Propaganda

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Este artigo aparece na TELEVISÃO!

Provavelmente ele vai lhe chatear, mas a HIPNOSE permite que você assista a ele INTEIRINHO!

ReversalTV.jpg
Nazifascist.jpg Este artigo foi tomado por fascistas!

Na Itália e na Alemanha, os Camisas Negras e Pardas amam o fascismo e exterminam você, seu comunista!


60px-Bouncywikilogo.gif
A nossa sátira autorizada, a Wikipédia, tem um artigo sobre: Propaganda.
A imagem diz tudo.

Cquote1.png Você quis dizer: Lei Rouanet Cquote2.png
Google sobre Propaganda
Cquote1.png Você quis dizer: Merchandising Cquote2.png
Google sobre Propaganda
Cquote1.png Vote em mim que esse país vai melhorar Cquote2.png
Propaganda mentirosa de políticos
Cquote1.png Beba e seja feliz Cquote2.png
Propaganda mentirosa de qualquer marca de refrigerante
Cquote1.png Beba e tenha todas as mulheres do mundo Cquote2.png
Propaganda mentirosa de qualquer marca de cerveja
Cquote1.png Use e vire uma estrela Cquote2.png
Propaganda mentirosa de qualquer marca de sandália feminina
Cquote1.png Construa seus sonhos, nós pagamos por eles Cquote2.png
Propaganda mentirosa de crediários
Propaganda é toda aquela chatice que ocupa os intervalos da televisão ou pior ainda, interrompe os filmes, seriados e outros programas para apresentar produtos que na maioria das vezes são totalmente inúteis e dispensáveis para a sobrevivência. Também conhecida como merchandising um nome mais chique que eram pra essa merda. No fim das contas acaba sendo e servindo para a mesma coisa, no caso, para nada além de encher o saco!

Objetivo[editar]

Dona Cica fazendo propaganda das suas sandálias Havaianas

O objetivo maior da propaganda é influenciar as pessoas para que elas comprem ou utilizem o que está sendo exibido, era pra isso funcionar apenas com que é muito trouxa, extremamente consumista e maria vai com as outras, mas a verdade é que os marqueteiros[1] fazem uma verdadeira lavagem cerebral em todo mundo, criando um bando de alienados por tal produto, grandes exemplos do que foi citado são Rede Globo e claro, Coca Cola!

Uma manipulação semelhante de informações é bem conhecida: a propaganda comercial, que normalmente não é chamada de propaganda mas sim publicidade, mas dá na mesma, embora no Brasil para simplificar, seja utilizada como sinônimo. Tantoa a propaganda como a publicidade deveriam buscar a imparcialidade, mas não é isso o que acontece, e na publicidade isso fica ainda mais evidente. As duas apresentam informações com o objetivo de influenciar uma audiência e para tal, freqüentemente apresenta os fatos seletivamente, possibilitando a mentira por omissão (falando claramente, as duas mentem para que o produto paresentado pareça interessante, para encorajar determinadas conclusões, ou usa mensagens exageradas para produzir uma resposta burra e não racional à informação apresentada).

Atualmente o termo "propaganda" adquiriu uma conotação negativa, por associação com os exemplos da sua utilização manipuladora, mas há quem pense que só é manipulado quem se deixa manipular, ou seja, só cai nas garras da propaganda, publicidade ou seja lá o que for, quem tem a mesma quantidade de cérebro que a Carla Perez uma planária!

