Renato Gaúcho

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Renato Gaúcho é uma pessoa simples e humilde.
Ele estava só brincando quando falou que o Fluminense ia brincar no Campeonato Brasileiro de 2008.
Próximo!.
Renato Gaúcho com sua cor preferida, o rosa.
Renato Gayúcho para os íntimos.


Cquote1.png Você quis dizer: Renato Gayúcho Cquote2.png
Google sobre Renato Gaúcho
Cquote1.png Você quis dizer: Rebaixo Gaúcho Cquote2.png
Google sobre Renato Gaúcho
Cquote1.png Você quis dizer: Renight Gaúcho Cquote2.png
Google sobre Renato Gaúcho
Cquote1.png Ele é Humilde Cquote2.png
Capitão Sarcasmo sobre o Renato Gaúcho
Cquote1.png De comedor passou a fornecedor Cquote2.png
Vida sobre Renato Gaúcho e sua filha Carol Portaluppi
Cquote1.png Eu faço brozeamento, tomo banho de lua Cquote2.png
Renato Gaúcho quando jogador
Cquote1.png Ele é um diamante raro e que tem que ser lapidado Cquote2.png
Renato Gaúcho sobre Valdiram
Cquote1.png Vamos brincar no Brasileirão! Cquote2.png
Renato gaúcho sobre seus planos para o Campeonato Brasileiro de 2008
Cquote1.png O que eu sei é que a gente vai sair do Maracanã campeão. Cquote2.png
Renato Gaúcho sobre Libertadores
Cquote1.png Renato viado! Renato viado! Renato viado!... Cquote2.png
Torcida Independente sobre Renato Gaúcho
Cquote1.png Renato, chorão, Segunda Divisão! Cquote2.png
Torcida do Flamengo para Renato Gaúcho, logo depois de ele jogar o Fluminense na Segundona em 1996 e chorar em pleno campo
Cquote1.png Vamos brincar na Série B Cquote2.png
Renato Gaúcho sobre sua campanha com o Bahia em 2010
Cquote1.png Vamos brincar na Série C Cquote2.png
Renato Gaúcho sobre sua campanha com a Chapecoense em 2011
Cquote1.png Vamos continuar brincando na Série C Cquote2.png
Renato Gaúcho sobre o resto de sua campanha em 2011 com o Águia de Marabá
Cquote1.png Vamos brincar na Série D Cquote2.png
Renato Gaúcho sobre sua campanha com o Araguaína em 2012
Cquote1.png Vamos brincar na fila do desemprego Cquote2.png
Renato Gaúcho sobre sua campanha que duraria de 2013 até 2025, ano de sua morte
Cquote1.png Ele participou do caso da Poltrona 36. Cquote2.png
Cláudio Duarte sobre Renato Gaúcho
Cquote1.png Adoro! Meu amigaço! Cquote2.png
Alexandre Frota sobre Renato Gaúcho
Cquote1.png Já tive uma relação com ele. Cquote2.png
Sandro Goiano sobre Renato Gaúcho
Cquote1.png Já tive uma relação com ele. Cquote2.png
Danrlei sobre Renato Gaúcho
Cquote1.png Já tive uma relação com ele. Cquote2.png
Dinho sobre Renato Gaúcho
Cquote1.png Já tive uma relação com ele. Cquote2.png
Capone sobre Renato Gaúcho
Cquote1.png Já tive uma relação com ele. Cquote2.png
Fábio Bilica sobre Renato Gaúcho
Cquote1.png A maior puta que eu já vi Cquote2.png
Paulo Sant'Ana sobre Renato Gaúcho
Cquote1.png Lindo, Lindo, Lindo Cquote2.png
Coligay sobre Renato Gaúcho
Cquote1.png Lindo, Lindo, Lindo Cquote2.png
Geral do Grêmio sobre Renato Gaúcho
Cquote1.png Lindo, Lindo, Lindo Cquote2.png
Alma Castelhana sobre Renato Gaúcho
Cquote1.png Lindo, Lindo, Lindo Cquote2.png
Torcida Jovem do Grêmio sobre Renato Gaúcho

Renato Roscone Portaluppi é um técnico de futebol e ex-jogador gaúcho.

Mas de gaúcho ele não tem nada, pois tem sotaque carioca, e gaúcho que pega outro sotaque, não tem fundamento, principalmente se for um sotaque extremamente bicha e irritante como o dos viados do Rio de Janeiro.

