Ray Penbar

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
250px-Wario WWare.gif Este artigo é sobre um personagem secundário!

Quase ninguém sabe da existência deste zé ruela que só serve pra encher linguiça na trama e provavelmente está morto. Se bobear, nem no Google tá!

Clique aqui para ver gente que só fãs alienados conhecem.

Lupa detetive.JPG

Elementar, meu caro descíclope!
Observando o conteúdo investigativo, percebe-se que este artigo se trata de um investigador, detetive ou enxerido.


Cquote1.png Como eu vou saber se você não é um cumplice? Cquote2.png
Raito Yagami sobre Ray Penbar
Cquote1.png Toma o meu RG! Cquote2.png
Ray Penbar sobre a pergunta acima

Ray Penbar analisando a situação (ou fingindo analisar)

Cquote1.png Loser! Cquote2.png
Raito Yagami pensando
Cquote1.png Raito, você é o Kira? Urgh... Cquote2.png
As últimas palavras de Ray Penbar
Cquote1.png Ray foi morto pelo Kira! Cquote2.png
Capitão Óbvio Naomi Misora sobre o óbvio

Apresentação[editar]

Ray Penbar é um agente do FBI que veio para o País do Ultraman para investigar o caso do Serial Killer Kira, que, ninguém sabia como, conseguia matar as pessoas só sabendo os seus nomes e rostos, e todas basicamente de ataques cardíacos. Ele foi contratado pelo investigador emo L. Lawliet, vindo para essa terrinha do barulho, cheia de criaturas que aprontam coisas que até Deus duvida, e seu primeiro trabalho foi investigar a família do chefe geral de polícia e a família do responsável pela investigação do Caso Kira naquele momento, Souichirou Yagami, pai de Light Yagami (sendo que tal tarefa foi a última de sua curta vida).

O Chamado[editar]

A primeira aparição de Ray Penbar no anime

Depois que muitos bandidos começaram a ser mortos pelo novo assassino mundialmente conhecido por Kira, L resolveu tomar uma atitude afinal, ao invés de ficar girando naquela cadeira, se empanturrar de doces e ficar tirando conclusões precipitadas (apesar de todas estarem sempre corretas). Para que a captura do meliante fosse feita mais rapidamente, L acabou pedindo a ajuda do FBI para as investigações, já que a polícia de olhos puxados estava mais para suspeitos do que para inocentes, sendo que os caras estariam responsáveis em investigar as famílias dos policias envolvidos com o caso, incluindo até mesmo os tais policias.

Penbar e Naomi, conversando depois de um árdua dia de trabalho

Ray Penbar (de quem se trata o artigo) foi um desses agentes escolhidos para vim a terrinha do sol nascente. Ele veio trazendo, além das malas, Naomi Misora, sua hentai gostosa mulher, que viria para reencontrar com o pai que não via há muito tempo. A esposa de Penbar também já havia sido do FBI e trabalhado com L em outra investigação, sendo até mesmo elogiada pelo cara, que a achava muito inteligente e gostosa. Depois de investigar toda uma família, Ray se concentrou na família de Souichirou Yagami, principalmente no filho do policial, Light Yagami (ou Raito Yagami, tanto faz), que era a pessoa de quem L mais desconfiava, sabe-se lá por que, afinal, o cara não fazia nada de mais que fizesse alguém suspeitar dele (ou não).

Durante a sua investigação, Raito não esboçou nenhuma atitude suspeita perante Ray Penbar (além do fato de não manter nenhum contato com o sexo oposto), tanto que o cara já estava até pensando em pegar outra família, acreditando que não seria a dos Yagami a que continha o Kira no meio. Por isso ele saiu de casa afim de fazer a sua última investigação com relação a Light Yagami. Foi então que ele o viu indo para a parada de ônibus (coisa de pobre, e olha que o pai dele é policial) encontrar com uma garota (finalmente \o/), com a qual iria para um motel algum local para que pudessem conversar à sós.

O sequestro do ônibus[editar]

Ray segurando vela, enquanto Raito tenta passar uma ideia na garota

Ray Penbar se senta bem atrás do casal (segurando vela, pelo visto), que conversava coisas sem nenhum nexo, como sexo, dorgas e coisas do tipo. Cada vez mais que Ray observava Raito, mais ele julgava que ele estava apaixonado perseguindo o cara errado, pois Raito era um garoto mais do que comum para a idade dele (apesar de ainda ser virgem, mesmo estando a entrar na Faculdade). É então que surge um cara totalmente suspeito entrando no ônibus (mas não suspeito de ser o Kira, mas sim com cara de que não era coisa muito boa). Tratava-se de um assaltante de banco que havia fracassado em seu último roubo e agora havia baixado de nível e resolveu sequestrar um ônibus com apenas algumas pessoas.

