apesar da sua idade)... Parecem as meninas mais queridas e certinhas do mundo, mas a seguir mostram-se as mais arrogantes e detestáveis pitas do planeta, umas verdadeiras cabras, que se fazem de boazinhas para se dar bem na vida, mas, no fundo, são as piores de entre todas as pitas. Parece que sofrem de bipolaridade: à frente dos pais é um anjo, para depois fugir de casa para ir ter com os rapazes às discotecas. No mesmo dia conseguem dizer que gostam de uma pessoa, mas que também amam o irmão dessa pessoa, para depois quererem comer o melhor amigo do primeiro e acabarem o dia com outro gajo qualquer. Costumam ter um visual de fazer inveja a muitas modelos, porém um intelecto demasiado diminuto para guiar tamanho avião. Falam bem na frente e mal nas costas, e têm noção de que são desejadas por meio mundo, visto que já rodou pela outra metade. Chamam de piriguetes a todas as outras garotas que comem garotos que elas querem comer, porém quando se trata delas, torna-se a coisa mais natural do mundo e sentem-se ofendidas sempre que se referem a ela como uma pêga. Geralmente são-lhes atribuídas alcunhas usando o seu nome e uma referência a algo porco , do gênero de "Rute la Pute".

Pitas da Noite[editar]

Esta subespécie encontra-se em ascensão na actualidade: é a invasão das Pitas aos bares da noite por esse Portugal fora, principalmente à sexta-feira e ao sábado à noite (durante a semana, afinal, têm de ir para as aulinhas logo de manhã). Tratam-se de pitas que rondam entre os 12 e os 15 anos, mas que se vestem como Prostitutas, servindo-se das novas técnicas para enganar os gajos, como soutiens almofadados e com push-up e calças push-up, que repuxam as peles e dão a ilusão de um volume inexistente. Na segunda-feira chegam na Escola com histórias alucinantes de "noites de bebadeira" para contar aos seus coleguinhas. Às três da manhã, esta subespécie já está a caminho do hospital devido aquelas duas cervejas que beberam e à linha de pó de giz que snifaram.

BBC Pita Selvagem[editar]

Típico comportamento de uma Pita pseudo-revoltada.

Na última década, dizem os especialistas, o número de indivíduos dum sub-grupo da sub-espécie de Homo Sapiens Sapiens, a Femae Pitae sofreu um aumento de 500% no mundo. Contudo, sabendo que estas preferem os países ocidentalizados como habitat natural, o aumento foi de "uns meros" 3000%, isto é 30x o número de pitas existentes no planeta Terra no fim da década de 90.

Agora podemos observar claramente, o comportamento em grupo desta variante humana: pelo que parece, a luta pela sobrevivência e manutenção da espécie não é assunto de preocupação para estas raparigas ("Pqué pindéwico tê côvessas rascas, de assunt's básic's e asseg'rados, t'á ver?!"). Antes é preferível ocupar o precioso litro e meio de massa cinzenta (se chega a isso) com o perigo do armário delas estar um mês desactualizado comparativamente com Milão, mesmo assim o cartão de crédito do papá e da mamã resolve o assunto com quatro dígitos.

Comportamento[editar]

Normalmente, as pitas costumam juntar-se em grupos, como as matilhas de animais irracionais. Nestes grupos juntam-se normalmente pitas da mesma espécie, podendo incluir algumas variantes, e criando matilhas rivais. Estes grupos são normalmente denominados pelas pitas por "AmIgAx 4ever", mas normalmente duram até se chatearem com algo do Facebook ou com algo sobre o rapaz de que elas gostam durante aquela semana, mesmo sabendo que ele não olha para elas. As Pitas não fazem nada sem a sua matilha: ir à casa-de-banho, ao centro comercial, dormir, etc... Estas matilhas são barulhentas, falam alto e riem alto, sempre que passam por uma rapaz que acham "giro" começam aos risinhos e aos cochichos, fazem a maior histeria em todos os locais públicos, infernizando a paz alheia, e fartam-se de tirar fotos e mais fotos em posições e expressões estúpicas (Duck face é uma preferência). A pita quer ser conhecida e fazer tudo para aparecer e ser falada e vai aprontar mil e uma coisas só para atingir o seu fim, mas gritaria e histerismo (de um modo geral) é uma preferência regional.

Duck face: preferência regional entre as pitas.

