Roberta Miranda

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Nota musical22.gif PROJETO HITS
Este artigo está incluído no Projeto Hits, e recebeu a classificação B pela comissão do projeto. Se quiser contribuir neste projeto, contate a Comissão do Projeto Hits e ajude-nos a crescer com bom humor aos nossos ouvidos, organismos e palatos!!
BHits.jpg


Madonna-Britney-Aguillera.gif
Thammy.jpg
Cuidado! Roberta Miranda é sapatão ou fala sobre sapatas!

Este artigo contém fatos sobre sapatas, lésbicas, cola-velcros, bolachas e botinudas.
Roberta Miranda é sapata ou Marlene Mattos pode estar sendo citada neste artigo.

Arband.jpg
Passarinho.jpg
Este artigo é sobre um(a) artista, grupo musical, ou se refere a uma banda.

Além disso, ele pode conter assuntos sobre temas musicais, ou não.

Certamente, fãs idiotas alienados odiarão este artigo!!

Cquote1.pngVocê quis dizer: : Nutri-tri-tri-cionista Ruth LemosCquote2.png
Google sobre Roberta Miranda

Cquote1.png A majestade, o sabiá. Cquote2.png
Google sobre Roberta Miranda

Cquote1.png Vá com Deus! Cquote2.png
Google sobre Roberta Miranda

Cquote1.png A mulher em mim, vai então se abrir... Cquote2.png
Roberta Miranda sobre Roberta Miranda

Roberta Miranda

Roberta Miranda é uma cantora sertaneja que, por incrível que pareça, não nasceu em Goiás, Minas ou no sul do sul do Paraná: Robertão (para os íntimos) nasceu em João Pessoa, a ex-capital de Pernambuco do Norte. É filha de Carmen Miranda e Eurico Miranda, irmã de Sula Miranda e de Miranda Papai Noel do programa Astros. É tia de Carol Miranda, a Virgem, Katilce Miranda, o Bono e Miranda Kerr, a Modelo.

Tabela de conteúdo

[editar] Vida dura: a retirante

Roberta mostra seus consolos do sertão nordestino
Roberta entre sua mãe Carmen e sua irmã Sula
Robertão cantando uma modelo gostosa
Robertão preparada para colocar, em você, o borrachudo

Com oito anos de idade, Maria Robertão, que até então vivia feliz(ou não) comendo terra seca e cacto espinhoso no sertão nordestino, tomou um duro golpe em sua vida: a família, em peso, viria para São Paulo tentar uma vida melhor. Então, em 1900 e guaraná com rolha, Maria Robertão segue com seus 28 irmãos para a capital do Brasil, São Paulo.

Chegando em Sampa, a vida melhora (e muito). Sua mãe, Carmen Miranda, começa a fazer sucesso internacional como atriz e fruteira viva – ela chegava a carregar cerca de oito abacaxis, quatro melões e dois limões em cima do cabeção. O pai, Eurico Miranda, entra para o ramo da bandidagem e enriquece às custas do futebol. Em apenas um ano os míseros 5 "real" que Robertão trazia no bolso quadritribiplicaram. A família Miranda fica trilhardária.

[editar] Vida mole: a riqueza

Sem ter muito o que fazer, Maria Robertão aprende a tocar violão e siririca. Contrata os melhores professores do ramo sexual musical e, quando entra na puberdade, aos 12 anos, enriquece e potencializa sua voz. Com muito chá de alho, cebola e salsa acompanhados de ovo de lagarto choco e cru, além das aulas de canto, é claro, Robertão adquiriu a voz que, até hoje, permanece inalterável: essa voz de cachorro rouco depois da tuberculose com um leve toque de fechamento de faringe.

