Robert De Niro

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
(Redirecionado de Robert de Niro)
Ir para: navegação, pesquisa
EUA Falencia.jpg United $tate$ of McDonald'$

Este artigo é gringo! Ele usa eletrônicos da Apple, tem um Chrysler poluidor, não joga futebol e acha que é privilegiado..


Robert de Niro
Robert de Niro
Não queira que ele oolhe pra ti. Não queira...
Nascimento 17 de agosto de 1943
Nova Iorque, provavelmente no meio de um tiroteio.
Falecimento São várias, contando todos os filmes...
...mas todas em Hollywood
Nacionalidade Bandeira dos Estados Unidos Estados Unidos
Ocupação Pato atirador
Medidas Ah, sei lá
Principais trabalhos Entrando Numa Fria
Prêmios 2 Oscars de melhor ator, o último em 1980.
Fortuna Eu queria ter dessas
Página oficial: não se espante com a interface de cassino, lembre-se, é site do Robert de Niro...
Nível de Inteligência Alto Inteligente, apesar de afobado.
Aparência Física Tem uma verruga do tamanho do Monte Everest
Vícios Fazer da vida real um Counter Strike como em seus filmes. E ferrar com seus genros os fazendo ficar frios colocando-os numa geladeira

Cquote1.png Você quis dizer: Robert Do Nilo Cquote2.png
Google sobre Robert De Niro
Cquote1.png Não, esse aí deve ser um artista de Bollywood. Cquote2.png
Idiota sobre citação acima
Cquote1.png Hey De Niro, pode parar, as gravações acabaram, não precisa atirar, não atire, NÃO ATIRE! AAAAAAAAAAAAA! Cquote2.png
Diretor de Hollywood sobre dedicação e empolgação de De Niro no trabalho
Cquote1.png Hey, notei uma nova pinta sua no rosto. Cquote2.png
Robert de Niro sobre pintta microscópica na cara de algum figurante

Robert Luigi Mario De Niro III (nascido em 17 agosto 1943), conhecido profissionalmente (ou não) como Robert De Niro, é um ator americano, diretor, produtor, escritor e criminoso condenado. Ele é amplamente considerado como um dos genros mais cruéis da história da humanidade, além de também poder ser chamado de Sereio. Foi proibido de frequentar as praias de mais de oito mil países por ter comido pernas de surfistas, tudo por culpa de sua participação em O Espanta Tubarões.

Começo da carreira[editar]

Robert de Niro era um pequeno bebê que quando nasceu já chutava a mesa do berçário. Entendia que tinha que interpretar bem um bebê, portanto levou a sério e constantemente dava a impressão de que ele era o consumidor número um de Activia, além de demonstrar ser um futuro Pavarotti durante as noites. A Nestlé chegou a abrir uma sub-divisão da fábrica de papinhas só para abastecer o estômamo de De Niro.

Quando cresceu, De Niro seguiu com essa dedicação toda à sua vida, ajudava seu pai à carregar lenha e vendendo balas na estrada quando adolescente. Fazia isso com um galho de árvore na mão, o que facilitava as vendas, muito porque suas técnicas de marketing funcionavam bem. Veja o relato de um morotista pego de surpresa por De Niro enquanto ele vendia suas balas:

Cquote1.png Eu tinha parado no sinal com meu Kia Soul, estava tudo escuro, não sei se porque era noite ou se eu tinha colocado insul-film no vidro do carro, ou as duas coisas, não lembro agora, só lembro que vi um cara franzino, que lembrava um italiano, ele tinha em uma de suas mãos uma caixa de Footos Mentos, e, na outra um graveto afiado. Ele mostrava ser predestinado a vender aquelas balinhas, ele falou Eu sei que você está me vendo, o que me fez abrir a janela com medo, eu pensei que aquele graveto era um sub-metralhadora![1] Eis que ele usa seus argumetos, o sinal abriu e ainda sim ele tentava oferecer até pagamento em 10 vezes sem juros no cartão, tudo para eu comprar as balinhas e garatir mais um dinheiro pra ele. Eu ainda recusei, então ele começou a usar o graveto para tentar me convencer em uma outra tática comercial, o que me fez acreditar que era melhor eu comprar as balinhas para me ajudar e ajudar ele.
guest_30cm[2] confirmando a predestinação de De Niro desde jovem