As pitas para se juntar em matilhas maiores e maiores fazem peregrinações, isto é: grandes conjuntos que se movimentam de um lado para outro, quase como uma emigração. Estas peregrinações notam-se ao longe quando vê uma vara de pitas, normalmente em trios ou pares, uns atrás dos outros, sempre no mesmo passeio. Quando alguém passa por estas peregrinações tem de as contornar, pois elas não se mexem (só para o estilo e para se armar em adultas, autoritárias e donas do seu nariz). Para observar estas peregrinações basta andarem nas ruas perto dos centros comerciais, por volta do fim da tarde, ou então, no princípio da noite, nos acessos ás festas populares.

Como referido anteriormente, as Pitas também têm rivalidades entre si, que passam, essencialmente:

  • Quando outra Pita pôs "like" numa foto do seu "boy" no Facebook (então, vai ter de armar confusão com ela na Escolinha);
  • Quando outra Pita usa mais maquilhagem é mais bonita;
  • Quando outra Pita está a dar sinais de que se vai tornar peituda e ela tem de recorrer a soutiens almofadados e com push-up;
  • Quando outra Pita comprou aquela "camisola fashion" que ela queria (mas os papás não deixam comprar);
  • Quando outra Pita tem mais sucesso com os "boys" do que ela;
  • Quando outra Pita conseguiu emagrecer 5 quilos, estando mais próxima de se tornar modelo;
  • Quando a selfie de outra Pita tem mais "likes" do que a dela;
  • Quando outra Pita tem mais capacidade vocal do que ela (e, consecutivamente, grita mais alto e dá mais nas vistas);
  • Quando outra Pita já vai sair à noite ao sábado (e os seus papás continuam a não deixar);
  • Quando os papás de outra Pita lhe compraram o bilhete de ingresso para o concerto dos One Direction, Justin Bieber, *inserir nome da banda/cantor que faça sucesso entre as Pitas*;
  • Quando outra Pita é mais popular porque começou a tirar fotos semi-nua para o Facebook.

Métodos de Comunicação[editar]

Reacção de uma pita quando o "boy" responde à SMS dela (mesmo que seja a perguntar "quem és?").

Conversar com uma Pita[editar]

É muito cómico contradizer uma pita: ela responder-vos-á com frases que aprendeu nas novelas de moda, do género Morangos com Açúcar, Rebelde Way, ou qualquer bosta semelhante que esteja na berra no momento, só para que nós acreditemos que possuem sentimentos próprios e uma maneira de pensar muito própria. Toda a pita “argumenta” com fases do tipo: "Cada um diz o que sabe!", "Não me compreendes por isso não digas nada!”, “Ofendes os sentimentos das outras pessoas e elas ficam zangadas contigo!”, “Eu já sou crescida e faço o que me apetece!!!”, “Não tens o direito de dizer isso!!!” e, o clássico: “Não me chames pita!”.

Discutir/debater um assunto com uma pita é mesmo hilariante: elas não só argumentam sempre com frases-feitas (muitas vezes, retiradas das novelas; pois é de lá que vêm todo o seu vocabulário e praticamente toda a sua mentalidade) como são completamente incoerentes (ora dizem uma coisa, ora dizem outra coisa contrária ao que tinham dito e atrapalham-se muito com isso), o que as torna facilmente manipuláveis. Ok, agora para cúmulo da fraca capacidade mental analisemos esta resposta:

  1. Ex1:”Naum digax mal dux D’ZRT/Tokio Hotel/Justin Bieber/One Direction, elex xao windux.”

Só há uma expressão possível para responder a uma frase destas e ela é: “Foda-se!”. As respostas que elas dão para defender a sua pseudo-banda baseiam se em tudo menos no suposto talento musical do grupo de cantores (ou melhor, actores).

Tecnologias dos Anos 2000[editar]

Motorola V3: Telemóvel de sonho de toda a Pita dos anos 2000.

Nos inícios dos anos 2000, o habitat natural da Pita, a seguir à Escola Básica, era o MSN (mesmo que fosse no computador da sua escolinha). Quando tinham telemóvel, gastavam o lote de SMS's e escreviam em Miguxês, iniciando a conversa sempre com um: "Kerex teklar?"

  1. Metem pelo menos um X ou um H desnecessário em cada palavra só porque “fikaH giruH naX palavraX”.
  2. U’s um vez de O's “AmUh-te TiAgUh”.
  3. W’s em vez de R ou L: “AdOwo-té mana, ex WindAh :DDDD”.
  4. Alternam consecutivamente entre letras maiúsculas e minúsculas: “oWa TaX bOa??????????????????”
  5. Usam uma série de símbolos incompreensíveis para adornar os seus textos de forma a torná-los ilegíveis.

