Rio Branco Football Club

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Rio Branco Football Club
Escudo do Rio Branco-AC.png
Brasão
Hino O Alvi-rubro pavilhão
Nome Oficial O Inexistente e Fantástico Rio Branco Football Club
Origem link={{{3}}} Acre- Rio Branco
Apelidos O Mais Querido, Pano Branco
Torcedores jogadores de RPG
Torcidas Inexistentes
Fatos Inúteis
Mascote Mico Azul
Torcedor Ilustre Rio Branco
Estádio Arena da Floresta (Inexistente)
Capacidade Ilimitada
Sede Floresta
Presidente Inexistente
Coisas do Time
Treinador Inexistente
Pior Jogador Nuvola apps core.png Inexistente
Melhor Jogador Crystal Clear action bookmark.svg.png Inexistente
Patrocinador Inexistente
Time
Material Esportivo Inexistente
Liga Campeonato Inexistente; série C
Divisão  ??
Títulos Campeonato Inexistente: 45 vezes
Ranking Nacional Não aparece no ranking
Uniformes 700px-Bandeira do Acre.svg.png
700px-Bandeira do Acre.svg.png



Rio Branco Football Club é uma lenda criada pela CBF, juntamente com o exército brasileiro, para representar a mítica e inexistente cidade de Rio Branco, capital do misterioso estado boliviano do Acre, que acredita-se fica no Brasil, mas assim como o Atlântida Futebol Clube e o Babilônia Futebol Clube, é uma figura carimbada no folclore do futebol brasileiro.

Devido a distância imprecisa de Rio Branco, o time sempre vence seus adversários por W.O. que geralmente são tragados por buracos negros ou abduzidos por alienígenas na viagem para Rio Branco, mas mesmo assim o Rio Branco FC consegue perder para si mesmo algumas vezes e não se classificar para as próximas fases das competições nacionais que disputa.

História[editar]

Fundação[editar]

O time foi inventado em 1988, época em que a Constituição Brasileira inventou a existência do estado do Acre. A equipe recebeu este o nome de "Rio Branco", primeiramente porque não havia criatividade para o nome de um time inexistente, então adotou-se Rio Branco em homenagem à mítica e inexistente capital do possível estado do Acre. Como também não se sabe qual língua é falada no Acre (se é que ele existe) a sequência do nome "Football Club" foi colocada em inglês, linguagem universal.

Domínio estadual[editar]

Por ser o único time do Acre, por séculos conquistou todos os campeonatos acrianos possíveis desde 1780, quando o mito da existência de El Dorado, uma cidade do suposto Acre, surgiu. O time sempre representou o Acre na Copa do Brasil e no campeonato brasileiro da série D. O seu primeiro título foi a Liga Acreana de Esportes Terrestres (não era futebol).

O tricampeonato da Amazônia[editar]

Proibidos de jogarem as competições profissionais do Brasil por serem territórios ainda não reconhecidos oficialmente como existentes, pois na década de 70 ainda não haviam satélites para mapear e registrar regiões inóspitas demais, os times de Acre, Amapá, Rondônia e Roraima precisavam se reunir para jogar o Copão da Amazônia, um torneio amador de arco e flecha com cocos como alvo que também era de vez em quando decidido em partidas de futebol.

O Rio Branco se tornou tri-campeão dessa porcaria, já demonstrando sua grande vocação desde cedo, que é o de ganhar todo tipo de torneio inexistente o que faz da equipe aquela com a maior quantidade de troféus inexistentes jamais conquistados.

Estreia na Série B[editar]

Em 1989 o Rio Branco estreou pela primeira vez na história numa competição que existe, a então Série B do Campeonato Brasileiro, algo que só foi possível porque nem existia ainda a Série C, ou a Série D. O Rio Branco teve sua incrível campanha interrompida apenas nas oitavas-de-final ao ser eliminado pelo Ceará SC que era no caso um time tradicional o bastante pra eliminar o Rio Branco.

O memorável ano de 1997[editar]

O ano de 1997 é o mais memorável da história medíocre do Rio Branco. A equipe neste ano foi campeã da Copa Norte, beneficiada pelo fato de ainda nem existir o Google Earth, o rival da final, o Clube do Remo do Pará, não conseguiu chegar no Acre e perdeu de 2x1, dando mais uma taça de papelão para o Rio Branco dentre tantas taças de papelão que o time é fanático em conquistar.

O título de merda concedeu ao clube uma gloriosa participação na sua primeira competição internacional, a Série C da Libertadores, onde na fase preliminar enfrentou o famoso Deportes Tolima, com quem empatou e decidiu a vaga nos pênaltis, que foram desperdiçados. Para o time colombiano o Rio Branco até que ficava perto.

Ainda em 1997, o Rio Branco ainda conseguiu ganhar do pequeno Fla-Emo, já que o mesmo não conseguiu chegar ao Acre e perdeu por 2x1, porém, o jogo no Rio de Janeiro, o juiz expulsou dois jogadores inexistentes da equipe acreana e perdeu de 5x1.

