PlayStation

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Nota: este artigo é sobre a série de consoles. Para a caixa cinza barulhenta e feia da série que ninguém nem lembra que existiu, veja PlayStation (console)

PlayStation e seu majestoso logotipo

PlayStation (em niponguês: Pureistueixion, tradução: JogarEstação) abreviado PS é uma série de consolos consoles de videogame criados pela Sono para competir com a Nintendo nos anos 90s e chegou para ficar pois foi capaz de sobreviver a partir da quinta geração de videogames, e isso é deveras impressionante já que eles nunca dependeram de um encanador italiano que vive navegando em tubos de bong ou de um FPS de merda roubado de outra empresa para manter seu sucesso, com novas franquias surgindo a cada novo console - cada uma pior que a outra, mas ei, ao menos eles estão tentando!

A série PlayStation é famosa mundialmente por ser o prêmio mais almejado do Bom Dia & Cia., que agora só dá prêmios em dinheiro pois os pais faziam brick do console e não davam um pirulito para o moleque genial que conseguiu decifrar o puzzle dificílimo do programa.

História[editar]

Ken Kutaragi apresentando um dos consoles da série, cujo primeiro design sempre costuma ser maior que um torso humano - para depois arrancar mais dinheiro seu com a versão slim

A empresa PureisTeixon foi criada depois que o presidente da Sony ficou puto pra caralho quando a Nintendo largou o projeto de fazer um console em parceria com eles, e mandou Ken Kutaragi criar um console para rivalizar a Nintendo e se tornar o chefão final dos consoles de videogame no mercado.

A ideia original da Nintendo era fazer um Super Nintendo que rodasse com CD-ROM e fez um pacto com a Sony para isso acontecer. Como a Nintendo queria uma fatia muito maior do bolo, as duas empresas entraram em discordância, e a Nintendo disse "fodam-se vocês, eu vou pra casa" para Sony e chegou na Philips para fazer uma parceria sexual na criação de um console (que, a propósito, também não deu certo, mostrando que a Nintendo é uma vadia fresca do caralho).

Como eles sabiam que a Sony iria querer tocar o projeto sem eles, a Nintendo resolveu oferecer um acordo: para a Sony fazer uma parte que "não envolvessem os games" do projeto, ou seja, os caras da Sony iriam fazer o cafézinho do escritório, imprimir alguns relatórios, limpar os banheiros, servir os potenciais patrocinadores da porra toda, mas não teria um dizer sobre como funcionaria o console e os games.

Foi aí que o presidente da Sony ficou MUITO PUTO e aí, nasce a série PlayStation, resultado de uma novela cheia de intrigas e triângulos amorosos.

Consoles[editar]

A série dispõe de um total de 7 consoles...

Cquote1.png O quê?!! Como assim?!! A gente tá no PS4, não no PS7! Cquote2.png
Idiota você sobre PlayStation

Acontece que essa lista incluem os portáteis e a versão Pro do PS4 - que só serve para melhorar 5% os gráficos e rodar os jogos em um falso 4K, também carrega os loadings mais rápido, mas se você é um gamer provavelmente não trabalha nem estuda, então é apenas um desperdício de dinheiro, para seus pais, pois você tá cagando, só quer seus joguinhos.

Além da versão pro, também tem os portáteis, que sempre apanharam para os portáteis da Nintendo, tanto que você nem ao menos imaginou que parte dos sete consoles incluíam os portáteis, afinal, você nem lembra que eles existiram pois bombaram feio. Parece que a Sony aprendeu a lição e nunca mais vai adentrar o mercado dos portáteis.[1]

Claro que se a lista incluísse todas as versões do PolyStation, seria mais de 8000.

PlayStation[editar]

Quando chegava nessa tela era a hora de rezar para que que o jogo não travasse - isso que você já trocou três vezes com o camelô
Crystal Clear app xmag.pngVer artigo principal: Caixa cinza feia pra caralho

A princípio, o PlayStation era filho único, só depois de ganhar vários irmãos que começaram a chamá-lo de PS1, e isso o deixou puto pois perdeu sua autenticidade e todo mundo gostava mais de seus irmãos mais novos - e agora, ninguém liga pra ele, pois ou jogam seus games em emulador no PC ou compram na PlayStation Store para jogar em um de seus irmãos mais velhos.

O primeiro PlayStation era 32-bit, o que significa que ela tinha uma capacidade gráfica pior que a do Nintendo 64, que era 64-bits. Só que como a Sony patenteou o uso de CD-ROM em qualquer mídia - afinal, só isso explica o tamanho retardo da Nintendo de querer fazer os games de um console do porte do N64 em fitas velhas e obsoletas - a Nintendo tinha um espaço muito limitado para fazer seus games, que apesar dos gráficos bons, todo o resto era uma merda - sons, cutscenes, FOV - mesmo assim, a Nintendo se virou para fazer jogos decentes em fita. É tipo você enfiar um carro dentro do seu cu e ainda fazer com que funcione com você vivo.

