Revistofilia

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Esta página se adequa à Nova Política de Conteúdo Sexual.
Conteúdo impróprio para menores de 18 anos! Tirem as crianças da sala! Este artigo tem conteúdo impróprio para menores!
Este artigo pode conter pornografia pesada ou leve. De preferência, leia-o de olhos fechados...

Se ele estiver cometendo uma infração à Política de Conteúdo Sexual, por favor, reporte à moderação.

Cquote1.png There was a Glamour magazine on the table, I started reading it... And one thing let to another... Cquote2.png
George Costanza em sua reunião dos revistófilos anônimos
Cquote1.png Não é o que você está pensando, amor! Eu estava apenas me masturbando com as imagens da revista Cquote2.png
Marido, ao ser pego pela mulher praticando revistofilia
Cquote1.png Ô... Por que minha revista de lingerie tá toda colada? Cquote2.png
Sua mulher sobre você ter praticado revistofilia nas revistas de compra dela
Cquote1.png Ô... Por que minha revista da Demillus tá toda colada? Cquote2.png
Sua mãe sobre você ter praticado revistofilia num catálogo Demillus dela
Cquote1.png Ô... Por que minha revista do Globo Rural está toda colada? Cquote2.png
Seu amigo sobre você ter praticado... Oh, FUCK! Seu doente mental!
Cquote1.png Revistofilia é o medo de revista Cquote2.png
Carla Perez no SBT

Típico objeto usado pelos revistófilos

Revistofilia é a parafilia referente ao uso de revistas para obter prazer sexual. Pode não parecer tão estranho pois é a parafilia mais popular do Universo (Depois do sexo com aspiradores de pó), mas a revistofilia abrange aberrações da natureza como os tarados pela revista Quatro Rodas (Quatro rodas literais, e não rodinhas) e pelos viciados em masturbação com a revista do Globo Rural. Revistofilia não é crime previsto em lei já que a contraparte do sexo é inanimada, porém é um crime contra o bom senso, a sobriedade e a normalidade mental. A revistofilia não abrange jornais, cartazes, outdoors, livros, sites, cadernos, manuais de instruções e figurinhas. Cada publicação dessas tem sua própria parafilia, senão vira a casa da Mãe Joana. Revistas digitais também não são inclusas.

Características[editar]

Assim começa um ato de revistofilia

A revistofilia, desejo sexual em torno das revistas, abrange a vontade sexual conquistada ou desejada relativa às publicações, sejam elas mensais, quinzenais, semanais ou diárias. Isto inclui revistas sexuais comuns (Playboy, Sexy, Ana Maria), revistas de banda desenhada (Hentai, Turma da Mônica), revistas homossexuais (G Magazine, Capricho) e revistas cuja tara é um mistério (Sentir prazer com a Veja ou a Istoé). Por causa desta abrangência, a revistofilia pode ser dividida em várias partes, que serão exploradas logo abaixo.

Revista que sofreu o efeito em um ato sexual consumado

Na revistofilia, o ato sexual pode ser consumado, estimulado ou apenas imaginado. No ato consumado, o revistófilo mantém relações sexuais com sua página favorita da revista. Ao fim do orgasmo, o ato sexual é concluído com a dispersão do sêmen pela página, que ocasionará folhas coladas no futuro após o fechamento e ocultação da revista embaixo da cama ou em um lugarzinho secreto no armário. O ato sexual consumado pode acarretar em cheiro de jornal no órgão sexual e folhas amassadas nas revistas. No ato estimulado, a pessoa utiliza uma revista, normalmente para realizar as preliminares pré-masturbatórias. No ato sexual estimulado, a revista não é amassada. O pervertido praticante apenas "acaricia" as folhas com seu órgão. No final do ato, ele pode ejacular dentro da revista mas normalmente ele opta por ejacular no tapete de seu quarto para não estragar a dama de seus prazeres. No ato sexual imaginativo, tudo é apenas uma bronhada. A revista é utilizada apenas como forma de excitação sexual.

