Rondônia

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Roubônia
Bandeira de Roubônia
Bandeira de Rondônia
Brasão de Roubônia
Brasão de Rondônia
Localização
Localização de Roubônia
Região Baixada Boliviana
Capital Porto Velho
Cidade mais importante Guajará-Mirim‎
Estados limítrofes Mato Grosso do Meio, Bolívia, Amazonas e impressionantemente Corredor de Caprivi, que dá acesso ao Acre
Características geográficas
População 100.000 hab. 1992
Densidade 3 seringueiros por m²
Clima infernal
Indicadores
Analfabetismo Escolas? Non ecziste! 26/09/2016
Mortalidade infantil {{{mortalidade}}} 26/09/2016
Expectativa de vida 50 ânus bem gastos. 26/09/2016
IDH {{{idh}}} 26/09/2016
PIB R$ {{{pib}}} 26/09/2016
PIB per capita R$ 10 réus per capita 26/09/2016
Outros
Gentílico Rondoniense


Cquote1.png Você quis dizer: Roubônia? Cquote2.png
Google sobre Rondônia
Cquote1.png Experimente também: quinto maior portal de entrada de substâncias ilicitas do país. Cquote2.png
Sugestão do Google para Rondônia
Cquote1.png ... Um abraço para Roraima! Cquote2.png
Galvão Bueno sobre mensagem de telespectador de Rondônia.
Cquote1.png Que porra é essa? Cquote2.png
Dercy sobre Rondônia
Cquote1.png Isso non ecziste! Cquote2.png
Padre Quevedo sobre Rondônia
Cquote1.png Onde passo minhas férias. Ninguém me acha lá. Cquote2.png
Chuck Norris sobre Rondônia
Cquote1.png Rondônia? Há 10 Mil Anos Atrás não existia Rondônia. Cquote2.png
Mãe do Raul Seixas sobre Rondônia
Cquote1.png Muhahahahaha. Cquote2.png
Mosquito Mutante da Malaria sobre Rondônia
Cquote1.png É no Bravil iffo? Cquote2.png
Lula sobre Rondônia
Cquote1.png Uma estrada de ferro aonde?!? Cquote2.png
Percival Farquhar sobre Estrada de ferro Madeira Mamoré em Rondônia
Cquote1.png SOCORRO PELO AMOR DE DEUS! Cquote2.png
Marechal Rondon sobre após conseguir instalar uma linha telefônica em Rondônia
Cquote1.png Uma turma de políticos corruptos vai aprontar altas confusões numa terra pra lá de arrepiante! Cquote2.png
Narrador da Sessão da Tarde sobre Rondônia
Cquote1.png Ah, Rondonópolis!!! Cquote2.png
Pessoas do centro-oeste que confundem uma cidade do Mato Grosso com o Estado de Rondônia

Rondônia, também denominada como Mato Grosso do Norte e constantemente chamada de Roraima, é um estado "brasileiro" com crise existencial por não ter uma cultura própria e sólida, afinal o interioRR (puxando o RRR) é composto basicamente por gaúchos que insistem em tomar a porra do chimarrão mesmo sob um sol de 40ºC e paranaenses (que sonham em voltar para o Paraná) enquanto a capital é infestada de uma mistura de cearenses com indíginas. Rondônia é uma das 20 e tantas unidades federativas do Brasil e possui como DD o número 69 ( ͡° ͜ʖ ͡°) .

História[editar]

A par de alguns evangélicos e alguns escravos baianos preguiçosos, que se arriscavam no século XVIII a ensinar a importância do pagamento do dízimo aos índios, a região do Vale do Guaporé começou a ser explorada por ordem dos Coroas Portugueses em razão da descoberta do ouro, do suco Gummy, do pó de pirilimpipim (na fronteira com a Bolívia), entre outras riquezas da vegetação local.