De qualquer forma, como gráficos não são são tudo, o PlayStation conseguiu chutar a bunda da Nintendo com jogos em CD-ROM com sons fodásticos, jogabilidade inovadora e cutscenes. Eu disse que gráfico não é tudo? Me equivoquei, pois a razão do PS1 ter sido tão popular em comparação com o N64 é porque as cutscenes do começo enganavam o jogador - que era uma criança retardada que se impressionava com qualquer coisa - em pensar que os gráficos eram bons, daí quando finalmente chegava no jogo os gráficos eram uma merda poligonada em que a Tomb Raider tinha seios tetraédricos e todas as pessoas tinham expressões faciais bugadas.

Enfim, o plano de criar um console rival para a Nintendo funcionou, pois esta merda vendeu MAIS DE 100 MILHÕES DE UNIDADES,[2] enquanto que o N64 vendeu míseros 30 milhões. Razão para isso? Pirataria. Como brasileiro é pobre e fudido, mas ainda quer ter o entretenimento dos brancos ricos do primeiro mundo, o PS1 foi muito popular no Brasil. Isso porque era um console muito fácil de se piratear os CDs, sendo que você comprava 5 jogos por 10 reais. Isso sem falar nos mais de 8000 jogos de futebol que o PlayStation têm. De fato, isso se tornou uma tradição da série, e todo console PlayStation tem milhares de jogos de futebol, e 80% dos brasileiros que têm consoles da Sony é para jogar futebol - pois o futebol da televisão anda uma desgraça e hoje em dia ninguém sai para praticar esportes, e se o fazem, ficam grudados no celular.

Como era de se imaginar, o Brasil é um país grande pra caralho e as empresas de videogame aprenderam a aproveitar esse mercado de brasileiros que economizam três salários para se ter um console que eles mal têm tempo de jogar pois precisam trabalhar em dois empregos para terem acesso aos direitos básicos. Quem sabe se o PT criasse um bolsa-playstation não teriam mais eleitores?

PlayStation 2[editar]

Os controles DualShock eram inovadores por vibrarem quando executadas certas ações nos games
Os controles da série sempre foram notáveis por sua vasta variedade de botões (sendo que muitos jogos dispensam a maioria)

Sucesso é algo raro que muitos costumam atribuir à sorte (pois assim, têm uma desculpa para os próprios fracassos). Como sequências costumam ser uma desgraça, a Sony nem acreditou muito no que viria a ser o segundo console da empresa - afinal, o objetivo de humilhar a Nintendo com o console que ela mesma tinha idealizado já foi atingido. Por causa disso, simplesmente tocaram o foda-se e fizeram um console nas coxas. O que saiu foi um console preto que mais parecia um bloco de cimento com um hardware inferior aos competidores (Xbox e JogoCubo), copicolaram o controle do PS1 e só mudaram a cor e, finalmente, nem se incomodaram em invetar um nome inovador ou criativo para o console: simplesmente batizaram de PureiSteixon 2.

E aparentemente a Sony errou em suas previsões, pois o PlayStation 2 foi o console mais vendido não só da sexta geração mas também da história vendendo 155 milhões PUTA QUE PARIUUUU.

É importante notar que o PS2 não mudou muita coisa se comparado ao PS1, além dos gráficos e jogabilidade - mas isso todo mundo espera. Eles não tentaram inovar adicionando um monte de funcionalidades de merda das quais ninguém usaria. Todo mundo comprou o PS2 pois queria mais PS1. Os brasileiros tiveram uma série de orgasmos ao jogar os novos mais de 8000 lançamentos de futebol com gráficos melhores, opções de montar equipes personalidades e de se moldar jogadores com pica grande - uma forma de compensar a vida real.

Tirando isso, o PS2 continuou a mesma bosta que o PS1, só que preto - mostrando que agora os sonystas estavam curtindo uma uma pica negra agora. Ainda utilizam-se Memory Cards para salvar o progresso dos jogos, algo totalmente primitivo que já não se era usado na época do Super Nintendo. Talvez o diferencial fosse que você não precisasse de uma cópia específica do jogo para manter seu progresso, só que assim era uma merda pois você tinha que constantemente eliminar seus mais de 8000 saves de PES e Tony Hawk's para abrir espaço, ou então teria que constantemente comprar novos Memory Cards, mas como no Brasil tudo é um roubo,[3] era caro pra caralho - mesmo o comprando nos camelôs. Talvez essa fosse a ideia da Sony: te explorar a comprar Memory Cards até você falir - você não vai querer perder seu progresso, vai?