Ao sempre se dar ao máximo para tudo, De Niro logo conheceu Martin Scorcese, um rapaz lindo, tesão, bonito e gostosão que tambem dirigia seu carro e foi abordado por Robert. Ao ver o talento do garoto, principalmente ao se passar de desesperado (mal sabia ele que De Niro estava mesmo, o pai de De Niro havia prometido dar um carrinho Hot Wheels para ele caso ele batesse a cota de vendas), Scorcese tratou de cuidar do garoto e fazer dele um bom ator. Para isso, inicialmente, seguiu as ordens desse deslivro para testar De Niro.

Assim surgiram alguns grandes sucessos populares entre os camelôs, daqueles filmes que até você gosta, até lembrar que aquela merda está estragando seu recém-comprado aparelho de DVD que custou uns 200 reais na Casa & Vídeo. O aparelho já é ruim, tava sendo ainda mais judiado...Mas, enfim. As atuações de De Niro convenceram e logo Scorcese preferiu inicialmente jogar De Niro num filme de verdade, mas, claro, que não fosse dirigido por ele, ia escolher outra cobaia.

Daí surge o cara em O Poderoso Chefão Parte II, de 1974, onde De Niro era Vito Corleone, que fugia da Itália pra ir pra América.

Foi quando finalmente a máfia de Al Pacino finalmente tinha sido oferecido dinheiro suficiente para dirigir uma continuação do O Poderoso Chefão, a biografia da máfia. O problema era que os produtores já haviam utilizado quase todos os atores ítalo-americanos disponíveis, e a máfia estava preocupada, pois não haveria qualquer espaço para os vários personagens novos que ele estava planejando introduzir. Felizmente, lembrou-se da jovem e promissora estrela de Robert De Niro, estretanto, ele precisava mostrar que tava pronto pra função.

Bom, pra isso ele se infiltrou em vários países, e, percorreu o caminho Brasil-EUA ilegalmente 36 vezes para pegar o espírito da coisa. Mas aí descobriu que era pra ser uma viagem legal, então, aproveitando que estava no Rio de Janeiro, decidiu fazer a ponte-erea RJ-SP 12 vezes. Também já estaria pronto assim para uma possível participação em Duro de Matar, visto a espera que aturou nos aeroportos.

Isso talvez ajudou ele na interpretação do personagem, e fez ele já ser reconhecido. Logo, após receber o Dedão Bottini de qualidade, Scorcese arriscou colocar esse mané em um de seus filmes, muito porque sabia que como De Niro virou um de seus manos, o preço do cachê seria menor. Então, em 1973, os dois se uniram para criar Mean Streets (Caminhos Perigosos, no Brasil), em que De Niro foi um bandido com dívidas grandiosas no momento. O filme acabou por ser uma descoberta para os dois. Sim, descobriram o quanto era uma merda trabalhar dcom De Niro, e, De Niro descobriu como é legal ficar atirando em todo mundo, fazendo do filme uma relidade nos estúdios.

Como ainda não estava fazendo sucesso e não tinha sido convidado pra uma sessão de fotos em nenhuma G Magazine, De Niro fez vários comerciais de TV para promover o filme, incluindo uma entrevista memorável com Miguel Falabella. Falabella, que na época ainda não tinha cara de bulldog cansado que demonstra que está no fim da carreira, não conseguiu ajudar De Niro a promover o Bad Boy que interpretava e não conseguiu assim algo de mais útil do que seguiu modestamente nas novelas da Globo após esse fracasso.