Uma realidade curiosa é o facto de os seus nicknames de MSN terem que mostrar que elas possuem uma vida amorosa, sentimental e “tipicamente adolescente” (no fim de contas, é nisso que a mente delas se baseia). Vejamos os exemplos:

  1. Ex1: '$'#666 HuAnItAh =))) "AdOwO-vUx Mt MiGaX =))))) NaUm XeI o K fAxIaH xEm vOxEx =)))"
  2. Ex2: '$'#69 LiLiAnAh (l)(F) "Adoro-te Tiago, adoro-te Francisco, Adoro-te Mana, Adoro-te Joana... adoro-te Marlene...." …a lista continua… "... adoro-te Ricky, amo-te TiAgUh =)))"
  3. Ex3: [email protected]_FufinhAh (Ontem à NOITE na dixCUtEkA FOih De maix! :DDDD) (Mesmo que tenha ido à discoteca a um mês. É só para dizer que lá foi.)

Depois temos os nicks das pitas pseudo-góticas: é comum o uso de cruzes ou quaisquer outros símbolos e, é claro, palavras como inferno, dor, trevas, vampira, evil suicide, morbid, etc. Observem:

  1. Ex1: †.. Vampira Obscura do Inferno cheio de Sangue ..† "Amo-te muito mas quero morrer porque a vida é uma merda."
  2. Ex2: †.. Deusa da Morte sem Fim e da tortura miserável, cruel, infernal e flagelante ..† "Adoro-te muito mor, mas quero morrer."

Em suma, as pitas não só possuem uma fraca capacidade mental como também não se sabem exprimir convenientemente.

Nos inícios dos anos 2000, as Pitas portuguesas não utilizavam o Orkut, como no Brasil, mas outra coisa chamada de Hi5, onde passavam os dias enfiadas, gabando-se da sua vida social muito intensa (mesmo que fosse só através da Internet). Quem tinha mais comentários e mais visitas ao perfil durante a manhã é quem mandava naquela merda toda. O mais importante no Hi5 era o Top: havia pitas que matava as "inimigas" só para ficar no 1ºlugar no "top dos amigos", podiam mesmo começar uma Guerra Mundial por causa disso. Uma pessoa pode ter-lhe batido, espalhado rumores sobre ela, mas se a pôr em 1ºlugar no Top, é a maior, a sua "best friend". As pitas do Hi5 tinham a página de modo a que só as pessoas da sua lista de amigos possam entrar: isto tinha como objectivo serem adicionadas para coleccionarem mais e mais "amigos".

A larga maioria das Pitas portuguesas dos inícios dos anos 2000 também proliferava no Fotolog (ou "Fotoaki", muitas vezes chamado, retardadamente, de "Faki"). O Myspace era reservado às mais pseudo-alternativas.

Tecnologias na Actualidade[editar]

Dezasseis anos passados desde o início dos anos 2000 muita coisa mudou, especialmente ao nível tecnológico e da Internet, que as Pitas mantêm-se quase as mesmas. Quase porque as Pitas estão cada vez mais putas: proliferam nas redes sociais como o Facebook, o Snapchat, o Twitter e outras no Tumblr. Pois é: antes as Pitas eram intragáveis porque eram crianças retardadas e infantis (com as devidas excepções), mas não deixavam de se comportar como crianças (inclusive na maneira de vestir), mas agora as Pitas têm a mania que são muito adultas, e por alguma razão desconhecida, acham-se as maiores gostosas e que todos os gajos (de qualquer idade) as querem comer.

Ainda nem lhes cresceram as mamas e já usam soutiens com push-up, saltos altos, empinam o rabo, entopem a cara de maquilhagem e todas querem fazer Twerk ao som da Rihanna. Tiram fotos a fazer Duckface, na noite com uma bebida na mão para dar uma de rebelde e bêbada, em frente ao espelho da casa-de-banho (muitas vezes com vista privilegiada para a sanita) ou do quarto, a empinar o rabo ou as mamas (parecendo que têm qualquer deficiência na coluna vertebral) ou a fumar com as "bests", tudo entupido com Photoshop e mil e um filtros.

Dicionário da Nova Terminologia da Linguagem das Pitas[editar]

É muito frequente o uso de abreviaturas em tudo, tais como "ctng", "amt", "dwt", "pk?" ou "DMV": no fundo, isto é um dialecto que evoluiu do Miguxês, porque há coisas que nunca mudam. Também são especialistas em recursos estilísticos, especialmente hipérboles, já que para uma palavra ou letra bem escrita, para as pitas, tem de ser repetida até à exaustão: "mtmtmtmtmtmtmt", "loooooooooooooooooooooooooool", "XDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD" ou "<333333333333333333333333333333". As palavras LOL, SWAG e YOLO são favoritas entre a Pitalhada de hoje em dia, essencialmente por causa do Justin Bieber.

