Predefinição:Em destaque

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Dante tem a visão beatífica de Deus no último capítulo.

A Divina Comédia é um livro épico, considerado até hoje um grande trabalho de fanfic de auto-inserção, escrito na Itália durante os obscuros anos da Idade Média por um poeta gótico conhecido como Dante Alighieri. É o segundo livro da série Dantesca Deus Odeia Você que faz trilogia com Devil May Cry e Neon Genesis Evangelion.

INFERNO - A primeira parte da Divina Comédia, sendo aquela que faz jus ao título do livro, uma vez que as cenas no inferno são a maior comédia onde estão as pessoas sendo torturadas nas formas mais ironicamente cômicas possíveis, segundo o autor. Para mais informações, corte os pulsos, se mate, que com certeza você vai assim ir conhecer melhor o Inferno.

PURGATÓRIO - A segunda parte da Divina Comédia, muitos erros gramaticais o tornam difícil de compreender, por isso quase ninguém lê ou se importa com essa parte. No Purgatório são encontrados menos Guidos que no Inferno, e a sua estrutura representa um meio-termo entre as mazelas do Inferno e a formosura do Paraíso. O Purgatório é uma ilha inventada pela Igreja Católica onde são aplicadas punições mais brandas que as vistas no Inferno, para assim a Providência Divina ser menos antipática e dar mais esperança dos fiéis em conseguir seu lugarzinho no Céu.

PARAÍSO - A terceira parte da Divina Comédia. Dante vê o Paraíso como um imenso resort de férias permanentes cheio de delícias, gente vestido de branco tocando harpas, composto de dez andares que podem ser explorados subindo-se através de um elevador panorâmico até o oitavo andar, já que o terraço onde está Deus o acesso é só por uma escada de ouro. A geografia do Paraíso foi baseada no modelo umbigocêntrico de Ptolomeu que aceitava a Terra como o centro do universo com tudo girando ao nosso redor, bem Deus parecia não ter lá muita noção de custo-benefício por ter criado trilhões de estrelas em trilhões de galáxias apenas para girarem em torno da Terra... enfim... Urano e Netuno foram excluídos porque... porque bem, Deus quis, e quando Deus manda, ele manda mesmo. Plutão foi excluído também por, como se sabe, ter sido rebaixado para planeta-anão pela comunidade astronômica mundial.

Leia o livro completo