Então a Máfia decidiu interferir na coisa e aconselhar os críticos à indicarem De Niro para ganhar o Oscar, e, de quebra, dar motivos convincentes para De Niro ganhar o mesmo, para assim o mundo poder ver que ser da máfia faz bem e por isso deviam seguir comprando drogas com a famiglia, pois, tradição é tudo. Foi assim que De Niro ganhou seu primeiro Oscar e finalmente ganhara algum reconhecimento, vide, até alguns babacas que ainda tentam dar de penetras num cinema sabem o nome desse ancião homem.

Pós-Oscar Schimidt[editar]

Cquote1.png Hey De Niro, pode abaixar a arma, acabaram as filmagens por hoje...Ouviu? Hey, De Niro? De Niro!? Cquote2.png
Robert de Niro se empolgando em outra gravação

Depois de sua vitória no Oscar, De Niro voltou a namorar trabalhar com Scorsese para criar "Taxi Driver", o filme pelo qual ele seria sempre lembrado, e que ia imortalizá-lo em cartazes em paredes do quarto de adolescentes retardados por muitos anos. O filme contém o que é possivelmente a mais famosa cena de De Niro, a cena do espelho em que ele pronuncia as palavras - "você está falando comigo?".

O filme que teve um dos maiores orçamentos do mundo - mas ainda não se compara ao orçamento de nenhuma obra pública qualquer - não precisou gastar papel com o texto de De Niro - ele havia decorado tudo. E havia terinado alguns anos como taxista para poder saber puxar assuntos idiotas, principalmente sobre o clima e o tempo, como todo bom taxista faz. Ele ainda gostou muito de passar parte do filme atuando como um bom onanista pelas madrugadas, sendo forçado a ter o prazer (com o perdão do trocadilho) de assitir filmes pornôs. Bom, nisso ele sem dúvida atuou bem...

Em 1977, De Niro trabalhou novamente com Martin Scorsese no filme New York, New York, que se passa na cidade de Nova Nova Nova Nova Iorque Nova Iorque (O RLY?). Para esta atuação, De Niro aprendeu muitas coisas, inclusive a tocar saxofone, sobre como levar grandes quantidades de cocaína, e como tomar grandes quantidades de cocaína enquanto toca o saxofone. Ou seja, o som era uma droga.

No ano seguinte, De Niro assumiu o papel mais-que-principal O Franco Atirador, um filme épico do Vietnã, dirigido por Michael Cimino. De Niro causou polêmica no filme, insistindo que eles usassem armas de porte de destruição letal e bombas químicas, muito para aumentar o nível de realidade do filme, o que só não ocorreu pois a URSS não quis emprestar a bagaçada toda - os governantes estavam ocupados brincando de estalinho em algum canto da Sibéria, e, não iam abrir mão da brincadeira.

No mesmo filme, De Niro chegou a ser abordado e tranquilizado por funcionários da produção do filme pois não parava de atirar pra todos os lados. Nisso, Christopher Walken, segunto ator na escala de ordem de importância no filme, quando perguntado se estava tranquilo com relação à trabalhar com De Niro, afirma:

Cquote1.png Ahnn, bom... (vendo se De Niro estava por perto - ele não o avista]...É um pouco entusiasmante e aumenta demais a adrenalina trabalhar com alguém que se dedica tanto ao trabalho, ainda mais porque ele é um ator já renomado e que... [ouvem-se tiros e o barulho de uma bomba] OMG! WTF? [Robert de Niro aparece e pede desculpas, pois estava empolgado e viu um dos figurantes com a farda do exército do Vietnã - segundo De Niro, ele ofereceu resistência[3], e por isso jogou a bomba]...Bom...err...[Christopher confere que o medo lhe tomou as calças e tinha que terminar com aquela entrevista logo] realmente é um prazer trabalhar com De Niro.
Christopher Walken sobre trabalhar com Robert De Niro em O Franco Atirador