Historicamente[editar]

Uma das primeiras revistadas devastadas por um tarado revistófilo

A revistofilia começou a ser praticada no Antigo Egito, logo no início da utilização do papiro como meio de comunicação visual. Com a primeira publicação de um papiro com mulheres nuas, ou seja, a primeira revista pornô da história, a revistofilia passou a ser uma parafilia reconhecida pelo PAU (Paraphilia Association Union), órgão responsável por categorizar e avaliar parafilias. No próprio Egito Antigo, onde a população era amante dos animais, surgiu também a revistofilia zoófila (zoorrevistofilia), com erotismo impresso em gravuras de gatos nus com o rabo à mostra. O problema para os proto-revistófilos era que o papiro era muito áspero e o rala-rala com uma revista feita com papiro deixava seu órgão genital em carne viva.

Os cientistas, historiadores e psiquiatras especialistas em parafilias não consideram o uso de revistas feitas de couro como revistofilia. Para estes estudiosos, a utilização de couro para obter prazer é chamada de courofilia (ou de necrozoofilia, dependendo do ponto de vista), que também abrange excitação com assentos de couro, jaquetas de couro, bolas de futebol antigas ou com o Necronomicon.

Na China, quando o papel foi inventado, as revistas ficaram mais maleáveis. Era mais fácil para um revistólogo poder manter relações sexuais com uma revista sem que seu penduricalho sofresse alguma tortura. E assim a revistofilia evoluiu bastante, até chegar no papel brilhante que as revistas utilizam hoje. Como foi dito na introdução, revistas digitais não podem ser categorizadas como revistofilias. Seria mais um caso de digitalofilia, que também inclui sites, blogs e enciclopédias virtuais.

Implicância e controvérsias[editar]

Comer a revista não é bem isso

Ainda há muitas pessoas que não consideram a revistofilia uma parafilia própria já que ela depende de algo escrito ou visual. Os estudiosos desconsideram a opinião destas pessoas pois o que define a revistofilia é o conjunto da obra. Não importa o tipo de papel, o tipo de imagem, o tipo de publicação, a editora, o assunto da revista, o número de páginas, a página utilizada, o número de caracteres, a fonte utilizada ou qualquer outra característica da revista. O que vai definir a parafilia revistófila é o uso da revista propriamente dita, quando ela já está pronta para a leitura ou para o sexo. Portanto, se o objeto de excitação e orgasmo da pessoa for algo chamado revista, tanto faz o tipo; ela será sim uma revistofilia.

Uma revista pronta para ser "devorada"

Outro tipo de gente que não considera a revistofilia vem munido com bons argumentos. São os parafilistas vegetarianos. Por ser o papel um material obtido através de árvores, os amantes dos vegetais afirmam que a revistofilia nada mais é que uma botanofilia disfarçada. Sem dúvida, um argumento muito interessante, mas os estudiosos da parafilia conseguiram eliminar quaisquer dúvidas sobre a revistofilia. Não é porque o objeto da parafilia é feito de certo material que a parafilia em torno deste objeto será incluída na parafilia em torno do material. Se fosse o caso, a pedofilia seria apenas mais um caso de carbonofilia já que os seres humanos (incluindo as crianças) são "feitos" de carbono.

Muitos críticos condenam a prática da revistofilia, alegando que revistas não podem reagir e nem pode denunciar o caso a um juiz. Deve-se levar em conta que, mesmo se pudessem denunciar o caso, não adiantaria nada pois atualmente a revistofilia não é um crime previsto em lei e, portanto, não é passível de pena.

Práticas conhecidas[editar]

Com este tipo de revista, um tarado sexual menor de idade consegue disfarçar. Pode ser comprada em bancas sem perigo

A revistofilia é dividida em várias partes. Há uma divisão mais completa e complexa da revista, que dividide a revistofilia em modalidades, gêneros, espécies, tipos, número e tipo de papel usado. A divisão mais comum, no entanto, é a por grupos, de acordo com os assuntos das revistas, já que subentende-se que o assunto da revista é o principal motor da excitação, e não o tipo de papel utilizado na publicação.