Com a assinatura do Tratado de Petrópolissshhhh (na linguagem culta dos fluminenses), em 1903, o desGoverno Brasileiro ordenou que fosse construída uma Estrada de Ferro, ligando o Brasil à Bolívia, para fins de tráfico de drogas, a famosa estrada de ferro Mamoré-Madeira. Para a construção dessa insólita ferrovia localizada no meio do nada, toda sorte de criminosos estupradores e estelionatários foram anistiados em troca de irem trabalhar como semi-escravos na construção dessa estrada, que até hoje é o único marco daquele estado.

Muitas dificuldades foram encontradas pelos desmatadores desbravadores da região, principalmente em razão dos ataques dos índios das tribos bunda-lê-lê, xiri-ké-paw e aki-dawanus, além dos próprios ursinhos Gummy que pulavam na cabeça de quem se aventurava pelas florestas e das constantes picadas dos mosquitos transmissores de doenças como febre-amarela, febre-te-fode, dengue, malária, sífilis, gonorreia e viadite (esta última, até hoje sem cura, ainda é considerada uma pandemia de proporções mundiais).

Extintos os ursinhos Gummy e os índios à base da bala, os unicórnios encantados migraram para o Acre e muitas mulheres da vida foram até Rondônia em busca de melhores condições, e a partir daí a região sofreu uma considerável explosão demográfica.

Já durante a Segunda Guerra Mundial, um Decreto-Lei criou o Território Federal do Guaporé, composto por uma partezinha aqui do Amazonas e outra partezinha ali do Mato Grosso, influenciando a maior produção de sucos Gummy, de pó de pirilimpimpim e de balas de borracha a serem utilizados pelas forças Aliadas. Além de isolar e proteger o Brasil do desconhecido que frequentava a região do então suposto Acre.

Na década de 50 houve a migração de milhares de nordestinos descendentes de Lampião, pertencentes à etnia dos "cabeças chatas". Com a criação de uma Lei Federal a região passou a se chamar Território Federal de Rondônia, em homenagem ao Marechal Cândido Rondon, um famoso explorador sem nada de melhor a fazer da vida que passou a vida inteira perdido na mata construindo torres de telégrafos em toda Rondônia, na intenção de instalar um telefone na região para ligar pra casa e passar a mensagem de: "Socorro me tirem daqui", Rondon teve um surto psicótico e matou em série os milhares de índios e ursinhos Gummy restantes, sendo então eleito o segundo maior serial-killer indígena e gummyígena, e assim um herói nacional.

Em 1981 o território foi elevado à categoria de estado brasileiro. Por volta do mesmo período, sulistas pobres e fazedores de churrasco migraram para a região, sobretudo paranaenses, gaúchos e mais um punhado de paranaeneses, com a pretensão de expropriar os indígenas, plantar café e criar bois (elemento "elementar" em sua cesta básica). Estes passaram também tomar posse de cargos nos três poderes, fazendo com que Rondônia adquirisse certa notoriedade, transformando-se em notícia nos quatro cantos do país pela honestidade.

Geografia[editar]

Entrada de Rondônia.

O estado de Rondônia está localizado a noroeste do estado de Mato Grosso, ao sul do Estado do Amazonas, e a leste do Acre, isso mesmo, inclusive com um fiapo de fronteira com este mítico estado. A região de Rondônia é assim mais popularmente conhecida como "o sovaco do Brasil" (e sem desodorante).

Possui extensa fronteira com a Bolívia, o que garante ao estado o posto de quinto maior portal de entrada de pó de pirilimpimpim e outras substâncias ilícitas do país (atrás do Amazonas, Paraná, Corumbá, Ponte da Amizade e Rpraima).

O grande problema ambiental para o estado foi a inserção de espécies alienígenas em seu meio ambiente. Além dos búfalos, o grande número de paranaenses e gaúchos trazidos do sul para povoar o interior do estado acabou gerando grandes danos ao ecossistema local. Devido a falta de predadores naturais (Chuck Norris) os paranaenses e gaúchos puderam procriar em larga escala e dizimar toda a mata nativa para recriar o seu pasto sem graça de sua terra-natal. Com o crescente aumento da população, eles acabaram por exterminar todos os indígenas no interior do estado para sacrifícios humanos em rituais pagãos de culto a Adolf Hitler, Jorge Bornhausen, Jaime Lerner e Roberto Requeijão Requião.