(Mais) Fama[editar]

Em 1980 voltou a trabalhar com Scorsese em Raging Bull ("Touro Indomável"), uma cinebiografia do boxeador Jake La Motta. A idéia surgiu quando Scorsese foi hospitalizado depois de anos de abuso de cocaína, e De Niro lhe honrou uma visita com um presente - um exemplar da autobiografia de La Motta. A lenda de Hollywood diz que o filme foi idéia de De Niro, um plano para resgatar seu velho amigo e por a carreira nos trilhos novamente. Além de, ciente que como boxeador podia socar todos num filme e isso não seria chamado de excesso de dedicação, De Niro não teria tantos problemas com essa dedicação toda.

Na realidade, De Niro já havia atuado como La Motta por dias, havia confundido o livro com sua própria vida. Enquanto ele estava fazendo isso, Scorsese decidiu que ele poderia muito bem fazer o filme. O resultado foi "Touro Indomável", um filme de um corajoso machão, e De Niro ganhou seu segundo Oscar, desta vez para melhor ator. Em seu discurso, De Niro disse que tinha desfrutado sua carreira como boxeador, mas estava ansioso para voltar ao seu trabalho regular do crime organizado. Muitos dizem que dessa vez De Niro ameaçou os críticos com porrada mesmo caso ele não fosse indicado e não ganhasse.

De Niro foi a estrela em uma série de filmes de sucesso para o resto da década de 1980, além de fazer fama em alguns comerciais de papel higiênico perfumado Pacu. Aí já acumulava uma fortuna que, na flor da idade, seria muito bem investida em um puteiro banco.

Atualmente[editar]

De Niro esbanjando beleza.

Como a década de 90 começara, era a hora de trabalhar mais para se preparar para tentar entrar na lista dos 20 arotes mais importantes do mundo. Assim De Niro foi chamado para fazer um filme de Scorcese, Goodfellas (Os Bons Companheiros), com base na vida de três mosqueteiros bandidos da vida real, Henry Hill (que seria interpretado por Ray Liotta), Thomas DeSimone (que foi renomeado para Tommy DeVito e interpretado por Joe Pesci - que ganhou um Oscar por isso), e James Burke (que foi renomeado para Jimmy Conway e interpretado por De Niro). O filme se tornou um dos mais bem recebidos pela mídia. Seria aí mais um trabalho na lista que De Niro considerava chave pra entrar nesse top 20.

Filmes posteriores como This Boy's Life (Despertar de um Homem, onde De Niro realmente abusa de uma jovem atriz chamada Leonardo DiCaprio) e Jackie Brown (do Quentin Tarantino, que viu em De Niro uma mente retardada assim como a dele) não conseguiu igualar o sucesso de seus trabalhos anteriores, e produtores de De Niro perceberam que seu carreira estava declinando.

Felizmente, os acessores de De Niro viram que o cara num tinha percebido isso ainda (quanta humildade do ator...) e logo apostaram numa chave pra alavancar ele de novo. Chamar Al Pacino e avisar que um dos atores de um dos filmes de sua máfia estava mal. Pois então logo Al Pacino juntou ele à famiglia e armou um plano infalível para fazer ele se destacar de novo: virar diretor. Ora, bem mais fácil, só dar ordens pra lá, ordens pra cá, ao menos no início, por ser ator conhecido, mesmo se o filme que dirigisse fosse uma merda iam o poupar. Mas seu nome seguia na mídia para algum pobre diretor idiota ver que De Niro não morreu e nem foi preso (ou que estava em liberdade condicional, ao menos).

Então, De Niro se convenceu de que ele era um diretor (andou muito com o Martin Scorsese...) e produziu o bem-recebido, mas financeiramente ridículo A Bronx Tale(Desafio no Bronx). O filme não foi tão ruim quanto a má qualidade do VHS fez parecer. Bom, ao menos não foi chamado de grande fracasso do século. Você não deve conhecer o filme, o que demonstra que De Niro estava realmente decadente, vide, já era o sinal pra ele tentar aparecer de outra forma.