Para referir-se à sua melhor amiga, a Pita é extremamente carinhosa (Ou não), utilizando expressões como: "Best", "Bff", "besta", "porca", "puto", "gorda", entre outras semelhantes. Também demonstrar a sua profundidade emocional, a Pita costuma dizer para a sua "bff" expressões como "és vida" ou "és essencial" ou "amo-te porca".

  • Best - melhor amiga.
  • Besta (sim, besta) - melhor amiga.
  • QMA - quase melhor amiga.
  • SMA - sempre melhor amiga.
  • MQMA - mais que melhor amiga.
  • M.A. - melhor amiga.
  • Bff - melhor amiga.
  • Confidente - melhor amiga.
  • Segunda - melhor amiga renegada.
  • Terceira - melhor amiga ainda mais renegada.

Tubérculos: A Evolução da Pita[editar]

Típico Tubérculo nas redes sociais.

Quando chega aos 14 anos, a Pita que deixa de ser "Pita temporal" vai passar à fase designada como "Tubérculo", que é o 2ºgrau da "Pitice". Cresceu a um nível físico, mas a mentalidade continua a mesma bosta e continua com o mesmo comportamento retardado e com um cérebro (ou falta dele) que só funciona em manada. Caracterizam-se por se vestirem com aquilo que todos usam e ter um cabelo comprido para esvoaçar como no Titanic (especialmente as "populares", grupo para o qual se vai esfolar toda para pertencer).

Quando pertence ao grupo das "populares", é aquele género de rapariga que, quando passa nos corredores do Secundário, deixa os putos a babarem-se e as pitas a roerem-se de inveja. Todas as sextas-feiras e sábados à noite estão batidas na discoteca da moda, onde se vão embebedar com vodka laranja e roçar em algum punheteiro que as comer apenas porque a acha gostosa, mesmo que tenha merda em lugar de um cérebro. É a típica bullie popular, que goza com todas as pessoas que não o são, que se vestem de maneira diferente dela ou que pensam de maneira de diferente dela, ou seja, critica tudo o que não conhece e não compreende porque não passa de uma carneira amestrada, mais conhecida como Basic Bitch.

No fundo, ninguém gosta dela, mas todos querem estar com ela e ser amigos dela só porque é popular, possivelmente rica e conhece todo o mundo popular de onde vive. Não tem quaisquer perspectivas de carreira ou futuro, nem pensa nessas coisas, o que lhe interessa é viver o presente, encher o seu guarda-roupa com as últimas tendências da moda e comer os gajos mais cobiçados lá do sítio. Geralmente, é uma das piores alunas da sua turma, e acha que estudar é coisa de atrofiado.

O "Tubérculo" adora falar em "portinglês", do género: "amigas forever", "és a minha best!", "isto é um must!" ou o famoso "que fashion!". Costuma falar de si na terceira pessoa: "Hoje a Fifi (ou seja, eu), vai às compras. A menina quer vir?"; também não sabe o que é o plural (talvez porque nas aulas de Português esteja mais ocupada a trocar mensagens ou a tirar selfies com as amigas): "A Mimi vai comprar esta calça e este téni, e depois vai comer uma sande".

10413.gif

Pita fez pacto com o CAPETA!
Então é melhor nem se meter com esse artigo, senão o capeta vai atrás de VOCÊ!!!

v d e h
As melhores minas do Universo
(e as piores também...)
120px-627suj8.gif

AeromoçasAméliasArmadilhasAtrizes pornôsAttwhoresBailarinasBarangasBasic BitchsBoazinhasCamwhoresCocotasCoelhinhas da PlayboyColegiaisDançarinasDeusasDonzelasEmpregadasEnfermeirasEsposasEstagiáriasFreirasGalinhasGamersGarçonetesGordasGostosasGóticasGroupiesGueixasGurias RetardadasÍndiasIrmãsIrmãzinhasJapasLésbicasLíderes de torcidaLoirasMãesMagrasMaloqueirasMarias ChuteirasMarias GasolinasMeninasMoçasMiguxasMILFsMinasMina mó legalModelosMorenasMulatasMulheresM$olsNamoradasNerds gostosas (Homem! Você não leu isso! Se leu, você é um Nerd! Você nem viu isso! Isso non Ecxiste!)NinjasNoivasOtakasPatysPeitudasPin-upsPiriguetesPitasPopozudasPrimasProfessorasProfissionais do SéquiçoProstitutasPutas Que PariramRaimundasRuivasSecretáriasSograsStrippersSuecasVadiasVagabundasVizinhas