Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Aviso importante: Politicagem aqui NÃO, cazzo!
A Desciclopédia é um site de humor, logo, NINGUÉM aqui se importa com sua opinião sobre o Jair Bolsonaro, o Jean Wyllys ou o Eduardo Cunha. Seja engraçado e não apenas idiota.


O Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego [1] ou Pronatec é mais um dos programas governistas criados para enganar trouxas, como você, como sua mãe ou como qualquer brasileiro médio. O programa surgiu a partir da necessidade do governo federal de criar números estatísticos que não servem pra porra nenhuma a não ser demostrar a eficiência do mesmo em solucionar equações matemáticas, o que mesmo assim não foi realizado com sucesso.

O pobrama[editar]

Paint é a única ferramenta de estudo nos cursos, junto com o Bloco de Notas.

O Pronatec surgiu de uma idéia mirabolante do cabeça dos sete anos do governo da mula, o também ex-presidente Lula. Ele queria criar meios de seduzir o gado comum, aquelas pessoas que não poderiam ser adestradas por badernistas, já que não estariam numa faculdade federal e tão pouco manobrados pela CUT, MST e MTST, já que não eram capachos de sindicato algum e nem moravam em zonas rurais. A intenção era fazer que o brasileiro médio se sentisse parte do bando e ao mesmo tempo fazendo-o sentir que a qualidade de vida tivesse melhorado depois que passasse a ganhar alguns trocados em esmola por mês. Não atoa que o funk ostentação viveu seu auge depois da criação dessa bosta, já que com a existência do programa, alguém que recebia outros programas governamentais poderia viver sem trabalhar, apenas de curso profissionalizante.

A ideia de jerico foi posta em pratica durante a falta de gestão em que viveu o país, nas mãos de Dilma do Chefe e ele surgiu para tentar suprir uma preocupação que apesar de ser uma realidade atual, em 2014 era previsto apenas por economistas (e pelos Pais de Ogum em geral, incluindo você): a barracota da economia e o desemprego de milhares de economistas pelo país [2].

Público alvo do programa[editar]

Crystal Clear app xmag.pngVer artigo principal: Pobre

O programa foi concebido (ou melhor, parido) para ajudar os economistas (e por conseguinte a economia) já que esta foi a classe trabalhadora mais afetada com a crise ocasionada pela lava jato. A meta inicial era apenas "ajudar" ao Guido Mantega quando o mesmo deixasse o Ministério da Fazenda, mais aí a meta foi dobrada, o que deu pra oferecer cursos de qualificação também para o ex-ministro Joaquim Levy. E a meta foi dobrando, e dobrando, até poder atender os mais necessitados de não necessidades.

Objetivo[editar]

Dilma furiosa com seu assessor após ler este artigo.

A principal finalidade desse programa é oferecer aqueles cursos da Microlins, só que de graça e em alguns casos, oferecendo ao aluno uma bolsa-formação.

Quando a presidente mandioca e principal porta-voz do programa até hoje, D Cquote1.png Qual a sua proposta para que as pessoas maduras se sintam valorizadas e possam manter sua empregabilidade? Cquote2.png
Economista sobre como se manter no mercado de trabalho.
Cquote1.png [...] eu gostaria que você olhasse os vários cursos que estão sendo oferecidos pelo SENAI [...] Então o que é o PRONATEC? Cquote2.png
Dilma Bullsheƒ respondendo a pergunta acima com uma outra pergunta.
Cquote1.png É pra garantir que você tenha um emprego adequado a sua situação. Cquote2.png
Dilma respondendo a citação acima. [3]
Cquote1.png Só os idiotas respondem uma pergunta com outra! Cquote2.png
Velho pançudo e Mestre Linguiça sobre citação acima.


Resultado[editar]

O sucesso do programa foi equacionado da mesma forma que sempre foi neste imenso brejo varonil. A equação é a seguinte:

(Atenção! A solução da equação abaixo requer conhecimentos matemáticos. Não nos responsabilizamos se você está cursando o Ensino irRegular ou uma Universidade Particular qualquer!)

