Rio Paranaíba (Minas Gerais)

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Gnome-searchtool blue.png Rio Paranaíba (Minas Gerais) é uma pequena cidade desconhecida.
Você pode estar perdendo seu tempo à-toa ao ler sobre essa joça.
Esse ano chegou internet lá... Internet discada.

Sciences de la terre.svg.png
Cquote1.png Você quis dizer Distrito de São Gotardo-MG? Cquote2.png
Google Maps sobre Rio Paranaíba

Cquote1.png Você quis dizer Paranaíba-MS? Cquote2.png
Google sobre Rio Paranaíba
Cquote1.png Vou criar um enorme campus para todo o povão jogar bola. Cquote2.png
Prefeito da cidade sobre a criação de um campus da UFV em Rio Paranaíba
Cquote1.png Fica onde, no Goiás ou no Tocantins? Cquote2.png
Qualquer pessoa do Brasil, sobre Rio Paranaíba
Cquote1.png Nunca vi, nem comi, nem ouço falar Cquote2.png
Zeca Pagodinho sobre Rio Paranaíba

Wikisplode.gif
Para os neo-ateus que preferem acreditar em mentiras, os supostos experts da Wikipédia têm um artigo sobre: Rio Paranaíba (Minas Gerais).

Cquote1.png Ame-o ou deixe-o Cquote2.png
Governo Militar sobre Rio Paranaíba
Cquote1.png Dispois cê vorta, tá! Cquote2.png
Nativo sobre Rio Paranaíba
Cquote1.png Todos nós estamos na lama. Cquote2.png
Oscar Wilde sobre Rio Paranaíba
Cquote1.png Sou louco porque vivo em um mundo que não merece minha lucidez. Cquote2.png
Bob Marley sobre Rio Paranaíba


Rio Paranaíba (Minas Gerais) Río
Nego river.jpg
Bandeira
se for fazer, faça mal-feito
Hino "God save the Mayor"
Local link={{{3}}} Minas Gerais Interior de Minas Gerais
Idioma mineirês
Geografia
Clima chuvoso insuportável ou seco-poeirento insuportável
Locais de Referencia posto geraldinho
Economia exploração de estudantes, professores e técnicos da UFV-CRP
Produtos Exportados bosta de cavalo
Política
Governo
Nuvola apps core.png
O mesmo de sempre
Atual Prefeito
Nuvola apps core.png
O que já foi
Vice-Prefeito
Nuvola apps core.png
O que já foi mas está ficando velho
Mídia
Cidadãos Ilustres
Crystal Clear action bookmark.svg.png
Zarico, Maria Terta, Edinei do laboratório
Esporte Símbolo Caminhada na beira da estrada
Santo Local Santa Paciência

Rio Paranaíba[editar]

Rio Paranaíba, também conhecida por "Rio" para os íntimos, fica localizada na região do mais-ou-menos Alto Paranaíba mais especificamente. A cidade se organizou nos idos dos séculos passados a partir de garimpeiros. Daí já se vê porque até hoje a população da cidade vive em sistema de exploração.

"A cidade é também conhecida por estar se desenvolvendo (aleluia!!!) e causando grande inveja nas províncias vizinhas. No último ano a cidade cresceu mais do que nos últimos 20.000 anos de sua história. Enchendo de orgulho seus habitantes: "É uma cidade das mais boas". morador nativo idiota local

Apesar disso, há uma tendência de migração inversa de Rio Paranaíba para São Gotardo que é melhor, Carmo do Paranaíba - outra roça perto de lá e Patos de Minas - cidade dos metidos a besta comedores de mio, pois o mercado imobiliário de Rio Paranaíba sofreu uma recente exploração indiscriminada havendo a surpreendente valorização de 1300% sob os imóveis.

A cidade se desenvolve tanto que já há diversas construções de "arranha-céus" que fazem sombra nas casas vizinhas, o que tem irritado alguns moradores das aldeias vizinhas. Dentre estes arranha cus, destaca-se o prédio do correio de 2 andares.


Em contato com um dos proprietários de imóvel na cidade, sobre o aumento abusivo, a tal especulação imobiliária se deve ao fato que aos estudantes, ora inquilinos, destroem os imóveis com suas frenéticas festinhas juvenis e causam outros diversos transtornos, pois muitos destes nunca moraram sozinhos, - longe de papai e mamãe - e por sua vez, imaginam que o mundo vai acabar no dia seguinte, por isso tentam que beber o máximo possível, afinal se o mundo vai acabar a cerveja e outros do mesmo gênero também. Tudo isso justificável, pois quem vai querer conservar uma casa cujo aluguel é exorbitantemente caro.