História[editar]

A propaganda é uma atividade humana tão antiga quanto qualquer outra coisa do arco da velha, desde esses tempos já era de costume que os espertinhos enganassem os mais idiotas com falsas promessas, ou seja, muito antes de surgir a TekPix da Tecnomania, já havia alguma outra coisa totalmente inútil sendo exibida a cada segundo. A diferença é que nos tempos antigos a propaganda era um pouco mais discreta, ninguém ficava exibindo um produto qualquer a cada intervalo comercial da TV, até porque não existia TV nessa época; os primeiros indícios de propaganda concreta veio por parte de um livro escrito pela Igreja Católica (não, não é a bíblia). Neste livro, a igreja tentava enfiar a força na cabeça dos fiéis que eles tinham de dar os dez por cento e muito mais e que eles deveriam ser burros pelo resto da vida, já que era isso que a fé mandava, o livro era conhecido popularmente como a propaganda da fé (vê se pode). Muitos outros livros do tipo foram escritos na mesma época, com a intenção de ampliar os negócios[2] da igreja.

O pôster representando um sujeito esfaqueando uma Bíblia é um tipo de propaganda daqueles que se cansaram da igreja...

Mais tarde, quando o pessoal ocmeçou a ficar mais esperto e a propaganda da igreja parou de dar certo, as coisas evoluiram (que coincidência). Começaram a ter a magnífica ideia de utilizar o papel para coisas melhores e foi dessa forma que e as cidades começaram a ficar emporcalhadas e novos empregos surgiram, tanto na área da limpeza para acabar com toda a porquice, quanto na área da distribuição dos folhetos (aquela gente chata que até hoje fica no semáforo te entupindo de papel).

Desde então os comerciantes inventaram as mais variadas formas de anunciar seus produtos, desde a clássica estratégia do ir aonde o cliente está para encher o saco, ligar na casa dele e anunciar de uma só vez todos os seus produtos, ficar repetindo tudo mesmo sabendo que ele não se interessou por nenhum e depois ainda dizer para ele dar uma passadinha na loja. Até a famosa panfletagem, outdoors, santinhos, anúncios em papiros e outros tipo de propaganda impressa, que só serve para causar poluição visual, já que é tanta coisa que ninguém presta atenção em nada.

Séculos mais tarde, com a invenção da televisão e do rádio, a propaganda ficou ainda mais agressiva e ainda mais irritante, com exibições de produtos a cada intervalo comercial, com produtos cada vez mais dispensáveis e tudo com o tempo e estoque limitados e que infelizmente não acabam nunca. Fora os anunciantes passeando em bicicletas com caixas de som e comerciais gravados e tocados irritamtemente vez apóz vez em todas as ruas... Agora, a propaganda chega um ponto de não prometer mais coisas nocivas e ao invés disso iludir com balelas tipo amor, felicidade, prosperidade e todos os sonhos do ser humano a quem comprasse seus produtos.

Técnicas de propaganda[editar]

Uma bela propaganda eoo so o ze bob é mto maravilhoso.

Apesar de propaganda ser propaganda em qualquer lugar e serem farinha do mesmo saco, há certas diferenças entre um tipo e outro de propaganda. Essas diferenças são classificadas de acordo com o que é usado para iludir persuadir o leitor, espectador, telespectador e tudo mais. Muitas dessas técnicas podem ser baseadas em falácias[3], já que os publicitários usam argumentos que, embora às vezes convincentes, não são necessariamente válidos.