PlayStation 3[editar]

Já que o PS3 não tinha jogos, tiveram que compensar com algumas funções extras
Crystal Clear app xmag.pngVer artigo principal: George Foreman Grill

Com o sucesso do PS2 e do PSP, a Sony resolveu dar mais carinho ao PureiSteixon 3, e agora tornaram oficial a simples sequência numérica a cada console novo. Foda-se, é mais fácil.

Foi aí que a Sony desenvolveu o console mais potente da sexta geração. Só teve um problema: fizeram uma arquitetura complexa pra caralho, e nenhuma desenvolvedora de games sabia botar jogo nessa porra, e quando botava, ficava uma merda com quedas de FPS ou então um port porco cheio de problemas de performance. Por causa disso, o PS3 começou broxante, pois muitos zoavam com o fato de não ter porra de jogo nenhum para o console na época, e muitos optaram pelo Xcaixa 360 ou pelo Nintendo rWiim.

Acabou que o PS3 foi o console menos vendido não só da geração, mas de toda a Sony, sendo uma vergonha pelo legado deixado por seus irmãos mais novos. Mais tarde, a Sony tentou consertar a situação ao lançar o PlayStation Vita, que viria a ser tonar o console que mais bombou as ações da empresa para assim amenizar um pouco a humilhação do PS3.

PlayStation 4[editar]

Lembra da seção do PS1 onde citamos que o PT poderia lançar um bolsa-PlayStation? Aconteceu! Jamais desistam de seus sonhos, crianças! O governo intervencionista vai sempre realizá-los para você!
Crystal Clear app xmag.pngVer artigo principal: PC com gráficos piores

O PS4 é o atual console da Sony e que, pela primeira vez na história, mudou o design do controle, que agora tem um formato fálico.

Portáteis[editar]

PSP[editar]

Crystal Clear app xmag.pngVer artigo principal: PS2 de bolso
PSP e seus gráficos avançados.

Como já foi dito, a Sony tentou adentrar o mercado de portáteis, tentando humilhar novamente a poderosa chefona dessa merda.

Sua primeira tentativa até que não foi tão ruim. Quando surgiu o PSP, todos imaginaram o prazer sexual que seria poder jogar futebolzinho ou GTA durante as aulas chatas (não no recreio, pois se não, teria que dividir com toda a molecada) ou então quando você está na casa da sua avó que só tem uma TV velha que só passa Globo com bastante estática. Claro que qualquer outro lugar para se usar o PSP é inviável pois no Brasil um cara com PSP nas ruas não duraria nem 10 minutos - e o assaltante chapado mandaria formatar o PSP e instalar um sistema Android nele para vender como Samsung S7.

Só que o principal uso do PSP - assim como do PS1 e PS2 - viria a ser a pirataria. Hoje em dia, muitos hackeiam até o fundo do cu da placa mãe do coitado, até extrair a última goto do suco tecnológico que essa pobre máquina era capaz. Além da pirataria, muitos instalam emuladores de PS1 e consoles antigos da Nintendo. De certa forma, a Sony ownou a Nintendo de novo, pois muitos usam o PSP para jogar os próprios jogos de portáteis da Nintendo.

PlayStation Vita[editar]

Crystal Clear app xmag.pngVer artigo principal: PlayStation à vista

Uma das maiores cagadas da Sony em tentar criar um console que não passava de um PS3 de bolso.

O que acontece é que as pessoas não querem jogar um PS3 de bolso, elas querem jogos simples, intuitivos, com gráficos belos mas simples, e não um jogo cheio de detalhes gráficos e spam de efeitos como os de nextgen. A razão do PSP ter sido um sucesso foi por causa da pirataria para, justamente, jogar jogos mais simples.

Foi aí que o PS Vita cagou feio. Muitas desenvolvedoras nem queriam arriscar fazer um jogo para o Vita, pois considerando que seria demorado, complicado e caro desenvolver um jogo que utilizasse de todas as capacidades gráficas do portátil que já dava indícios de ser uma bomba, eles optaram por tocar o foda-se e trabalharem no próximo jogo genérico de PS4.

E foi assim que o Vita acabou sendo o console menos vendido do Vita. Até o Tijolo Gear vendeu mais, e aquilo era um pedaço de merda.

Ver também[editar]

  • Crash Bandicoot, um dos primeiros títulos exclusivos de sucesso da franquia, também um dos primeiros a serem vendidos e virarem uma merda jogando a exclusividade pela janela ao ser portado até para Android
  • Uncharted, outro exclusivo de sucesso mais atual, que nada mais é que uma cópia de Tomb Raider, mas com um homem
  • God of War, um button smashing parecido com Devil May Cry, só que requer menos estratégia

Referências

  1. Ou não
  2. Isso sem contar as vendas de PolyStation!
  3. Inclusive, já ia me esquecendo: o governo cobra imposto pela leitura desse artigo. Sonegação leva à prisão.