Clima[editar]

Rondônia está pouco abaixo da Linha do Equador, e o clima é o equatorial úmido QC (que calor), segundo a classificação climática de Köppen-Geiger.

Chove e faz calor de outubro a abril. Não chove e faz calor de maio a setembro. As temperaturas médias variam entre 216°C no verão chuvoso e 198°C no inverno seco. A precipitação anual varia de 180.000.000.000 a 240.000.000.000² mm e a umidade relativa do ar é de 150%, de modo que os rondonienses praticamente respiram água e são por isso considerados seres anfíbios.

Em junho, um fenômeno natural conhecido por "frieira" abala a região, época em que as temperaturas chegam a glaciais 95°C. Nesse inverno semanal, os rondonienses declaram calamidade pública nas cidades e se vestem como esquimós. Há relatos não confirmados de mortes por congelamento. Nos demais períodos do ano, os rios ocupam as ruas das cidades, todos passam a andar de canoas e tudo volta à normalidade.

Principais Cidades[editar]

Típica moradia de um habitante de Rondônia.

Economia[editar]

No Estado de Rondônia não há economia, a população vive a base da troca (escambo) de mercadorias naturais e favores. O pouco capital que circula no Estado decorre de doações do Governo Federal e mesadas de políticos e empresários que vieram de outros estados.

Apesar do considerável volume de importação de pó de pirilimpimim, marijuana e outras coisas que "foi Deus quem criou", o capital decorrente dessas transações não fica no estado, já que essas mercadorias são normalmente enviadas para outras unidades da federação.

Em Rondônia foram construídas diversas usinas hidrelétricas graças à grande quantidade de Peixe Elétrico nos rios da região. Mas isso não impede que todas cidades do estado sofram com falta de energia elétrica e apagões, tudo em nome dos antigos costumes indígenas.

Segurança[editar]

Não há. Na época da povoação dos indígenas, unicórnios e ursos gummy não havia violência, e cada comunidade vivia em plena paz consumindo as coisas que a natureza dava. No entanto, após o massacre promovido pelo desesperado Marechal Rondon, que pretendia estender um fio de telefone até o resto do Brasil para pedir que o tirassem dessa terra assombrada (e também ligar para o disque-amizade), e ainda com a chegada de sulistas e nordestinos, entre eles os grandes imperadores Confucius e Evil Kassolus (derrotado num torneio de quebra-cabeças de 4 peças por George W. Bush), Rondônia se tornou um expoente de todas as formas de violência: cultural, mental, sexual, bandidal e policial. O rondoniense, assim, se habituou à violência dos governantes, sendo considerado um povo submisso e humilde, até que apareça uma chance de poder roubar e violentar os conterrâneos.

Esporte[editar]

O esporte preferido dos rondonienses é a sinuca, com o levantamento de copo ficando em segundo lugar. Geralmente, as duas modalidades são praticadas ao mesmo tempo e no mínimo 5 vezes por semana, o que torna os habitantes de Rondônia grandes desportistas.

Em Rondônia não tem nada mais pra fazer mesmo. O futebol existe apenas a nível amador, e os times rondonienses jamais saem da última divisão do Brasileirão, isso quando não desistem de participar, já sabendo que irão perder mesmo.

Religião[editar]

O estado sofre seriamente pela grande população de evangélicos per capita, sendo atualmente a população de evangélicos no estado de 508%. Segundo o CDH, esse número excede em 2120% o limite tolerável de chatos per capita. O estado de calamidade pela qual passa o estado gerou uma onda de migrações de rondonienses para Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo e Tocantins. O número crescente de igrejas evangélicas torna a situação ainda mais preocupante, pois segundo estudos da Human Rights Watch, uma revolução dos chatos pode estourar até 2050, formando o Estado Independente da Coligação Triangular do Quadrado Redondo do Sul do Oeste de Rondônia, que serviria de abrigo para traficantes de drogas, Diogo Mainardi e (no pior cenário imaginado) mais evangélicos.

v d e h
RONDÔNIA
Bandeira de Rondônia.png