Comércio[editar]

O comércio da cidade conta com pequenos supermercados que vendem diversos tipos de secos e molhados (vencidos ou não), pequenos estabelecimentos onde nem sempre os atendentes te atendem ou são educados. Ainda bem que se compra (se quiser, se não quiser papai manda de casa) carne barata, de procedência duvidosa.

Existem pessoas donas de "grandes estabelecimentos" que se acham os donos da cidade, por causa das velhas "famílias de barões", porém ninguém informou a estes que não existem mais barões.

A exploração é demais mesmo, todo mundo acha que estudante é milionário.

Hollywood[editar]

A cidade é orgulhosa por ser 'a verdadeira' inspiração do filme "A Vila", na qual a trama basicamente fala sobre a população local, que não permite que as pessoas desenvolvam a vila, posto que os "boizinhos de interior" causam confusão com qualquer estrupício galã que tenta seduzir as mocinhas da cidade. Ou por seus ilustres e antiquíssimos moradores resistirem a presença de pessoas que não sejam da mesma "grande família".

História[editar]

No ano de 1500 após o descobrimento do Brasil, quando o morro do Peão era apenas um cupim, os Bandeirantes mandaram os piores dedicados exploradores para a região para procurar a cidade perdida de Eldorado, como esta cidade está bem escondida sob a praça que é inacessível a qualquer ser humano, sendo apenas capazes de andar sobre ela Chuck Norris e Indiana Jones.

O chefe da expedição, Felipe, então pulou de uma pedra porque Mun há (ancestral do rockeiro zica Mick Jagger) disse que essa cidade tinha tudo para ser seu novo reino. Dito isso, Mun ha ensinou aos seu súditos (conhecidíssimos na cidade como as únicas pessoas que governaram e governam até hoje)a roubar a juventude de crianças inocentes para serem imortais e poder governar a cidade até o apocalipse zumbi. Rio Paranaíba é o mais antigo sítio, vilarejo, rocinha, município da região, e apesar disto sua população estimada no ano de 2007 era de 11 393 habitantes. A produção econômica, além do regime de exploração, está calcada na agricultura e pecuária, com destaque para a produção de cenoura, café, milho e soja, apesar de que suas vizinhas é que receberam o nome de cidades do milho e cenoura, etc. Atualmente a plantação de casas e prédios vem se tornando a principal atividade econômica da cidade, para exploração dos estudantes, professores e técnicos da UFV.

Saúde e Saneamento[editar]

A cidade orgulha-se de viver no passado, com tradições fortes. Segundo dados do IBGE, sobre o Saneamento da cidade no ano 2000:
- 56% das pessoas utilizam a coleta de lixo municipal (e tudo que é coletado vai para o terreno baldio oficial da prefeitura -> lixão).
- 30% das pessoas costumam queimar seu lixo em sua propriedade (daí o cheirinho de fumaça e lixo da cidade)!!!
- 9% jogam o lixo em terreno baldio ou rio.

Os Hospitais e Postos de Saúde da cidade contam com profissionais e equipamentos para o atendimento até dos procedimentos mais complexos como colocar band-aid em arranhões ou tirar farpa do dedo.
Há vários relatos de cidadãos acidentados que procuraram o pronto-socorro para sutura de ferimento e saíram com o buraco errado costurado, algo muito comum em uma cidade onde a medicina é tão avançada que os 02 vários médicos preferem ser chamados de xamãs devido aos seus dons tecno-sobrenaturais de diagnosticar os pacientes sem ao menos ouvi-los relatar os sintomas ou toca-los.
Qualquer coisa além disso, o enfermo é prontamente encaminhado, na semana seguinte, para alguma das megalópolis vizinhas.

O esgoto da cidade é tratado de forma que a população possa acompanhar o processo, já que ele corre pelas ruas da cidade bem na porta da casa de qualquer um. Isso se tornou atrativo, já que já há campeonato de pesca de rato de esgoto e domesticação de ratazanas.

UFV-CRP[editar]

Visão aérea do novo Campus da Universidade em Rio Paranaíba

Campus (UFV-Campus Rio Paranaíba) da 3ª melhooooooooor universidade do país (UFV), para onde vem aqueles que não foram capazes de passar nem nas faculdades particulares de administração, direito ou pedagogia de suas respectivas cidades.

No vestibular daqui, o ponto de corte costuma ficar nos 30%, o que mostra a capacidade de seus alunos. A maior conquista do campus foi em meados de 2009 com a chegada da eletricidade, da Internet e das tampas de privada (item raríssimo nas casas, hotéis e instituições da cidade).