Numero de Inscritos = Número de Atendidos

Nota: Substituir a variável Atendidos por Alunos Formados pelo Programa.

Pelo resultado da equação acima, o governo deduziu que o programa foi, como diria Gugu Liberato: Um "suceçuu"! -sqn. Como qualquer projeto de iniciativa brasileira: Este projeto já nasceu morto, e a razão pra isso são os mais óbvios.

Sub-Cursos[editar]

Quem que vai deixar de fazer um curso meia-boca numa escola profissionalizante pra fazer um sem-boca num SENAC? Nas instituições do "Sistema S" os professores recebem galinhas para ministrar aula, alguém pior que sua mãe vai dar aula pra você no SENAI e qualquer que seja o curso profissionalizante técnico escolhido, seus professores não vão dar o peixe, não vão ensinar a pescar, não vão fazer nada que seja possível, apenas te entregar a vara naquele lugar — e um diploma no fim de tudo isso, e isso porque faz parte do negócio entre a instituição de não ensino e o governo federal.

Aulas pobres[editar]

As aulas dadas no programa deveriam se cadastrar no Fome Zero, pois são pobres em matérias com alguma utilidade, desnutridas em conteúdo e o pouco que ensinam você nunca irá usar no futuro. Os professores descapacitados a darem aula, desensinam como ninguém. Se for em uma UNIP por exemplo, qualquer analfabeto funcional também conhecido formalmente como universitário poderá ministrar as aulas, o que acaba sendo ruim para o aprendizado, já que não sabem de porra nenhuma sobre o assunto que deveria, em tese, ter o domínio. Os alunos do programa entram burros e saem achando que sabem alguma coisa, quando na verdade não sabem de nada.

Falta de perspectivas[editar]

Alguém com um PRONATEC no cúrriculo reprovado na entrevista de emprego: rotina.

Ao entrar no programa, os participantes são informados que vão terminar o curso trabalhando nos melhores empregos. Não é bem assim. O melhor que alguém com o diploma da Estácio consegue arrumar é ser caixa no mercadinho da rua onde mora. Imagine que alguém gostaria de ter como funcionário, um medíocre formado na Estácio e só com um Pronatec nas costas?

Bolsa-Formação[editar]

A bolsa-formação (sim, mais essa) é um valor remuneratório dado aos alunos pelo trabalho que eles têm de pegar um ônibus e ir até a escola profissionalizante.

Segundo alguns ex-alunos, o governo oferece tão pouco, mas tão pouco que "não dá pra comprar uma calça descolada, pois uma calça dessa custa mais de R$ 300,00". A parte boa que ela é vitalícia (ou quase isso). Se você for um ex-condenado que receba outros benefícios, e seja por algum motivo que não saberemos, ou seja por tédio, resolva fazer um Pronatec, vai ter aí uma oportunidade de ganhar mais qualquer pessoa que tenha um subemprego no McDonalds, Bob's, ou Subway e o melhor: sem precisar fazer o menor esforço, olha só que coisa boa :).

Locais de trabalho[editar]

Nem tudo está perdido. Algumas empresas e/ou instituições dão preferência a alunos e ex-alunos com esse perfil, e isso inclui o funcionalismo público. São elas:

Comunicação[editar]

Informática[editar]

Design[editar]

Enfermagem[editar]

  • Não tem outra alternativa a não ser integrar quadro médico do combalido SUS...

Notas de Rodapé

  1. Em carmesim, as letras que COM CERTEZA fazem parte da sigla. Em lilás, as letras que podem ser ou não da sigla. As cores foram impostas pela ditadura gay do PT.
  2. Dados do IBGE afirmam que do milhares do economistas desempregados, milhões estão neste momento trabalhando, sendo destes 2/3 apenas na GloboNews. Outros 1/3 estão na Bovespa neste momento.
  3. Convenhamos, que porra que ela quis dizer naquele debate?