Anos 2000[editar]

A partir dos anos 2000 o Rio Branco começou a entrar em decadência, com o surgimento da Internet tornava-se cada vez mais difícil forjar sua existência, e o time por várias vezes se recusou a jogar a Série C do Campeonato Brasileiro, cedendo sua vaga para outros times. É até hoje o time recordista em desistências de disputar campeonatos brasileiros.

Série C de 2008[editar]

Recentemente, no campeonato brasileiro da série C de 2008, venceu muitos times por fadiga, e conseguiu permanecer na terceira divisão, e pela primeira vez na história o estado do Acre contou com dois times em competições nacionais, pois teve direito a mais um representante inexistente na série D de 2009.

A controversa Série C de 2013[editar]

Tudo começou ainda em 2011, quando a CBF decidiu por unanimidade de seus juízes vetar jogos no Acre quando estudos novos de geologia comprovaram cientificamente a inexistência do Acre. A diretoria do Rio Branco FC entrou na justiça e conseguiu efeito suspensivo, forçando jogos no Acre mesmo que este não existisse.

Quando chegou em 2013, o Treze da Paraíba relembrou dessa decisão, e como estava na Série D e com muita dor de cotovelo, a equipe paraibana alegou que não era justo uma vaga da Série C ficar para um time que nem existe, e também acionou a justiça que acatou a demanda do Treze. Todavia, como o Rio Branco nem existe mesmo, ele nem precisou ser excluído do torneio... Na verdade, no campo o Rio Branco realizou a pior campanha de todos os tempos perdendo para TODO mundo e encerrando a competição com 18 derrotas, 0 empates e 2 vitórias (conquistadas em casa sobre CRB e Luverdense, que eram novatos e não sabiam ainda onde ficava o Acre).

Série D de 2014[editar]

O clube tentou limpar a má impressão de 2013 ao realizar uma incrível campanha na Série D de 2014, onde jogou contra times igualmente inexistentes das zonas mais inóspitas da América do Sul como Amapá, Roraima e outros times do Acre, goleando todos. A campanha foi tão incrível, que mesmo sendo eliminado nas oitavas-de-final, terminou a competição com o ataque mais positivo.

Aliás, o jogo nas oitavas-de-final contra o AA Anapolina foi memorável. Após dois empates por 1x1, a decisão foi para os pênaltis, que foi vencida pelo time goiano por 13x12, após todos jogadores do time e o técnico baterem cobranças, o massagista do Rio Branco errou a cobrança quando o massagista do Anapolina converteu, classificando os goianos.

Estádio[editar]

Fotos da NASA do suposto estádio do Rio Branco. Podemos ver seus jogadores, obviamente, inexistentes.

Manda seus jogos na Arena da Floresta, um estádio que para os acrianos é considerado de primeiro mundo e moderno, mas isso só é considerado porque eles nunca na vida visitaram um estádio realmente de primeiro de mundo.

Quando a Copa do Mundo de 2014 foi anunciada para ser no Brasil, o time ficou afoito desejando que reformassem o seu estádio para a Copa, mas a CBF não fez a sacanagem de mandar nenhuma seleção jogar no Acre, então o estádio permaneceu a mesma porcaria.

Hino[editar]

Há uma lenda dizendo que há a existência do hino do inexistente Rio Branco Football Club. Diz a lenda que esse hino abaixo e o hino oficial, desse inexistente time.

(tutututututututututututututututututu)
O Rio Branco é o primeiro
Clube forte e varonil
O seu time é altaneiro
Nestes campos do Brasil

O Rio Branco é o primeiro
Clube forte e varonil
O seu time é altaneiro
O seu time é altaneiro
Nestes campos do Brasil

Já tão cheio de vitórias
O alvi-rubro pavilhão
O Rio Branco entre glórias
Será sempre o campeão

Já tão cheio de vitórias
O Alvi-Rubro pavilhão
O Rio Branco entre glórias
Será sempre o campeão

Títulos Inexistentes[editar]

  • Série Z : 2000
  • Copa Norte: 1997.
  • Torneio Amazônia: 1976.
  • Campeonato Boliviano (na época que o Acre era da Bolívia): 6 vezes (1951, 1955, 1956, 1957, 1961, 1962)
  • Liga Acriana de Esportes e Anfíbios 14 vezes (LAETA) (1921, 1922, 1935, 1936, 1937, 1938, 1939,

1940, 1941, 1942, 1943, 1944, 1945, 1946).

  • Campeonato Inexistente (oficialmente Campeonato Acriano): 25 vezes (1947, 1950, 1951, 1955, 1956, 1957, 1961, 1962, 1964, 1971, 1973, 1977, 1979, 1983, 1986, 1992,1994, 1997, 2000, 2002, 2003, 2004, 2005, 2007 e 2008).
  • Liga Torneio Lugar Nenhum: 1921.
  • Copa do Gelo: 1931.
  • Taça Carlos Alberto: 1983.
  • Copa Dercy ( nome oficial: Copa Merda, Caralho ): 2009
  • Maior quantidade de eliminações na primeira fase de Copa do Brasil