O maior erro do cara, mostrar a identidade para a pessoa que ele tava investigando (só faltou ele entregar o raio X da arcada dentária junto)

Penbar se desespera, afinal ele era um policial disfarçado e não poderia esboçar nenhuma reação para Raito, afinal era Raito quem ele perseguia no ônibus. Foi então que Ray percebe que Light não pode ser o Kira, pois se fosse já teria matado o cara facilmente com um ataque cardíaco. É então que o estudante mostra um papelzinho para a sua companheira, blefando falando que iria bancar o herói do anime e salvar a todos, tentando roubar a arma do meliante e rendê-lo. Ray lê o bilhete e pede para que Raito não faça porra nenhuma, pois ele era um policial e tentaria dar um jeito. Raito então pergunta como ele pode provar que ele não era um cumplice do bandido, afinal isso era muito comum de acontecer. É então que Ray Penbar comete o seu pior erro, mostrando a sua identidade para o cara que realmente era Kira, Light Yagami, que grava o nome dele.

Nesse instante, Raito propositalmente acidentalmente deixa cair um pedaço de papel (que era do Death Note) no chão, baixando-se para pegá-lo. Nesse instante o bandido o vê fazendo um movimento brusco e pega o papel primeiro, lendo o que somente se tratava de um "lembrete de encontro" (Raito era um cara organizado afinal). Porém, por se tratar de um pedaço do Death Note, o meliante pode ver a figura do shinigami (traidor do movimento Punk, véio) Ryuuku. Ao se deparar com a criatura, a assaltante quase se caga de medo e resolve fugir do ônibus, porém ele cai no meio da rua e acaba sendo atropelado por um carro (tudo como Raito havia planejado no "Livro da Morte").

Morte de Ray Penbar[editar]

Quando sai do ônibus, Ray pede encarecidamente que Raito não começe a espalhar fofoca sobre que o havia encontrado no veículo, muito menos que ele havia revelado a identidade como um agente do FBI (afinal o trabalho era secreto). Raito promete para ele que não contaria e o vê indo embora todo serelepe e fingindo que nada havia acontecido. Ao chegar em casa, conversa com a sua esposa Naomi Misora e conta o ocorrido do sequestro, além de citar que havia entregue o seu nome para a pessoa que estava investigando (apesar de não falar quem era a pessoa e muito menos o seu nome), dizendo que somente fez isso por acreditar que quem ele estava seguindo não era o Kira, pois se fosse ele já havia morrido há muito tempo (ou não).

Mal ele sabe que ao assinar esses papéis ele tá matando os seus próprios companheiros

Passado um tempo, Ray Penbar está em uma estação de metrô, quando é abordado por um cara que se denominou Kira (e que só poderia ser o próprio, pois acima de tudo sabia o nome dele por completo). Para mostrar que não mentia, ele matou um cara que calmamente estava encostado na porta de uma loja, pois o cara era um tarado que não havia sido julgado por falta de provas e tinha sido liberado da prisão. Ray reconhecia aquela voz, mas não conseguia ligar o nome a pessoa (era péssimo nisso) e resolveu colaborar com o assassino, que pediu para que ele pegasse um envelope, colocasse o fone de ouvido e entrasse no primeiro trem, tudo isso sem reclamar. Penbar, como um cachorrinho, obedece Kira.

Antes de morrer ele descobre a verdade (mas de que adianta, ele não pode contar pra ninguém mesmo)

Dentro do metrô, Kira pede para que Ray escreva nas folhas de papel que ele lhe havia entregue junto com o envelope, o nome de todas as pessoas do FBI que estavam no Japão. Pela lógica, Penbar sabia que só com os nomes Kira não matava nem um carapanã com asa quebarda e resolveu escrever todos. Depois, em seu Laptop (sim, Laptop, o pai do Notebook), Ray Penbar recebe de seu superior o nome com a foto de todos os agentes e devia passar a limpo os nomes para outras folhas em branco (que ele mal sabia que eram folhas do Death Note). Ao fazer isso deixa as folhas dentro do trem (a pedido de Kira) e sai calmamente como se nada tivesse ocorrido.

Infelizmente, Ray Penbar ao sair do trem sente uma forte dor no peito, estava infartando, seu nome havia sido escrito no Death Note por Kira. Várias pessoas passam no local, mas ninguém repara que tem um cara com uma baita dor no coração no chão (vai ver que já sabiam que ele não tinha mais jeito). Ao olhar para trás, em um último gesto inútil, Ray Penbar pode presenciar o rosto verdadeiro de Kira, que não passava do cara que ele havia investigado uma vez e que tinha descartado a sua possibilidade como assassino, Light/Raito Yagami (pena!).

Ver também[editar]


Dark-Art-Grim Reaper 01DesktopNexus.jpg Ray Penbar já morreu!

E ninguém chorou no velório!

Clique aqui pra ver quem te espera no inferno