Os alunos costumam ser de cidades que ninguém nunca ouviu falar, situadas na casa do caralho no fim do mundo e se achar fodas, por ter passado em uma péssima boa universidade, mas na verdade são um lixo, que custam a sobreviver em um curso de nível Mobral (onde os professores apenas empurram os alunos com a barriga). Os alunos costumam estudar 2h por ano semana e beber 2 engradados de cerveja por dia.

Os alunos que escolhem Agronomia, para poder fumar maconha- estudar tranquilamente durante 5 anos (ou mais), depois dos quais voltarão para sua cidade para cuidar da fazenda “do papai” (dentre estes “papais” 87,32% “quebram” depois de ter seus filhinhos cuidando de suas terras, e os outros 12,68% são presos acusados de plantarem maconha em suas propriedades para vender dentro do campus).

A nova “moda” na universidade é fazer o vestibular para pedreiro diplomado- engenharia civil, e poder trabalhar nas 223423 x 10^(16) construções toscas da cidade. Tanto que já está parecendo um favelão a cidade. No curso os alunos aprendem a virar massa, chapiscar, e mexer com as menininhas de 7 anos que veem passando pelas movimentadas ruas da cidade.

Eles saem da obra, com os carros dados pela vovó (os pais não são loucos a ponto de entregar um carro para eles), direto para o hospital, para pegar a garotinhas recém-nascidas. É um dos cursos que deveria ser mais “respeitado” mas, ao fazer uma análise mais aprofundada, percebemos que nem mesmo este curso pode ser visto desta maneira, uma vez que os alunos só estudam aqui porque não passaram em um vestibular de universidade mais próxima de suas cidades.

Os alunos da engenharia civil da UFV-CRP ficaram famosos no cenário nacional, após participarem do clássico "dois pedreiros buscando o prazer, não importa por onde" e, desde que o filme estourou, passaram a utilizar uns com os outros o jargão "Sô Nerso, vagabundo. Põe tudo sô Nerso".Com isso não podemos esquecer que são os mais pensionistas do campus, além de pensar somente neles, são uns verdadeiros interesseiros quando precisam e egoísta quando lhe pedem favor, definição do curso no campus para os alunos seria uma física medica.

Civil também é um saco de pancada dos outros cursos nos JURPs, principalmente Agronomia e Sistemas. Já os Engenheiros de Produção/Administração (os fodões, pelo menos é o que eles acham) porque morrem pra passar com muito custo mesmo em cálculo, e ficar na média, se acham os melhores, e ainda de ter as mocinhas mais bonitinhas do campus (diga-se de passagem as mais beberronas e oferecidas também) se você tropeçar em uma garota trebada em qualquer festa tosca, com certeza, sem sombra de dúvida, é uma futura engenheira de produção formada pela UFV- Campus Rio Paranaíba.

Os nerds tetudos da faculdade fazem Sistemas, aquele curso que onde ninguém passa em GAAL, mas que os outros cursos o procuram para fazer o projetin de Prog. Sendo que os projetin de Prog são teta. A maioria paga de programador mas na verdade 1/3 nem sabe o que é ponto e virgula. Não vão em festas porque jogam dota e lol toda a noite. E defendem o bi-campeonato(coisa que nem o galo em 126 anos conseguiu) da corrida do Naruto.

A cidade também conta com as "belas repúblicas" Full House, Taverna, Caverna do Dragão, UPA, Arapuca (República de apenas um integrante), Chuveiro torto, 4 Doses, Ratoeira, República Sobe e Desce e Pindura Saia, Intrometeu...

Dialeto[editar]

A cidade tem seu próprio dialeto. Há algumas características derivadas do mineirês, mas ainda possui suas próprias características. Entre elas podemos citar:

- Todas as frases de uma conversa podem começar com '"Como se diz... o caso,..."'

- Quando se está saindo de uma empresa de comércio ou serviços, o atendente sempre lhe diz '"Depoi'cê vorta mais?"', desejando que você "Volte sempre"

- Quando requisita algum produto ou serviço em algum local, é imediatamente respondido com um '"Na hora"' pelo atendente, mas se por acaso houver falta de tal produto é escutado um suave "Tem, mas acabô"

- "Dos mais bão" também é rotineiramente utilizado para elogiar qualquer coisa ou alguém.

- "Um mundo véio" é o equivalente a 'muito' ou 'muitas coisas'.

- "com borras" utilizado para enfatizar algo, exemplo: "vou estudar com borras hoje" , querendo dizer que vai estudar muito e com intensidade...

