Príncipe

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Príncipe Charles, se chegar a ser rei.

Cquote1.png Como é bom ser príncipe... Cquote2.png
Príncipe William sobre pegar em peitinhos de quem quiser a hora que quiser.
Cquote1.png Aaaai! Que nojo! Cquote2.png
Príncipe Boiólus XXIV sobre afirmação acima.
Cquote1.png Ai, não é um príncipe mas é como se fosse. Cquote2.png
Guria retardada sobre o gordinho vesgo Luan Santana.

Introdução[editar]

Príncipe é um nobre que em alguns casos, só em teoria é uma espécie de responsável por um Principado, e o Principado é qualquer lugar que esteja sob o governo monárquico... mas na verdade quem governa mesmo são os ministros. O príncipe nada mais é do que um simbolismo, até o sapo Príncipe Charles já disse indiretamente, que o serviço dele é fazer aquelas frescuras simbólicas e depois se acasalar com súditos(as). Se ele disse quem sou eu para duvidar de suas palavras principescas, e porque não dizer, sapientes?

O que faz[editar]

Plebéia se apaixonando desinteressadamente por um príncipe.
Príncipe Charles deixando transparecer como é importante ser príncipe no Reino Unido.

O que faz é relativo, mas os mais conhecidos e assediados que são os ingleses não fazem lá muita coisa. Aí você pensa: Então, é uma beleza de vida boa, a de príncipe. Nem tanto, tem uma monte de formalidades e coisas chatas que eles têm que fazer, e no fim das contas nas decisões mais importantes, a opinião deles não fede nem cheira, quem manda mesmo é o Primeiro Ministro no caso o Tony Blair Gordon Brown, a Rainha (a da Inglaterra é uma veinha imortal), ainda manda alguma coisinha, mas assim mesmo nem tanto. É quase uma bobagem, mas os príncipes podem dizer que são príncipes. O que tem isso? Oras, que guria não quer ser princesa? Mesmo que seja por alguns minutos, que podemos chamar de rapidinha. Desta forma, o que mais um príncipe faz deve ser sexo, a não ser que seja meio assexuado, se for boióla deve dar igual uma louca. Falamos de se sentir como uma princesa e de boiolagem, e me lembrei que você é um caso à parte: mesmo sendo homem, queria se sentir princesa, mas isso não vem ao caso.

Um príncipe que deve mandar um pouco mais, é o de países árabes, mas lá é tudo diferente, até a forma de se aproveitar a função é deferente. O Aladin que foi um maloqueiro e teve a oportunidade de se passar por príncipe durante um tempo notou que não era só ter odaliscas, ganhar uvinha no biquinho e morar num palácio. Tinha que fazer coisas importantes, como mandar cortar mãos, cabeças, e até pintos de súditos criminosos, coisas que o assustaram, além de resolver assuntos complexos.

No Japão existe os príncipes, mas a única coisa que tem em comum com o Reino Unido é a hereditariedade, também porque o Imperador manda mais que Rei, e até manda na religião, ora, o Rei perto do Imperador, é uma mocinha coroada. Assim sendo os príncipes japoneses devem ser também bem, mais importantes e inteligentes, mas ora, inteligentes todos os japoneses já o são... menos os mangakas, claro.

Outras funções[editar]

Repare que sem fazer pirralhice nem manha, ele já entende sua futura função e até já faz a pose certa.
Príncipe mostrando que será um sultão equilibrado: puxa a espada só por uma boa causa, nesse caso, um súdito cuspindo na calçada do palácio.

Uma vez que, os ingleses praticamente não têm função nenhuma, vamos aos mais interessantes (ui), que são os príncipes japoneses. Ele tem que ser filho de imperador, claro, mas não é só isso. Bem ao contrário da fachada dos ingleses, esses príncipes, desde cedo devem aprender tudo sobre o seu povo e o território que irão governar, e governam mesmo, mandam até na religião, assim como os índios civilizados faziam na era pré-colombiana, antes de serem execrados. E se isso não aconteceu aos japoneses, quem duvida que eles melhoraram o método? Sim, sempre se defenderam bem, ? Falando em defesa, os príncipes japoneses são até samurais, quer dizer, também manjam de luta e estratégia, tem a parte de equilíbrio sobre as chinelas de madeira, que eles treinam como sacerdotes. Claro que o povo japa todo também tem dessas coisas, mas com os príncipes o negócio é mais pesado, assim mesmo eles não podem ser lutadores de sumô, isso não. E não pense que tem choramingo, tipo: ai, ui me sinto preso, nada disso.

Note que tudo isso dá mais do que certo: o Japão é a maior potência mundial apesar do pinto pequeno, sim, USA é passado, agora nem em segundo tá mais, só sustentam a idéia, e tontos acreditam.

Depois de um tempo, Xerazade contratava súditas para, assim como ela, usar a boca... para contar as histórias para o príncipe.

Na Arábia, acontece uma coisa bem sinistra: os príncipes podem até maltratar os súditos, mesmo que não sejam criminosos, basta que contrariem alguma coisa que ele tenha inventado. Pova disso é a história que ilustra o comportamento de Cheikes e príncipes árabes. As Mil e Uma Noites, e a Xerazade tendo que se especializar em xaveco e, como também tinha um gênio forte, não da lâmpada, gênio personalidade mesmo, que ia bater com o de seu dono esposo, ele já de pinto pavio bem curto. Xerazade para não correr o risco de morrer por conta de algum desagrado para com o príncipe, teve que se manter viva na base de histórias pornôs inacabáveis.

Para virar Rei[editar]

Para um príncipe se tornar rei, é muito simples: Ora, se essa função é hereditária, basta o antecessor morrer. Por isso é que tem até casos de filhos matando titios, irmãs, ou mesmo pais e mães mesmo, mas claro que isso não acontece hoje em dia, do contrário o sapo Charles, já teria dado um jeito naquelas veinhas, da avó (um cara velho daqueles ainda tem vó) e da própria mamãe dele que são veinhas com resistência infinita, assim corre o risco do fia a mãe (imortal) nem ser rei, e o trono passar direto para o Príncipe Willian, mas, também, ninguém gosto do infeliz do Charles, é bom que nem queira ser rei. Mas para os príncipes apressadinhos em ser rei, não tem outra solução senão usar aquele método de Herodes Antipas, aquele mesmo de abraçar o pescoço do papai enquanto muito bêbado com toda a força do seu amor de filhinho.

Príncipe encantado[editar]

Dá pra ver que embora esteja encantado, a porção humana não é um príncipe.


Crystal Clear app xmag.pngVer artigo principal: Príncipe encantado.

Príncipe encantado não existe. Apenas em contos de fadas, mas, tipo, é um príncipe que uma bruxa jogou um encanto nada encantador, o transformando em alguma coisa, na maioria das vezes um sapo, daí para quebrar o encanto, ele deve arrumar uma princesa ou mesmo uma plebéia que queira beijar o lindo sapinho para se transformar novamente em humano. No geral essas bruxas faziam isso porque o príncipe bem taradão, tipo aquele mesmo, viu aquela feiticeirona gostosa e quis dar uma com ela, mas como taradice não garante bom desempenho, a bruxa se desapontava, e como castigo jogava o feitiço, ou encanto como queira. Bem, se isso for verdade, como exemplo ele novamente, nosso amigo Charlito, sim, a mulher que o desencantasse com um beijo iria preferir que ele virasse sapo novamente.

Alguns exemplos de Príncipes[editar]

v d e h
Coisas medievais

Rei rainha.jpg