Ponta de Pedras

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Ponta de Pedras
"Pedras com pontas!"
Bandeira de Ponta de Pedras.png
Bandeira
Aniversário
Fundação Não disponível
Gentílico ponta-pedrense
Lema Isso é uma cidade ou uma pedreira?
Prefeito(a) Não disponível
Localização
Localização de Ponta de Pedras
Estado link={{{3}}} Pará
Mesorregião Ilha dos Búfalos
Microrregião Piriri
Municípios limítrofes Não disponível
Distância até a capital Não disponível
Características geográficas
Área Não disponível
População Não disponível
Idioma indioês
Densidade hab./km²
Altitude metros
Clima Não disponível
Fuso horário UTC
Indicadores
IDH
PIB R$
PIB per capita R$

Cquote1.png Você quis dizer: Pedras com pontas? Cquote2.png
Google sobre Ponta de Pedras
Cquote1.png Experimente também: Pedras sem pontas Cquote2.png
Sugestão do Google para Ponta de Pedras
Cquote1.png Esse município recebeu esse nome por ter muitas pedras com pontas Cquote2.png
Capitão Óbvio sobre Ponta de Pedras

Ponta de Pedras é mais uma ilhazinha que existe vagando pelo meio do Rio Guamá e entrando a esquerda em qualquer beco. Fica mais precisamente localizada na Ilha do Marajó, uma porção de terra cercada de água por todos os lados e que só não é totalmente isolada por estar próxima do Pará e do Amapá respectivamente (sendo o primeiro estado dono de todo o território de que falaremos aqui), se bem que a ilha ainda pega um pedacinho do Maranhão, mas é tão pouco que tal informação torna-se inútil.

Por ficar somente questões de séculos minutos de distancia da capital do Pará, Belém, tal cidade ainda é bastante visitada pelos moradores de lá, que de vez em quando gostam de deixar a capital congestionada e seca do Pará para se aventurar nesses fins de mundo do Marajó. Em Ponta de Pedras pega sinal de telefonia celular, computador (claro que não com internet wi-fi, mas pelo menos com uma discada quebra o galho), rádio, televisão e um ventiladorzinho de teto enferrujado, só para não matar ninguém de calor.

Diferentemente de outros municípios, nunca esteve em disputa por seus territórios, nunca pertenceu a ninguém e nunca ninguém pertenceu aos seus domínios, deixando bem claro que aquelas terras pertencem a Igreja e que ninguém as tasca.

Histórico[editar]

A cidade de Ponta de Pedras anunciando um dia de Parada Gay.

Ponta de Pedras nasceu da necessidade de alguns padres em construir seus templos em locais que poderiam realmente dominar pregar os ensinamentos de Deus, coisa que não podiam fazer em locais que houvessem propriedades de terras e latifúndios, já que nenhum deles estava com vontade de ficar pagando dízimo ao fazendeiro.

Pedindo socorro para o governador do Pará, foi assim que Ponta de Pedras surgiu, pegando um pedacinho de terra que ninguém estivesse usando e jogando o povo religioso lá, ganhando tal nome devido ao exorbitante número de pedras que haviam nas praias da localidade, sendo essas pedras todas pontudas e machucáveis, o que tornava um banho ali praticamente impossível, a não ser que você desejasse sair de lá todo esfolado.

Com o tempo, o aquecimento global e a erosão contribuíram para a diminuição de tais pedras, que acabaram tornando-se areia e as praias da ilha acabaram recebendo mais visitantes da capital. Atualmente a principal economia da localidade é exatamente a sobrevivência por parte de banhista que vem frequentar suas praias que nem são lá essas coisa, mas fazer o quê?

Clima[editar]

Com essas praias cheias de pedras, não foi à toa que lhe veio esse nome.

Por não ser nada mais e nada menos do que uma ilha, Ponta de Pedras possui um clima muito molhado por aquelas bandas, sendo este caracterizado como equatorial superúmido e que eu nem sabia que existia clima denominado assim.

População[editar]

Segundo o IBGE, que provavelmente contou alguma coisa errada, a cidade possui um pouco mais de 24.200 habitantes, tendo esse tamanho número de pessoas mais pela sua proximidade com a capital paraense do que pela sua importância municipal, haja visto que lá não há porra nenhuma para se fazer, além de curtir tédio durante toda a semana, ganhando maior destaque somente durante o final de semana, quando a coisa ainda fica um pouco mais movimentada e a cidade toda sai um pouco da rotina.

Turismo[editar]

Como os citadinos dali já se cansaram de passar seu final de semana ali, geralmente a cidade morre quando os turistas não a visitam, já que nem quem mora ali gosta de ficar lá nos domingos.