  • Argumentum ad nauseam - Repetição incansável (ou repetição até cansar). Baseia-se na idéia de que uma mentira repetida muitas vezes acababa tornando se verdade, é uma das técnicas usada para a alienação da população. essa propaganda foi inclusive proibida no Brasil, mas como aqui ninguém respeita nada, ela continua sendo exibida. Exemplo: Está com sede, beba Coca, propaganda exibida a cada intervalo.
  • Apelo à autoridade - É a citação a uma figura endinheirada que declara se utilizar do produto exibido, por exemplo, o Bill Gates usa o Windows e por esse motivo você não deveria usar, pois o produto é uma grande merda inovação e o Sr Bill é uma pessoa incompetente muito confiável.
  • Apelo ao medo - é a busca de apoio a uma idéia ou causa ou pessoa, instigando o medo no público-alvo da mensagem blá blá blá, resumindo, o cara fala que ou você compra aquela merda de produto, ou você e toda sua família serão assassinados. Por exemplo, o livro Os Alemães devem Morrer, de Theodore Kaufman, serve para afirmar que eles devem morrer, portanto, é o livro perfeito para todos os invejosos que odeiam Hittler.
  • Bode expiatório - É atribuir a culpa a aqualquer idiota que nem tem nada a ver com a história, mas que é muito imbecil para provar sua inocência. É mais ou menos o que a Polishop faz, ela vende produtos completamente inúteis e depois diz que a culpa é de quem perdeu tempo e dinheiro comprando.
  • Desaprovação - Essa é a técnica usada para desaprovar uma ação ou idéia fazendo com que as pessoas acreditem que essa mesma ideia é apoiada por grupos odiados. Assim, se um grupo que apoia uma idéia é levado a crer que pessoas indesejáveis também a apoiam, os membros do grupo podem decidir mudar sua posição. Um exemplo disso seria enfiar (ui) na cabeça do povo que só bandidos usam carro preto e dessa forma os burros iriam parar de utilizar e até vender seus carros pretos para que ninguém pensasse que fossem bandidos.
tipica propaganda de papel higienico
  • Efeito dominó - Efeito dominó e vitória inevitável: isso retrata aquelas famosas falas de político pra enganar idiotas, tenta convencer a audiência a colaborar com uma ação "com a qual todos estão colaborando", que se diga de passagem, todos da corja do partido, a principal expressão de exemplo é o famoso "junte-se a nós", mesmo quando não se está fazendo merda nenhuma estão com esse papo de união. Essa técnica reforça o desejo natural das pessoas de estar no lado vitorioso, mesmo que isso não lhes traga vantagem alguma (e na maioria das vezes não trás mesmo). A "vitória inevitável" incita aqueles que ainda não aderiram a um projeto a fazê-lo, pois a vitória é certa. Os que já aderiram se sentem confortados com a idéia de que tomaram a decisão correta e apropriada, mesmo sabendo que no fundo são uns laranjas mesmo e que deveriam até ganhar pela propaganda geralmente enganosa.
  • Estereotipificação ou Rotulagem - Essa técnica busca provocar a rejeição em uma audiência dizendo que o objeto da campanha de propaganda é uma droga, ou é algo que faz parte de alguma droga, só que tem de se tomar muito cuidado com isso, pois se for uma propaganda para os seguidores de Bob Marley e você falar em droga, a coisa vai causar o efeito contrário do desejado.
  • Homem comum - O "homem do povo" ou "homem comum" é uma tentativa de convencer a audiência de que as posições defendidas na propaganda refletem o senso comum das pessoas, por exemplo, os emos do mundo têm que morrer (mas essa é uma verdade absoluta, não há o que contestar).
  • Palavras virtuosas - São aquelas palavras que não servem para absolutamente nada e que você gosta de colocar na sua redação somente para ficar enchendo linguiça. Elas tentem a produzir uma imagem positiva quando associadas a um produto, mesmo que este seja inútil. Exemplos são paz, felicidade, segurança, liderança, liberdade e todas aquelas outras balelas.
  • Propaganda enganosa - São meios de oferecer o que não se tem, é tipo a DP Microsoft, que te oferece toda a diversão do mundo e no final das contas só te dá trabalho. Te faz ver que chegará na sua casa o paraíso e quando você abre o pacote tem de passar pela decepção de ver o Windows.
  • Racionalização - É uma coisa que você faz na matemática que diz que vai simplificar as coisas e acaba complicando ainda mais (como tudo na matemática). Na propaganda funciona mais ou menos do mesmo jeito, você faz de conta que uma coisa é facinha, mas na verdade é uma coisa muito impossível, tipo ganhar na mega sena, a Caixa faz as propagandas como se isso fosse a cosia mais simples e comum do mundo, daí os bobos vão lá ficar tentando e nunca ganharm nada.
  • Slogan - Um slogan é uma frase curta e mentirosa, mas que soa bonitinhan e impactante em alguns casos, um grande exemplo é Havaianas com seu slogan todo mundo usa. A maioria não usa havaianas, até porque é um produto caro e a maioria é pobre e não pode comprar.
  • Super-simplificação - Afirmações vagas, favoráveis, são usadas para prover respostas simples para complexos problemas sociais, políticos e tudo mais, é aquele discurso totalmente vazio, exatamente o que o candidato da sua cidade faz em ano eleitoral.
propaganda do Ford Ka
  • Termos de Efeito - Termos de efeito são palavras de intenso apelo à emoção, aquela viadagem toda de comover o auditório colocando junto com a propaganda aqueles conceitos que ninguém sabe exatamente o que é, mas que todo mundo diz ser bom tipo ética, moral e blá blá blá. Elas apelam para emoções como o amor à pátria, lar, desejo de paz, liberdade, glória, honra, e todas essas outras coisas que não dão em nada. Solicitam o apoio sem o exame da razão, as pessoas não sabem usar o cérebro.
  • Testemunho - Testemunho é como se fosse um "apelo à autoridade" genérico. Geralmente é uma coisa que se vê muito em igrejas, é a parte mais chata de qualquer culto ou missa quando alguém famosinho da região vai lá falar o quanto foi tocado pelo divino e que pra isso ele deu a casa dele inteira como dízimo. É simples fazer, você pega uma pessoa de boa reputação e paga uma fortuna para ela falar que utiliza seu produto, daí todos os alienados do mundo vão querer usar o produto só porque aquela pessoa estava usando. Só que esse não dá para fazer com o Bill Gates, pois é preciso uma pessoa com o mínimo de competência para representar o papel.
  • Transferência - Essa é fácil, é o que as pessoas mais fazem, transferir a própria culpa para uma outra pessoa. Na propaganda isso é aplicado de uma outra forma, eles pegam um exemplo de coisa ruim e aplicam a alguma coisa boa, forçando para que esta também pareça ruim. Podemos dizer, o Restart é um lixo, eles são coloridos, logo todos os outros coloridos também são um lixo (pura verdade)...
  • Vaguidade intencional - Afirmações deliberadamente vagas de tal forma que a audiência pode interpretá-las livremente. A intenção é deixar a audiência que já é confusa mais confusa ainda pelo uso de frases indefinidas que nem valem de nada e não se aplicam a nada, mas que soam de certa forma bonitinhas.

