Psicologia veterinária

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Cometinha.jpg Este artigo é um artigo com pretensão pseudo-científica.
Portanto seu autor é um desocupado e mentiroso e não diz coisa-com-coisa.
Abraham Lincoln a cores.png
Enolagay2.jpg

Este artigo é relacionado à história.

Bruce Dickinson pode CITAR neste artigo.

Se você vandalizar, Nikita Khrushchov vai te beijar!

A psicologia veterinária é o ramo da psicologia direcionada aos animais que não necessitam de política. Antes era direcionada apenas aos animais que não trabalham, mas muitos burros de carga se sentiram discriminados e conseguiram uma mudança na estrutura da psicologia veterinária.

Tabela de conteúdo

[editar] História

Psicanálise galinácea

Foi no Egito, nos tempos dos faraós, que as pessoas se viram na necessidade de compreender a mentalidade de alguns animais. A maioria destes animais estava em depressão ou com problemas de socialização. Era necessário um estudo avançado sobre a psique destes animais, para poder aconselhar da melhor forma. Um estudioso, depois de muita dedicação e convivência com os animais, conseguiu mapear a estrutura mental destes seres. Anos mais tarde ele estaria miando e tomando banho com a língua. O estudo da mente animal evoluiu, chegando ao nível de ciência.

[editar] Evolução

Na Grécia antiga, o estudo da mente animal tomou forma de estudo científico. Neste período, já era possível saber se algum cachorro estava sofrendo de depressão ou de deficiência de carinho e atenção. Era o primeiro pilar da psicologia veterinária sendo erguido. Na Roma antiga, os estudiosos já tinham o poder de hipnotizar burros, para aumentar a prole de políticos da região. O segundo pilar da psicologia veterinária foi erguido na França, no período das luzes, ou seja, à noite, pois a tarde já não era necessário muitas luzes. A psicologia veterinária ganhou uma nova face, voltada aos interesses dos animais. Ela continuou neste ritmo até o final do século XIX, com as inovações de Sugismundo Frodo, o criador da psicanálise Katherine. Nesta época já era possível deitar no divã e latir para o psicanalista. Era construído então o terceiro pilar da psicologia veterinária. O quarto e decisivo pilar foi construído nos anos 80. Foi nesse período que o estudo da mente animal ganhou o nome de psicologia animal. Com os 4 pilares erguidos, a psicologia veterinária ganhava o espaço, se tornando indispensável para a vida cotidiana.

[editar] O curso

Terapia em grupo

Utilizando-se do estudo da razão irracional, a psicologia veterinária é um curso que, ao mesmo tempo em que é considerada uma ciência humana, é também grifada como ciência biomédica, tendo como exemplo a neuropsicologia veterinária. Recebe o curso a finalidade de estudar as questões ligadas ao comportamento, distanciando-se da medicina por esse aspecto. Assim como na psicologia de animais que pensam que pensam, na psicologia veterinária também é de suma importância o uso de palavras difíceis. O criador deste artigo teve de consultar o Google diversas vezes, para poder formular frases tão emblemáticas. Com a graduação, o recém-formado torna-se apto a entender melhor as questões psicológicas dos animais. Contudo, para poder atuar na área de análise, é necessário uma especialização, a que o graduado achar mais conveniente. Uma especialização em alta é a psicanálise de tartarugas, pelo fato de tartarugas sofrerem de depressões constantes.

[editar] Ver também

Ferramentas pessoais
Ver e modificar namespaces

Variantes
Visualizações
Ações
Navegação
Colaboração
Votações
(F)Utilidades
Novidades
Redes sociais
Correlatos
Ferramentas