Fez mais alguns filmes já em forma de desespero pra tentar ficar ao menos no top-50. Bom, deve ter alcançado um top-69, em 69º lugar. Por isso viu que era a hora de largar a máfia (as cotações da mesma na Bolsa de Valores estão cada dia menores, ele largou a tempo...) e se unir ào elenco de algum filme de humor, onde ele seria um personagem irônico e possivelmente sem nenhuma graça. Surgiu o Meet the Family (Entrando Numa Fria) pra isso. E emprestou sua voz também à um tubarão em Shark Tale (O Espanta Tubarões).

Características próprias[editar]

De Niro durante as preparações para participar em O Espanta Tubarões. Note que ele realmente encarna o personagem.

De Niro é famoso pela dedicação que ele tem em seus papéis, uma técnica que também pode ser conhecida como idiotice. Muito famoso também por ser queridinho dos diretores, exatamente por isso, poupa-os de contratar dublê. Mas a situação mudou quando ele se empolgava e matava todo mundo, por isso passou a fazer mais filmes de comédia ou mais leves (como todo ator decadente, terminará nos pornôs, onde matará alguma atriz pelo excesso de vontade, vide, uma ereção enorme ou ele mesmo sofreria as consequências com overdose de Viagra), essa matança fez com que os estúdios de Hollywood gastasse milhares de dólares em tratamentos hospitalares.

De Niro mostrando uma de suas características mais fortes: a sutileza com as mulheres.

Para Raging Bull (Touro Indomável, no maldito português) ganhou algo em torno de R$ 2,000 para fazer Jake LaMotta, que era pra ser um Mike Tyson piorado, ele fez tatuagens por todo o corpo (tantas tatuagens que no set de filmagem pensaram que ele tinha pego virtiligo invertido) e triturou seus dentes com uma Juicer Philips Walita para passar a impressão de durão. Depois disso fizeram novos dentes para ele com argila e gesso, pintados de branco com tinta Suvinil (o que explica o porque de serem brancos até hoje!).

Para fazer O Espanta Tubarões, De Niro viveu debaixo de água com uma família de tubarões por vários meses, além de aprender vários dialetos de peixes, o que fez com que nunca mais ele sentisse dificuldade em pescarias. Virou um dos melhores amigos do Tutubarão e consegue imitá-lo de maneira incrível. Nos estúdios ganhou o apelido de Aquaman e também desenvolveu ao lado de seu cu uma estrutura conhecida como cloaca, vide, cu de peixe. Ou seja, ele pode dar o rabo até duas vezes. E nunca terá prisão de ventre.

Durante a primeira metade de sua carreira, ele foi conhecido também por sua colaboração com o virtuoso diretor Martin Scorsese. Os filmes que eles produziram juntos são considerados alguns dos maiores filmes de todos os tempos (sim, eram filmes grandes, as caixas dos DVD's tem as mesmas medidas de um sofá). Mas nos últimos anos preferiu infernizar Ben Stiller e se dedicar exclusivamente a ser um sogro infernal. Para isso viajou pra Arábia Saudita por um tempo para aprender técnicas de tortura e terrorismo. Também chegou a fazer visitas ao Site da Al Qaeda para comprar um livro de Bin Laden sobre aniquilação de inimigos.


Referências

  1. Editorial: Percebe-se o talento de De Niro desde cedo: fez um idiota acreditar que um graveto era uma submetralhadora.
  2. O rapaz não quis se identificar com seu nome real, preferiu usar o nickname que costuma usar em outros lugares.
  3. Foi porque o figurante estava varrendo o local, virou com um cabo de vassoura, que De Niro logo entendeu que o soldado ia fazer algo perigoso com aquilo.