Propagandas verdadeiras[editar]

Todos sabemos que em geral as propagandas não passam de enganação, mas há algumas que deveriam até ganhar um prêmio por dizer as verdades que muitos escondem por trás das telas!

Propagandas enganosas[editar]

Como já foi dito, são a maioria e estão diariamente alienando a população burra, que infelizmente também é maioria no mundo. Como exemplo de propagandas enganosas sobram exemplares, entre eles Microsoft, POLISHOP...

As piores propagandas do mundo[editar]

As melhores propagandas do mundo[editar]

Telemarketing[editar]

Uma outra forma abominável de propaganda, mais recente, é o telemarketing, que consiste em "alô, você foi sorteado e acaba de ganhar um Peugeot zero quilômetro. Para reclamar seu prêmio, basta depositar cem reais na conta bancária de número 666171 da agência 1124 do Banco do Brasil. mas atenção: você tem até a meia noite de hoje para depositar o dinheiro", telefonemas aleatórios para pessoas incautas visando vender assinaturas de revistas e outros produtos supérfluos que de outro modo você jamais compraria.

Ver Também[editar]

Referências[editar]

  1. Bando de desempregado que acha que alienar a população dá algum trabalho e pode ser considerado profissão
  2. Sim, se trata de grana mesmo, não tem nada a ver com Deus
  3. Falácia é uma variante bonitinha da mentira