Aos 15 anos Robertão recebe duas bombas que mudariam sua vida drasticamente: sua mãe, a maior fruteira viva da história mundial, morre no banheiro de sua casa após overdose causada por cigatinhos; o pai é acusado, informalmente, por formação de quadrilha e por alterar a primeira rodada do Brasileirão 69. Um ano de choque para a debutante Robertão. A família então se dissolve, Sula Miranda e Miranda Papai Noel vão morar com o pai no Rio de Janeiro; Robertão fica com os avós no sítio da família no interior de São Paulo.

Depois de três anos de reclusão, Robertão afoga suas mágoas e a falta da mãe cantando em boates e casas noturnas, acompanhada de seu violão, sua solidão e de seu coturno 4.4 (pois ela havia se revoltado com a vida). Adota o nome de Roberta Miranda.

[editar] O coturno 4.4: um passo para o estrelato

Aos 16 anos, um empresário “de conversa bonita” ouve as canções de Roberta e quer porque quer lançar a pequena sapa nos palcos de todo o Brasil. Mas quando a sapata ela soube que os cachês de seus shows seriam pagos com pão com salsicha e guaraná Dolly, Roberta não aceitou: em primeiro lugar porque na época rejeitava a salsicha, e, em segundo lugar, porque preferia Coca-Cola.

Um pouco mais velha, não me pergunte com quantos anos, enquanto cagava ao ar livre em seu sítio, Roberta recebe um sinal, uma luz, uma glória: ao cagar na moita, em cima de um ninho de sabiá, a letra e a melodia de um grande sucesso vieram à tona. Estou falando desse grande hit, Majestade, no Sabiá. A "majestade" do título sugere o momento em que ela, Roberta, se aliviava no "trono" (a moita) e o "sabiá" significa o pobre pássaro lameado de merda mesmo. A letra vira hit no Carnaval daquele ano: Aiiiiii, tô indo agora prum lugar todinho meu, quero uma moita bem verde pra arriar, em minha cabeça me atormentam os pardais, cagando podre a majestade, no sabiá; a majestade, no sabiá, disse Roberta (analise a letra, busque fundo, e encontrará a verdade divina). Roberta passa a ser sucesso de crítica sanitária e vira cantora de responsa.

Depois, seguindo esse estrondoso sucesso, lança "Majestade depena o Sabiá", "Majestade cria solto o Sabiá", "Majestade, o Sabiá 2: o retorno" e "Majestade, o Sabiá 3: a colonização". A série, em singles, já ultrapassou os 15 milhões de cópias no mundo todo.

[editar] Enfim: o que vemos hoje

Depois de muitos outros hits, como Vá com Deus, o amor ainda está aqui, vá com Deus, não tente sorrir por mim, amor meu – música que fez para a amante Maria Bethânia –, Esperança – composta no momento de reconciliação com Bethânia –, e Faz amor comigo, faz amor comigo, me tira dessa solidão – composta para Ana Carolina (novo casinho de Roberta), A mulher em mim precisa de um homem que é você (feita num momento de recaída feminina de Roberta), então, depois de muitos hits, a cantora continua compondo mais hits. É incrível como 98% dos cantores sertanejos e pop-alternativos gravam esta mulher. Confira e veja quantas composições dela encabeçam as canções de novos (e velhos) cantores e duplas brasileiras. É assustador. Eu tenho medo.

[editar] Curióóóósidades

[editar] Galeria: Meus momentos


Grandes sapatas cantoras
v d e h
Botina.jpg
002.png

Mulheres másculas que mudaram a voz da música brasileira
Adriana CalcanhotoAna CarolinaÂngela Rô RôCássia EllerDaniela MercuryGal CostaIvete SangaloMarina LimaMaria BethâniaMaria GadúMarisa MonteMart'NáliaRoberta MirandaSimoneVanessa da MataZélia Duncan

Ferramentas pessoais
Ver e modificar namespaces

Variantes
Visualizações
Ações
Navegação
Colaboração
Votações
(F)Utilidades
Novidades
Redes sociais
Correlatos
Ferramentas