Apesar de existir uma grande divisão em grupos, mesmo estes grupos podem ser divididos em subgrupos, que podem ser divididos em sub-subgrupos, que podem ser divididos em sub-sub-subgrupos... Uma pessoa pode estar incluída em vários grupos. Eis alguns grupos da revistofilia, talvez os mais populares.

Pornorrevistofilia[editar]

É a revistofilia praticada com revistas de cunho sexual, sejam elas heterossexuais, homossexuais, bissexuais, tetrassexuais e outrossexuais. É a prática mais comum da revistofilia. A Pornorrevistofilia é dividida em várias partes, sendo as partes mais conhecidas:

  • Homopornorrevistofilia: É a prática da revistofilia com revistas pornográficas por homossexuais. Ela pode ser dividida em androhomopornorrevistofilia, para homens gays, e ginohomopornorrevistofilia, para mulheres lésbicas.
  • Heteropornorrevistofilia: A prática da revistofilia com revistas pornográficas por heterossexuais. Dividida em androheteropornorrevistofilia, para homens, e ginoheteropornorrevistofilia, para mulheres.
  • Bigepornorrevistofilia: Prática da revistofilia com revistas pornográficas, por bissexuais. Não tem divisões.

Maniacorrevistofilia[editar]

Revista usada por maníacos por revistas com velhinhas

Entre o grupo de revistófilos, há o subgrupo dos tarados, conhecidos como maniacorrevistófilos. São revistófilos com manias sexuais pervertidas, criminosas ou não. Entram neste grupo:

  • Gerontomaniacorrevistófilos: Adoram revistas com gravuras de velhinhas. Revistas da terceira idade são um prato cheio para estas pessoas.
  • Pedomaniacorrevistófilos: Adoram revistas com imagens de crianças. Estes depravados sentem prazer ao olhar revistas escolares, revistas infantis (Recreio) e qualquer outra revista que mostra crianças.
  • Necromaniacorrevistófilos: Revistas que mostram pessoas mortas deixam estes seres em êxtase. Revistas como a Veja, que mostra muitas situações onde mortos aparecem, são as mais compradas pelos necromaniacorrevistófilos.
  • Ufomaniacorresvistófilos: Esta gente sente uma quentura quando folheia uma revista sobre UFOs. O auge do prazer é quando encontram gravuras de supostos alienígenas.

Zoorrevistofilia[editar]

É a revistofilia que abrange pessoas que praticam o sexo com revistas cujo assunto principal seja algo animal, ou então revistas sobre a natureza e pecuária. São várias divisões, seguindo a taxonomia proposta por Lineu (O estudioso sueco, não o Marco Nanini). Eis alguns exemplos:

  • Bovinozoorrevistofilia: Para as pessoas que praticam a zoorrevistofilia através de revistas sobre o gado. Podem se excitar através de uma página sobre o gado Nelore ou então sobre touradas na Espanha.
  • Caninozoorrevistofilia: Para pessoas praticantes da zoorrevistofilia em revistas sobre cães. Podem até nem ser revistas sobre cães, basta ter uma reportagem sobre cachorros, ou lobos. Algumas fãs de Crepúsculo são caninozoorrevistófilas.
Se ao ver esta revista você sentiu algo, é bom ficar com medo
  • Ictiozoorrevistofilia: Pessoas que sentem um prazer enorme folheando revistas sobre pesca podem estar inclusas neste grupo. Este é o grupo das pessoas que sentem prazer com revistas sobre peixes, pesca, tubarões ou culinária litorânea.

Botanorrevistofilia[editar]

Revistofilia que abrange pessoas que sentem um prazer descomunal com revistas sobre jardinagem, sobre a natureza ou de culinária vegetariana. Também é dividida de acordo com a taxonomia de Lineu. Algumas revistas sobre o mundo marinho também podem entreter um botanorrevistófilo por horas se estiver mostrando algas.

