Prefeitura

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Cquote1.png Mais 42 obras concluídas. Prefeitura Municipal de Rio Branco do Acre. Cquote2.png
Anúncio pré-eleitoral de uma prefeitura
Cquote1.png A cidade está pegando fogo. Faze mais prefeituras para evitar novos incêndios. Cquote2.png
Prefeituras em Caesar III

Prefeitura é uma subdivisão administrativa para territórios muito grandes, do tamanho do chifre do seu pai. As primeiras prefeituras surgiram no Império Romano para impedir a tomada de tudo pelos bárbaros. O resultado todos já conhecem, afinal não se pode confiar na prefeitura para nada.

Desta maneira foi que na barbearia passaram o proceder aos bons modos e bons tratos
nos quais permanecem até então comportados todos em beleza pela moral os saqueamentos,
onde bandos grupos civilizados fofoqueam valores com base em grandíssima beleza pelas poses sociais.
na prefeitura são postas práticas de persuasão e treinamento para lógicas urbanas
sendo efetuado em listas de cobranças as atividades em atuação na cidade.
grupos especializados espalham suas conversações ao amaldiçoamento dos residentes postos a acreditar no decorrer das falhas impostas aos interesses estes em alusões a prefeitura
sendo o ponto de fuga ao mundo de fantasias que é a política.

As prefeituras em Roma[editar]

Prefeituras do Império Romano.

O antigo Império Romano estava grande demais e os bárbaros eram o maior de todos os problemas, sobretudo quando tomavam a poção do Asterix; aí os loucos romanos sempre perdiam a terra conquistada. Outro grande obstáculo para as cidades romanas era a alta quantidade de incêndios ocorridos, seja pela loucura dos imperadores, seja pela qualidade das construções.

A solução encontrada foi a criação das prefeituras para dividir a administração. O mapa ao lado está colorido não apenas porque os romanos também o eram, mas para mostrar as quatro prefeituras (ou seriam cinco, eita mapa comprado no camelô). Entretanto, essa divisão não surtiu grandes efeitos, pois os prefeitos estavam mais preocupados em nomear parentes para cargos públicos, mandar fazer termas novas no palácio e deixar todas as obras para os anos eleitorais do que em proteger as fronteiras do império contra os povos germânicos.

As prefeituras também serviam para controlar os freqüentes incêndios em Caesar III. Se a sua cidade estivesse em um deserto, as casas pegavam fogo a cada cinco minutos, mais ou menos. Logo era necessário construir uma prefeitura em cada esquina, senão a cidade viraria Churrasco Grego em poucos minutos.

Na Igreja Católica[editar]

Uma prefeitura no início do mandato do prefeito.

Como tudo o que existia no Império Romano, as prefeituras não poderiam ficar fora da Igreja Católica. O clero também se alastrou rapidamente pelo mundo e carecia de administrações locais. Em pagação de pau ispiração às prefeituras romanas, a Igreja dividiu-se também em prefeituras, dioceses e paróquias, chegando até a igrejinha do centro de Pissirica da Serra, aquela cidade que nem está no mapa. E como em Roma, a administração do clero também gira em torno dos interesses dos religiosos, afinal os bispos um dia tiveram de fazer votos de pobreza, mas a história era outra quando os mesmos se tornavam caciques da Igreja.

No Brasil[editar]

Típica funcionária de prefeitura.
A mesma prefeitura no final do mandato. Veja como o prefeito se preocupa com a cidade.

O conceito de prefeitura mudou um pouco no Brasil, passando a designar a sede do Poder Executivo, ou seja, aquele lugar onde o Prefeito supostamente trabalha pelo bem da cidade.

Geralmente, os recém-eleitos prefeitos recebem uma prefeitura lotada de dívidas deixadas pelo prefeito anterior, decorrentes das obras feitas todas no ano anterior (isso se o cara não se reelegeu). No final do mandato deste prefeito, a prefeitura já terá cara nova, depois das inúmeras reformas que ela sofre periodicamente, a fim de garantir o máximo conforto aos representantes do povo no poder.





Ver também[editar]

Este artigo ainda não é linnndo.
Ajude a Désciclo editando-o, meu rei. Ou não.