Prince of Persia: Warrior Within

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Virtualgame.jpg Prince of Persia: Warrior Within é um jogo virtual (game).

Enquanto você lê, a Samus mata uns Space Pirates.


Príncipe do Irã: Guerreiro Within
Prince of Persia Warrior Within.jpg

Capa do jogo lançada para as versões no Oriente Médio

Informações
Desenvolvedor Ubisoft
Publicador Ubisoft
Ano 2004
Gênero Simulador de parkour
Plataformas PlayStation 2, Xbox
Avaliação 50%
Idade para jogar Livre

Prince of Persia: Warrior Within é o segundo capítulo da saga Sands of Time, embora seja completamente diferente de seu jogo predecessor, abusando da modinha gótica que tomava conta daquele ano de 2004, criado pela empresa Ubisoft, depois do festival de parkour e zumbis de areia que foi o primeiro capítulo, pensava-se que alguma coisa poderia ser melhorada, mas em vez disso os programadores optaram pela adição de sangue, massacres de cadáveres ambulantes, enredo dramático baseado em quadrinhos de estilo dos anos 90 e a remoção completa de qualquer tipo de diversão. O resultado é que os fãs da série preferem não falar sobre esse título, bem como fãs de Devil May Cry preferem não falar sobre seu segundo capítulo.

Enredo[editar]

Se o primeiro jogo não fazia sentido, o enredo deste segundo game não melhora em absolutamente a vida do jogador médio. Sabe-se apenas que após cagar a linha temporal e enganar a própria morte, agora o Príncipe é perseguido por um demônio feito de óleo repleto de pirocas de aço desejando violar o protagonista para puni-lo. Isto gera uma grande tensão no decorrer do jogo, pois ninguém quer ser impalado assim sumariamente e ter uma morte horrível, e assim, para escapar de tal monstro, a única solução é executar muitos movimentos de parkour. O problema é que tal diabo tinha uma fraqueza básica, que era por água, do que 70% do planeta é formado, tornando-o o vilão mais inútil que se tem notícia, exceto se seu reino for numa das regiões mais áridas possíveis.

Para escapar de Dahaka, o Príncipe se tornou um marujo e passou a viver no alto-mar. Todavia, um dia uma atriz pornô vestida num biquíni de aço no meio da chuva atacou a embarcação do príncipe, fazendo-o naufragar numa ilha inóspita no meio do Mar da Arábia.

Assim que o príncipe cai nesse lugar desconhecido, qual é a primeira coisa que ele faz? Brincar de parkour nas rochas, ruínas e armadilhas do local, o que inclui entrar em portais temporais de maneira absolutamente inconsequente, até finalmente se encontrar com a Imperatriz dos Peitõesdo Tempo, a voluptuosa Kaileena e seu traje e maquiagem de prostituta barata, despertando uma ereção paixão avassaladora no Príncipe, o bastante para ele jamais sequer citar o nome de Farah.

Posteriormente, o Príncipe descobre que os peitos Kaileena era na verdade a pessoa que estava tentando o matar, mas como ele estava tendo uma ereção no momento, não conseguiu combate-la apropriadamente. Posteriormente a vagabunda revelaria que tenta matar o príncipe porque ela viu no futuro que ele seria o responsável por mata-la, problema este que a vadia tenta solucionar justamente irritando-o para que o matasse.

Depois disso é um avança e volta no tempo em busca de upgrades espalhados pelo palácio, pois sem eles a batalha final é contra Kaileena e assim o jogador vê apenas o final ruim, no qual o Príncipe se torna um bronheiro. Mas caso todos upgrades sejam coletados, a batalha final ocorre contra Dahaka que pode ser enfrentado graças a uma espada de água.

Jogabilidade[editar]

O jogo é a mesma coisa do antecessor, mas com um pouco mais de piruetas e malabarismos para matar os inimigos que são os mesmos ninjas vermelhos eternamente.

O Parkour está presente em 95% do jogo, tanto que as batalhas contra chefes, especialmente o último, são horríveis de se combater, o personagem se sente como um personagem descoordenado protagonista de Silent Hill.

Agora o Príncipe possui novas habilidades com as areias. Além de voltar no tempo, ele pode também retardar o tempo ou se transformar num Super Sayajin e espancar inimigos livremente.

Personagens[editar]

Isto é uma imperatriz ou uma prostituta?
  • Príncipe – Após todos os problemas travados contra o malévolo vizir no capítulo anterior, pensava-se que o pobre príncipe estaria em paz. Infelizmente não, porque, desde então, ele começou a ser perseguido pela fumaça de Lost e teve que deixar o reino, o seu pai e sua escrava sexual para conseguir sobreviver. Em determinado momento do jogo o Príncipe se transforma em uma criatura de areia negra com poderes ilimitados mas com a barra de life frequentemente decaindo Com esta máscara, o Príncipe consegue uma segunda chance na ilha de Lost, para impedir a criação das areias.
  • Shahdee – Apenas uma pirata gótica que serve apenas para fanservice e novas ideias para cosplays indecentes, e só serve para mostrar um par de nádegas para o vento.
  • Kaileena – Rainha soberana da ilha de Lost desde o princípio do mundo, é uma mulher que se destaca por seus decotes absurdos de exagerados mas também por sofrer claramente de transtorno bipolar de personalidade, pois durante todo o jogo não faz nada além de ajudar o Príncipe de vez em quando, para em seguida tentar matá-lo apenas quando ele está no auge de sua força. Alguém ainda está tentando entender por que ela agiu assim, considerando que o seu destino é aparentemente a ser morto pelo príncipe, então não faz sentido atacá-lo apenas quando ele se torna muito forte. Dependendo do final escolhido pelo jogador, o príncipe vai decidir, se brutalmente massacra Kaileena para se livrar das areias do tempo (final gay) ou se você vai levá-la para a cama para uma trepada intensa (final jheterossexual).
  • Dahaka – Grande vilão do jogo, persegue o Príncipe afim de violá-lo com seus tentáculos. É a encarnação da vulva peluda de Kaileena com eterno TPM, e para piorar a sua aparência, não se lava desde a criação do mundo, por isso a cada vez que está chegando o seu grande fedor o precede e a atmosfera torna-se rapidamente toda cinza e nauseante. Devido a esta relutância à higiene e à água, o príncipe vai sempre encontrar segurança quando se esconder atrás de uma cachoeira e cumprimentá-lo com um gesto guarda-chuva. As maneiras para se livrar do mau cheiro Dahaka e assim concluir o game são dois: o primeiro é fazer Kaileena sangrar até morrer, e assim impedi-la de criar o Dahaka; e o outro modo é consultar canais de dicas no Youtube que mostram dicas de onde está cada item em cada centímetro cúbico do cenário do jogo e assim conseguir obter a espada de Omo Multi-Ação, a única capaz de lavar o Dahaka na batalha final.