Tecnorrevistofilia[editar]

É a divisão da revistofilia que agrupa os tarados por tecnologia em revistas. Estas pessoas sentem tesão e se satisfazem sexualmente com revista sobre automóveis, motocicletas, construções, edifícios, pesquisas tecnológicas, nanociência, informática, entre outros. É um grupo enorme, que inclui pessoas de todos os tipos, e não apenas nerds. Eis alguns grupos:

  • Autotecnorrevistofilia: Grupo dos tecnorrevistófilos que sentem tesão por revistas sobre automóveis. Os envolvidos em autotecnorrevistofilia tem prazer sendo o ativo da história, pensando nos buraquinhos dos automóveis enquanto carca a revista. Muitos autotecnorrevistófilos só sentem prazer com revistas sobre carros importados. Estes são os xenoautotecnorrevistófilos.
  • Mototecnorrevistofilia: Em contrapartida ao grupo de autotecnorrevistófilos, surgiu o grupo dos mototecnorrevistófilos. Estes sentem desejo ao ler revistas sobre motocicletas. No ato sexual, eles costumam deixar a revista em posição motocicleta e montam nela.
  • Nerdtecnorrevistofilia: São os nerds cujo desejo sexual é adquirido através de publicações sobre informática. Ler uma revista sobre Linux, sobre processadores com 42 núcleos, sobre internet ou sobre a Wikipédia deixa estes caras em ponto de bala. Não há papel que resista após o ato sexual. Muito cuidado ao manusear revistas de informática em consultórios médicos. Muito cuidado! Algum nerdtecnorrevistófilo já pode ter tirado a virgindade desta revista. Estes caras não podem ver uma banda larga que ficam doidinhos de tesão.

Vantagens e desvantagens[editar]

A revista que é a menina dos olhos de todo nerd tarado
Um sonho dos revistófilos que foi por água abaixo.

Com relação às outras práticas sexuais, a revistofilia é a menos perigosa e menos trabalhosa. Pense bem, para ser um pedófilo, o sujeito precisa arranjar uma criancinha, torcer para que a criança não seja a Maísa, se esconder e fugir da justiça. Para ser um zoófilo, torcer para a vaca, ovelha ou cabra não resistirem ao coito, e arranjar um local afastado para ninguém ver a bizarrice. Para um sexo normal, entre 2, 3 ou mais pessoas, gastar muita grana (seja no prostíbulo ou em um jantar romântico), além de evitar problemas com maridos cornos, doenças sexualmente transmissíveis e torcer para que a mulher não seja protagonista de Instinto Fatal. E também sempre tem o problema do brochismo... Muitos botanófilos também já tiveram problemas com pepinos (com uma ajudinha do vácuo), abacaxis e cactos, e tiveram de ir ao hospital.

Com a revistofilia não tem esses problemas. Não é crime aliciar revistas para a pornografia. As revistas não resistem e fazem sexo com qualquer pessoa, de qualquer estatura. Elas não cobram nada pela transa. Revistas não transmitem doenças, apenas cheiro de papel e tinta. E você não precisa ligar para uma revista no dia seguinte. Revistas não correm o risco de engravidar, e se pudessem engravidar, seria até bom ter uma coleção de revistinhas. Revistas não cobram pensão, nem ficam pressionando o sujeito a casar. Revistas não têm mãe, ou seja, você não teria uma sogra. Você não corre o risco de ser levado ao hospital, a não ser que na revistofilia você seja o passivo e coloque a revista em lugares escuros. Aí você merece ir ao hospital e sentir muita dor, depravado!

A maior desvantagem da revistofilia é o fato de ser algo estranho demais para você contar pra alguém. Não tem como se gabar ao ter feito sexo com 6 revistas em uma única noite. Ah, e revistas também não elogiam seu desempenho sexual após o ato, mas também não falam mal de você para as amigas.

Ver também[editar]