Quirinópolis

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Cquote1.png Você quis dizer: Criminópolis Cquote2.png
Google sobre Quirinópolis
Cquote1.png Vou no Hospital em Rio Verde Cquote2.png
Você sobre Quirinópolis
Cquote1.png É a cidade do Zezé di Camargo? Cquote2.png
Você sobre Quirinópolis

Quirinópolis é uma cidade do sul do sul de Goiás, e o único orgulho que a cidade o vilarejo tem é a de ser a única em todo estado de Goiás que tem seu nome começado com a letra "Q".

História[editar]

Andando pelo centro de Quirinópolis.

Os primeiros registros de habitação do local datam de 1832, quando aventureiros de Ouro Preto se perderam no cerrado enquanto caçavam antas. Acabaram sendo antas eles mesmos quando decidiram fundar um vilarejo no meio do nada.

Aqueles fazendeiros, notando a roubada que se meteram, em 1842 venderam todos aqueles hectares de terras para a Igreja Católica, que na época planejava dominar o Brasil. Construíram uma capela por ali, e os caipiras foram se juntando por aglutinação até formar o vilarejo.

Em 1910 José Quirino Cardoso demoliu a antiga capela sem dó nem piedade (que vândalo). Por ter passado anos no folclore local, a cidade acabou sendo chamada de Quirinópolis em homenagem a esse episódio.

Em 1944 já era considerada um município, e cresceu até se tornar uma das maiores cidades do sul de Goiás com quase 40.000 caipiras.

Atualmente é uma cidade qualquer de Goiás que ninguém se importa. Muitos dizem que parece com a Índia, por ser uma das poucas cidades do Brasil onde você pode encontrar vacas e bois andando livres pela cidade.

Economia[editar]

Economia baseada na agropecuária, portanto é uma cidade pobre, sem indústrias fortes e sem comércio relevante. Apesar disso ainda consegue ser a cidade goiana mais importante daquela região dos brejos do Rio Paranaíba, mas também, aquelas cidades vizinhas são mais pobres que um mendigo em Brasília.

Política[editar]

As eleições municipais são sempre emocionantes com muitas campanhas milionárias. Como em filmes, muitas intrigas, processos e ofensas. Baixaria corre solta pela cidade. Muitas mortes, passeatas intermináveis e foguetórios. Um verdadeiro inferno promovido pelos candidatos.

A população se divide em dois partidos políticos e em duas cores distintas em época de eleição. Em 2012 cogitou-se em até criar uma terceira via, alguns mais ousados arriscam em dizer que terá a cor do arco-iris, já que na cidade tem um pequeno grupo de simpatizantes.

População[editar]

A população se resume em 3 tipos: O realmente pobre, o mediano e o pseudo-rico.

O pobre, como de praxe, se estabelece nas extremidades da cidade, como Vila Camponesa e Bairro Eldorado. Estudam em colégios públicos, gostam de funk e estão no lago e seu maior sonho é um dia serem participantes do BBB.

O mediano, constitui-se assim como nos de outras cidades, pessoas com um poder aquisitivo médio, capaz de ter uma casa (na maioria das vezes parcelada), um carro 1.0 (financiado) e trabalho em empresas, bancos e etc.

Os pseudo-rico são os mais boçais da cidade. Na maioria das vezes possuem uma camionete cara (financiada em 100x), estudam em colégios particulares do tipo "Pagou-Passou", frequentam bares só para falar mal da vida dos outros, possuem fazendas (penhoradas), seus filhos são pseudo-cowboys, que acham que são macho por andar com uma fivela do tamanho de um prato de comida e uma calça jeans justa estilo suplex socada no glúteos. O índice de alcoolismo entre estes seres é alarmante. E a putaria entre as "moças" é espelhada no filme Bruna Surfistinha.

Culinária[editar]

A culinária de Quirinópolis é reconhecida por seu típico prato, o Chica Doida, uma iguaria bizarra que é uma espécie de pamonha refogada com milho. A Chica Doida surgiu naturalmente através dos tempos na medida que as plantações de milho da região não eram valorizadas para exportar, e para não desperdiçar a população inteira passava meses comendo diversos pratos baseados no milho.

É unânime em toda região do extremo sul de Goiás o apreço pela iguaria típica da região, o pequi, tratado em Quirinópolis como uma fruta divina, consumida por todos com muito prazer e respeito (os moradores mais antigos da cidade acreditam que em cada pequi existe um ser divino que traz felicidade para quem o come, por isso em toda casa existe um pé de pequi plantado no quintal).

Transportes[editar]

Lagão, principal motivos de mortes da cidade.

Quirinópolis está localizada em algum ponto na BR-483. Como o GPS não pega por ali, a principal referência para chegar à cidade é que após pegar uma balsa no Rio Paranaíba, e passar por São Simão, siga o sol pela estrada dos buracos amarelos. Chegando no trevo, certifique-se de que ao lado do Cristo tenha um letreiro dizendo "QUIRINÓPOLI" isso mesmo o "S" está quebrado faz um tempão, mas não se espante porque o "L" também está quebrando, a tendencia é ficar só o QUIRI.

Em 2011 a administração da cidade estuda a possibilidade da instalação de semáforos na unica avenida da cidade (Av. Brasil), devido ao grande fluxo de carroças, mas como nem os cavalos e nem os carroceiros entendem a sinalização e então a prefeitura decidiu instalar apenas cancelas a cada esquina.

Os semáforos já estão funcionando, porém sem muita diferença do que era antes. A novidade agora é a quantidade vias duplas que passaram a ser mão unica, agora sim o trem está bagunçado. O povo tá perdido ninguém mais sabe onde desce ou sobe, o pior é que colocaram uns semi-analfabetos para multar os motoristas.

Lazer[editar]

Quirinópolis hoje se orgulha de entrar na rota dos grandes shows. Em 2010, foram agraciados com a presença de Nando Moreno (quem?), seu primo Pepe e a estrela teen Stephani, que veio dirigindo seu CrossFox da Paraíba até a cidade.

Agora conta também com a primeira boate da cidade (que ninguém sabe a origem do nome) onde os pseudo-ricos vão gastar todo o seu dinheiro e há aqueles ainda mais ousados que roubam pegam o dinheiro do bolsa família da empregada para comprar o camarote. Camarotes estes que não passam de um degrau de menos de 20 cm, que lotam de mulheres que trabalham de empregadas domésticas de dia e pagam de riquinhas a noite e fingem nem conhecer os pais que passam na balada usando suas bicicletas monarks.