Red Bull Brasil

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Red Bull Brasil
Escudo do Red Bull Brasil.png
Brasão
Hino "Red Bull, o grande Campinense"
Nome Oficial Red Bull Brasil
Origem link={{{3}}} São Paulo Campinas
Apelidos O time que deu asas
Torcedores Touros
Torcidas A gente dá asaaas
Fatos Inúteis
Mascote Red Bull
Torcedor Ilustre Non ecziste
Estádio Moisés Lucarelli
Capacidade 24.242
Sede Campinas; Rua Zé Bornay Campos, 3
Presidente Prezenço Navio
Coisas do Time
Treinador Máfio Fernandes
Pior Jogador Nuvola apps core.png Nenhum
Melhor Jogador Crystal Clear action bookmark.svg.png Gilmar Fubá
Patrocinador RED BULL, QUE DÁ AAASAAAS
Time
Material Esportivo Red Bull Shoes
Liga Campeonato Paulista
Divisão B
Títulos O Quê?
Ranking Nacional 9000°
Uniformes



Red Bull Brasil (ou segundo a Globo: RB Brasil, porque a companhia de bebidas não paga o jabá para a emissora) é um time da cidade de Campinas, sendo o segundo maior clube da cidade, atrás apenas da Ponte Preta segundo os pontepretanos e atrás somente do Guarani segundo os bugrinos, quando na verdade ser melhor do que estes dois times fracassados não pé vantagem pra time nenhum. Manda suas partidas no Moisés Lucarelli, estádio pertencente à Ponte Piroqueta.

História[editar]

Fundação[editar]

Gilmar Fubá, a grande estrela do primeiro ano do Red Bull, antes de sair do Red Bull e voltar pro Noroeste

Preocupada com a péssima campanha que vinha fazendo e a consequente perda de torcedores, a Ponte Preta começou a procurar um parceiro com grana de renome para dar uma alavancada na equipe. Sabendo disso, a torcida teve a ideia de recebe o apoio da Red Bull, empresa poderosíssima do ramo de bebidas de efeito psicotrópicos como energéticos e Biotônico Fontoura. A partir daí, então, o próximo passo era convencer os donos da empresa. Os pontepretanos imploraram, choraram, fizeram de tudo para que os todos-poderosos da empresa firmassem acordo e salvassem a Ponte. Entretanto, os líderes capitalistas não estavam dispostos a entrar num acordo de alto risco. Depois de muita imploração, os caras ficaram com dó dos torcedores, e resolveram ajudá-los.

Entretanto, como não queriam sujar o nome da empresa se juntando a um time como a Ponte Preta que ficou mais de 100 anos sem ganhar títulos, ofereceram à torcida a opção de fazerem um novo time. A torcida apoiou a ideia, e a partir daí nasceu o RBB, em 2007. Desde então, os torcedores da Ponte tem uma alternativa para torcer quando estão cansados de ver seu time tomar tamancadas (ou seja, sempre)), os pontepretanos encarnam o toroloko e vão ver o jogo do Red Bull, que em 80% dos casos dão alegria a seus torcedores que em 2 anos viram o Red Bull ser campeão de alguma coisa, enquanto a Ponte Preta não ganhava nada há mais de 108 anos.

Segunda Divisão (que na verdade é a quarta) do Paulistão[editar]

A equipe principal do Red Bull Brasil fez sua estréia oficial numa competição no dia 20 de abril de 2008 pela Quarta Divisão do Campeonato Paulista, contra o Sumaré, com uma vitória magra de 2x0 (o Sumaré só perdia de 10x0 pra cima antes disso). Até o final da terceira fase da competição, o Red Bull fez um total de 30 partidas num verdadeiro calvário pelo interior paulista nas mais diversas várzeas possíveis. Em seu primeiro ano venceu 13 jogos, empatou 10 e perdeu 7. Teve 54 gols a favor e 27 contra. O artilheiro foi um cara qualquer de nome genérico aí que fez apenas 15 gols. Apesar deste blábláblá de números, terminou a competição num mero 5º lugar e nem o acesso conseguiu. A equipe era cotada para campeonatos mais regionais, como o Campeonato Paulista, a Copa do Brasil e a Copa Acre de Futebol de Botão. Mas só participou do Paulistão porque o time ia pegar o Corinthians na Copa do Brasil e porque o último time que venceu a Copa Acre não voltou mais.

No Sub-20, a equipe jogou contra o Xurupita Sub-20 na final, perdendo com um golaço dos mano da Xurupita e alguns jovens membros do Pânico na TV.

Ainda Segunda (quarta) Divisão Paulista em 2009[editar]

A equipe enfrentou o Pão De Açúcar, vencendo por 2 x 1. Partida marcada pela morte do juiz e colocando um mendigo pinguço no lugar dele. O técnico Ricardo Pinto Rego foi substituído por José Luis Fernandes que deu lugar a Jair Picerni. Com Picerni, a equipe conseguiu o acesso à Série A3 do Campeonato Paulista, e também no dia 22 de novembro, o título inédito de Campeão Paulista da Segunda Divisão (porque o time nunca ganhou nem uma partida de pebolim).

Série A3 de 2010[editar]

Na sua saga por ascensão, foi campeão da Série A3 do Paulistão de 2010 após uma verdadeira saga contra times que ninguém nunca ouviu falar (e contra outros times que todo mundo já ouvir falar que são ruins pra caralho). Superou na final a Ferroviária, e com três anos de existência já tinha o dobro de títulos do Guarani, e só não dá pra dizer que tem o dobro de títulos da Ponte Preta porque dois multiplicado por zero é igual a zero.

Série A2 de 2011 a 2014[editar]

Por três longas temporadas consecutivas o Red Bull ficou morrendo na praia na Série A2 do Paulistão, atitude típica de times campineiros. Por muito pouco os dirigentes do time não trocaram os touros vermelho no brasão do time por um par de cavalos paraguaios. A fama mudou em 2014, quando foi vice da Série A2 superado pelo Capivariano.

Títulos[editar]

  • Campeonato Paulista - Segunda Divisão (que na verdade é a quarta) - 2009
  • Campeonato Paulista - Série A3 (essa é a terceira divisão mesmo) - 2010