Quim Barreiros

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
PortugalDJoãoscary.jpg Manuel, vê-me dois cäcətinhos, o pá!

Æstə ärtigo é purtugäish, gajo. Élə comə cacətinho cum bəcalhau, tuma um ishtränho vinho, adora cumpetir cum a Ishpänha e tem um bigodão.

Cuidado: Ä qualquêr mumento, Napolião podə quirer-tə invədir

Platéia vazia.jpg Please STOP the music!

Este artigo se trata de cantores, bandas ou músicas cantadas muito, mas MUITO mal.
Quico panela.jpg "Que burro! Dá zero pra ele!"

Este artigo é sobre algo ou alguém burro ou completamente imbecil.

A Desciclopédia está se pouco lixando se a burrice dele(a) contaminar você.
O Rei.

Que é essa porra?[editar]

Quim Barreiros é um cantor lírico/compositor/músico português cujas raízes provêm de Viana do Castelo (mais especificamente na pequena e feiosa vilita de Vila Praia de Âncora - freguesia do concelho de Caminha), mais propriamente da província de Alto Douro e Minho e nascido na cidade da Azeiteirada. Tem participado em espectáculos do Filipe La Féria, cantando grandes composições musicais do mundo, ao som do seu acordeão. É bastante conhecido por estar sempre bêbado no palco, transformando obras literárias na mais pura música pimba pós-progressiva. As velhas pervertidas e estudantes universitários bêbedos adoram os trocadilhos porcos na generalidade das canções.

As Letras[editar]

Quim Barreiros tornou-se famoso pelas letras rebuscadas, com duplo sentido, na maioria versões inalteradas do forró brasileiro. O homem consegue disfarçar nas músicas referências a Sexo, futebol, política, entre outras questões da sociedade portuguesa.

Eis algumas afamadas letras deste autor:

  • "Subo imposto, aumento imposto, à hora que eu quiser, que carteira apertadinha, que doçura de Finanças" - referência implícita aos aumentos de impostos sofridos em Portugal, culpa do Vitor Gaspar, perdão da Troika...
  • "Lizete, mete a ADSL, que eu só estou bem na Internet." - publicidade à rã supersónica.
  • "O tênis está muito duro, mas está quase a entrar" - referência explícita ao órgão sexual masculino.
  • "Chupa Teresa, chupa Teresa, que este gelado gostoso é feito de framboesa" - campanha do Fome Zero em Portugal.
  • "Eu gosto de mamar dos bolsos dos portugueses" - é o que Pedro Passos Coelho faz aos bolsos dos portugueses.
  • "Sua mulher não dorme mais, passa a noite acoradada, tem noite que dá uma, tem noite que dá duas, tem noite que dá três horas da madrugada..." - Inspirado em Cucks como PC Siqueira e Izzy Nobre Quim compôs essa música.

Álbuns[editar]

Tem muitos álbuns (o que não interessa)!!! Os álbuns mais famosos são "Mama Forte!" e "O testiculo". A canção mais famosa dele é: "A Cabritinha".

Cquote1.png "Eu gosto de mamar... No teu vergalho" Cquote2.png

Apresentações Recentes[editar]

O último concerto até à data foi na discoteca "Get It!", com o seguinte set:

  • Cabritinha
  • O mestre da culinária
  • O bacalhau da Maria
  • Parolada em geral
  • Uma virgem
  • O ténis

O público, visivelmente embriagado, delira com a actuação de Quim Barreiros, homem dotado de farto bigode, azeiteiro, tocador de gaita e acordeão (todas as gaitas - menos gaita de foles). Toda a gente, entusiasmadíssima, grita "Só mais um!". Quim não deixa os fãs sem resposta e apesenta uma grande surpresa: A garagem da vizinha é o encore. Ao rubro, o público responde com uma dança tradicional em que consiste abanar as ancas para a frente para trás com as mãos sempre prontas a agarrar o primeiro traseiro que encontrar, mesmo que seja uma velha de 74 anos, 120 quilos e peixeira desde os 10 anos, que responde com uma linguagem gestual erguendo um peixe, geralmente podre, que elas afirmam ser fresquíssimo. Tudo culmina numa cena de pancadaria generalizada. O refrão é repetido indefinidamente.

Quim Barreiros sai em ombros, tal como os utentes da discoteca, mas esses por não aguentarem mais com a bebida.

Um concerto memorável com Quim Barreiros no seu máximo esplendor.

Este artigo ainda não é linnndo.
Ajude a Désciclo editando-o, meu rei. Ou não.