Ruas, Estradas e Sinalização[editar]

A cidade tem suas leis e sinalização bastante peculiares. Próximo ao morro do pião, por exemplo, numa avenida, há um aviso "proibido sexo". A sinalização para avisar que há uma garagem também é bastante diferente, sendo expressa por "garrage". Mas sinalização aqui não tem utilidade, uma vez que os cidadãos andam nas ruas, os cães nas calçadas e os carros dos boizinhos de interior "voando". Inclusive, se você compra um carro em Rio Paranaíba, a seta é item totalmente opcional.

As ruas já asfaltadas são profundamente esburacadas, evidenciando o clima instável da região propício a trovoadas, e chuva de meteoros pelo menos 1x ao mês.

Já a famosa estrada para Serra do Salitre está em vias de ser asfaltada desde 1898. Enquanto isso não acontece, o anel viário da cidade (por onde passam todos os caminhos e ônibus rurais) são as Ruas João Leandro e Barão de São Francisco, onde os moradores dessas ruas já de manhã bem cedo (entre 5h30 e 7h00 da manhã) podem contar com o ruído e a fumaça dos ônibus e caminhões para um bom despertar.


Na cidade, o uso de chapéu é obrigatório ao dirigir e o uso de seta não. Os carrinhos de criança também paga IPVA e Seguro obrigatório, visto que as mães transitam pela rua ao invés da calçada.

Fauna e Flora[editar]

A cidade tem o quarto menor nível de arborização do planeta (os três primeiros são o deserto do Saara, o deserto do Arizona e o continente Antártico), portanto praticamente não se observa flora.

Em um importante trabalho realizado por um professor da UFV-Campus Rio Paranaíba, ficou estabelecido que a fauna da cidade é principalmente composta de:

1) Moscas varejeiras (mais ou menos 30 por dia vem te visitar na hora do almoço) correspondem a 65% da fauna da cidade,
2) Cachorros de rua correspondem a 15% da fauna,
3) Pombos correspondem a 10% da fauna,
4) Gatos de rua correspondem a 8% da fauna, e outros, com 2%.

Funcionários da prefeitura, ao serem procurados para falar sobre os resultados desta pesquisa, disseram ser absolutamente normal, no "Rio", esta quantidade de moscas, sendo apenas uma questão de acostumar com elas.

Lazer e Esporte[editar]

Bom, lazer e esportes, vamos ver... hum, hum... vix... tem ah... o... ah, sim, o Parque do Zarico onde é possível fazer caminhadas do tipo escalada na montanha ou jogar uma partida de bola mesoamericano (ver em http://pt.wikipedia.org/wiki/Jogo_de_bola_mesoamericano).

Há ainda a estrada que liga a cidade a BR-354, na qual é possível praticar esportes radicais como caminhada, corrida e bicicleta na beira da estrada. Ao passar pela estrada é possível ver as cruzes, indicando a pesarosa morte de atletas que se aventuraram ali no passado.

A vida noturna tem bastante emoção. Você pode ir no "no capricho" e pedir uma pizza com emoção (apenas para quem tem estomago forte), ou ainda pedir que lhe coloquem uma mesa na rua, para você se deliciar com as várias opções no cardápio e ainda desafiar o trânsito da cidade.

Praça central de Rio Paranaíba - Exemplo de anti-acessibilidade

No bar do Val vale conferir no cardápio as opções de bebidas, como o famoso uísque João Andarilho. Um aviso aos desavisados: o referido bar, apesar de servir porções de carne com mandioca cozida e batatas fritas, não serve mandioca frita, pois é claro, seria impossível pegar a mandioca e fritar.

Há ainda a famosa praça meticulosamente planejada nos padrões para garantir a ANTI-acessibilidade, com o intuito de que ninguém, absolutamente ninguém, consiga andar nela. Por esta beleza de exemplo da aplicação do lema da cidade ("Se for fazer, que faça mal-feito"), o nosso dinheiro público foi jogado fora gasto. Um aspecto interessante é passear pela praça e lembrar da infância, da época em que se jogava "amarelinha", pois é preciso saltar entre as pedras (só cuidado pra não torcer o tornozelo). Reza a lenda que houve uma proposta de um vereador para fazer uma passarela por sobre a praça, evitando assim que as pessoas sofram acidentes ao tentar cruzá-la a pé.

Durante os finais de semana os machos nativos saem com seus carros equipados com som potente (mesmo que o carro seja um FIAT 147) para zoar, com outros machos, pelas ruas da cidade. Enquanto isso, as fêmeas nativas se confraternizam com os universitários nas suas festinhas.