Depois de levar de quatro em Quito, o técnico tricolor constatou in loco que no Equador é mais forte. Como todo mundo sabe, o Equador faz fronteira com o Peru e acabou endurecendo. Os dois países andinos têm ótimos trocadilhos. Deve ser a altitude. Assim como o Calazans e o Renato Maurício Prado, também não entendo nada de futebol, mas acho que o Fluminense perdeu porque em Quito tem muita altitude e o time não teve nenhuma atitude. Ao contrário do Ronaldinho Gaúcho (que está mais por baixo que o dólar), Renato Gaúcho sempre foi considerado um grande conquistador.

De mulheres, não de títulos. Apesar de não ser goleiro, o Richard Gere das Laranjeiras já pegou muita gente, entre elas a Luma de Oliveira, que, mais tarde, o Eike Batista trocou por uma outra mina. E ele proveu mesmo que é bom de sexo mesmo como treinador, afinal uma vez no comando do Tapetense ele fludeu o Tricolor.

História[editar]

Nascido no interior de Guaporé, Rio Grande do Sul, cidade com cerca de 8 milhões de habitantes, perto da enorme União da Serra, mas sempre com vergonha de afirmar que é de lá, afirma que é colono de Bento Gonçalves, viveu na época do Guaraná de Rolha, Renato desde pequeno gostava de brincar com bolas.

Com 16 anos, depois de aprender a ler e escrever, foi mandado à Porto Alegre, onde fumava Maconha na Redenção e batia uma bola com os maloqueiros que tomam banho no chafariz do parque.

Com esses novos amigos jogava futebol, e foi aí que olheiros do Grêmio o chamaram para treinar no Grêmio, onde jogou e foi feliz por muitos anos.

Enjoado do mesmo lugar, das mesmas pessoas, decidiu ir pro Rio de Janeiro, terra da putaria, onde jogou no Flamengo, Botafogo e no Fluminense, fazendo gols com chope, quer dizer, barriga.

Como treinador[editar]

Como todo ex-jogador que teve a voz destruída pela birita ou é burro demais para ser comentarista, Renato virou técnico de futebol, sendo que o único clube de futebol que teve a loucura iniciativa de lhe dar um emprego foi o seu querido fluzão. Os primeiros anos como técnico foram que nem sua carreira como jogador: ele vivia empurrando tudo com a barriga.

No Vasco foi onde Renato conseguiu seu primeiro sucesso, provando que a grama do vizinho é sempre mais verde. Já experiente o bastante, voltou ao time das laranjeiras onde com um título da Copa do Brasil e depois mostrou tudo que aprendeu com o Vasco ao conduzir o time a histórica campanha do vice da Libertadores de 2008, onde também ficou provada a sua qualidade em treinar cobranças de pênaltis. Dizem as más línguas que foi Renato o preparador da Seleção Brasileira para a Copa América de 2011.

Após ser demitido após uma campanha pífia, mais um intercâmbio no Vasco e mais um fracasso no Fluminense, Renato rodou até parar no único outro clube que é capaz de assinar sua carteira: o Grêmio. Sobre o comando do clube foi Renato que começou a história de que o Grêmio "só comemora vaga" ao vibrar com a vaga na Libertadores de 2012, o que é uma grossa mentira, afinal naquele ano o time conquistou a imponente Taça Piratini (Que?).

Daí pra cá, Renato virou o iô-iô do time gaúcho: ia e voltava. Até que finalmente conseguiu ganhar um título em 2016 quando a equipe liderada pelo mito Douglas Barriga de Cadela Prenha bateu o Patético Mineiro na final da Copa do Brasil. No ano seguinte com uma campanha pautada na raça e sem nenhuma técnica, como todo bom campeonato do Gaymio, foi campeão da Libertadores e teve o melhor desempenho de sua vida como treinador ao garantir que o Grêmio só perdesse por um gol, e de falta ainda por cima, na final do Mundial de Clubes.

Vida pessoal[editar]

Renato era famoso pela vida amorosa, diz o mesmo que já comeu 5 mil mulheres, algo bem duvidoso levando em conta os clubes pelo qual foi ídolo.

Hoje em dia graças a sua filha, o ex-jogador teve seu nome artístico mudado de "Renato Gaúcho" para "Pai da Carol Portaluppi".

Renato Gaúcho, o Fanfarrão![editar]

Referências